Stoa :: Tiago Almeida :: Blog :: Quando a PM faz do mundo um picadeiro

abril 08, 2010

default user icon
Postado por Tiago Almeida

É praticamente inquestionável a necessidade da Polícia Militar para nossa sociedade, principalmente quando se trata de sua função "legítima" de garantir a segurança e a ordem social. Inclusive corre-se o risco de ser punido quando se duvida da integridade moral de um policial ou até mesmo da própria Corporação. No entanto, pouco se questiona seu monopólio da violência e seu abuso arbitrário da força em situações diversas.

Se, de acordo com o artigo 1° da Constituição Federal, todo poder emana do povo, por que as manifestações políticas são reprimidas violentamente? Manifestações não são garantias do povo reivindicar do governo a postura que achar necessária? Ou a "festa da democracia" se resume àquela piada que acontece a cada dois anos chamada de eleições? Se existem orientações para se reprimir/dispersar uma manifestação e agredir qualquer pessoa envolvida em passeatas, por que a polícia mente e esconde esse objetivo?

Refiro-me ao ocorrido nas proximidades do Palácio dos Bandeirantes: a polícia infiltrou um PM à paisana (P2) na manifestação dos professores estaduais, na sexta-feira dia 26 de março, e tentou de todas as formas mentir sobre esse policial infiltrado.

A foto do P2 foi publicada nos jornais, que acreditavam que o cidadão barbado (como raramente se encontra um PM) e carregando no colo uma policial ferida seria um professor.


A Secretaria de Segurança Pública desmentiu a imprensa, afirmando que o suposto professor era na realidade um policial à paisana em operação na região. Essa foi a primeira versão do governo frente ao fato.

A segunda versão da PM dizia que o P2 não estava em serviço, mas sim passando pela manifestação por acaso.

Na terceira versão, contrariando as duas anteriores, a assessoria disse que o P2 "estava no local, não disse o que estava fazendo".

Mas a Apeoesp jogou areia e apagou a mentira contada pela assessoria da PM, confirmando que o P2 estava em serviço, tanto que subiu em um ônibus de professores em Osasco que se dirigia à assembleia.

Por que todo esse esforço da Corporação para mentir sobre esse P2 em serviço? Se a PM  está seguindo a lei e obedecendo ordens, por que esconde a motivação de infiltrar um P2 na manifestação?

Esse é apenas dos episódios em que tentam fazer o povo de palhaço ao esconder vergonhosamente um fato de interesse público - como os familiares que tentam esconder às pressas aquela tia que só os envergonha, na ilusão de que as visitas nunca tivessem notado sua presença; como se fôssemos ingênuos a ponto de não percebermos a tentativa de criminalizar o movimento dos professores - ou haveria outro motivo para esconder a verdade sobre o P2? O papel da Polícia Militar deixa de ser meramente repressivo, passando a ser também cômico e revoltante ao mesmo tempo. Tentar esconder a verdade sobre o P2 de forma atrapalhada como foi feito não é apenas hilário mas também um insulto ao cidadão paulista.

A PM, que se esconde atrás da falaciosa defesa da ordem em favor de um progresso - enquanto existe para fazer valer a vontade de uma elite estabelecida - nos deliciou com essa cômica peça circense. Como se não bastasse, mostrou que não são apenas alguns de seus peões isolados os únicos sujeitos a desonestidade: não há garantia de que essa instituição tenha qualquer comprometimento com a verdade.

Se precisam de uma instituição para reprimir manifestações democráticas, abram o jogo e mostrem para que a PM foi criada e por que ainda existe. Mas não nos coloquem na plateia de uma ópera-bufa como essa. É um insulto à nossa inteligência.

==

Infiltração e repressão: Serra repete práticas de Yeda, da Agência Carta Maior

Palavras-chave: infiltrado, PM, polícia, repressão

Este post é Domínio Público.

Postado por Tiago Almeida

Comentários

  1. Antonio Candido escreveu:

    O que foi feito desta denúncia? Suspeito que nada. Ela sequer foi noticiada na grande mídia... Falta no Brasil uma organização como a "American Civil Liberties Union" (ACLU) que tem como lema "because freedom can't protect itself" para botar a boca no trombone, levar esses casos aos tribunais, etc.

    Antonio C. C. GuimarãesAntonio Candido ‒ quinta, 08 abril 2010, 14:18 -03 # Link |

  2. gabriel escreveu:

    o governo Serra tem se revelado um dos mais antidemocráticos e elitistas de toda a história do sempre elitista Estado de São Paulo

    os tucanos afundaram a economia do Estado e agora estão afundando a democracia

    gabriel fernandesgabriel ‒ quinta, 08 abril 2010, 19:54 -03 # Link |

  3. Luiz Armesto escreveu:

    Quanto a foto, é muita ingenuidade de quem divulgou achar inicialmente que era um professor carregando a PM. No meio do conflito um manifestante nunca conseguiria se aproximar de um PM ferido, quanto mais pegá-lo no colo. Se fosse um manifestante ele estaria com a cabeça rachada e algemado em vez de carregando a PM. 

     

    Quanto ao texto, há uma clara contradição entre o início do primeiro parágrafo e o último, o que leva a crer que o primeiro foi colocado para se resguardar de acusações de ser contra a necessidade da existência da polícia: 

    "É praticamente inquestionável a necessidade da Polícia Militar para nossa sociedade, principalmente quando se trata de sua função "legítima" de garantir a segurança e a ordem social.[...]
    [...]
    Se precisam de uma instituição para reprimir manifestações democráticas, abram o jogo e mostrem para que a PM foi criada e por que ainda existe."

     

    Luiz ArmestoLuiz Armesto ‒ quinta, 08 abril 2010, 21:59 -03 # Link |

  4. Tiago Almeida escreveu:

    Antonio,

    até onde sei, não deu em nada mesmo.

    Gabriel,

    concordo com vc em gênero, número e grau.

    Luiz,

    desculpe-me, mas não vejo qualquer contradição. Fui irônico no primeiro parágrafo - ao menos foi minha intenção ao colocar entre aspas a palavra "legítima" - já anunciando minha posição, confirmada no final. Espero ter entendido sua crítica, pois não pretendo ser evasivo de forma alguma. E obrigado pelo comentário, toda crítica, mesmo quanto a questões sintáticas, é bem-vinda.

    Um abraço,

    Tiago AlmeidaTiago Almeida ‒ sexta, 09 abril 2010, 12:48 -03 # Link |

  5. Luiz Armesto escreveu:

    Nesse caso, acho que seria mais clara a sua intenção colocando aspas também na palavra "necessidade". Do modo que está, colocando-as apenas em "legítima", juntamente com a frase final do primeiro parágrafo, me dá a impressão que o questionamento inicial é apenas sobre a legitimidade do uso da força pela políca e sobre suas ações, e não sobre sua real necessidade de existência. Não há, até o último parágrafo, nada contestando sua existência, o que não me desperta nenhum traço de ironia nesse sentido.

    Talvéz invertendo a ordem, colocando-se primeiro toda a crítica e argumentação, inclusive sobre a necessidade da existência policial, e por fim afirmando sua necessidade e legitimidade, inclusive sem aspas, a ironia ficasse evidente. 

     

    Seu entendimento está correto. Meu comentário anterior foi apenas sobre o texto em si e não sobre a argumentação, mas foi sobre semântica e não sintaxe ;) . Quanto ao conteúdo, eu concordo em parte. Corroboro as críticas quanto aos excessos no uso da força e a ações que a polícia toma. Existe uma clara disparidade de forças entre manifestantes e policiais, sendo que a polícia não deve de modo algum responder a provocações, muito menos partindo para o conflito físico. Porém discordo, basicamente, do questionamento quanto a necessidade da existência da polícia.

    Luiz ArmestoLuiz Armesto ‒ sexta, 09 abril 2010, 18:30 -03 # Link |

  6. Tiago Almeida escreveu:

    Luiz,

    obrigado mais uma vez pelo comentário.

    Sim, de fato o correto é semântica e não sintaxe.

    Quanto à contradição, ainda prefiro manter o texto como está. Ainda não vejo um problema na forma como escrevi. Mas obrigardo pela crítica.

    Já quanto a necessidade da existência da polícia, isso dá uma looonga discussão... Sim, acho que ela é necessáriapor ser um um mecanismo que interessa estrategicamente a um grupo de pessoas bem determinado. Nada além disso.

    Um abraço,

    Tiago AlmeidaTiago Almeida ‒ segunda, 12 abril 2010, 21:14 -03 # Link |

  7. Cláudio escreveu:

    Bem, me desculpem...sou Físico.

    A Sociedade, ao meu ver tem duas classes:

    1. Quem esta no poder.

    2. Quem não esta.

    A policia militar é para garantir que esta ordem não seja alterada.

    (por isso as ações enérgicas nos protestos, e...entre um protesto e outro há os ladrões (pobres) para serem presos).

    A constituição citada no post... é uma piada, tem a mesma função da PM.

    Art 5° "Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza"....Quem acredita nisso também acredita em Duende, papai noel, etc.

    Desculpem ser objetivo...sou Físico.

     

     

     

     

     

    Claudio Henrique Lins SantosCláudio ‒ domingo, 06 junho 2010, 22:11 -03 # Link |

  8. Tiago Almeida escreveu:

    Olá, Cláudio.

    Concordo com você. A constituição não é cumprida - como mostra o episódio retratado - nem mesmo sendo uma piada.

    É importante que essa situação e outras do mesmo tipo sejam trazidas à tona.

    Um abraço.

    Tiago AlmeidaTiago Almeida ‒ segunda, 07 junho 2010, 22:27 -03 # Link |

Você deve entrar no sistema para escrever um comentário.

Termo de Responsabilidade

Todo o conteúdo desta página é de inteira responsabilidade do usuário. O Stoa, assim como a Universidade de São Paulo, não necessariamente corroboram as opiniões aqui contidas.