Stoa :: Universidade de São Paulo - USP :: Blog :: Conflitos de interesse em concursos na USP

abril 27, 2010

user icon

Em recente concurso docente no IB vários membros da banca possuiam conflito de interesse com o processo, pois eram ex-orientadores ou colaboradores de candidatos no concurso. Esta denúncia foi feita por um dos candidatos e motivou a realização de um "plebiscito"(*) entre os alunos do IB.

Não é certamente o primeiro caso e outro incidente do tipo (na USP Leste) foi denunciado, virou processo e notícia.

De fato é frequente o pouco cuidado de universidades públicas com a correção dos concursos públicos que promove. Esta falta de zelo ainda vai acabar levando a perda de autonomia das instituições. Quem não age com responsabilidade perde liberdade...


(*) Sobre o "plebiscito":

"Haverá plebiscito aberto aos alunos com a seguinte pergunta: "Vc concorda que um professor com vínculo acadêmico a um candidato de concurso de professor participe da banca avaliadora?"
Esse plebiscito será no CD (Centro Didático da Biologia), quinta-feira e sexta-feira até às 13hs. A apuração dos resultados começa às 14hs."

Palavras-chave: concurso, concurso docente, conflito de interesse, ética, IB, interesse público, lisura

Postado por Antonio C. C. Guimarães em Universidade de São Paulo - USP

Comentários

  1. Antonio Candido escreveu:

    Um trecho inspirador de "PRINCÍPIO DA ISONOMIA E CONCURSOS PÚBLICOS" do Prof. Adilson Abreu Dallari, Professor Titular de Direito Administrativo da PUC São Paulo:

    Concurso público não se confunde com simulacro de concurso público. Não atende aos requisitos constitucionais o chamamento ou a inscrição de apenas alguns apaniguados, que simularão uma disputa, apenas para  aparentar a realização de um concurso público.  Não é concurso público o certame que se desenvolve sem observância do princípio da isonomia. É essencial que todo e qualquer interessado seja tratado com igualdade, para que vençam os melhores.

    É lamentável que dentro da academia às vezes se tenha que recorrer a instâncias externas para se resolver conflitos internos. Entretanto, quando a própria universidade não é capaz de resolver os problemas que surgem dentro dela, por corporativismo, negligência, omissão, incompetência, ou qualquer outra explicação, é evidente que se deve recorrer às instituições do Estado para buscar a garantia dos direitos constitucionais e para a satisfação do interesse público.

    Antonio C. C. GuimarãesAntonio Candido ‒ sexta, 30 abril 2010, 15:04 -03 # Link |

Você deve entrar no sistema para escrever um comentário.

Termo de Responsabilidade

Todo o conteúdo desta página é de inteira responsabilidade do usuário. O Stoa, assim como a Universidade de São Paulo, não necessariamente corroboram as opiniões aqui contidas.