Stoa :: Samantha Martins :: Blog :: Perigos da baixa umidade relativa do ar

julho 11, 2011

default user icon
Postado por Samantha Martins

Antes de iniciar esse post, gostaria de pedir a colegas da área de saúde ou biologia que complementem minhas informações, se julgarem necessário.

Decidi escrever um post sobre umidade relativa pois sei que esse assunto estará em alta esta semana. As previsões indicam baixa umidade relativa na maior parte do Sudeste e do Centro-Oeste. Sendo assim, creio que posso contribuir com algumas informações.

Os meses de julho, agosto e setembro são os meses mais secos na cidade de São Paulo, de acordo com os dados da Estação Meteorológica do IAG-USP. Isso significa que chove muito pouco e temos dias de céu totalmente sem nuvens, com um pouco de frio pela manhã e calor no início da tarde. Umidade é o termo usado para descrever a presença de vapor d’água no ar, que pode ser expressa quantativamente de várias maneiras. Dentre essas maneiras, temos a Umidade Relativa.

A Umidade Relativa (sempre expressa em %) é uma razão entre a quantidade de vapor d'água que o ar contém e a quantidade máxima de vapor d'água que o ar pode suportar à temperatura em que está naquele momento.

Mais informações sobre umidade e umidade relativa podem ser encontradas aqui, no excelente material da Prof. Dr. Alice Grimm. Aqui nesse post vou falar apenas algumas informações, de maneira sintetizada.

1) Normalmente, o ciclo diário de umidade relativa segue o gráfico abaixo. No horário de temperatura mais alta (entre 12h e 14h), temos umidade relativa mais baixa:

Nesse dia em questão (25/08/2010), tivemos umidade relativa mínima de 20%!

2) O menor valor de umidade relativa obtido na Estação Meteorológica do IAG-USP foi de 12% no dia 23/11/1968 (para ver recordes de outras variáveis meteorológicas, veja este link). Como vocês podem ver, esse recorde caiu em um mês atípico, já que em novembro a estação chuvosa já começou. Com isso, quero dizer que podemos ter dias de umidade relativa fora do período mais seco do ano.

3) Para fins de saúde pública e bem estar, importa saber a quantidade de dias com baixa umidade relativa. Abaixo, um gráfico com as médias mínimas mensais de umidade relativa e os mínimos absolutos de cada mês (bolinha amarela, incluindo o já citado dia 23/11/1968).

E no gráfico abaixo, a quantidade de dias com UR<30%, nos anos de 2009, 2010 e a média climatológica da quantidade de dias. Podemos notar que o mês que mais apresenta essa característica é agosto, de acordo com a média:

4) E finalmente... por que usei o limiar 30% no gráfico anterior? A umidade relativa precisa estar aproximadamente em 60% para garantir um bom funcionamento de nosso organismo, evitando desconforto e problemas respiratórios.

Em decorrência da baixa umidade relativa, o organismo humano pode enfrentar alguns problemas, tais como:

  • Complicações alérgicas e respiratórias devido ao ressecamento de mucosas;
  • Sangramento pelo nariz;
  • Ressecamento da pele;
  • Irritação dos olhos;
  • Eletricidade estática nas pessoas e em equipamentos eletrônicos;
  • Aumento do potencial de incêndios em pastagens e florestas

O chamado Estado de Atenção ocorre quando a umidade relativa fica entre 20% e 30%. Os órgãos ligados a saúde e a defesa civil apresentam algumas recomendações para o Estado de Atenção:

  • Evitar exercícios físicos ao ar livre entre 11 e 15 horas
  • Umidificar o ambiente através de vaporizadores, toalhas molhadas, recipientes com água, molhamento de jardins etc.
  • Sempre que possível permanecer em locais protegidos do sol, em áreas vegetadas etc.
  • Consumir água à vontade.

Quando a umidade relativa está entre 12% e 20%, entramos no chamado Estado de Alerta. Nessas situações:

  • Observar as recomendações do estado de atenção
  • Suprimir exercícios físicos e trabalhos ao ar livre entre 10 e 16 horas
  • Evitar aglomerações em ambientes fechados
  • Usar soro fisiológico para olhos e narinas

E finalmente, quando a umidade relativa está abaixo de 12%, entramos na situação mais crítica, o Estado de Emergência.Em situações assim:

  • Observar as recomendações para os estados de atenção e de alerta

  • Determinar a interrupção de qualquer atividade ao ar livre entre 10 e 16 horas como aulas de educação física, coleta de lixo, entrega de correspondência etc.

  • Determinar a suspensão de atividades que exijam aglomerações de pessoas em recintos fechados como aulas, cinemas etc entre 10 e 16 horas

  • Durante as tardes, manter com umidade os ambientes internos, principalmente quarto de crianças, hospitais etc.

Essas informações foram tiradas do site do Cepagri e devem sempre ser seguidas, para minimizar os efeitos negativos da baixa umidade relativa em nosso organismo.

Contrapondo à baixa umidade relativa,  se a umidade do ar estiver muito elevada, aumentam os ricos de infecções por virus, fungos e bactérias, já que a taxa de reprodução de muitos microorganismos é facilitada pela umidade relativa elevada. Alguns tipos de alergias, portanto, podem ser desencadeadas se a umidade relativa estiver alta. Sendo assim, o ser humano pode viver de maneira mais confortável se a umidade relativa estiver em torno dos 60%.

Para aprender um pouco mais sobre como a variação de umidade relativa afeta nosso organismo, clique aqui.

 

© 2019 Todos os direitos reservados

Postado por Samantha Martins

Comentários

  1. luluzinha_2010_ escreveu:

    eu gostei muito do que vc escreveu

    default user iconluluzinha_2010_ ‒ domingo, 25 setembro 2011, 11:34 -03 # Link |

Você deve entrar no sistema para escrever um comentário.

Termo de Responsabilidade

Todo o conteúdo desta página é de inteira responsabilidade do usuário. O Stoa, assim como a Universidade de São Paulo, não necessariamente corroboram as opiniões aqui contidas.