Stoa :: Reformas :: Blog

agosto 10, 2012

user icon
Postado por Maurício Kanno

Oi! Estou concorrendo a participar de uma mesa de debates do Sesc na Bienal do Livro para falar sobre meu primeiro romance, que gostaria de publicar! Chama-se "A Menina que Ouvia Demais". 

Você pode me ajudar, votando em meu vídeo de 2 minutos sobre o livro, neste link!

Basta fazer um rápido cadastro com nome, e-mail, CPF e uma senha qualquer. 

Se quiser me avaliar primeiro, lendo um pouco de minha literatura, tem aqui. Para saber mais sobre este concurso promovido pelo Sesc, denominado "Escritores in Progress", consulte esta página.

Agradeço toda ajuda redivulgando este pedido! É muito importante pra mim! :D

Esta mensagem está sob a licença CreativeCommons Atribuição.

Postado por Maurício Kanno | 1 usuário votou. 1 voto | 0 comentário

julho 29, 2012

user icon

Postado por Luciana Santos

“Como a linguagem não é neutra, serve a quem faz uso dela, as perguntas também podem ser manipuladas. É da jornalista americana Cynthia Crossen o exemplo que segue: “um jovem monge foi advertido severamente por seu superior quando perguntou se poderia fumar enquanto rezava. Faça a pergunta diferente, sugeriu um amigo. Pergunte se você pode rezar enquanto fuma.”

Alberto Carlos Almeida, Como são feitas as pesquisas eleitorais e de opinião.

Postado por Luciana Santos | 0 comentário

abril 23, 2012

user icon
Postado por Maurício Kanno

Opa, texto em inglês? Pois é, escrevi originalmente para meu journal, ou blog, de meu perfil na rede social artística deviantArt, e, depois de quase 2 anos sem publicar nada aqui no Stoa, achei que seria legal publicar aqui também no meu blog tradicional. Espero que seja útil para alguém por aí. :)

Trata-se de um balanço bem abrangente de tudo o que tenho feito no mundo do desenho, pintura e literatura. Basicamente, cito os dois cursos que faço atualmente, de ilustração e perspectiva; conto sobre meu aproveitamento de sete maravilhosos livros que ensinam a desenhar; e cito dois romances que li e estou lendo.

Também tem uma parte megalomaníaca: Cito meus 27 projetos de ilustração e/ou pintura, cinco deles com rascunhos já publicados; conto sobre meu primeiro romance concluído e 14 outros projetos de livros (claro, devo me focar em um ou outro desses e outros devem ser abortados ou virar contos, como um até já virou).

Também cito 15 continhos e 30 poemas produzidos; e anuncio as próximas pequenas tarefas literárias planejadas.

====================================

Hello! I thought it could be a good idea to publish here my "art status", related to what I have been doing and learning related to arts, and how.

1) COURSES

I´m taking two courses at Quanta Academia de Artes, here in Sao Paulo, Brazil:

1.1- Illustration, by Rodrigo Yokota "Whip" (1 year, begun last November).

1.2- Perspective, by Octavio Cariello [aka Cucomaluco] (4 months, begun last March).

1.3- I also finished last March the Quanta 1-year basic course on Drawing, in my case taught by the animator Carlos Luzzi.

(- I´m also on the 4th semester of a Japanese course, but nothing to do to arts, hehe.)

2) ART BOOKS STUDYING

2.1- "Anatomy for the Artist", by Sarah Simblet, photos by John Davis.

I´ve finished almost all the reading itself (just a couple of pages left), with many drawing studies based on the book and reflections based on my own body; still many drawings to draw later, based on the photos and anatomy drawings here). I bought this book when I saw it been used by a classmate at Quanta, and I heard the teacher praising it.

2.2- "Perspective Drawing Handbook", by Joseph d´Amelio.

It´s an amazing book about perspective LuaPrata91 (Ariane Soares) proposed me. Really feel that I´m beginning to understand this matter now, with all the reasons of everything!!! Read about one third of its almost 100 pages. But I need to practice much more perspective drawing too, either by observation and/or from imagination.

2.3- "The Figure: The Classic Approach to Drawing & Construction", by Walt Reed.

This one was proposed by Ladyashmire (Viverra), when she critiqued my sketch of a halfling. So, at first I had read a few pages available as preview on Amazon, and I got impressed on how the author can make easy, understandable and possible the figure drawing in all different poses and viewpoints you´d like to! I´ve read 30 of its about 140 pages, since last week, when finally it got delivered from Amazon (after more than 1.5 month of wait!), with the perspective book and also with "Animal Minds".

2.4- "Fun with a Pencil: How everybody can easily learn to draw", by Andrew Loomis.

Wow!! One can really understand and find out how to draw any figure, any viewpoint, using this precious masterpiece! Carefully studied 26 of its 120 pages until now, drawing each one of the recommended exercises. Books by this legendary author were suggested to me by LuaPrata91 too.

His 6 books really seem excellent to learn!!! You can find them usually in pdf; if you can, buy them, either used or in the new reprinted versions. His other books, on which I gave just an eager sneak peek, are on my reading row: "Figure Drawing for All it´s Worth"; "Drawing the Head and Hands"; "Sucessful Drawing"; "Creative Illustration"; and "The Eye of the Painter".

2.5- "Dynamic Wrinkles and Drapery", by Burne Hogarth.

Amazing and unique to learn how to draw clothes on the figures!! So helpful! The fact is that many drawing methods teach you how to draw the human figure, but only naked ones! Well... Actually in the most of the final drawings and paintings we see, people do wear clothes, don´t they? So don´t understimate this knowledge and get right now this preciousness! Until now, I ´ve read (fast) about 50 of its 140 pages.

Again, books by this legendary author were suggested by Ariane Soares. I have on hand also his "Dynamic Figure Drawing" (but just one third) and "Drawing Dynamic Hands", although my teacher Cariello don´t like his method to teach anatomy. You can find them in pdf around too.

2.6- "The New Drawing on the Right Side of the Brain", by Betty Edwards. This book was suggested to me by my friend Paulo Fradinho. I´ve read/studied about half of it since last year, but Ariane Soares told me she thinks it´s not that good to draw new things, but rather to make good copies...

2.7- "The Nude Figure: A Visual Reference for the Artist", by Mark Edward Smith.

I´ve drawn about 40 of the 200 pages of this B&W photo book, which comprise 318 poses, most of them of women. The interesting fact here is the poses are divided by categories: standing, seated, reclining, kneeling, bending, crouching, in movement and some others. I bought this book after seeing it at the art school, to be used as reference by the students.

But now, when I want to practice something like that, usually I go to one of these two websites: Quickposes or Pixelovely, which force me to draw really fast, from 30 seconds to 2 minutes, because I think I need improve a lot my speed. I was taking about 1 or 2 hours to make a single drawing in that book earlier... Other than that, I think it would be good to go back to the life drawing classes I took last year.

3) NOVELS READING

- "Xogum: A Novel of Japan", by James Clavell - half of its 1,000 pages read this month.

- "Kyoto", by the Nobel prize winner Yasunari Kawabata - read last month; review published in Portuguese on my blog for the Literary Challenge organized by Viviane Lima.

===============

CREATIONS

4) DRAWINGS AND PAINTINGS

For sure, to learn how to make art, we need at least to try making arts. Along many previous years, I just tried to do that using pencil, without any instruction. Since last November, I started to try that using watercolours, after some tips by my new teacher of illustration Whip.

But nowadays I´m not that confident to finish more arts without more studying, mainly through the books quoted above (and my ongoing courses). Although I know that to learn I need to put all that into real practice and my girlfriend asks me to finish more arts to make a portfolio...

In fact, I think I need to alternate studies and finished arts. Let´s try to ballance all that. You can see what I´ve already could done in my gallery; 5 works in progress, you can check here. But I got so many other projects I´m dying to finish (or begin) since months ago. Well, if I finish 3 or 4 each month, I can do all of them until the end of 2012!

4.1- SINCE APRIL

1- Emilia!

2- Leave us dragons alone!

3- Good Friday

4 - Chinese Dragon and his Friends

5- Audrey Hepburn

6- Madonna

7- Marilyn Monroe

(these 3 pretty girls were suggested by my girlfriend Renata Milan)

8- The Beatles (suggested by my friend Bruno Andreotti)

9- Indiana Jones (suggested by my friend Rafael Roldan)

10- Elvis Presley

11- Dodge-Chrysler car contest

12- Hahnemuhle cuisine watercolour contest

4.2- SINCE FEBRUARY

13- Halfling rogue in action

14- "Save the Last Dance for Me"

15- Against Archer Papers

16- Natural Evil Brushes

17- The Fairy and the Humming Bird

18- Hands Battle!

19- Tiger (suggested by curly0193)

20- Werewolf (suggested by be-a-sin, after my own suggestion to her)

4.3- SINCE DECEMBER

21- Alphonse and Edward play basketball

22- My girlfriend with shorter hair

23- Ares, her little dog

24- Jacob Black

25- Frog playing guitar

26- Flowers

27- Fruits

(the last six were others of my girl´s suggestions)

5) BOOKS AND LITERATURE WRITING

Since my childhood, I got the wish to become a writer someday. So...

5.1- Last January, I finally could finish my first novel: "The Girl who Heard Too Much"!!! I began its first lines on handwrite, during my stay in the hospital, in May 2010. It´s comprised of about 85 pages, if printed in Times 12, 1.5 line spacing. It´s already reviewed by some friends (including an professional reviewer of literary books and an illustrator of books for children) and revised afterwards. I´ve proposed it to almost 20 publishers last month.

5.2- I have other 10 long stories in project to write. One of them with 25 pages written, story itself or for plans; other 5 have a couple of pages and/or planning written too. And 3 of them I had begun in my teenage years. (Of course, I´ll need do choose a couple of them and others may become short stories or be aborted.)

5.3- There are also 4 non-ficcion projects of books of mine in the row. One of them is based on my essay written to got my bachelor´s degree on Journalism; other in my project when I tried a master´s degree; and another in my writings and experiences during my two trips to Japan.

5.4- For the time being, I´ve written 15 very short stories and 30 poems (one of them with 13 chapters and 11 pages, named "Repressed Romanticism"), since my teenage years. Among other really short ideas published for example in the blog Impulses Expelled, which I created with my friend Fernando J. Vieira.

5.5- As next task, I´m going to correct the English grammar in my translated poem "Playing Marbles" (with the precious help given by CJWilde). It´s my first literary attempt in English.

5.6- Afterwards, I plan to translate to English also the poem "Slaves of Nowadays".

5.6- Finally, I want to write my first poem originally in English, named "Ffff...". I have at least a draft for the time being.

==

(Wow! I took more than 5 hours today to write this journal! I hope this can be really useful later, for me and for you.)

I published another journal in January about other artistic experiences of mine: "The Challenge of Creation".

Esta mensagem está sob a licença CreativeCommons Atribuição.

Postado por Maurício Kanno | 0 comentário

setembro 04, 2011

user icon
Postado por Luciana Santos

"Por que a escola, ao invés de alterar, pode até confirmar a reprodução das desigualdades? As crianças chegam às escolas 'capitalizadas' ou não: herdam capital cultural (tipo de literatura, manipulação de instrumentos digitais, artísticos, etc., uso da linguagem 'correta' inculcados por suas famílias), incorporam-no e constituem-no para si, cristaliza-se um habitus orientador das formas de se aprender.

Diante disso, as crianças de classes menos favorecidas ficam em dupla desvantagem: primeiramente porque, na ordem de importância dos saberes, no olhar do supervisor, na arquitetura, na disciplina corporal exigida, na escolha do currículo escolar, nas manifestações do corpo do professor, os critérios de avaliação escolar ocultam as significações ligadas ao capital cultural das classes dominantes (violência simbólica), universalizados; em segundo lugar, chegam sem a herança desse capital cultural.

Essas crianças encaminham-se para o fracasso escolar legitimado por discursos que incorporam os modos de percepção, de pensamento e de corpo das classes que detêm o capital econômico (bens, serviços, etc.) e cultural (valores, habilidades, etc.). Como lentes oculares que aderem profundamente aos olhos a ponto de não serem percebidas, a violência simbólica é a introjeção de valores da classe social ou segmento dominante, de forma que o dominado vê-se com os olhos dos dominantes. Julgando-se por esses 'óculos', as classes sociais inferiores assumem rótulos e aprofundam perversos mecanismos de exclusão escolar, social, econômica, sexual e religiosa. Os mecanismos de exclusão nunca estão isolados, mas em conjunto. Para desarticular esses mecanismos, por conseguinte, é necessário um vasto repertório de medidas sociais, culturais e econômicas, bem como a mobilização da sociedade e dos políticos."

Emerson Sena da Silveira - Bourdieu Delivery: traços quase sagrados, in revista Sociologia, nº33

 

Palavras-chave: Bourdieu, Educação, habitus, herança cultural

Postado por Luciana Santos | 7 comentários

agosto 15, 2011

user icon

If you wanna read this on another language, just select the language you want on the Google Translate Tool at the top of the sidebar of this page.

*******************

Mufffin de Microoondas (12 unidades)

Ingredientes:

  • 1 xicara (chá) de açúcar
  • 1 1/2 xicara (chá) de farinha de trigo
  • 1 colher (chá) de fermento em pó
  • 2 ovos
  • 1/2 xicara (chá) de leite
  • 2 coleheres (sopa) de margarina
  • 100g de gotas de chocolate

Preparo:

Em uma tigela, peneire o açúcar, a farinha e o fermento e reserve. Quebre os ovos em ouitra tigela e bata com um garfo. Adicione o leite, a margarina e misture com uma colher. Despeje sobre os ingredientes secos, mexendo com a colher até a msitura ficar homogênea. Despeje em forminhas para muffin para microondasa forradas com forminhas de papel. Coloque as gotas de chocolate em acad bolinho e leve ao microoondas em potência média por 5 minutos. Dexie descansar por 10 minutos e sirva.

*******************

Esta mensagem está sob a licença CreativeCommons Atribuição, Não-Comercial.

Postado por Priscila Frohmut Fonseca | 0 comentário

julho 18, 2011

user icon
Postado por Luciana Santos

"Na visão 'bancária' da educação, o ‘saber’ é uma doação dos que se julgam sábios aos que julgam nada saber. Doação que se funda numa das manifestações instrumentais da ideologia da opressão, a absolutização da ignorância, que constitui o que chamamos de alienação da ignorância, segundo a qual esta se encontra sempre no outro.

O educador que aliena a ignorância, se mantém em posições fixas, invariáveis. Será sempre o que sabe, enquanto os educandos serão sempre os que nada sabem. (...) Reconhece, na absolutização da ignorância daqueles a razão de sua existência. Os educandos, alienados, por sua vez, à maneira do escravo na dialética hegeliana, reconhecem em sua ignorância a razão da existência do educador, mas não chegam, nem sequer ao modo do escravo naquela dialética, a descobrir-se  educadores do educador.(...)

Na medida em que esta visão “bancária” anula o poder criador dos educandos ou o minimiza, estimulando sua ingenuidade e não sua criticidade, este tipo de educação satisfaz aos interesses dos opressores: para estes, o fundamental não é o desnudamento do mundo, a sua transformação. O seu humanitarismo, e não humanismo, está em preservar a situação de que são beneficiáriose que lhes possibilita a manutenção de sua falsa generosidade a que nos referimos no capítulo anterior. Por isto mesmo é que reagem, até instintivamente, contra qualquer tentativa de uma educação estimulante do pensar autêntico, que não se deixa emaranhar pelas visões parciais da realidade, buscando sempre os nexos que prendem um ponto a outro, ou um problema a outro. Na verdade, o que pretendem os opressores é transformar a mentalidade dos oprimidos e não a situação que os oprime, e isto para que, melhor adaptando-os a esta situação, melhor os domine.”

Paulo Freire, Pedagogia do Oprimido

Postado por Luciana Santos | 2 comentários

junho 28, 2011

user icon

If you wanna read this on another language, just select the language you want on the Google Translate Tool at the top of the sidebar of this page.

*******************

Pra quem é preguiçoso, ou mora sozinho, ou ambos... eu peguei com um amigo meu uma receita de Cupcake de Microondas. Essa receita é fácil para fazer... e no lugar de várias fornadas é apenas porção individual pra comer logo depois de feito.

Versão Doce:

  • 1 ovo
  • 4 colheres de sopa de farinha c/ fermento (farinha p/ bolo)
  • 1 colher de sobremesa de açúcar
  • 2 colheres de sopa de achocolatado
  • 1 colher de sobremesa de óleo
  • 4 colheres de sopa de leite

Se não quiser sabor chocolate, acrescente mais uma colher de açúcar. Você pode também adicionar uva passa, castanha, amêndoa, coco ralado...

Versão Salgada:

  • 1 ovo
  • 4 colheres de sopa de farinha c/ fermento
  • 1 colher de sopa de requeijão ou queijo ralado
  • 1 colher de sobremesa de azeite ou óleo
  • 4 colheres de sopa de leite
  • sal a gosto

Se você quiser pode tirar o queijo da receita. Você pode colocar azeitonas, alcaparras, champignon picado, espinafre ou escarola (refogados)...

Preparo:

Misture todo os ingredientes com uma colher dentro de uma xícara grande ou caneca e coloque no microondas por 3 minutos. Espere esfriar e está pronto pra comer.

*******************

Esta mensagem está sob a licença CreativeCommons Atribuição, Não-Comercial.

Postado por Priscila Frohmut Fonseca | 1 comentário

junho 23, 2011

user icon
Postado por Luciana Santos

E se, diante de um estímulo intelectual, não recorrêssemos imediatamente ao que nos foi ensinado? E se, ao invés disso, refletíssemos sobre um universo maior de possibilidades que esse estímulo oferece?

Por exemplo: me formei em Ciências Sociais. Em uma das aulas aprendi a diferença percebida por Durkheim entre solidariedade mecânica e orgânica e a tendência de passagem de uma a outra. Assim, é fácil para mim, diante de sinais da divisão e especialização do trabalho, remeter a essa teoria e sentir-me satisfeita com a explicação apreendida.  

Mas e se, ao invés disso, de recorrer imediatamente à conclusão de outro, eu me permitir um pensamento mais livre, uma análise mais solta e, por isso, com potencial de se aproveitar de elementos do meu conhecimento (não só dos de Durkheim) para gerar um novo conhecimento?

Devo eu desprezar todas as minhas experiências e aprendizados em nome do reconhecimento que outra pessoa teve em desenhar teorias sobre o que me intriga? Devo anular de antemão qualquer tentativa de interpretar diferente? Afinal, o conhecimento não é construído justamente por quem se permite ir além? Ou estamos em uma linha evolutiva estreita, em que não posso sair um pouquinho fora do caminho estabelecido para pensar? Um pensamento perde validade por não ter bebido antes (e talvez se viciado) da água dos antigos?

E seu eu não quiser fazer alusão nenhuma, nem favorável nem contrária, à teoria das solidariedades de Durkheim? E se eu quiser usar a minha imaginação e capacidade de análise crítica para enxergar o máximo possível de aspectos relacionados à especialização do trabalho, para, aí sim, remeter à teoria já construída e me permitir relações mais complexas?

Não digo com isso, de maneira alguma, rejeitar o conhecimento construído. Penso, aliás, que ele deve ser consultado para comparação com nosso próprio raciocínio; no entanto, temo que muitos estudiosos anulem a própria capacidade de análise crítica em nome das teorias já construídas. Temo que seja um vício olhar a realidade com olhos alheios e passar a vida a brincar de encaixar peças - fatos em teorias, sem se permitir olhar uma peça e imaginar o seu melhor receptáculo. E depois de imaginado, verificar se existe algo já construído dessa melhor forma, ou se é preciso criar.

Com isso em vista, extrapolo o raciocínio para uma esfera ainda mais difícil de exercitar a liberdade: a crença. Fiquei tentada a escrever "a religião", todavia esta é apenas um sistema de transmissão e manutenção de algumas crenças, ele mesmo questionado e confrontado, de dentro e de fora. Já a crença em si, mais subjetiva, mais íntima, uma conclusão acomodada no indivíduo acerca de algum aspecto da vida ou da morte, essa é mais resistente à liberdade de análise. Seja fruto de convencimento, criação ou lavagem cerebral, a crença mexe com emoções que muitas vezes brigam com a liberdade da razão de se desenvolver no pensamento.

E seu eu enfrentá-las e me permitir pensar? E se, no meu íntimo, em que não há líder espiritual, ente querido ou polícia científica a me coibir, eu abrir os olhos para contradições, fatos, hipóteses e possibilidades? Há um grande risco de amadurecer. Há um grande risco de que esse amadurecimento mude meu comportamento ao ponto de não ser mais suportável aceitar polícias morais a me pedir pra pensar diferente. Há o risco de pensar.

 

 

Palavras-chave: alienação, crença, limitações, pensamento, raciocínio, vício de pensamento

Postado por Luciana Santos | 1 usuário votou. 1 voto | 7 comentários

junho 20, 2011

user icon
Postado por Luciana Santos

 1. Liberdades Pessoais

(a) A liberdade de consciência, religião e credo é privada e ilimitada. A liberdade para praticar a religião deve ser limitada apenas pela necessidade de respeitar os direitos e liberdades de outros.

(b) Todas as pessoas devem ser livres para participar de forma equitativa do processo democrático.

(c) A liberdade de expressão deve apenas ser limitada pela necessidade de respeitar os direitos e liberdades de outros. Não deve haver o direito “de não ser ofendido” na lei. Todas as leis contra a blasfêmia, explicitas ou implícitas, devem ser revogadas e não devem ser promulgadas.

 

2. Democracia Secular

(a) A soberania do Estado deriva do povo e não de nenhum deus ou deuses.

(b) A única referência constitucional à religião deve ser a afirmativa de que o Estado é laico.

(c) O Estado deve estar baseado na democracia, nos direitos humanos e no cumprimento da lei. As políticas públicas devem ser projetadas aplicando a razão, e não a fé religiosa, como evidência.

(d) O governo deve ser laico. O Estado deve ser estritamente neutro em questões de religião e sua ausência, sem favorecer nenhuma e sem discriminar nenhuma.

(e) As religiões não devem ter nenhum favorecimento financeiro especial na lei, como isenção de impostos para suas atividades, nem subsídios para se promoverem ou para manterem escolas religiosas.

(f) A condição de membro de uma religião não deve servir de base para a indicação de uma pessoa para nenhum cargo público.

(g) A lei não deve conceder nem negar nenhum direito, privilégio, poder ou imunidade, com fundamento na fé ou na religião, ou na ausência de qualquer das duas.

 

3. Educação Laica

(a) A educação pública deve ser laica. Educação religiosa, se houver, deve ser limitada à educação sobre religião e sua ausência.

 Tradução para o português: João Teófilo

Original em ingles disponível em: http://richarddawkins.net/articles/635793-dublin-declaration-on-secularism-and-theplace-of-religion-in-public-life

Palavras-chave: educação, estado laico

Postado por Luciana Santos | 2 comentários

abril 21, 2011

user icon
Postado por Luciana Santos

"I wonder how far you can go on an ironic mindset. If everything is ironic, you end up pretty harmless, since if it's all equally ironic, why bother trying to change any of it - which is pretty ironic for a subversive. You're drawn into the mainstream willy-nilly since you accept, albeit scornfully, its premises.... You can't do much subverting without an alternate model of how things might be, but then you'd believe in something and that's so unironic.  "

Rick Salutin, quoted by Barry Grills in Ironic

Palavras-chave: belief, Irony

Postado por Luciana Santos | 4 comentários

março 15, 2011

user icon

**********************************

Para quem gosta muito de usar os recursos multimídia do telefone celular (que os portugueses chamam de telemóvel) eu recomendo um site em inglês chamado Zedge que funciona mais ou menos como o Facebook... mas é um site APENAS para download e compartilhamento de conteúdo de celular como: wallpapers, ringtones, screensavers, textos tipo SMS (Txt)...

http://www.zedge.net/

O endereço do meu perfil no site Zedge é:

http://www.zedge.net/profile/briannaloch/

**********************************

Postado por Priscila Frohmut Fonseca | 0 comentário

janeiro 24, 2011

user icon
Postado por Luciana Santos

From http://sethgodin.typepad.com/seths_blog/2011/01/three-ways-to-help-p

"A friend sent me a copy of a new book about basketball coach Don Meyer. Don was one of the most successful college basketball coaches of all time, apparently. It's quite a sad book—sad because of his tragic accident, but also sad because it's a vivid story about a misguided management technque.

Meyer's belief was that he could become an external compass and taskmaster to his players. By yelling louder, pushing harder and relentlessly riding his players, his plan was to generate excellence by bullying them. The hope was that over time, people would start pushing themselves, incorporating Don's voice inside their head, but in fact, this often turns out to be untrue. People can be pushed, but the minute you stop, they stop. If the habit you've taught is to achieve in order to avoid getting chewed out, once the chewing out stops, so does the achievement.

It might win basketball games, but it doesn't scale and it doesn't last. When Don left the room (or the players graduated), the team stopped winning.

A second way to manage people is to create competition. Pit people against one another and many of them will respond. Post all the grades on a test, with names, and watch people try to outdo each other next time. Promise a group of six managers that one of them will get promoted in six months and watch the energy level rise. Want to see little league players raise their game? Just let them know the playoffs are in two weeks and they're one game out of contention.

Again, there's human nature at work here, and this can work in the short run. The problem, of course, is that in every competition most competitors lose. Some people use that losing to try harder next time, but others merely give up. Worse, it's hard to create the cooperative environment that fosters creativity when everyone in the room knows that someone else is out to defeat them.

Both the first message (the bully with the heart of gold) and the second (creating scarce prizes) are based on a factory model, one of scarcity. It's my factory, my basketball, my gallery and I'm going to manipulate whatever I need to do to get the results I need. If there's only room for one winner, it seems these approaches make sense.

The third method, the one that I prefer, is to open the door. Give people a platform, not a ceiling. Set expectations, not to manipulate but to encourage. And then get out of the way, helping when asked but not yelling from the back of the bus.

When people learn to embrace achievement, they get hooked on it. Take a look at the incredible achievements the alumni of some organizations achieve after they move on. When adults (and kids) see the power of self-direction and realize the benefits of mutual support, they tend to seek it out over and over again.

In a non-factory mindset, one where many people have the opportunity to use the platform (I count the web and most of the arts in this category), there are always achievers eager to take the opportunity. No, most people can't manage themselves well enough to excel in the way you need them to, certainly not immediately. But those that can (or those that can learn to) are able to produce amazing results, far better than we ever could have bullied them into. They turn into linchpins, solving problems you didn't even realize you had. A new generation of leaders is created...

And it lasts a lifetime."

Palavras-chave: motivation, success, work

Postado por Luciana Santos | 3 comentários

dezembro 22, 2010

user icon
Postado por Luciana Santos

 

"Bourdieu se remete ao ensino superior, apontando a infeliz, ou feliz eficiência - dependendo do ponto de vista -que possui o sistema de ensino em reproduzir estrutura de classe no atual sistema capitalista. "Na verdade, dentre as soluções historicamente conhecidas quanto ao problema da transmissão do poder e dos privilégios, sem dúvida, a mais dissimulada e por isto mesmo a mais adequada a sociedades tendentes a recusar as formas mais patentes da transmissão hereditária do poder e dos privilégios, é aquela veiculada pelo sistema de ensino ao contribuir para a reprodução da estrutura das relações de classe dissimulando, sob as aparências da neutralidade, o cumprimento dessa função." (BOURDIEU, 2001, p.296). Assim, o "sistema educacional", tradicionalmente apresentado como um conjuntode mecanismos institucionais o qual busca a conservação cultural de gerações passadas acaba permitindo que as teorias clássicas dissociem a função de reprodução social.

Deste modo, os bens culturais, passados de geração para geração, não se apresentam somente na tentativa de enobrecer a humanidade, de trazer novas formas de reflexões voltadas para um crescimento, desenvolvimento e um incremento mundial, mas "pertence realmente (embora seja formalmente oferecido a todos) aos que detêm os meios para dele se apropriarem, quer dizer, que os bens culturais enquanto bens simbólicos só podem ser apreendidos e possuídos como tais (ao lado das satisfações simbólicas que acompanham tal posse) por aqueles que detêm o código que permite decifrá-los. Em suma, o livre jogo das leis da transmissão cultural faz com que o capital cultural retorne às mãos do capital cultural e, com isso, encontra-se reproduzida a estrutura de distribuição do capital cultural entre as classes sociais, isto é, a estrutura de distribuição dos instrumentos de apropriação dos bens simbólicos que uma formação social seleciona como dignos de serem desejados e possuídos." (BOURDIEU, 2001, p.297)

Acrescenta que o diploma pode ser "um direito de acesso cujo valor poderá ser explorado apenas pelos que detêm um elevado capital de relações sociais."

Sociologia, Ciência e Vida - nº26, p.18-19

 


Palavras-chave: Bourdieu, capital cultural, educação, reprodução de classes

Postado por Luciana Santos | 1 comentário

outubro 27, 2010

user icon

Como falar mal do Diretor, Reitor ou Governador pode pegar muito mal por aqui, vou deixar aqui no Stoa um link para a minha postagem em outro blog sobre a "Campanha" que está sendo divulgada na USP essa semana:

http://frohmutbriannaloch.blogsome.com/2010/10/27/eleicoes-manifesto/

e deixo também o link para o Blog "Professores em Defesa da Educação Pública", para quem se interessar em ler mais sobre o assunto e/ou quiser assinar o Manifesto:

http://emdefesadaeducacao.wordpress.com/

**********

Este post é Domínio Público.

Postado por Priscila Frohmut Fonseca | 0 comentário

outubro 20, 2010

user icon

Para quem quer ver fotos minhas, clique no link abaixo:

If you want to see photos of myself, click on the link below:

http://stoa.usp.br/briannaloch/files/2704

*********

Postado por Priscila Frohmut Fonseca | 0 comentário

outubro 18, 2010

user icon
Postado por Luciana Santos

Leio o texto citado neste post como uma espécie de tipo ideal - emprestando o conceito de Weber. Uma descrição que, apesar de não dar conta de retratar fielmente todos os indivíduos de um grande grupo, revela aspectos muito relevantes dele.

A autora se permite usar os termos "burguesia" e "classe média", que todo sociólogo sabe serem ambíguos, imprecisos, dependentes de contexto e relativização. Todavia, especialmente em um texto curto, apresentado fora de contexto acadêmico, é aceitável. Aceitável por revelar um elemento presente em discursos manifestos com certa recorrência, discursos nada inócuos política e socialmente.

A descrição ilustra um pensamento que aparece em esforços homéricos para formar opinião, em conversas desavisadas do politicamente correto, em afirmações livres que, quando questionadas, se vêm nuas de conteúdo e não raro atrapalhadas em se autoexplicar.

Indo mais diretamente ao ponto: nem todo crítico do governo é irracional e preconceituoso a esse nível. Entretanto, não posso negar que já ouvi muito discurso cujo conteúdo mais evidente era o que esse texto ilustra - e cuja real importância precisa muito ser refletida, debatida e explicitada:

"O fato de você ter um presidente operário, que tem o curso primário, significou a ruína da ideologia burguesa. Todos os critérios da ideologia burguesa para ocupar este posto, que é ser da elite financeira, ter formação universitária, falar línguas estrangeiras, ter desempenho de gourmet... Enfim, foi descomposta uma série de atrativos que compõem a figura que a burguesia compôs para ocupar a Presidência. Ponto por ponto. (...) A burguesia brasileira e a classe média protofascista nunca vão perdoar isso ter acontecido. Imagine como eles se sentem. Houve (Nelson) Mandela, Lula, (Barack) Obama, (Hugo) Chávez. É muita coisa para a cabeça deles. É insuportável. É a sensação de fim de mundo."

Marilena Chauí - http://www.redebrasilatual.com.br/temas/politica/desinformacao-nao-serve-

Palavras-chave: classismo, discurso político, marilena chauí, preconceitos

Postado por Luciana Santos | 1 usuário votou. 1 voto | 1 comentário

outubro 11, 2010

user icon
Postado por Luciana Santos

“O que deve sair imediatamente do debate eleitoral é esta fingida religiosidade que leva Deus aos palanques, macula as mais íntimas opções espirituais do eleitor e abala gravemente os fundamentos da nossa democracia – teoricamente isonômica, tolerante, aberta, inclusive aos agnósticos, descrentes e ateus.”

Alberto Dines, reproduzido do Diário de S.Paulo, 10/10/2010

http://observatoriodaimprensa.com.br/artigos.asp?cod=610IMQ010

Postado por Luciana Santos | 21 comentários

outubro 04, 2010

user icon
Postado por Luciana Santos

“Como influenciar a formulação de políticas públicas se as organizações se sentem temerosas de perderem os parcos recursos que conseguem como uma dádiva que não deve ser questionada?”

Luiz Carlos Merege

Postado por Luciana Santos | 0 comentário

outubro 03, 2010

user icon
Postado por Luciana Santos

“Os direitos sociais fundamentais necessários para uma vida digna na sociedade contemporânea, além de serem um dever do Estado, podem também ser garantidos através de atuação da sociedade, tal como estabelece nossa lei maior. Esta conquista significa, na prática, uma mudança na natureza da atuação das organizações do Terceiro Setor. A filantropia marcada pelas ações caritativas e assistencialistas se justificava para o período da nossa história em que não se tinha definido os direitos sociais de nosso povo. Embora necessária nos casos extremos, a filantropia em si torna-se uma ação aquém de nossa época, já que existem instrumentos legais que devem ser postos em prática para que todos, indistintamente, possam desfrutar plenamente das conquistas humanas. A miséria, exclusão e a discriminação deixaram de ser simplesmente uma constatação para fazer parte do campo das lutas pelos direitos de homens e mulheres de nosso país.

Os miseráveis da periferia, as mulheres, os negros, as crianças, os portadores de necessidades especiais, os índios, os homossexuais, os defensores da natureza passam a levantar suas bandeiras tendo como referência aquilo que a lei passou a garantir-lhes como direito. Invertem o papel de seres passivos, que tinham na filantropia, para se tornarem protagonistas de demandas sociais, demandas políticas e econômicas. O implorar é substituído por ações de caráter legal. A discriminação racial não é mais lamentada, mas sim processada através de ações dos indivíduos e do ministério público. Arma-se dessa forma o problema político em torno do social e o terceiro setor encontra-se maduro para ir além de seu discurso e ação humanitária. Encontra-se diante de um desafio já que deve mediar as ações entre a esfera governamental e o universo social.

Uma vez que a nossa Constituição abre espaço para que os direitos sociais de todos sejam garantidos quer pelo Estado ou pela colaboração da sociedade, as ações do terceiro setor sem dúvida alguma devem ser sustentadas pelo Estado.

Se as organizações do Terceiro Setor estão atuando no campo social, o Estado tem que garantir essa atuação já que se trata de colocar em prática o acesso universal à educação, à saúde, à assistência social e a um ambiente ecologicamente saudável. Aquelas organizações cuja atuação se identifica com o campo dos direitos sociais deveriam praticar ações de cidadania ativa pressionando o Estado para que este transfira recursos para suas atividades, já que estão disponibilizando serviços públicos como determina nossa Constituição. O exemplo a ser seguido é o das ONGs/AIDs que se mobilizaram e lutaram arduamente para que o Estado cumprisse a determinação legal de que a saúde é um direito de todos. O Estado foi obrigado a transferir recursos financeiros e materiais, no caso remédios e preservativos, para que a sociedade organizada pudesse ajudá-lo no cumprimento de um dever constitucional.

O Terceiro Setor, apesar de ser marcadamente heterogêneo e complexo, pode convergir para ações articuladas em torno de temas que são comuns e estratégicos para o fortalecimento de suas organizações. A demanda por recursos públicos, que garantam o cumprimento dos direitos sociais constitucionais, pode e deve tornar-se uma agenda de luta comum das organizações sociais, fundamentada no que dita nossa Constituição, ou seja, a garantia de acesso universal aos bens públicos quer eles sejam ofertados pelo Estado ou pelo terceiro setor.

 Luiz Carlos Merege - Terceiro Setor, A arte de administrat sonhos

 

Palavras-chave: ação política, direeitos sociais, estado, filantropia, governo, reivindicação, sociedade civil, terceiro setor

Postado por Luciana Santos | 0 comentário

setembro 30, 2010

user icon

Os governos mais ricos do mundo estão negociando esta semana um acordo secreto que poderá restringir a comercialização de medicamentos genéricos essenciais. Milhões de pessoas pobres dependem destes medicamentos para tratar doenças como a malária e o HIV. Se o acordo for adiante, muitas pessoas não terão mais acesso a remédios de baixo custo, colocando milhões de vidas em risco.

Um dos principais alvos deste tratado é o Brasil, que está sendo intencionalmente excluído do processo, junto com a China e a Índia. O tratado deverá definir regras para vários assuntos como transgênicos, a Internet e medicamentos. Os países responsáveis estão se apressando para fechar um acordo antes que haja uma revolta da opinião pública, mas as notícias sobre o tratado vazaram e a oposição está crescendo.

As nossas vozes podem trazer este absurdo à tona. A pressão popular já conseguiu parar negociações comerciais injustas antes. Agora podemos novamente garantir que nenhum acordo injusto seja assinado em reuniões fechadas. Assine a petição agora por um processo aberto e justiça para medicamentos genéricos – a Avaaz e parceiros irão entregar a petição semana que vem nas negociações em Tóquio. Assine e divulgue:

http://www.avaaz.org/po/acta/?vl

O chamado ACTA, Acordo Comercial Anti Falsificações, foi intencionalmente mantido fora dos holofotes públicos. Mas agora ele vazou e defensores da saúde pública e da liberdade na Internet estão soando o alarme. Nas últimas semanas a China, Índia e o Parlamento Europeu começaram a criticar o acordo.

O acordo proposto é bem preocupante, mas a sua parte mais absurda se refere aos genéricos. O ACTA trataria muitos medicamentos “genéricos” e "falsificados" de forma idêntica, sujeitando os genéricos às mesmas táticas de “apreensão e destruição” aplicadas aos medicamentos falsificados.

Gigantes da indústria farmacêutica afirmam que isto é necessário para proteger os consumidores - mas eles mesmos vendem versões genéricas de medicamentos cujas patentes expiraram. Os medicamentos genéricos, que são muitas vezes 90% mais baratos, não são inerentemente mais ou menos seguros do que os medicamentos de marca. O que está em jogo é o lucro das empresas farmacêuticas versus a vida das pessoas pobres.

A mobilização popular em massa já conseguiu interromper ações similares de grandes empresas farmacêuticas e governos ricos. Não vamos deixar alguns países decidir o destino de milhões de vidas em acordos secretos - assine a petição e divulgue:

http://www.avaaz.org/po/acta/?vl

Receber tratamento quando estamos doentes é algo fundamental para todos nós. A nossa mobilização esta semana pode garantir que os mais necessitados continuem tendo acesso a medicamentos essenciais. Juntos nós podemos começar a construir um futuro em que cada um de nós poderá superar doenças e permanecer saudável.

Com a esperança de um mundo melhor,

Ben, Alex, David, Maria Paz, Iain e toda a equipe Avaaz

P.S Atualização Ficha Limpa: Com o impasse do Supremo Tribunal Federal, a Lei Ficha Limpa continua em efeito para as eleições.

Leia mais sobre o ACTA:

A luta entre ricos e pobres em torno da propriedade intelectual:
http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=16757

Como o ACTA ameaça nossa liberdade:
http://www.outraspalavras.net/?p=921

ACTA: o tratado anti-pirataria que a Casa Branca não quer que o público conheça:
http://remixtures.com/2009/10/acta-o-tratado-anti-pirataria-que-a-casa-branca-nao-quer-que-o-publico-conhececa/

Países não se entendem sobre lei supranacional de repressão à pirataria:
http://idgnow.uol.com.br/internet/2010/02/25/paises-nao-se-entendem-sobre-lei-supranacional-de-repressao-a-pirataria/

*********

Palavras-chave: Brasil, generico, medicação, medicamento, petição, remedio, saude

Este post é Domínio Público.

Postado por Priscila Frohmut Fonseca | 0 comentário

<< Anterior
                          Pingar o BlogBlogs
BlogBlogs.Com.Br