Stoa :: USP Notícias :: Blog :: Programa Fapesp de Pesquisa em Bioenergia aprova projeto da Esalq

agosto 10, 2009

default user icon
Postado por USP Notícias

http://www4.usp.br:80/index.php/ciencias/17158-programa-fapes

Cana-de-açúcar
Programa Fapesp de Pesquisa em Bioenergia aprova projeto da EsalqA Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) divulgou uma lista de projetos temáticos selecionados para integrar o Programa Fapesp de Pesquisa em Bioenergia (Bioen). Dentre os aprovados está Análise funcional do raquitismo da soqueira da cana-de-açúcar, coordenado por Luis Eduardo Aranha Camargo, docente do departamento de Fitopatologia e Nematologia (LFN) da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP. A lista dos projetos aprovados foi divulgada em julho.

O objetivo do Bioen é fomentar discussões e práticas que aprimorem o conhecimento em setores relacionados à produção de Bioenergia no Brasil. Para tanto, prevê a utilização de laboratórios acadêmicos e industriais como plataforma de desenvolvimento de projetos inseridos em cinco divisões temáticas: Biomassa para Bioenergia (com foco para cana-de-açúcar); Processo de Fabricação de Biocombustíveis; Biorefinarias e Alcoolquímica; Aplicação do Etanol para Motores Automotivos; Impactos sócio-econômicos, ambientais e uso da terra.

Em chamadas anteriores a esta, mais dois projetos da Esalq foram selecionados para integrar o Bioen: Genômica funcional de genes relacionados à fotossíntese em cana-de-açúcar e Herbivoria e transporte intracelular de proteínas, coordenados, respectivamente, pelos professores Helaine Carrer, do Departamento de Ciências Biológicas (LCB), e Marcio de Castro Silva Filho, do Departamento de Genética (LGN).

Com informações da asessoria de comunicação da Esalq


Mais informações: (19) 3429-4124

Palavras-chave: nnpp

Postado por USP Notícias

Você deve entrar no sistema para escrever um comentário.

Termo de Responsabilidade

Todo o conteúdo desta página é de inteira responsabilidade do usuário. O Stoa, assim como a Universidade de São Paulo, não necessariamente corroboram as opiniões aqui contidas.