Stoa :: USP Notícias :: Blog :: Células-tronco do rosto podem transformar-se em ossos

agosto 04, 2009

default user icon
Postado por USP Notícias

http://www4.usp.br:80/index.php/ciencias/17121-celulas-tronco

medicina
Músculo do rosto pode ser nova fonte de célula-tronco, diz estudo
Cientistas descobriram uma forma de obter células-tronco do músculo que fica ao redor da boca (chamado orbicular do lábio) e as utilizaram para produzir ossos. “Estas células têm a capacidade de se transformar em tecidos diferentes do corpo”, conta a dentista Daniela Bueno, autora de uma pesquisa de doutorado em que foi desenvolvida a técnica. O procedimento pode originar uma terapia com células-tronco para implantar dentes e tratar deformidades no crânio e no rosto, como o lábio leporino, uma fissura no lábio, céu da boca e osso alveolar (que sustenta os dentes e a gengiva). De acordo com a pesquisadora, o pedido de patente foi tornado público na semana passada.

O trabalho de doutorado de Daniela foi coordenado pela professora Maria Rita Passos Bueno, do Instituto de Biociências (IB) da USP, e teve como co-autoras a professora Mayana Zatz, pró-reitora de pesquisa da USP, e Irina Kerkis pesquisadora do Instituto Butantã. Daniela conta que o objetivo da pesquisa era aperfeiçoar o tratamento do lábio leporino. Durante o tratamento, os cirurgiões cortam um pedaço do músculo orbicular, que é jogado no lixo. Eles também precisam retirar um pedaço de osso do quadril, que implantam no osso alveolar. “O tratamento dói muito”, esclarece Daniela. “A pessoa pode ficar sem andar por uma semana. Além disso, esses tratamentos craniofaciais podem não funcionar em 30% dos casos, o que exige uma nova intervenção cirúrgica”.

Tecidos musculares costumam ser fonte de células-tronco. Assim, por que não utilizar o resíduo da cirurgia para criar um tecido ósseo e implantá-lo no próprio paciente sem possibilidade de rejeição? Daniela procurou as células no músculo orbicular, isolou-as, testou-as em culturas de células e em ratos.

Na cultura, as células-tronco se mostraram capazes de originar quatro tipos de tecidos diferentes do corpo: ossos, músculo, cartilagem, e tecido adiposo (composto por células que armazenam gordura). Restava saber se elas funcionariam em um modelo animal.

Para testar, Daniela abriu dois buracos no crânio de ratos e implantou em um deles amostra de células-tronco do orbicular combinada com uma substância que estimula o crescimento ósseo. Do outro, apenas a substância. O resultado: começou a crescer osso com presença de células-tronco humanas na fissura que recebeu células-tronco. “Se colocarmos uma célula-tronco indiferenciada associada a biomateriais no meio do osso, o meio sinaliza para que elas virem osso. O mesmo acontece com os músculo e cartilagens”, descreve a pesquisadora.

Tratamentos
Uma grande dificuldade que os cirurgiões plásticos e dentistas têm que enfrentar é a falta de ossos na boca e na face. Pacientes que perdem dentes, por exemplo, acabam ficando sem um pedaço do osso alveolar e isso torna o implante impossível. Doenças craniofaciais costumam ter um tratamento demorado e muitas vezes doloroso. Pacientes com microssomia hemifacial, que nascem sem os ossos da parte de baixo de um dos lados do rosto, precisam instalar um aparelho para aumentar os ossos da mandíbula. Eles precisam ir todos os dias ao médico para ajustar o aparelho, que ajuda o osso a crescer.

“Nossa idéia é, um dia, poder implantar as células-tronco que vêm desse músculo e se transformam em ossos para tratar as deformidades da boca e do rosto”, informa a pesquisadora. “No mundo todo, já se usa células-tronco com materiais biológicos para tratar lábio leporino. Contudo, os médicos retiram essas células da medula do osso do quadril. E isso dói”. É possível conseguir amostras do músculo orbicular em um consultório comum de dentista, com anestesia local. A dor dura uma semana, como a de uma afta.

Mais informações: email dbueno@usp.br, com Daniela Bueno

Palavras-chave: nnpp

Postado por USP Notícias

Você deve entrar no sistema para escrever um comentário.

Termo de Responsabilidade

Todo o conteúdo desta página é de inteira responsabilidade do usuário. O Stoa, assim como a Universidade de São Paulo, não necessariamente corroboram as opiniões aqui contidas.