Stoa :: USP Notícias :: Blog :: Fofito completa 50 anos de pioneirismo em reabilitação

dezembro 01, 2008

default user icon
Postado por USP Notícias

http://www4.usp.br:80/index.php/noticias/42-institucional/158

Aniversário
Fofito: 50 anos formando profissionais e reabilitando pessoas
 Os cursos de Fisioterapia (Fisio), Fonoaudiologia (Fono) e Terapia Ocupacional (TO) da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) completam 50 anos de existência em 2008. Para comemorar, o Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional (Fofito) realizará na sexta-feira (5), às 8 horas, uma sessão solene no Teatro da FMUSP (Av. Doutor Arnaldo, 455, Cerqueira César, São Paulo). Na ocasião serão lançados o livro Fofito – 50 anos de pioneirismo e lutas, que narra a história dos cursos e um hotsite comemorativo, destinado a colher depoimentos e registros sobre a história dos cursos, que poderá ser acessado pelo site da Fofito.

Cicatrizes de Guerra
A história do surgimento dos cursos da Fofito se confunde com a história da Segunda Guerra Mundial. Nos anos 1950, ainda em meio à destruição causada pelo conflito, a recém-criada Organização das Nações Unidas (ONU), através da Organização Mundial de Saúde (OMS), desenvolveu um programa de aprimoramento da qualidade de vida das pessoas atingidas pela guerra. O programa consistia na instalação de centros de reabilitação espalhados pelo mundo. Na América Latina, o escolhido para abrigar esse centro, batizado de Instituto Nacional de Reabilitação (Inar), foi o Hospital das Clínicas (HC) da FMUSP.

 Instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas
Instituto de Ortopedia e Traumatologia do HC
O Inar foi aberto em 1955, ligado ao Departamento de Clínica Ortopédica e Traumatologia do HC. Os primeiros passos da Fofito foram dados logo em seguida, em 1958, quando o Inar criou os cursos de Fisioterapia e Terapia Ocupacional, vinculados à Cadeira de Ortopedia e Traumatologia da FMUSP, e o curso de Logopedia para Cegos (que deu origem ao curso de Fonoaudiologia), vinculado ao Departamento de Otorrinolaringologia da FMUSP.

Com o tempo, os cursos foram amadurecendo acadêmica e institucionalmente, culminando na  formalização das graduações e na sua inserção na estrutura da USP em 1967. Os cursos se desligaram do Departamento de Ortopedia e Traumatologia em 1999, fundando seu próprio departamento.

Pioneirismo
Por terem sido os primeiros de suas áreas e por suas qualidades, os cursos da Fofito serviram de modelo para os ministrados em outras instituições. “O curso de terapia ocupacional da USP sempre foi referência para a criação de outros. Ele sempre foi o projeto mais bem acabado para a criação de profissionais nessa área”, afirma a coordenadora de Terapia Ocupacional, professora Marta Carvalho de Almeida. Ela ainda atribui a qualidade ao incentivo à pesquisa e à qualificação profissional dos professores. “Todos são obrigados a fazer pesquisa. Nosso curso de TO é o único no Brasil a contar com um quadro integral de professores doutores”, acrescenta.

Nos outros cursos do departamento não é diferente. “Grande parte do desenvolvimento da fisioterapia no Brasil se dá graças ao curso da USP. Os alunos que saem dele são muito bem recebidos no mercado de trabalho e tidos como profissionais responsáveis e com grande conhecimento e capacidade”, afirma a coordenadora da Fisioterapia, professora Silvia Maria Amado João. Ela também destaca o apoio à pesquisa: “A vocação para pesquisa é muito incentivada, e alguns alunos a manifestam logo nos primeiros anos”, aponta.

A coordenadora de fonoaudiologia, professora Haydée Fiszbein Wertzner, também fala sobre a importância deste curso da USP para outros do país. “Por ser o mais tradicional, foi aqui que se formaram os primeiros professores, e onde se desenvolveram os primeiros grupos de pesquisa”. Haydée destaca o desenvolvimento do departamento nos últimos 20 anos: “Em 1988 foi feito um grande investimento na contratação de professores, possibilitando a criação de um quadro fixo de docentes. Isso ajudou a aumentar a produção científica do departamento nos anos 1990”.

O pioneirismo da Fofito continua até hoje. O departamento permanece atenta às novas tendências de tratamento e de atuação dos profissionais nas áreas da fisioterapia, fonoaudiologia e terapia ocupacional.

Assistência
Uma importante área de atuação da Fofito é a extensão universitária. O departamento é referência para tratamentos de fisioterapia, fonoaudiologia e terapia ocupacional, que são prestados por alunos nos últimos anos de graduação e professores. Mas já nos primeiros anos de graduação os alunos têm contato com os pacientes. A partir do segundo ano eles observam os professores e acompanham o tratamento, até estarem aptos a prestar um atendimento completo.

São atendidas aproximadamente 73 mil pessoas por ano pelo Sistema Único de Saúde (SUS) na Fofito. Marta afirma que é importante o aluno ter desde cedo contato com o atendimento pelo SUS, pois os alunos são formados para no futuro trabalharem no serviço público de saúde. “Muita gente critica essa posição. Mas, se o Estado paga a educação destes alunos, nada mais lógico do que eles retribuirem o investimento atendendo no serviço público.”

Profa. Dra. Amélia Pasqual Marques
Profa. Dra. Amélia Pasqual Marques
Homenagem
Entre as personalidades homenageadas no jubileu de ouro da Fofito está a professora de fisioterapia Amélia Pasqual Marques. Sua história se mistura com a história do próprio departamento. Ela se graduou em fisioterapia na FMUSP em 1973, quando o curso ainda era responsabilidade do Departamento de Ortopedia e Traumatologia. Logo depois de se formar, foi contratada pelo HC para atuar como fisioterapeuta e dar aulas no Curso de Fisioterapia. Em 1983, quando foi aberto concurso para professor da Fofito, candidatou-se à vaga e em fevereiro de 1984 começou a lecionar. Atualmente é Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Reabilitação.

Amélia conta que escolheu fazer fisioterapia acaso: “Quando fui me inscrever no Cecem [antigo vestibular para as universidades públicas paulistas] vi que existia o curso de Fisioterapia. Fui saber mais sobre a área e me apaixonei pela profissão”. Desde então viu sua atividade sofrer várias mudanças. “No início tinham poucas áreas de atuação. A fisioterapia era voltada somente para a reabilitação. Hoje temos uma preocupação maior em prevenção e promoção da saúde.”

Para ela, a maior mudança nos cursos da Fofito aconteceu quando houve a separação do Departamento de Ortopedia e Traumatologia. “Tivemos que aprender como administrar um departamento. O mais importante é conseguir consolidá-lo mantendo a mesma qualidade do ensino e da assistência.”


Serviço
A solenidade de comemoração do jubileu de ouro da Fofito será na sexta-feira (5), às 9 horas, no Teatro da FMUSP (Av. Doutor Arnaldo, 455, Cerqueira César, São Paulo). Durante o evento, será lançado o livro institucional Fofito – 50 anos de pioneirismo e lutas e um hot-site destinado a colher depoimentos e registros sobre a história dos cursos. A entrada é gratuita.

Palavras-chave: nnpp

Postado por USP Notícias

Você deve entrar no sistema para escrever um comentário.

Termo de Responsabilidade

Todo o conteúdo desta página é de inteira responsabilidade do usuário. O Stoa, assim como a Universidade de São Paulo, não necessariamente corroboram as opiniões aqui contidas.