www.flickr.com
Este é um módulo do Flickr que mostra as fotos públicas de Mauricio Kanno. Faça o seu próprio módulo aqui.

Stoa :: Maurício Kanno :: Blog

fevereiro 13, 2012

user icon

O problema voltou...qdo acesso meu lattes, não aparece meu blog, mas só o de contatos de 2010...Obrigada

Postado por Gloria Kreinz em Stoa: dúvidas, bugs e sugestões | 0 comentário

janeiro 28, 2012

user icon
Postado por macassis

Na minha opinião, trata-se de uma sequência bem simples de procedimentos. Primeiro, faça isto:

Estude com antecedência! Nada de deixar para a última hora ou esperar a prova ser marcada: estude para aprender, todos os dias em casa. Nesta foto está a lista de exercícios que resolvi durante uma disciplina: imagine ter que fazer isso as vésperas de uma prova? 
Claro que estudar cansa, mas para isso existem as bebidas a base de cafeína...


Que sempre te ajudam a manter o foco. Agora, se você não estuda durante as aulas e espera chegar a hora da prova para se preparar... bem, ainda resta uma última opção:

Postado por macassis | 1 usuário votou. 1 voto | 0 comentário

user icon
Postado por macassis

É um assunto pouco estudado, mas bastante falado.  O uso das novas tecnologias em sala de aula é realmente motivador: veja por exemplo, essa foto que tirei durante uma aula do curso de Mecânica 1 quando ainda estava na graduação...

E esta outra, de um trabalho em grupo na biblioteca, tirada na mesma época:

moral da história: se o professor dá uma aula ruim e não consegue motivar os alunos, o princípio do "gibi-dentro-do-livro"será sempre aplicável. Acontecia com os livros, acontece com o notebook, acontecerá com o tablet...

Postado por macassis | 0 comentário

dezembro 13, 2011

user icon
Postado por macassis

A idéia de proteger o corpo usando uma armadura não faz parte do leque de idéias geniais e inovadoras de Destino, ela existe desde o princípio da história humana. Durante  centenas de anos, todo avanço em armamento trouxe um equivalente em armaduras pessoais até que a invenção da pólvora resultasse em mosquetes e canhões que mudaram o mundo no século XVI. É justamente sobre isso que falo nesse post em meu blog, que você pode acessar clicando aqui.

 

Palavras-chave: armadura de placas, armadura medieval, Ciência dos Super-Heróis, Dr. Destino, Física dos Super-heróis, quarteto fantástico, Super-Heróis

Postado por macassis | 1 usuário votou. 1 voto | 0 comentário

dezembro 10, 2011

user icon
Postado por macassis

Aproveitando a onda de artigos sobre física e histórias em quadrinhos, quero aproveitar e falar um pouco sobre um dos super-heróis mais injustiçados da DC Comics. 
Sério, todo respeito ao gosto de cada um, mas essa versão "Capitão Gancho" do Aquaman me decepcionou profundamente... para mim, ele será sempre o bom moço com péssimo gosto para combinar cores em suas roupas, que utilizava bolinhas d´água em suas lutas e cavalgava cavalos marinhos. Mas o essa nova versão no reboot da DC trouxe ao Aquaman o maior aliado que um super-herói pode desejar: um escritor que faz alguma idéia de como seus superpoderes funcionariam! 

De todo modo, o herói passou por uma recente reformulação (assim como todos os personagens da editora). O texto sobre os poderes do Aquaman está aqui. Saiba mais a respeito do reboot da DC e o novo Aquaman

 

Postado por macassis | 1 comentário

user icon
Postado por macassis

Nos quadrinhos de horror, por exemplo, é muito difícil para os autores encontrarem alguma consistência entre os vários mitos relacionados a aparições fantasmagóricas, vampiros ou zumbis e é isso o que torna esse gênero de quadrinhos muitas vezes enfandonho. Não foi o que aconteceu com os zumbis do universo Marvel e o texto que escrevi em meu blog a respeito pode ser lido clicando aqui, onde simulo uma infestação zumbi em São Paulo: quanto tempo nós teríamos de vida, entre o primeiro zumbi e o total apocalipse?

 

Postado por macassis | 0 comentário

user icon
Postado por macassis

Criado em 1977 para o desenho animado dos “Superamigos” (“Challenge of the SuperFriends”), o Chefe Apache é um índio da tribo dos Apaches dos dias de hoje, com o poder de se transformar num gigante com 50 pés de altura – o equivalente a 16 metros, no Sistema Internacional. Como era praxe naquela época, sua origem é simplista -  ele ganhou seu poder do xamã de sua tribo em troca de salvar algumas pessoas que estavam em perigo. 
Mas é o seu "superpoder" de aumentar de tamanho que me chamou a atenção, e sua relação com a lei do cubo e do quadrado de Galileu Galilei. Escrevi sobre isso no meu blog e você pode acompanhar o texto completo clicando aqui.

 

Palavras-chave: Ciência dos Super-Heróis, Desenho Animado, Lei do Cubo e do Quadrado, Super-Heróis

Postado por macassis | 0 comentário

user icon
Postado por macassis

Voltando a falar mais um pouco sobre o Flash, é bom lembrar que se em suas histórias um personagem de HQ pode se mover a uma velocidade próxima a da luz, isso não significa exatamente que ele pode correr à essa velocidade. Esse é o teor do texto que escrevi em meu blog, comparando Jay Garrick, Wally West e Barry Allen, que você pode ler clicando aqui.

 

Postado por macassis | 0 comentário

user icon
Postado por macassis

Não é preciso segurar o fôlego, mas é melhor amarrar bem seus cadarços, porque hoje  quero explicar por quê  o velocista mais famoso é também o Super-Herói mais poderoso das Histórias em Quadrinhos! Vamos ter que falar um pouco sobre relatividade restrita (ou especial, tanto faz) no caminho, e você pode acompanhar tudo no meu blog clicando aqui.

 

Postado por macassis | 0 comentário

novembro 09, 2011

user icon

Eu só quero deixar claro que eu sou A FAVOR da PM, contanto que eles RESPEITEM nossos direitos. Até agora, não fui convencida pelos alunos da fflch. Talvez, se vocês:

1- brigassem por coisas maiores;
2- não brigassem todo ano;
3- soubessem conversar (diálogo, sabe? não monólogo);
4- soubessem votar DEMOCRATICAMENTE (não 3 mil votos dentro de 80 mil alunos).

Eu estaria CONTRA a PM. 

Fica a dica.

Este post é Domínio Público.

Postado por Caterina Gruenwaldt Cunha Marques Netto | 2 usuários votaram. 2 votos | 2 comentários

novembro 04, 2011

user icon

Olá,

 

Tenho dois alunos ouvintes em minha disciplina de pós graduação, e gostaria de inclui-los como membros de minha comunidade (http://stoa.usp.br/leal/profile/). No entanto, eles não possuem n. USP. É possível inclui-los? Como?

 

Obrigada,

Prafa. Elaine Grolla.

 

 

 

Postado por Elaine Grolla em Stoa: dúvidas, bugs e sugestões | 2 comentários

user icon

Essa mensagem é curta e é direcionada a estes alunos que estão na reitoria e aqueles que apoiam estes alunos.

Façam um favor para vocês mesmos: Gastem esta energia que vocês têm para algo maior. UM BEM MAIOR para a sociedade. Assim, vocês terão o apoio de TODOS e não de ALGUNS.

E... Saiam daí antes que vocês se machuquem com essa brincadeira de criança de 5 anos. Birrentos.

 

 

Este post é Domínio Público.

Postado por Caterina Gruenwaldt Cunha Marques Netto | 0 comentário

outubro 27, 2011

user icon

Prezado Ewout e colegas,

Tenho um problema existencial que consiste em colocar vários códigos fonte de linguagens C e Python, essencialmente, em disponibilidade para o público.

A questão que surge é a respeito de onde fazer isso. As alternativas são:

1) Colocar os programas em amplitude global, através do SourceForge, FreshMeat, GoogleCode ou semelhantes, onde qualquer um pode contribuir (de forma irrestrita).

2) Aproveitar a iniciativa do micromundo comunitário da USP e implantar isso em algum sistema vinculado ao STOA. Nessa caso, as perguntas que surgem são:

A) O Stoa tem algum sistema específico para isso (trak, redmine, etc.), com controle de versões (SVN, CVS, etc.) ?

B) Mais alguém também tem essa necessidade/demanda ? 

C) Há alguma expectativa de ter isso no futuro ?

Em relação a essa solução (2), existiria a limitação a respeito da acessibilidade a esses recursos. Com a politica atual, teríamos acesso irrestrito para leitura e downloads, mas restrito para gravações e submissões de alterações em códigos (somente aqueles vinculados ao STOA poderiam fazê-lo).

Bom, quaisquer opniões são bem vindas.

Atenciosamente

Pellini

Postado por Eduardo Lorenzetti Pellini em Desenvolvimento do Stoa | 0 comentário

outubro 26, 2011

user icon
Postado por Ewout ter Haar

Era mesmo um absurdo (veja aqui e aqui). Agora o Royal Society faz a única coisa que faz sentido: liberar tudo mais antigo que 70 anos. O Oldenburg pode descansar em paz...

Aaron Swartz FTW!

Palavras-chave: acesso aberto, oldenburg, open access, rea, royal society

Este post é Domínio Público.

Postado por Ewout ter Haar | 1 comentário

outubro 25, 2011

user icon
Postado por Helder Gonzales

Para mim, não há qualquer dilema Beatles ou Rolling Stones. Os Beatles ganham, por muito, o título de melhor banda da história do rock. De verdade, como compositores, acho heresia comparar Lennon-McCartney com Jagger-Richards. Isso sem falar no Harrison.

Por outro lado, na categoria maior rockstar de todos os tempos, não tem dúvida: Sir Mick Jagger ganha sem ninguém no retrovisor. 

E aos 68 ele segue em alta!

Como homenageado no novo hit do Marron 5 - Moves Like Jagger, que paga um tributo aos trejeitos típicos do cantor.

E como cantor no SuperHeavy - o supergrupo integrado por ele, Joss Stone, Demien Marley, David Stewart e A.R. Rahman.

Long live Mr. Jagger!

Palavras-chave: A.R. Rahman, Beatles, David Stewart, Demien Marley, Eurythmics, Jagger, Joss Stone, Maroon 5, Mick Jagger, Miracle Worker, Moves Like Jagger, música, rockstar, Rolling Stones, supergrupo, SuperHeavy

Esta mensagem está sob a licença CreativeCommons Atribuição, Não-Comercial.

Postado por Helder Gonzales | 0 comentário

user icon
Postado por Helder Gonzales

Da série coisas que bombam na balada chilena: Chico Trujillo - Loca.

Aqui no vídeo em versão acústica, descontraída. Curto essa versão por ter uma certa vibe Manu Chao, junto com uma pegada de música latina, até meio inesperada para uma banda chilena - já que os chilenos são famosos por estarem entre os mais durões da América Latina. 

Claro que na balada rola a versão de estúdio, mais dançante.

Seja como for, é daquelas que grudam na cabeça e não saem mais. Cuidado!

Palavras-chave: acústico, balada, Chico Trujillo, Loca, Música, música chilena, música latina

Esta mensagem está sob a licença CreativeCommons Atribuição, Não-Comercial.

Postado por Helder Gonzales | 0 comentário

outubro 24, 2011

user icon
Postado por Samantha Martins

Oi pessoal

Vocês devem ter reparado que deixei de postar no Stoa há algum tempo. Eu estava envolvida no desenvolvimento de um projeto: o Meteorópole.

Meteorópole finalmente foi fundada. Visitem aqui

Postado por Samantha Martins | 2 comentários

outubro 17, 2011

user icon
Postado por Helder Gonzales

Talvez pela barreira linguística, talvez pelo background cultural, o fato é que, no Brasil, se conhece muito pouco da cena musical dos países vizinhos. Não sabemos quais são os artistas, nem os ritmos, nem as músicas que bombam nas terras de nossos hermanos.

Pois, estando no Chile e tendo uma turma de amigos estrangeiros de diversos países latinoamericanos, resolvi furar a bolha e começar a escutar um pouco de música em espanhol. Por isso, aceitei o convite para ir ao show do Juan Luis Guerra - no mesmo dia do System of a Down!

Aqui abro um parêntese. Eu realmente gosto de SOAD, acho o repertório ótimo e adoro o álbum Mesmerize, em particular. Só que já tinha acompanhado, ainda que precariamente, pela Internet, a apresentação deles no Rock in Rio e sabia que o show no Chile deveria ser parecido. Some-se a isso o caos que é voltar de shows em estádios em Santiago (não há taxis ou transporte público para atender à legião de gente que deixa o evento ao mesmo tempo) e o fato de que minha amiga dominicana me havia convidado para ir ver o concerto do artista mais famoso do país dela com muita antecedência. Preferi ter uma experiência diferente, acompanhar os amigos e deixar o SOAD para uma próxima. Não me arrependo.

Como ando na onda de comentar os shows aos quais tenho ido, aqui vão umas palavrinhas sobre o show do Juan Luis Guerra.

Pra começar, o cara tem mais de 30 milhões de cópias vendidas. Coleciona uma dúzia de Grammys latinos e dois Grammys gringos. Ou seja, é um artista padrão top internacional. É realmente espantoso que seja quase desconhecido no Brasil.

JLG é o maior expoente da salsa, do merengue e da bachata. Também é famoso por suas baladas e, mais recentemente, aderiu ao time da música gospel. Na verdade os brasileiros conhecem uma música - "Borbulhas de Amor", a versão do Fagner para "Burbujas de Amor". Ocioso dizer que, apenas com essa canção, não dá para ter ideia da riqueza do repertório, mormente dançante, desse dominicano.

É verdade que não são meus estilos favoritos, mas, mesmo assim, gostei muito do show! Banda espetacular, sobretudo na parte rítmica. Muita energia do público, que dança e canta o tempo todo. Mesmo sem saber salsa, é impossível ficar parado.

Destaque para a cenografia. Um telão móvel de alta definição no centro do palco com projeções de cair o queixo. Não deveu nada à aranha pretenciosa e exagerada do U2 360. A certa altura, JLG faz um dueto com Juanes projetado no telão que se abaixa até o palco - das coisas mais impressionantes que vi em um show de música.

Infelizmente não filmei nada. Mas coloco, a seguir, um vídeo de "Si tu no bailas". Essa balada me pareceu bastante singela por sua história. Apesar de ser o rei da salsa e do merengue, curiosamente, Juan Luis Guerra é de uma total inaptidão para dançar. Por isso dedicou essa canção a sua esposa, que reiteradamente o chamava para sair para dançar e se frustrava com as negativas do marido travadão. "Se você não dança comigo, prefiro não dançar".

Palavras-chave: bachata, grammy, Juan Luis Guerra, latina, merengue, música, salsa, show

Esta mensagem está sob a licença CreativeCommons Atribuição, Não-Comercial.

Postado por Helder Gonzales | 0 comentário

user icon
Postado por Helder Gonzales

Fui ao show do Sir Eric Clapton. Que espetáculo!

Sim, é verdade que ele nem se despede do público, simplesmente vai embora. Como é verdade que o set list é exatamente o mesmo por toda a turnê, que não há pirotecnia de nenhum tipo, que o bis só tem uma música e que parece que ele está ali apenas cumprindo tabela...

Mas, dito tudo isso, o cara é simplesmente um dos maiores guitarristas de toda a história. O que não é pouca coisa.

E está vivo!

No final, isso mais do que compensa qualquer mimimi que os cri-cris de plantão possam levantar. 

Como guitarrista de meia tigela que sou, posso atestar que o timbre do cara é impressionante. Nunca ouvi nenhuma guitarra soar tão bem ao vivo (e olha que já fui a um punhado de shows). Os timbres ocos e estalados da strato estão lá, junto com muito sustain e ganho nos solos. Coisa linda de ouvir!

O set list foi bem equilibrado, incluindo tanto os clássicos das rádios, quanto a praia que parece ser a que dá tesão verdadeiro ao Clapton - o bom e velho blues.

No fim dá uma mistura bem interessante, de um artista que, ao longo da carreira, tem se alternado entre guitar hero de rock, hitmaker de pop e deus do blues. 

A banda era muito boa e, felizmente, enxuta. Nada de percussionistas, set de metais, guitarra base, bandolins... Não que eu tenha algo contra essa turma - não tenho, no show do Jorge Drexler, por exemplo, ficou muito legal. Só que o repertório do Clapton é rock clássico e blues. E, pra mim, nesses estilos, menos é mais. Minha fase preferida do Clapton é com o power trio Cream - baixo, guitarra, batera e vocal.

Registre-se, também, que o cara canta muito! 

Enfim, um show correto de um artista fora de série. Vale demais. Recomendo!

Para registro, Old Love:

Palavras-chave: banda, blues, Chile, Eric Clapton, guitarra, música, Old Love, rock, Santiago, show, timbre

Esta mensagem está sob a licença CreativeCommons Atribuição, Não-Comercial.

Postado por Helder Gonzales | 0 comentário

outubro 15, 2011

user icon
Postado por Helder Gonzales

Ando tendo sorte com as bandas de abertura dos shows aos quais tenho ido. Esse é, aliás, o espírito da coisa -- a banda menos conhecida topa fazer um set curto e com o som prejudicado, em frente a um público que não foi lá para vê-la, na tentativa de se fazer conhecida, divulgar seu som e, quem sabe, conquistar alguns ouvintes. 

No show do RHCP a abertura foi do Foals, um indie rock interessante. O som deles deu a impressão de estar em algum lugar entre o Coldplay e o Franz Ferdinand -- por insólita que possa parecer a combinação.

Bom, vamos ao que interessa. Let there be music! Eles tocando Red Sox Pugie no Jools Holland.

 

Palavras-chave: abertura, Coldplay, Foals, Franz Ferdinand, indie, indie rock, música, RHCP, show

Esta mensagem está sob a licença CreativeCommons Atribuição, Não-Comercial.

Postado por Helder Gonzales | 0 comentário

<< Anterior Próxima >>