Stoa :: Luciana Santos :: Blog :: Saber como instrumento de poder

julho 18, 2011

default user icon
Postado por Luciana Santos

"Na visão 'bancária' da educação, o ‘saber’ é uma doação dos que se julgam sábios aos que julgam nada saber. Doação que se funda numa das manifestações instrumentais da ideologia da opressão, a absolutização da ignorância, que constitui o que chamamos de alienação da ignorância, segundo a qual esta se encontra sempre no outro.

O educador que aliena a ignorância, se mantém em posições fixas, invariáveis. Será sempre o que sabe, enquanto os educandos serão sempre os que nada sabem. (...) Reconhece, na absolutização da ignorância daqueles a razão de sua existência. Os educandos, alienados, por sua vez, à maneira do escravo na dialética hegeliana, reconhecem em sua ignorância a razão da existência do educador, mas não chegam, nem sequer ao modo do escravo naquela dialética, a descobrir-se  educadores do educador.(...)

Na medida em que esta visão “bancária” anula o poder criador dos educandos ou o minimiza, estimulando sua ingenuidade e não sua criticidade, este tipo de educação satisfaz aos interesses dos opressores: para estes, o fundamental não é o desnudamento do mundo, a sua transformação. O seu humanitarismo, e não humanismo, está em preservar a situação de que são beneficiáriose que lhes possibilita a manutenção de sua falsa generosidade a que nos referimos no capítulo anterior. Por isto mesmo é que reagem, até instintivamente, contra qualquer tentativa de uma educação estimulante do pensar autêntico, que não se deixa emaranhar pelas visões parciais da realidade, buscando sempre os nexos que prendem um ponto a outro, ou um problema a outro. Na verdade, o que pretendem os opressores é transformar a mentalidade dos oprimidos e não a situação que os oprime, e isto para que, melhor adaptando-os a esta situação, melhor os domine.”

Paulo Freire, Pedagogia do Oprimido

Postado por Luciana Santos

Comentários

  1. Samantha escreveu:

    Gostei muito do trecho!

    Lembrei-me daquela escola retratada no filme Precious, em que uma aluna ensina a outra. Acho que o processo de ensinar deveria ser assim, pois todas as pessoas tem algo a ensinar ao próximo. Sendo assim, o professor deveria ouvir o aluno e trocar experiências com ele.

    Acho que assim as coisas tornam-se mais justas, mais agradáveis e mais produtivas, creio eu.

    Samantha MartinsSamantha ‒ segunda, 18 julho 2011, 08:42 BRT # Link |

  2. Luciana Santos escreveu:

    Não conheço o filme. Vou atrás, obrigada!

     

    Luciana SantosLuciana Santos ‒ quinta, 04 agosto 2011, 20:56 BRT # Link |

Você deve entrar no sistema para escrever um comentário.

Termo de Responsabilidade

Todo o conteúdo desta página é de inteira responsabilidade do usuário. O Stoa, assim como a Universidade de São Paulo, não necessariamente corroboram as opiniões aqui contidas.