Stoa :: Ricardo Fidos Horliana :: Blog :: Idéias e Opiniões - podemos censurá-las?

agosto 15, 2008

default user icon

No ambiente acadêmico, assim como deveria ser em qualquer lugar, é extremamente importante o surgimento de novas idéias e opiniões e, melhor ainda, o surgimento de debates e discussões sobre as mesmas. É por meio de expressões de idéias e pensamentos que podemos estabelecer parcerias, afinidades e até mesmo discordâncias que, pelo lado positivo, trazem sempre uma grande contribuição para as pessoas envolvidas no processo.  A divergência de opiniões permite o debate e o resultado quase sempre  é benéfico a todos. Isto é o que se espera de pessoas envolvidas e comprometidas com a verdade e com a soma de conhecimentos para um bem maior. As opiniões podem ser antagônicas sobre determinada informação ou produto, portanto, precisam ser discutidas, debatidas, para que um resultado final seja superior e mais produtivo do que a opinião original e, na maioria dos casos é o que ocorre.

Devemos parar e refletir se agimos com cuidado para não censurar uma idéia ou opinião, cuidado para não cercear o direito de expressão (tão oprimido em épocas não tão distantes), cuidar para não aumentar o preconceito e sim para diminuí-lo, cuidar para que todos possam ter a liberdade de se expressar respeitando a ética, a moral e os bons constumes. 

Considerei oportuno escrever este texto em virtude das opiniões e comentários que leio em posts de blogs na comunidade Stoa. Sem a intenção de contribuir para o crescimento e evolução, certos comentários apenas fazem apologia à censura, estimulando e instigando a remoção de posts e, portanto, de opiniões e idéias que são oriundas de pessoas no direito de expressão e que o fazem de forma ética, moral e, principalmente, fundamentada na promoção de auxílio, de ajuda e orientação.

Para os que ainda não entenderam que a liberdade de expressão é importante para o crescimento das comunidades como um todo, segue o texto a respeito de Censura obtido na Wikipédia (talvez não seja o melhor parâmetro, mas é um dos amplamente divulgados e disponíveis).

Deixo um grande abraço e torço para que idéias e opiniões sejam discutidas e debatidas com fundamento e que os atos de censura sejam cada vez menos frequentes, principalmente em uma comunidade composta por acadêmicos como é o caso do nosso Stoa.

 

Obtido em http://pt.wikipedia.org/wiki/Censura

Censura é o uso pelo estado ou grupo de poder, no sentido de controlar e impedir a liberdade de expressão. A censura criminaliza certas acções de comunicação, ou até a tentativa de exercer essa comunicação. No sentido moderno, a censura consiste em qualquer tentativa de suprimir informação, opiniões e até formas de expressão, como certas facetas da arte.

O propósito da censura está na manutenção do status quo, evitando alterações de pensamento num determinado grupo e a consequente vontade de mudança. Desta forma, a censura é muito comum entre alguns grupos, como certos grupos de interesse e pressão (lobbies), religiões, multinacionais e governos, como forma de manter o poder. A censura procura também evitar que certos conflitos e discussões se estabeleçam.

A censura pode ser explícita, no caso de estar prevista na lei, proibindo a informação de ser publicada ou acessível, após ter sido analisada previamente por uma entidade censora que avalia se a informação pode ou não ser publicada (como sucedeu na ditadura portuguesa através da PIDE), ou pode tomar a forma de intimidação governamental ou popular, onde as pessoas têm receio de expressar ou mostrar apoio a certas opiniões, com medo de represálias pessoais e profissionais e até ostracismo, como sucedeu nos Estados Unidos da América com o chamado período do McCartismo.

Pode também a censura ser entendida como a supressão de certos pontos de vista e opiniões divergentes, através da propaganda, manipulação dos média ou contra-informação. Estes métodos tendem a influenciar e manipular a opinião pública de forma a evitar que outras ideias, que não as predominantes ou dominantes tenham receptividade.

Uma forma moderna de censura prende-se com o acesso aos meios de comunicação e também com as entidades reguladoras (que atribuem alvarás de rádio e televisão), ou com critérios editoriais discricionários (em que por exemplo um jornal não publica uma determinada notícia).

Muitas vezes a censura se justifica em termos de proteção do público, mas na verdade esconde uma posição que submete os artistas ao poder do estado e infantiliza o público, considerado como incapaz de pensar por si próprio.

Actualmente a censura pode ser contornada mais eficazmente, com o recurso à Internet, graças ao fácil acesso a dados sem fronteira geográficas e descentralizado e aos sistemas de partilha de ficheiros peer-to-peer, como a Freenet.

O uso cotidiano da censura promove um movimento de defesa bastante corrosivo que é a auto-censura, quando os produtores culturais e formadores de opinião evitam tratar de questões conflitivas e divergentes.

Palavras-chave: Censura, liberdade de expressão

Este post é Domínio Público.

Postado por Ricardo Fidos Horliana

Comentários

  1. Leonardo de Oliveira Martins escreveu:

    Você responde à sua própria questão:

     cuidar para que todos possam ter a liberdade de se expressar respeitando a ética, a moral e os bons constumes

    Ou seja, idéias e opiniões que desrespeitem a ética, a moral e os bons costumes (!!) devem ser censuradas. E o que você acha que devemos fazer com os comentários que "não contribuem para "o crescimento e evolução, apenas fazem apologia à censura"? Eles merecem liberdade?

    É muito fácil, facílimo, defender a liberdade de expressar as próprias idéias, o difícil é defender a liberdade de expressar opiniões opostas, que nos agridem.  Você joga prá torcida quando pede que "atos de censura sejam cada vez menos frequentes". A censura, meu caro, impede que as idéias sejam publicadas para início de conversa. O que você defende, ao que eu entendi, é nada mais que a censura prévia (em inglês, "self-censorship", o significado é mais didático). Mas defender a censura faz parte da liberdade de expressão, não se preocupe.

    Nenhum país é completamente livre de "restrições à liberdade de expressão". Por exemplo: difamação, anonimato, discurso preconceituoso ("hate speech"), são limitações que temos no Brasil. Mas aqui no STOA o problema é bem diverso. Tão antigo quanto o convívio social comunicável é a idéia de que a mensagem tem um meio certo para se propagar, e os meios de comunicação se ocupam em maximizar essa propagação de idéias (e fatos). Trazendo de volta à nossa discussão, a liberdade de expressão não pressupõe que você possa dizer o que quiser, da forma que quiser, onde quiser: a mensagem e o formato vão determinar o local (ou vice-versa) - por regras de comum acordo [1]  e/ou por opção do mensageiro.

    Você usa o exemplo do ambiente acadêmico, mas se esquece que esse ambiente é composto por restrições ferozes à "liberdade de expressão", se você entende liberdade de expressão como "eu digo o que eu quero quando eu quero e onde eu quero". Em uma publicação científica, deve-se seguir regras rígidas para ter sua idéia publicada, com as melhores publicações sendo mais "restritivas" à sua suposta liberdade de expressão. Eu prefiro seguir Camões, e estar "preso por vontade" à academia. Esse é o contrato.

    No meu caso, por exemplo, defendi seu direito de falar bem da tal pasta porque acho que bobagens, quando expostas, educam mais do que a censura. 

    Uma última pergunta: se alguém criasse uma comunidade "Fora do STOA, Ricardo Horliana!", isso seria censura ou liberdade de expressão?

    Abraço.

     [1] Você não é obrigado a assinar um contrato, mas após assiná-lo você é obrigado a segui-lo.

    Leonardo de Oliveira MartinsLeonardo de Oliveira Martins ‒ domingo, 31 agosto 2008, 15:23 -03 # Link |

  2. Ricardo Fidos Horliana escreveu:

    Caro Leonardo,

    Fico contente com por receber seus comentários aos textos que escrevo e lhe agradeço por este último.

    Sua mensagem demonstra como deve ser a discussão sobre uma idéia e/ou opinião, fundamentada e aberta para o contínuo aprendizado e evolução para que todas as partes possam aprender e, se possível, criar um consenso. Concordo com vc quando diz "... o difícil é defender a liberdade de expressar opiniões opostas, que nos agridem." prova disto é que todas as mensagens postadas foram mantidas no refeito post, incluindo as contrárias à opinião emitida no texto. Não se trata de censura prévia e sim de manutenção de um espaço onde todos possam aprender ou, pelo menos, discutir.

    Quando digo "cuidar para que todos possam ter a liberdade de se expressar respeitando a ética, a moral e os bons constumes", citado no seu texto, refiro-me ao que vc diz "a liberdade de expressão não pressupõe que você possa dizer o que quiser, da forma que quiser, onde quiser: a mensagem e o formato vão determinar o local (ou vice-versa) - por regras de comum acordo [1]  e/ou por opção do mensageiro." Resta saber até quando deve-se aceitar a humilhação ou supressão de uma opinião.

    Quanto a sua pergunta, com certeza seria liberdade de expressão.

    Abraço,

     

    Ricardo Fidos HorlianaRicardo Fidos Horliana ‒ sexta, 05 setembro 2008, 13:43 -03 # Link |

Você deve entrar no sistema para escrever um comentário.

Termo de Responsabilidade

Todo o conteúdo desta página é de inteira responsabilidade do usuário. O Stoa, assim como a Universidade de São Paulo, não necessariamente corroboram as opiniões aqui contidas.