Stoa :: Ewout ter Haar :: Blog :: A Web e só a Web é a plataforma de desenvolvimento do futuro

março 13, 2010

default user icon
Postado por Ewout ter Haar

Para fazer desenvolvimento de software é preciso usar uma plataforma. Antigamente, só tinha plataformas proprietárias, controladas por uma única entidade, como por exemplo Microsoft ou IBM. Este tipo de software roda no seu desktop (ou, no caso de computação móvel, no seu handset), usando as bibliotecas fornecidos pelo sistema operacional. 

Recentemente ficou viável fazer aplicativos "da Web". Um dos exemplos mais impressionantes, para a época, era gmail, que mostrou que aplicativos da Web podiam competir em pé de igualdade com aplicativos "nativos" do ponto de vista do usuário.

Para o usuário, o que importa é somente funcionalidade. Mas para desenvolvedores e do ponto de vista de diversidade e "generatividade" o que importa é quem controla a plataforma. Nenhuma única entidade ou organização controla a Web. Por bem ou por mal, é um conjunto de acordos entre fornecedores de navegadores, desenvolvedores Web, fornecedores de servidores Web, provedores de serviço de internet, etc. etc. 

E isto leva a uma baixa barreira de entrada de novas idéias (ninguém precisa pedir permissão para começar implementar uma nova idéia) e assim uma grande quantidade de inovação. Por outro lado, levar a própria plataforma para frente é mais difícil, justamente por não ser controlado por uma única entidade. 

Estamos numa fase de proliferação de plataformas. O domínio de Windows acabou. Também, a distinção clara entre aplicativos no desktop e aplicativos da Web na verdade não é tão claro: Adobe AIR por exemplo é um espécie de intermediário, um chamada plataforma para fazer "Rich Internet Apllications", aplicativos que rodam no desktop, mas ao mesmo tempo desenvolvedores podem usar técnologia da Web (css, javascript). 

Supostamente, para aplicativos nativos ou do tipo Adobe AIR a experiência do usuário é melhor, porque podem usar as funcionalidades mais avançadas da plataforma. Veja então a minha surpresa com a minha experiência de usuário quando instalei TweetDeck, um cliente para Twitter escrito com AIR. A instalação era tranquila (embora que sempre fico nervoso ter que dar acesso ao meu computador, aplicativos Web são muito mais seguros neste sentido). Mas olha o que acontece quando roda o programa pela primeira vez:

 Notem:

 

  1. um diálogo modal avisando que o aplicativo está fazendo uma conexão com servidor não confiável  (até olhei o certificado, porque acho que entendo de certificados e criptografia na internet, mas não tinha nenhuma informação que podia me ajudar tomar uma decisão racional).
  2. um diálogo de atualização da própria plataforma
  3. um tweet, solto no meio da tela
  4. um diálogo de introdução do aplicativo
  5. no fundo, mais um monte de ruído visual
Dizem que plataformas proprietários fazem interfaces de usuários melhores, mas obviamente não é verdade. Na Web, as interfaces são mais simples, mas razoavelmente bem padronizadas (e assim viram "intuitivo", por hábito). 

Não gosto de AIR. Para desenvolvedores, não acredito que vale a pena correr o risco de ficar dependendo de uma única controladora, no caso Adobe, que pode de repente tirar o tapete. Para usuários, não vale a pena se submeter aos idiosincracias de mais uma plataforma. A Web faz tudo que precisa e de forma muito melhor e segura.

Próximo episódio: porque não deveriam desenvolver para Apple. 

 

 

Palavras-chave: Adobe AIR, AIR, desenvolvimento, plataformas, software, web

Esta mensagem está sob a licença CreativeCommons Atribuição.

Postado por Ewout ter Haar

Você deve entrar no sistema para escrever um comentário.

Termo de Responsabilidade

Todo o conteúdo desta página é de inteira responsabilidade do usuário. O Stoa, assim como a Universidade de São Paulo, não necessariamente corroboram as opiniões aqui contidas.