Stoa :: Eliezer Muniz dos Santos :: Blog :: Filosofia

Março 27, 2007

default user icon
17/12/2002 - 02h59 SYNAPSE
Crianças que não dizem amém
CYNARA MENEZES
REINALDO JOSÉ LOPES

free-lance para a Folha de S.Paulo

Eu não acredito em Deus. Proferida por um filósofo existencialista ou por um comunista anacrônico, a declaração não surpreenderia. Mas quem a faz, em meio ao clima natalino dominante, é um pré-adolescente paulistano.

Pedro Azevedo/Folha Imagem
Leon Guerberoff Gurfein, 12, que afirma não acreditar em Deus

De ascendência judaica por parte de pai e mãe, mas criado em ambiente laico, Leon Guerberoff Gurfein, 12, integra um contingente que, embora minoritário, cresce cada vez mais em um país que ainda é considerado a maior nação católica do mundo.

O Brasil entra no terceiro milênio —aguardado como a mais mística das eras— com 12,3 milhões de pessoas que se dizem sem religião. Elas são 7,3% da população. Dados preliminares do Censo 2000, apresentados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), mostram que os sem-religião cresceram em média 6,7% ao ano na década de 1990. O ritmo só é menos veloz do que o da expansão dos evangélicos, de 8% ao ano.

Para muitas dessas pessoas, o Natal é uma festa apenas familiar. Sé é difícil encontrar quem desconheça o significado religioso do 25 de dezembro, é cada vez menos difícil achar quem não ligue para isso. Leon sabe que os cristãos celebram o nascimento de Jesus, mas definitivamente não se inclui entre eles. "Eu ganho meus presentes e pronto", afirma. Em seu ateísmo convicto, tem as respostas na ponta da língua. Se não foi Deus, então quem criou o mundo? "O mundo se criou sozinho." Não apela para Deus nem nos momentos difíceis? "Não, confio em mim mesmo."

O crescimento do número de jovens como ele, sem credo formal, obrigou até escolas declaradamente confessionais a alterar os parâmetros das aulas de educação religiosa. O proselitismo foi excomungado; o debate, abençoado. O novo catecismo prega a necessidade de conhecer o aspecto cultural da matéria. Não, necessariamente, aceitá-la.

Quem defende a volta do ensino religioso nas escolas públicas também reza por essa cartilha. "A clientela mudou, a sociedade mudou. Infelizmente, e isso me causa até vergonha, ainda há escolas que tocam a sineta para chamar para a missa, mas são minoria", diz o professor Sérgio Junqueira, da Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Paraná, que coordena o Fórum Nacional Permanente do Ensino Religioso (Fonaper) e é irmão da ordem marista.

O fórum, que existe há sete anos, reúne representantes das várias religiões conhecidas e luta pelo cumprimento da lei aprovada em 1997, prevendo a volta das aulas de religião nos colégios públicos, uma vez por semana, sem avaliação para nota. Atualmente, segundo a entidade, Santa Catarina é o Estado onde a aplicação da lei está mais avançada, com o reconhecimento da habilitação em ensino religioso.

Em São Paulo, uma lei aprovada pela Assembléia Legislativa em novembro estabelece que os alunos não são obrigados a frequentar as aulas de religião, que começaram a ser ministradas neste ano na rede estadual, mas apenas na 8ª série do ensino fundamental. Os professores de história, filosofia e ciências sociais foram considerados habilitados a dar as aulas.

Nelas se aprenderia nem tanto a história das religiões, que o Fonaper defende ser incluída no currículo como matéria de história, mas culturas, ritos e tradições, além do conhecimento dos textos sagrados dos vários credos, numa disciplina cujo teor principal seria "discutir a dimensão do transcendente". O próprio professor Sérgio Junqueira reconhece que o maior desafio, hoje, é formar docentes. "Só temos conhecimento de curso de habilitação de professores de ensino religioso em Santa Catarina e no Pará", diz.

Temas tradicionalmente relacionados à religião, como a ética, a solidariedade, o respeito pelo próximo, a moral e a fraternidade, seriam abordados, mas lateralmente. "Os professores de língua portuguesa, biologia ou mesmo de matemática também são responsáveis por transmitir esses valores", defende o coordenador do fórum. "Não é nossa tarefa ser axiológico." Traduzindo: não seria papel dos professores de religião difundir noções como o bem, o belo, a verdade ou o que é sagrado. Especialistas concordam. "Uma moral autônoma é perfeitamente possível", diz o antropólogo Silas Guerriero, da PUC de São Paulo. "Quando se cria uma ética a partir da racionalidade, você passa a considerar que somos membros da humanidade e que, portanto, a agressão a um ser humano é uma agressão a nós mesmos", analisa.

"Se o ambiente que circunda a criança tem seriedade ética, a falta da religião não causará problemas", secunda Geraldo José de Paiva, do Departamento de Psicologia Social da USP.

O sociólogo da religião Antônio Flávio Pierucci, também da USP, vai na mesma linha. "Estamos presenciando uma separação entre ética e religião. As virtudes não são mais religiosas. Ao mesmo tempo, as próprias religiões vão se desinteressando de inculcar princípios éticos e se voltam para o êxtase, os rituais e o senso de comunidade."

Pedro Azevedo/Folha Imagem
Turbiano, agnóstico, com o filho Francisco, 12, que quer fazer primeira comunhão
Pais sem religião também costumam achar importante que os filhos conheçam o assunto para formar suas próprias opiniões. Agnóstico, o arquiteto Ercules Turbiani, 52, está assistindo ao interesse do filho Francisco, 12, pelos rituais da igreja. Com avós católicos praticantes, Chico pretende fazer a primeira comunhão no próximo ano. O pai já concordou ("Seria repressão discordar", diz) e não acharia mau que houvesse, na escola do menino, algo como "história das religiões", embutido em uma disciplina afim —talvez filosofia.


"É claro que aí teriam de entrar passagens pouco edificantes das diversas religiões, como foi a Inquisição para o cristianismo", defende Turbiani. "Também gostaria que fossem abordadas questões como o fato de as igrejas pentecostais associarem a ligação com Deus à capacidade de consumir bens materiais. Coisas do tipo 'creia em Deus e terá sucesso na vida'", completa.

A crença em Deus nem sempre tem origem no interesse intelectual pela religião. Muitas vezes ela nasce ou se intensifica nos momentos de dificuldades. A fé no transcendente e a fragilidade humana são indissociáveis. As dificuldades nem precisam ser tão graves. É comum que garotos recorram ao Todo-Poderoso na época de provas. "Perto dos exames, nossa sinagoga lota. Depois, esvazia. Estamos lidando com jovens e compreendemos isso", diz o professor Nelson Rozenchan, diretor da área judaica do colégio I.L. Peretz, de São Paulo. A escola, que se define como "judaica, não religiosa", tem aulas obrigatórias de Torá (Bíblia), história do povo judeu e língua hebraica. Mas o professor admite ter muitos alunos ateus.

O mesmo acontece em outras instituições de ensino religioso, como o Colégio São Luís (católico) ou o Colégio Batista (evangélico), ambos paulistanos. "A educação religiosa é uma disciplina como qualquer outra. Produz conhecimento, tem objeto, conteúdo. Não estamos avaliando a fé", argumenta Ceciélio Côrtes, professor de ensino religioso do São Luís. "Trabalhamos sem doutrinar, dentro de um contexto bem 'light', com música, teatro. Tem de ser uma aula muito criativa para eles se interessarem", diz Luci Galdino, coordenadora pedagógica do Batista, onde a matéria não vale para nota.

Apesar dessa adaptação do ensino religioso aos novos tempos, o contingente de não-religiosos não pára de crescer. De acordo com Nilza Pereira, pesquisadora do Departamento de População e Indicadores Sociais do IBGE, ainda não há dados que definam o perfil econômico e social desse segmento. Sabe-se que se trata de um fenômeno sobretudo urbano. Nada menos que 90% dos que se consideram sem religião moram em zonas urbanas. Sabe-se também que, no Rio de Janeiro, a proporção dos sem-religião é o dobro da média nacional: 15% da população fluminense. Além desses dados, que não chegam a explicar muita coisa, o resto é mistério. Não se sabe exatamente o que querem dizer esses brasileiros quando se declaram sem religião. Estudiosos do assunto ouvidos pela Folha concordam que, embora haja cada vez menos pessoas identificadas como seguidoras de religiões formais, isso não significa que não tenham sua religiosidade ou que não acreditem em uma força suprema e num Deus criador.

Mais: à margem do que dizem as estatísticas, há uma quantidade não mensurável de pequenos fiéis em lares ateus ou agnósticos. São crianças que sofrem a influência do entorno familiar ou até das pessoas que frequentam a casa, como os empregados domésticos.

Alexandre Schneider/Folha Imagem
Thiana Feisthauer e Thiago Ribeiro com as filhas Olívia, 7, e Nina, 1

Olívia, 7, nem pisca ao responder se acredita em Deus. "Sim." Seu olhar não trai nenhuma dúvida. Os pais dela, Thiago Ribeiro, 24, cineasta, e Thiana Feisthauer, 27, advogada, não tiveram, eles próprios, educação religiosa. Nenhum dos dois é batizado —assim como Olívia ou sua irmã, Nina, 1. Ribeiro é ateu convicto. Thiana acredita em Deus, mas não em "intermediários", isto é, em igrejas de maneira geral. Olívia tem uma babá evangélica. Na convivência com ela, aprendeu que Deus castiga, mas é bom. Sustenta com segurança que Deus e Jesus são a mesma pessoa, embora sejam pai e filho. Não acredita no Diabo, "o Cão de baixo" no dizer da babá, mas tem medo.

Os pais da menina discordam quanto à necessidade de a escola transmitir informação religiosa. "Eu acho que não faz falta nenhuma", diz a mãe. Para Ribeiro, seria bom que as filhas conhecessem um pouco de religião "para compreender o mundo atual". Ele afirma, contudo, que a iniciativa não será dele, mas delas. "Se elas tiverem curiosidade, vamos procurar alguma coisa na internet. Não vou introduzir esse assunto."

É certo que, sem as aulas de religião, o ônus da educação religiosa acaba, de uma maneira ou de outra, recaindo sobre os pais. E a pressão para que as crianças tenham algum tipo de envolvimento religioso, sobretudo em ocasiões com forte apelo social de confraternização, como o Natal, coloca a família numa situação delicada, que precisa ser manejada com cuidado, dizem os especialistas.

"Os pais devem sempre proteger a criança", orienta o professor de filosofia Mário Sérgio Cortella, do Departamento de Teologia e Ciências da Religião da PUC-SP. A opção deles não deve causar constrangimento aos filhos. E não há motivo para deixá-los totalmente isolados dessas manifestações, argumenta. Mesmo que a família deixe claro que não tem uma escolha religiosa, eles serão capazes de fazer sua própria opção.

Para seu colega de PUC Silas Guerriero, um ensino religioso que privilegiasse a pluralidade só faria bem. "Nós defendemos algo que funcione até para o aluno que não é religioso, algo que lide com a espiritualidade, os valores, a ética, o sentido da vida —independentemente da crença específica", afirma o antropólogo. "Isso seria importante até para quebrar o preconceito que o aluno não-religioso tem em relação à religião e para mostrar que a escolha dele também é uma escolha simbólica, como a dos religiosos."

"Uma idéia errada do transcendente é tão ruim quanto nenhuma idéia", diz o psicólogo Geraldo Paiva, da USP. "Nenhum contato limita potencialidades. Quando bem direcionado, o sentimento religioso pode conduzir a uma expansão do pensamento, do afeto, do empenho e do compromisso. Mas o fanatismo, as idéias unilaterais sobre a religião —como considerar Deus como alguém empenhado em vigiar e punir— vai perturbar o desenvolvimento psicológico e até gerar neuroses", afirma.

Na contracorrente do censo, opções de ensino religioso, formais ou não, começam a aparecer. Um exemplo: há três anos, a Escola Viva, de São Paulo, particular e leiga, resolveu criar um curso de cultura religiosa extracurricular no ateliê de arte e cultura anexo ao prédio. O curso é pago à parte pelos pais interessados em que os filhos aprendam algo de religião. Sua criação foi estimulada pela diretora Inês Americano a partir de uma experiência pessoal com as netas.

"Um dia as levei à missa, e elas me fizeram muitas perguntas", conta a diretora. "Então tive a idéia de criar esse curso, mais para matar a curiosidade dos alunos." As aulas incluem artes plásticas, criação de vitrais, canto gregoriano e visitas aos templos das diversas religiões. Agora, no Natal, os alunos também aprendem a restaurar brinquedos velhos para serem doados a crianças pobres. Para esse aprendizado, as crianças dizem amém.

Palavras-chave: Educação, Filosofia, Religião

Este post é Domínio Público.

Postado por Eliezer Muniz dos Santos | 1 usuário votou. 1 voto | 11 comentários

Fevereiro 14, 2007

default user icon
  • ESTE ESPAÇO É DE DEBATE PÚBLICO
  • ESTÁ ABERTO A DISCUSSÕES RELACIONADAS AOS PROJETOS DE PESQUISAS NA UNIVERSIDADE
  • ESTÁ ABERTO À CRÍTICAS (por favor deixe a sua)
  • É INFINITO (ou infinitamente finito)
  • ACEITAMOS NOVAS IDÉIAS
  • TEM RESPONSABILIDADE DE SER EDUCACIONAL

Postado por Eliezer Muniz dos Santos | 4 comentários