Stoa :: Desenvolvimento do Stoa :: Fórum

Autor Em discussão: Deveres e Direitos de Moderadores
Ewout ter Haar
Ewout ter Haar

Fev 24, 07

No Stoa, o seu ambiente é seu e você tem o dever de cuidar dela. O mesmo vale para os ambientes comunitários. Neste caso, a responsabilidade é do "dono" ou "moderador". A seguir, vou fazer uma primeira tentativa de formular alguns direitos e deveres de moderadores de comunidades. A idéia é de mostrar este texto ao participante que está prestes a criar uma comunidade.

Uma comunidade é um ambiente dentro do Stoa onde membros podem postar mensagens num blog comunitário, fazer upload de arquivos num espaço comunitário, etc. A principal diferença com um ambiente pessoal é uma questão de percepção: num ambiente comunitária o foco é um determinado tema, enquanto num ambiente pessoal o foco é um determinado pessoa. Tecnicamente também tem algumas diferenças: nos controles de acesso ao conteúdo pode incluir somente membros da comunidade, por exemplo.

Como qualquer ambiente dentro de Stoa, a comunidade requer manutenção. Ninguém se sente a vontade numa área abandonada. O primeiro requisito de um moderador é ser capaz de juntar de fato membros suficiente para formar uma comunidade ativa. Cabe ao moderador da comunidade

  • formular regras e normas e zelar pelo bom andamento da comunidade;
  • remover qualquer conteúdo que fira estas normas;
  • fazer manutenção do ambiente: remover spam, comentários não apropriados, material que não deve ser compartilhado, etc.

O ambiente da comunidade é da responsabilidade do moderador, e ele terá que responder por eventuais abusos. Moderar uma comunidade dá trabalho: normalmente, um participante de Stoa não deve criar mais do que, digamos, 5 ou 6 comunidades.

Em última instância, os administradores de Stoa sempre terão a possibilidade de remover qualquer conteúdo que considerem violação das leis brasileiras, das normas da USP, ou do bom-senso. A pedido, os administradores do Stoa podem transferir a moderação de uma comunidade. Cabe aos administradores do Stoa também resolver disputas sobre a moderação, no caso que a própria comunidade não consegue resolvê-las.

É a responsabilidade dos desenvolvedores do Stoa oferecer ferramentas para que os moderadores podem exercer as suas tarefas. Gostaríamos saber o que está faltando para poder moderar a sua comunidade com eficiência.

Palavras-chave: comunidades, moderação, stoa

O Renato teve uma ideia interessante: apagar automaticamente comunidades vazias após um certo tempo.

Se vejamos uma coisa acontecer que não gostamos, podemos atacar o problema em 2 frentes: social e tecnologica. Tentei a tática social no caso de participantes postando no blog pessoal noticias da
fapesp, mas não resolveu. Vamos a solução tecnológica então, tirar estes posts da página principal.

Gostei da ideia de apagar comunidades vazias. Se avisar antes da criação, não vejo problema.

Algumas considerações.

Número máximo de comunidades 

O ambiente da comunidade é da responsabilidade do moderador, e ele terá que responder por eventuais abusos. Moderar uma comunidade dá trabalho: normalmente, um participante de Stoa não deve criar mais do que, digamos, 5 ou 6 comunidades.

Acho que essa parte deve ser modificada, pois pode passar uma impressão para o usuário um tanto autoritária. Talvez seja melhor explicar para o usuário os propósitos das comunidades aqui no Stoa, diferentes dos do orkut, além de sugerir que ele procure comunidades sobre o assunto que ele vai criar e mencionar sobre as comunidades institucionais.

Essa explicação sobre as comunidades, sugerida pelo Ewout, estaria no local onde o usuário cria a comunidade (acho, inclusive, que precisamos colocar o local onde as comunidades são criadas em local mais acessível). Talvez um link e uma caixinha de confirmação que só permitisse a criação de uma nova comunidade se ele lesse esse guia (sei que a maioria não lerá, mas não custa tentar).

Falei na lista de desenvolvimento sobre restringir o número máximo de comunidades  que um usuário pode criar para 10 e, em casos extremos, um usuário poderia entrar em contato com os administradores explicando os motivos para a criação de mais uma ou mais comunidades. No texto explicativo sobre as comunidades, sugeriríamos que o usuário mantivesse um número considerável de comunidades que ele pudesse adminstrar de forma eficaz.

Mediadores 

Sou moderador da comunidade Física no orkut junto a outros 8 ou 9 amigos físicos. São pouco mais de 26 mil membros e sabemos o trabalho que é manter o objetivo da comunidade em foco, principalmente quando surgem usuários, hmmmm, de gênio difícil e que discordam das atitudes da moderação. Tivemos, inclusive, que criar uma comunidade para discussões sobre a moderação da comunidade, de modo a manter o fórum focado em discussões apenas sobre física.

Não sei se as pessoas estão acostumadas com esse tipo de trabalho, lidar com um grupo de pessoas que criar diversos tópicos sobre os mais diversos assuntos, diariamente. Acho bom deixar isso claro, sobre a responsabilidade do moderador para o bom andamento de suas comunidades. 

Acho que devemos criar a possibilidade de uma comunidade no Stoa ter mediadores, como ocorre no orkut. Os mediadores podem apenas: 1.  apagar tópicos; 2. expulsar membros.  Uma comunidade pode, no máximo, ter 10 mediadores.

Mudanças na descrição e figura da comunidade, além de escolher quem serão os mediadores, podem ser feitas apenas pelo moderador.

Deletar comunidades

Precisamos decidir em que casos vamos deletar as comunidades (ainda acho que no momento os únicos que podem deletar uma comunidade são os administradores, para não ocorrer como no orkut, por exemplo, onde falhas de segurança permitiram que pessoas mal intencionadas apagassem comunidades inteiras). O Renato sugeriu na lista de email que deletássemos comunidades que fossem criadas e depois e uma semana parada (= sem nenhuma mensagem no blog comunitário) fosse deletada, o que, já adianto, discordo. Discordo, em primeiro lugar, porque o Stoa ainda é novo e as pessoas estão voltando de férias agora. Você respondeu para ele que se  deletar a comunidade, após a criação e um determinado tempo sem uso, for consenso, deveríamos entrar em contato com o moderador antes de deletar. É mais sensato do que simplesmente deletar, somado ao fato de não termos explicado quase nada aos usuários sobre o uso das comunidades. O máximo que temos é isso.

O que precisamos levar em consideração é que algumas comunidades criadas estão paradas pois o Stoa ainda é novo e temos poucas pessoas (hoje, pouco mais de 500). Com o tempo acho que mais discussões surgirão.

Acredito que as pessoas não estão muito habituadas a participar de discussões em comunidades, ainda mais em público (principalmente brasileiros, hehehe). A antiga comunidade USP do orkut tinha mais de 33 mil membro e, certamente, não mais de 200 pessoas participavam ativamente das discussões.

Suporte aos usuários (documentação sobre o Stoa) 

Como explicações sobre o uso do Stoa ainda são muito pobre (estamos, ao poucos, criando mensagens em blog e vamos colocar tudo organizado numa página), talvez seja o caso de todo o grupo de desenvolvimento ficar nisso na próxima semana, ou ter que ficar falando com usuário por usuário será muito trabalhoso.

É importante mencionarmos é sobre o uso das palavras-chave (tags) aqui no Stoa. Como disse o Renato num email na lista de desenvolvimento, as tags podem servir muito bem para os usuários acharem uns aos outros e não as comunidades, com em geral muitos fazem no orkut. Se uma pessoa entrou numa comunidade é porque ela, em geral, está interessada nas discussões que ocorrerão nesse local. 

Outra coisa que devemos tentar mostrar para os usuários é eles procurarem por comunidades sobre os assuntos que eles desejam criar uma comunidade. 

É isso, acho que os pontos importantes no momento sobre as comunidades são esses: 1. explicar aos usuários sobre os objetivos das comunidades; 2. melhorarmos o esquema da moderação, permitindo mediadores para ajudar a moderação; 3. decidir o número máximo de comunidades por usuário, deixando, em casos especiais, que alguns criem mais comunidades que esse número máximo decidido por nós


Renato

Fev 24, 07
# Link

Então, eu também discordo de mim mesmo sobre apagar automaticamente a comunidade após 1 semana sem uso, na verdade prefiro algo com diálogo, avisos e tudo mais. Mas ainda assim, dada essa regra, as pessoas vão simplesmente criar a comunidade e postar algo, e a comunidade fica lá, vazia, do mesmo jeito. Então, a sugestão não é que se faça algo automaticamente, mas que procuremos comunidades que se encaixem nisso pra questionar a existência dela.

Tenho minhas dúvidas se devemos adotar uma política de controle nesse assunto, talvez devêssemos simplesmente largar e esperar que os usuários decidam quais comunidades valem a pena e quais não. A única coisa é que tem mais comunidades do que posts quase! Um número enorme de comunidades não contribui pra aproximar as pessoas, pelo contrário...especialmente agora no início, podemos ter uma pessoa por comunidade hauhaaha. (hum...será a história da universidade dividida em ilhas se repetindo virtualmente? :p)

Enfim, no fundo é uma questão de educar os usuários, e isso é absurdamente difícil hauhahua. Quem sabe devêssemos começar a escrever textos não sobre o que "não pode" ou "não é legal" (criar comunidades demais/vazias por exemplo), mas sim sobre o que esperamos dele: participar comentando os posts de interesse; escrever posts sobre assuntos do interesse dela, tanto pessoal quanto geral, em temas mais ou menos específicos; criar comunidades relevantes quando se sente que é necessário realmente separar algum tema da discussão geral.

Por exemplo, neste caso, o que acontece de indesejável? Não acontece nenhuma discussão na comunidade da fflch, que deveria ser enorme, mas já há um monte de comunidades a respeito de tópicos específicos. Acho que o mesmo acontece com a da ECA também. Se você tem um grupo de amigos e quer criar uma comunidade pra falar bobagens entre vocês, ótimo, mas não é isso que vejo. As pessoas criam uma comunidade bem específica esperando que todas as pessoas ligadas à área vão imediatamente entrar no Stoa (o que não é verdade), encontrar a comunidade (o que deveria ser, mas nao é, verdade) e entrar e participar (pfff...).

Resumindo:

  • participe das comunidades grandes, lá você vai encontrar mais gente!
  • se tiver muita gente discutindo um assunto específico, pode ser conveniente criar uma comunidade adequada para esse fim, mas discutir com mais gente (mesmo que nem todo mundo seja da área) é sempre melhor!
  • o melhor jeito de encontrar pessoas relacionadas aos seus interesses é usando o sistema de tags, não criando comunidades apenas para agregar pessoas.
Bom, quanto ao caso do indivíduo com várias comunidades: Primeiro se notarem a maioria das comunidades por ele criadas são de disciplinas, existindo 8 comunidades do usuário não relacionadas com alguma disciplina. A questão de banir número de comunidades criadas sobre o argumento de utilizar um URL que poderia ser utilizado por uma comunidade mais ativa não é importante para mim. O problema entra no âmbito do espaço em disco que o usuário possuirá dessa forma. Outro ponto que não acho válido é questão da criação de diversas comunidades, que acabará segregando demais os usuários. Em geral tais comunidades ficarão inativas, e não formando pequenos grupos de usuários. Não vejo muito problema em criar N (sendo N um número maior que 20) comunidades desde que: * O sistema não dê muito destaque as comunidades inativas. Por exemplo: - não aparecendo no random communities na página principal. - o futuro mecanismo de busca de todas as comunidades do sistema mostrasse por último por default as comunidades inativas - deixasse-mos um script periódico verificando comunidades inativas, e quando encontrasse comunidades que passassem por certos critérios previamente estabelecidos por nós, receberíamos um e-mail e o usuário também que a comunidade seria deletada em M dias. Claro que tais critérios teriam que ser inteligentes, levando em consideração os posts já criados na mesma, número de usuários, etc. * Possuamos alguma forma de quota de disco que somasse o espaço em disco utilizado pelo usuário inclusive nas comunidades (se já existir isso me corrijam). * Tenhamos já por default uma comunidade para cada disciplina mas sem moderador, como sugeri um dia. Tais comunidades acredito, teriam que ter um destaque no sistema, quem sabe um seção no site apenas para Disciplinas, ou algo do tipo. Futuramente, a medida que fosse sendo utilizadas, iríamos nos deparar com requisições para moderação das mesmas. Também verificar quais disciplinas os usuários estão matriculados no semestre e sugerir aos mesmo no logon se cadastrarem nas comunidades de tais disciplinas. /* Esse ponto é a razão por ter citado acima o número de comunidades não relacionadas à disciplinas do usuário ole */ Apesar de não achar um problema tão grande a criação de comunidades, acredito ser importante um texto explicando sobre qual objetivo das comunidades, e esclarecendo pontos como os citados pelo Renato sobre a diferença em tags e comunidades. Na página para criação de comunidades poderia existir um texto introdutório (algo como "Por quê criar uma comunidade?" e de preferência antes do formulário de criação), algo curto mas com referência à um texto mais completo. Se tivéssemos todos esse pontos acima realizados não vejo uma razão para limitarmos o número de comunidades criadas por usuário. Quanto ao usuário que posta notícias da fapesp em seu blog. Não vejo porquê desaconselhar o mesmo de continuar fazendo isso. Ok, eu imagino o porquê (não aparecer as mesmas no lista "Todas as Mensagens"), mas não acho que a solução seja educar os usuários para não fazerem isso. O melhor mesmo é implementar no sistema uma forma de separar as mensagens dos usuários de mensagens automáticas alimentadas por feeders RSS. Algo análogo ao que vi no stoa-test (mas com uma implementação melhor, nada pessoal Ewout). Pensem que futuramente, se atingirmos um número que seja de 200 usuários ativos (com uma média de 2 publicações a cada 3 dias), a lista "Todas as mensagens" já estaria com overdose de informação suficiente para pensarmos em algo como mudar o código do "Todas as mensagens", quem sabe por um sistema que mostrasse 20 mensagens randomicas das mais recentes. /* Esse ponto é apenas uma idéia bastante não madura, pode ser até bobagem */ w.

Olé!

Fev 25, 07
# Link

Pensei em criar uma comunidade para cada disciplina para que as pessoas do curso tomassem conta delas e, quando acabesse o semestre, passassem as comunidades para as outras pessoas que se matricularão nela. Vi que isso seria muito trabalhoso e que, dificilmente daria certo. As pessoas teriam que se matricular no Júpiter e aqui! Poucas pesssoas fariam isso. O ideal é que o Júpiter fosse totalmente integrado com esse sistema. Ai sim, isso funcionaria. Imagina se tivesse uma agenda virtual para cada usuário.... são idéias. Precisei criar todas as comunidades para perceber que isso não dará certo da maneira que temos as duas plataformas hoje.

Por favor, não mexam em minhas comunidades. Apaguem somente as que o usuário NEWS tem.

Muito obrigado. 


Renato

Fev 25, 07
# Link

Oi Olé,

desculpe se parecemos um tanto agressivos hahahha...não, não vamos sair apagando suas comunidades sem mais nem menos, discutimos aqui em aberto o que pretendemos fazer, e você pode discutir conosco numa boa.

No fim sua idéia se sobrepôs a uma que já estamos implementando há algum tempo: comunidades relacionadas a disciplinas. Isso já está quase pronto, estava dependendo de rotinas pra lidar com o banco de dados do júpiter e um tanto de código pra criar as comunidades e tudo mais. Talvez você tenha visto o campo "disciplinas" no seu perfil: preencheremos o campo de cada pessoa com as disciplinas, e daí será possível integrar os participantes por meio do sistema de tags. Ainda não ficou muito claro pra mim como serão as comunidades, ainda há alguns pontos a serem discutidos, mas estamos trabalhando e conversando sobre isso.

Quanto à idéia da agenda, ela também fazia parte dos nossos planos iniciais. O elgg contava com um plugin de calendário, mas ele está muito desatualizado e cheio de bugs, então enquanto uma versão nova não sair, nada de calendário por aqui... 

"Por quê criar uma
comunidade?", eh uma pergunta que naum pode estar cerceada por um conjunto de regras fixas.

É fundamental ter uma apresentação geral na página onde criamos as comunidades. Mas são sugestões. Como, para verificar o impulso da usuário, solicita-lo uma rápida busca para ver se já não existem outras com o mesmo tema, ou se existe, não compreenda as razões do usuário, para cria-la. Outra solução seria, no espaço onde ele irá digitar o nome da comunidade, embaixo, abrir uma janela, com as possíveis comunidades próximas aquele tema, conforme ele vá digitando.  Assim evitariamos que as pessoas criassem comunidades sem necessidade como aquelas{Licenciatura, Licenciaturas}, mas, isto pode ser um exemplo, e não regra.

Em relação a apagar as comunidades sem visitantes, acho estremamente arbitrário. Poderíamos prever por exemplo um estudante que vai discutir "moscas amarelas"?. Ora, elas sóh chegam no inverno, eaee ateh laa, pode ser que naum seja ainda um tema interessante, e naum tenha msm visitantes....mas isto, voltaremos mais tarde...ateh laa, abraçus\°/  ahh, tb axu um saco esse negócio de dispor-nibilizara partir de disciplinas...

Eliezer Muniz dos Santos on domingo, 25 fevereiro 2007, 12:12 BRT

Olé!

Fev 26, 07
# Link

Que bom que vcs já tinham pensado nisso! Vai agregar muito valor ao stoa.

Abraços,

O seguinte me parece consenso:

  1. Não apagar comunidades por um script. Certamente não agora, no início, mas provavelmente nunca. Conversar com os envolvidos é sempre preferível.
  2. Colocar um texto explicativo do tipo "o que é uma comunidade e o que você deve fazer" no formulário de criação de comunidades novas.
  3. Não fixar limite de comunidades por pessoa.
  4. Criar maneiras intelligentes de buscar e destacar comunidades interessante.

Eu tinha muito medo de comunidades vazias, sejam eles criados por usuários, sejam criados por nós (comunidades de disciplinas por exemplo). O meu raciocínio era que precisamos de intelligência humana para a manutenção e vigilância das comunidades. Se tiver cantos abandonadas no Stoa, quem vai denunciar abusos: spam e distribuição de material illegal usando o nosso sistema.

Ainda acho que uma comunidade sem manutenção humana tem zero chance de funcionar. E que é o moderador que é fator dominante na êxito da comunidade, trazendo membros e mantendo o ambiente limpo. E que precisamos criar políticas e tecnologia para incentivar comunidades onde há um controle social, onde as pessoas se sentem entre pares.

Mas acho que o Renato me convenceu que eventuais áreas abandonadas não representam um real perigo. Spam pode occorer somente num post, e o post tem dono. Conteúdo illegal (pornografia de criânça é o exemplo canônico) pode ser distribuido se o nosso sistema for hackeado, uma comunidade abandonada não vai ser o vetor mais simples para o criminoso usar.

Mesmo assim, não vejo porque a gente deve criar automaticamente comunidades (das disciplinas por exemplo). Como falei, se não tiveram moderador, para que vão servir? Mas pode ter argumentos a favor, vamos ver.

Bom,eu gostaria de saber como faço pra ser dono de uma comunidade q n tem dono?a história é o seguinte,minha prima fez uma comunidade para mim,e ela n me add como mediadora da comunidade,e algum tempo atrás ela se excluiu e a comunidade agora está sem dono,tem como eu ficar sendo dona dessa comunidade?

Espero q tenham entendido..e obrigada se me responderem...

Cara morena18_gba@hotmail.com,

poderia, por favor, entrar no sistema Stoa, para a identificarmos, e detalhar um pouco melhor seu problema?

Obrigado. 


<< Voltar aos tópicos Responder