Stoa :: Daros :: Blog

novembro 04, 2012

user icon
Postado por Equipe Stoa

[Atualizado 14/11: alguns esclarecimentos e mudanças no cronograma]

Após um ano e meio de deliberações, debates e desenvolvimento, estamos prontos para migrar a Rede Social Stoa para um novo plataforma. Sob liderença de Paulo Mereiles e Fabio Kon do CCSL a equipe de desenvolvedores do Colivre implementou dezenas de melhorias e adaptações para a USP no Noosfero, o software livre e brasileiro para redes sociais.

Além de contar com tecnologia da Web moderna, algumas outras novidades incluem:

  • agora é possível convidar pessoas sem número USP a participara da rede;
  • chat entre contatos;
  • um interface de personalização do perfil amigável;
  • mais tipos de conteúdo: vários tipos de documentos, blogs (mais do que um por perfil), fóruns, galerias.
  • melhores ferramentas de gestão para administradores de grupos

O plano de migração é o seguinte:

  1. Na quarta dia 15, às 14:00: impedir novos cadastros, posts ou upload de arquivos no Stoa antigo.
  2. Começar o script da migração de conteúdo. Isto moverá posts, arquivos e alguns elementos do perfil  do stoa.usp.br/nome-do-perfil para social.stoa.usp.br/nome-do-perfil. O script deverá demorar 2 a 3 dias para completar a migração dos 50 mil perfis.
  3. Habilitar cadastros novos no novo sistema.

O login e senha de usuários existentes não mudarão (esperamos implementar o login via número USP a tempo). 

Após o dia 15 o conteúdo no Stoa antigo (stoa.usp.br/*) ainda ficará acessível e editável por um período (sobretudo para fins de fazer cópias manuais), mas a idéia é tirar o serviço do ar no início de 2013 (quando teremos certeza que tudo está tudo copiado corretamente para social.stoa.usp.br).

Para os usuários do Moodle do Stoa não vai mudar nada: continuarão se logando no Moodle do Stoa com o login e senha da Rede Social.

 

Para sugestões (qualquer passo do plano pode ser modificado) ou dúvidas, comente aqui ou entre em contato via suporte@stoa.usp.br

Ewout ter Haar

Palavras-chave: noticia

Este post é Domínio Público.

Postado por Equipe Stoa | 2 comentários

outubro 28, 2012

user icon
Postado por Equipe Stoa

Neste domingo, dia 28 de outubro, o Stoa (assim como outros serviços da USP) ficou indisponível das 17h até 21h devido a um problema no datacenter da USP


Este post é Domínio Público.

Postado por Equipe Stoa | 0 comentário

junho 05, 2012

user icon
Postado por Equipe Stoa

Hoje, dia 5 de junho poucos minutos após meia-noite, a rede da USP e os seus serviços principais estão passando por dificuldades. Entre outros serviços, o Moodle do Stoa está indisponível. 

Divulgaremos aqui notícias assim que ficarão disponíveis.

Atualizado 9h27 05/05: Veja uma notícia do CCE.

Este post é Domínio Público.

Postado por Equipe Stoa | 0 comentário

maio 23, 2012

user icon
Postado por Equipe Stoa

[Atualizado 21h10 23/05] Hoje foi mandado, por engano, um email a uma fração pequena (5%) dos usuários do Stoa. O email disse:

Hi, Fulano do Tal
Welcome to Noosfero! To activate your account, follow the link:
http://test.stoa.usp.br/account/activate?activation_code=ae34136c06474d01c5e
Greetings,
--
Noosfero team.
http://test.stoa.usp.br

Este email foi mandado por engano e pode ser ignorado.

Estamos no processo de desenvolvimento do novo Stoa, que a partir do próximo semestre, usará a plataforma Noosfero (http://noosfero.org) como rede social. Uma série de funcionalidades estão sendo adaptadas no Noosfero para melhor atender as necessidades do ambiente colaborativo que é o Stoa. Várias delas já foram implementadas. Nosso próximo passo é colocar uma versão de homologação do ambiente no ar ainda no mês de maio.

Dessa forma, para fazermos os testes mais próximo da realidade dos nossos usuários, bem como simularmos como ficarão as informações do atual Stoa no novo Stoa, foi definido um plano de migração. No fim da tarde desta quarta-feira, 23/05/2012, infelizmente, cerca de 5% dos usuários cadastrados no Stoa receberam um e-mail (notificação) de boas-vindas do Noosfero indevidamente.

Assim que constatamos o problema tomamos as providências junto com eles. Agora, nosso teste de migração está sendo executado sem ocasionar nenhum tipo de incomodo aos usuários cadastrados no Stoa. Pedimos as sinceras desculpas e garantimos que falhas desse tipo não ocorrerão novamente.

Contamos com a compreensão de todos. Estamos trabalhando para oferecer, em breve, um novo e melhor Stoa.

atenciosamente,
Equipe Stoa

Palavras-chave: noosfero, stoa

Este post é Domínio Público.

Postado por Equipe Stoa | 0 comentário

maio 13, 2012

user icon
Postado por Equipe Stoa

(Atualizado 11h, 13/05)

O Moodle do Stoa (novo) estava inacessível de aprox. 7h até 10h30 de 13/05.

Os administradores de sistema do CCE foram avisados e estamos investigando o que  está aconteceu. Graças à rápida ação do MOC / CCE, o serviço já está no ar normalmente.

Ewout - Coordenador do Projeto Stoa

Este post é Domínio Público.

Postado por Equipe Stoa | 0 comentário

abril 02, 2012

user icon
Postado por Equipe Stoa

Por volta de 8h28 de hoje, dia 2 de abril, apareceram problemas com o base de dados por trás do Moodle do Stoa novo. 

Chamamos os administradores de sistema e analistas do CCE e IME, que nesta instante estão trabalhando para diagnostizar e consertar o problema.

Em breve deixaremos mais notícias sobre o ocorrido aqui.

Atualizado 15h dia 2 de abril: recuperamos o sistema.

Importante:  dados, posts, envios de arquivos etc. inseridos entre 8h28 e 15h de hoje, segunda-feira dia 2 e abril, devem ser re-enviados!

Apuramos que a causa do problema era a falha na rede "SAN" que provê os storage dos nossos (e outros) servidores. Este problema afetou vários serviços da USP e o CCE está neste momento investigando o que aconteceu e tomando providências para evitar a re-occorência. 

Lamentamos o occorido e vamos analisar como melhorar

  1. o sistema de monitoramento (mais pessoas podiam ter sido avisados, o que poderia ter diminuido o tempo de recupearação um pouco)
  2. a robustez do sistema: nada vai manter um base de dados no ar quando o sistema de arquivos debaixo dele some, mas é possível configurar uma arquitetura com mais redundância, o que neste caso poderia ter feita a diferença entre um interrupção de algumas horas e uma de alguns minutos. 

 

Agradecemos o apoio ágil dos equipes do CCSL / IME e o CCE que ajudaram na recuperação da base.

Ewout ter Haar - Equipe Stoa

Palavras-chave: moodle do stoa, mysql, stoa

Este post é Domínio Público.

Postado por Equipe Stoa | 0 comentário

abril 01, 2012

user icon


Alguém já ouviu falar em William Lane Craig? É um filósofo que ficou conhecido do grande público pelo excelente desempenho como apologista da fé em debates com ateus e agnósticos. Costuma deixar os seus adversários sem respostas para os seus argumentos. Christopher Hitchens amargou uma desastrosa derrota em debate com ele promovido pela Biola University em 4 de abril de 2009. Dawkins se recusa a debater com ele, alegando que "o que poderia ser excelente para o seu CV, talvez não seja tão bom para o meu" (ref http://www.guardian.co.uk/commentisfree/2011/oct/20/richard-dawki). E ao contrário do que se costuma imaginar a respeito de apologistas, sabe expor seus argumentos de maneira clara e perfeitamente lógica, sem deixar transparecer nenhum sinal das paixões pessoais ou fazer uso de argumentos sentimentalistas e fideístas.

Sua estratégia é utilizar um enfoque filosófico-analítico para as questões em debate. Esse enfoque é muito simples e extremamente eficaz. Consiste em apresentar os argumentos a favor do seu ponto de vista expondo claramente todas as premissas de modo que a conclusão deriva delas como necessidade lógica. Então convida o oponente a rebater as suas conclusões através da invalidação das premissas. Dessa forma, a defesa fica concentrada nas premissas, pois se as premissas permanecerem intactas, então a conclusão permanece irrefutada.

Os argumentos que William Craig utiliza são bem conhecidos, pois estão todos completamente expostos em seu site http://www.reasonablefaith.org. Mesmo assim, ainda não vi nenhum oponente que tenha sido capaz de invalidar uma de suas premissas. Em vez disso, costumam expor os argumentos a favor do seu ponto de vista, geralmente sem a mesma clareza e objetividade. E, ainda assim, não vi nenhum caso em que William Craig tenha se saído mal na refutação dos argumentos contrários. Tampouco o vi perder a calma e a serenidade no decorrer do debate, o que não ocorreu nos casos de Hitchens e Stephen Law. A transcrição dos debates mostra claramente isso, pois nota-se claramente como os seus oponentes vão perdendo a capacidade de concatenar coerentemente as suas idéias.

Ao ver dois de seus debates, cuja questão em discussão era "Does God exist?" (Deus existe?), um com Stephen Law e outro com Christopher Hitchens, chamou-me a atenção um dos argumentos que ele apresentou para defender racionalmente a resposta afirmativa. É um argumento moral, que pode ser resumido no seguinte silogismo:

1. Se Deus não existe, valores morais objetivos não existem.
2. O mal existe.
3. Portanto, valores morais objetivos existem.
4. Portanto, Deus existe.

Esse argumento é tão eficaz pois toca no senso moral que existe em nós e que precisa necessarimente ser abandonado para que as premissas possam ser refutadas. Então vamos lá, analisemos cada uma das premissas.

Primeira premissa: de fato, se Deus não existe, como podemos afirmar que valores morais objetivos existem? Com base em que critério pode-se afirmar a existência de valores morais objetivos? Muito bem, quando falamos em valores morais objetivos estamos dizendo que existem atos humanos objetivamente maus e atos humanos objetivamente bons. Mas como então determinar quais atos são bons e quais são maus se Deus não existe? Se estabeleço que o critério de objetividade sou eu, então tenho que explicar por que o meu critério é objetivo e o do outro que julga diferente não é. Esse argumento não se sustenta, pois seria necessário um terceiro juízo para discernir a objetividade entre opiniões opostas. Se esse terceiro juízo não é absoluto, então a objetividade desse juízo também poderia ser questionada. Também é possível estabelecer como critério o consenso social. Isso também é difícil de sustentar, pois é preciso provar que o consenso social sempre é objetivo. Outra possibilidade é estabelecer como critério a natureza biológica humana, isto é, aqueles atos que correspondem aos costumes naturais e instintivos do homem, assim como corresponde à natureza dos cachorros e lobos viverem em matilha e dos tigres viverem sozinhos. Mas primeiro é necessário identificar qual é essa natureza. Isso é impossível, pois uma das diferenças dos homens com relação aos animais é não ter todas as suas ações condicionadas pela sua natureza biológica. Há quem acredite nisso, mas então forçosamente terá que  negar o livre-arbítrio, pois todas as suas ações estariam condicionadas pela sua natureza biológica, e além disso explicar como atos contrapostos podem ter a mesma origem biológica.

Se alguém tem algum outro argumento para refutar a primeira premissa, ficaria muito contente de conhecê-lo. Vamos então para a segunda premissa. Negar essa premissa é o que há de mais comprometedor em todo o argumento. Dizer que o mal não existe impede que qualquer ateu utilize o tão frequente argumento de que havendo tanto mal no universo então é pouco plausível que Deus exista. Pois negando a existência do mal, então não pode dizer que há mal no universo. A grande "sacada" desse argumento é mostrar que o mal pesa mais a favor do que contra a existência de Deus. Mas negar que o mal existe é comprometedor por outros motivos. Por exemplo, o que autorizaria então um ateu afirmar que as ações dos nazistas foram más? O que autorizaria um ateu a afirmar que um crime hediondo - por favor, imaginem o crime que quiserem, não vou dar exemplos - é um mal?

Uma possível saída desse problema consiste em afirmar que aquelas ações são más na medida em que põe em risco a minha própria segurança, ainda que não sejam más em sentido objetivo. Especificando mais, podem dizer que se uma pessoa fere a outra, autoriza então que outras façam o mesmo com ela. Como não quer ser ferida, então é preferível não ferir a outra. Essa atitude é bem representada pela regra de ouro, que ensina "a agir com os outros do mesmo modo como gostaria que os outros agissem comigo". Mas para um ateu que nega a objetividade do mal, esse princípio está baseado apenas na necessidade pessoal de salvaguardar a própria segurança. Mas basta propor uma situação em que uma atitude má - matar, por exemplo - não colocaria em risco a própria segurança. Por exemplo, alguém poderia ser esperto o suficiente para construir uma sociedade em torno de si que lhe daria segurança e ao mesmo tempo lhe daria apoio para cometer qualquer crime que desejasse contra outras. Era por exemplo o que faziam muitas tribos nômades no passado. Viviam em grande número, muito bem armadas e soltas pelas terras ermas. Estavam seguras portanto. Ao mesmo tempo, sobreviviam do saque e da destruição das sociedades sedentárias. Para essas sociedades nômades era errado matar, estuprar e saquear? Não. Se essa tribo nômade encontrasse um grupo de pessoas indefesas trabalhando no campo, o princípio da garantia da segurança própria poderia ter algum efeito sobre a decisão desses nômades? Não, pois aniquilar essas pessoas não diminui a sua segurança. Diria até que aumenta sua segurança, pois quanto mais fracos e amedrontados estiverem os povos sedentários, maior será a sua dificuldade para fazer frente às suas invasões.

Agora, sendo você ateu, imagine-se na posição de líder desses nômades. Imagine também que em uma certa ocasião você e seu grupo encontram em lugar isolado uma única pessoa portando um diamante extremamente valioso disposta a defendê-lo até a morte, mesmo sabendo que será facilmente derrotada. Nessa situação, qualquer ateu coerente com os seus próprios princípios não encontraria outra solução a não ser matar o sujeito. Por que não o faria? Em primeiro lugar, realizando esse ato, não coloca em risco sua segurança. Se não o realiza, sabe que provavelmente outro de seu grupo o fará e talvez queira apenas para si o diamante. Isso poderia gerar disputas, colocando em risco a unidade do grupo e a sua autoridade. Do ponto de vista da segurança pessoal, o melhor nesse caso é unir todos para a conquista do diamante e depois dividir os bens do espólio de acordo com o código do grupo.

Esse exemplo é apenas ilustrativo. Poderia tratar-se também de um grupo de cavaleiros templários do tempo das cruzadas que se encontram na mesma situação. Quis apenas mostrar que há situações em que uma escolha objetivamente má é a melhor escolha do ponto de vista da segurança pessoal e dos próprios interesses. Agora, convido-o a responder a seguinte questão: quem tem a maior chance de respeitar a vida e propriedade daquele sujeito, um homem que não acredita na objetividade do valor de seus atos, ou um homem que acredita, e que além disso sabe que seus atos estão sujeitos ao julgamento e à condenação por parte de Deus?

Todo esse raciocínio tinha como objetivo mostrar como é extremamente comprometedor negar a objetividade dos valores morais. Há ainda outros argumentos muito fortes para mostrar isso. Por exemplo, com que autoridade alguém que nega a objetividade dos valores morais poderia condenar a atitude dos nazistas? Afinal de contas, eles não estavam agindo de acordo com os seus próprios valores? Como posso julgá-los e até condená-los à morte com base nos meus valores? Se o faço, o faço pois acredito que os meus valores são melhores do que os deles. Mas se eles não tinham os meus valores, qual é o fundamento da sua culpabilidade? Por outro lado, se admito a objetividade dos valores morais, então o seu julgamento é possível, pois existe uma base de valores objetivos que poderia ser reconhecido pelos nazistas e que torna culpável as suas atitudes, pois tinham a possibilidade de reconhecer a maldade de seus atos. Portanto, se não existe mal objetivo, tampouco existe culpabilidade e qualquer julgamento é inviável. Apenas na condição de existência do mal objetivo, um julgamento é viável.

Enfim, para concluir, digo que o que faz forte o argumento moral de William Lane Craig não é a sua irrefutabilidade, mas o mal estar profundo que qualquer refutação às suas premissas necessariamente provoca.

Palavras-chave: Filosofia;Metafísica;Ética

Postado por Marco Antonio Ridenti | 19 comentários

fevereiro 15, 2012

user icon
Postado por Equipe Stoa

 

Bem-vindos ingressantes da USP!

Vejam o "Mini" manual com dicas para recém ingressantes  dicas de sobrevivência imprescindível.

O manual foi iniciado pela Andréa e agora é um documento colaborativo que todos podem editar.

O texto pode ser re-distribuído e re-usado sob as condições da licença CreativeCommons Atribuição, Não-Comercial

 

Palavras-chave: 2012, ingressantes, notícia, usp

Este post é Domínio Público.

Postado por Equipe Stoa | 0 comentário

setembro 08, 2011

user icon

Ainda no centro cultural de são paulo, encontramos alguns banquinhos como esse da foto que o Cauê está, onde podiamos ouvir uma poesia e vê-la também...

poesia

Gostei muito!!!

Este post é Domínio Público.

Postado por Letícia Breda Paixão | 1 comentário

julho 20, 2011

user icon
Postado por Equipe Stoa

Em alguns minutos re-startaremos os servidores do Stoa.

Atualização (10h45): e...., voltamos.

Este post é Domínio Público.

Postado por Equipe Stoa | 0 comentário

maio 01, 2011

user icon
Postado por Equipe Stoa

Atualizado quarta 04/05: Houve uma re-organização do evento. Quinta-feira a tarde vai ser dedicado a discussões mais técnicas e de implementação. Esta reunião será na sala 101/102 Bloco B do IME-USP. A sexta-feira será mais interessante para o público em geral e acontecerá no Auditório do NUMEC - bloco D do IME-USP (ao lado do bloco C). A IME fica no Rua do Matão, 1010, Cidade Universitária (melhor acesso pela Av. Luciano Gualberto). 

 

Veja embaixo as detalhes atualizadas do encontro. 

Está se formando um consenso que o novo software que implementará o reboot do Stoa vai ser o Noosfero. Quinta e sexta-feira vamos discutir a migração para o novo sistema. Todos os interessados são convidados a participar

Veja o anúncio oficial: 

No dia 06 de maio de 2011, será realizado o Workshop Noosfero/Stoa 2.0 - Nova geração de redes sociais da USP, pelo CCSL-IME, ECA, IF e NUMEC.

O Stoa (stoa.usp.br) é uma rede social dos estudantes, professores,  funcionários e ex-membros da Universidade de São Paulo (USP). É uma  iniciativa do CTI-USP que tem seu desenvolvimento e gestão feito por grupos  de pesquisa do IF, do IME, da ECA e outros da comunida USP.

O Noosfero (noosfero.org) é uma plataforma livre para redes sociais e de economia solidária, com foco na produção e compartilhamento de conteúdo. Esse software proporciona uma nova e moderna tecnologia que permite ao Stoa evoluir junto com as últimas tendências da Web, além de facilitar o atendendimento às demandas da USP, como, por exemplo, as idealizadas por pesquisadores da ECA,  por uma nova geração de redes sociais.

Isso porque, o Noosfero permite que dentro da rede cada usuário e comunidade tenha o seu espaço com total flexibilidade de personalização visual e gerenciamento de conteúdo. Dessa forma, diferentes características das pessoas, grupos, departamentos e comunidades da USP podem ser atendidas e respeitadas, mantendo todos dentro da mesma rede - o que potencializa o uso e crescimento da rede social da USP ao longo do tempo.

O Centro de Competência em Sofware Livre da USP é um dos colaboradores no desenvolvimento do Noosfero, que é um software livre 100% brasileiro. Assim, em parceria com o IF-USP, ECA-USP e NUMEC, convidamos todos a conhecerem em detalhes essa plataforma com um dos seus criadores, saber como está sendo usado pela USP, como colaborar com sua melhor utilização como plataforma da rede social Stoa e em projetos de pesquisas.


Atividades (06/05 - sexta-feira):

  • 10:30-12:00 Palestra: O que é o Noosfero? Seu diferencial das demais plataformas.  E o que vem por aí! - Venha debater o que se espera de uma rede social e ser o mais novo "Mark Zuckerberg".
    (Vicente Aguiar - Colivre)
  • 14:00-15:00 - Palestra: O uso do Noosfero com os alunos das disciplinas "Biblioteca, Informação e Sociedade" (ECA/USP) e "Introdução a Computação" (IME/USP).
    (Leonardo Assis - ECA/USP e Suzana Santos - IME/USP)
  • 15:00-16:15 Tutorial (1): Visão geral do Noosfero: explorando seus recursos.
    (Vicente Aguiar - Colivre)
  • 16:30-18:00 - Tutorial (2): Configurando e Administrando seu Noosfero.
    (Vicente Aguiar - Colivre)
(OBS: a programação foi alterada para deixar todas as atividades em um único dia.)

Local:

  • Auditório do NUMEC - bloco D do IME-USP (ao lado do bloco C).
  • Rua do Matão, 1010, Cidade Universitária (melhor acesso pela Av. Luciano Gualberto).

Inscrição:

Os interessados em participar de alguma das atividades do workshop devem se cadastrar na rede Noosfero/Stoa (http://noo.stoa.usp.br), que está em teste, e se juntar à comunidadeNoosfero (http://noo.stoa.usp.br/noosfero). O evento é gratuito.


Palestrantes:

  • Leonardo Assis: Mestrando da Escola de Comunicações e Artes da USP. Junto com o Prof. Dr. Luís Milanesi, é um dos reponsáveis dos estudos e testes do Noosfero/Stoa 2.0 na ECA-USP.
  • Suzana Santos: Aluna do 3º ano do curso de Ciência da Computação do IME-USP. É monitora da disciplina "Introdução a Computação", ministrada pelo Prof. Dr. Fabio Kon, onde também colabora com os testes do Noosfero/Stoa 2.0.

Palavras-chave: noosfero, notícia, novo stoa, stoa, stoa2.0

Este post é Domínio Público.

Postado por Equipe Stoa | 1 usuário votou. 1 voto | 0 comentário

abril 21, 2011

user icon

 

Essa não esperava ! Pra quem não sabe, na radio USP em 1994 e 1995 passava um programa de histórias fantásticas chamado "Labirinto". Todas as tardes as 12:00 h cravado eu estava com o rádio mais próximo disponível ouvindo o programa.

E não é que a net me retorna um site onde os autores do programa disponibilizaram as histórias nesse blog:

 

Prisioneiros da imaginação

pra mina felicidade e nostalgia.

Quem puder dar uma força ao pessoal com comentários e avaliação, quem sabe eles tenham ânimo pra lançarem um podcast com mais histórias ?

 

 

Palavras-chave: diversão, fantasia, podcast, radio, site

Este post é Domínio Público.

Postado por Albert Richerd Carnier Guedes | 0 comentário

março 17, 2011

user icon
Postado por Equipe Stoa

 

Aviso: agora há pouco, aprox. 20h de quinta-feira 17/03 houve uma sobre-carga do servidor, fazendo com que o serviço ficou fora do ar por algum tempo. Estamos investigando o que aconteceu para tomar as medidas cabíveis. Pedimos desculpas por qualquer inconveniência e sua paciência será apreciada.

Ewout ter Haar - Equipe Stoa 

 

Postado por Equipe Stoa | 0 comentário

março 08, 2011

user icon
Postado por Equipe Stoa

Indisponibilidade do serviço sexta-feira dia 11/03 a partir das 22h.

O datacenter da USP (onde os nossos servidores estão hospedados) ficará sem conexão à internet para fazer melhorias na rede. Durante a madrugada de sexta para sábado havará períodos de acesso intermitente. 

 

Postado por Equipe Stoa | 2 comentários

fevereiro 26, 2011

user icon

Apologética prática: geralmente alguns me taxam de ‘criacionista’ (o que não sou), e quando são cristãos me taxam de liberal (o que também não sou), sou liberal no sentido mais ou menos político. Agora na minha vida ninguém me taxou de homofóbico, porque eu não sou, e tenho diversos colegas que são homossexuais, e eu os respeito.

A minha questão aqui é: alguns cristãos, ou teístas de forma geral, achar que nós queremos acabar com o homossexualismo, nós não queremos isso. Se algumas pessoas querem ser homossexuais podem ser, eu os respeito por isso, e não vou descriminá-los. Eles não devem ser descriminados.

Agora me perguntem, o que então eu defendo, e tenho defendido? O que defendo é que não podem tirar o meu direito de dizer para meu filho que “não concordamos com as práticas homossexuais”. Eu não descrimino, mas posso discordar (isso acontece com a maioria das pessoas, em relação aos mais diversos assuntos). Pois, me perdoe, mas ser homossexual não é a mesma coisa que ser branco ou negro, é realmente mudar seu ritmo e estilo de vida sexual, você vai “trocar” as coisas, que habitualmente acreditamos não precisar trocar, ou para alguns, que é absurdo esta “troca”.

Para a mesma coisa, a suposta guerra Ciência vs Religião – esta guerra, de fato, não existe (o que existe são entendimentos fracos e ruins, de ambos os lados: ateus e teístas). E, se existe, se deve à alguns cristãos um tanto quando, me perdoe o termo, “burros”. E, porque? Bem, depois da reforma o nível teológico de certa maneira diminuiu, quer dizer, o crescimento teológico diminuiu. Mas, depois de um tempo, tanto nos reformados quanto no catolicismo voltou-se as velhas e boas práticas teológicas – o que os quatro cavaleiros chamam de ‘teologia sofisticada’.

Entretanto, depois de um tempo, saiu de dentro da reforma algumas coisas bizarras, como o pentecostalismo-físico (acredita-se que Deus se manifesta e obriga a pessoa a fazer movimentos estranhos).

E com essas práticas, acreditavam que não precisavam da teologia, mas só do Espírito Santo para ler as escrituras. E, vou afirmar, é absurdo dizer isso, sem método histórico, hermenêutico, e exegético, não há como fazer uma boa interpretação bíblica. Ou seja, antes de afirmar qualquer inspiração do Espirito Santo, use o intelecto – use o método.

Dessa forma, em certa medida, tanto ateus, como teístas, tem responsabilidades intelectuais, e devo admitir, talvez pelo nível econômico e social das pessoas, elas não estão tão preocupadas com os assuntos e a *vida do espírito.

Ora, em relação ao homossexualismo a posição dos cristãos devem ficar clara  - política, e questão de liberdade de expressão e opinião; ou seja, devemos ser também contra a homofobia, no sentido, mais razoável da palavra. Em relação a vida do espírito também – nós cristãos temos responsabilidades, porque já passou da hora, de darmos a “razão de nossa fé” (ou seja, razão, não apenas o lado que nos “comove” a isso).

E, por apologética prática quero dizer, que em certos casos pastores acreditam que devem chegar e “evangelizar” (naquele sentido mais fraco teologicamente), e não se **COMPORTAR como alguém decente e racional. No dia a dia, há determinados momentos que são cruciais, não para para “ganhar alguém”, mas para simplesmente dizer e MOSTRAR “nós não somos como a maioria pensa”.

 

*Por vida do espírito, quero dizer apenas, e somente apenas, o estudo e a contemplação da verdade e do conhecimento, no sentido de mediação entre nós seres humanos, e a infinitude.

**Por comportar quero dizer no sentido de simplesmente se portar bem diante de pessoas que possuí um vida intelectual melhor, e não chegar, desde já, já falando asneiras e besteiras em nome de algo que, talvez, tal, não conheça direito. O conhecimento acaba sendo indispensável para aqueles que dizem serem “representantes”; ou seja, devem conhecer bem aquilo que representam. E, não é só o Espírito Santo que dá isso – a responsabilidade é nossa não da parte de Deus.

NOTA: sei que haverá católicos que talvez critiquem o meu texto, mas, talvez eu esteja interessado não exatamente em católicos ou reformados, mas em pessoas que possuem determinado comportamento caracterizado por irracionalidade.

Autor\Editor: Paulo J. de Oliveira

 

Fonte: Apologética prática | teismo.net

Este post é Domínio Público.

Postado por Albert Richerd Carnier Guedes | 4 comentários

fevereiro 17, 2011

user icon
Postado por Equipe Stoa

Precisamos atualizar o Stoa. Na Web, quem fica parado é deixado para trás

Duas possibilidades

Qual sistema escolher? Precisamos equilibrar demandas institucionais, administrativas, dos usuários, cada um com seu caso de uso. Alguns critérios não são negociáveis, como por exemplo o fato que queremos usar software livre por razões de autonomia e sustentabilidade. Outros são mais subjetivos, como usabilidade e adequação às variadas maneiras que o nosso público alvo vai querer usar o sistema.

A minha (Ewout) ideia de longa data era migrar para a plataforma Wordpress / Buddypress. O maior vantagem desta plataforma é que é uma sistema com um grande eco-sistema global de desenvolvedores de temas e plugins em volta. A desvantagem mais óbvia é que é uma plataforma que cresceu a partir de um sistema para blogs ao vez de ser escrito desde o início para ser uma rede social.

Mas no final do ano passado, o Prof. Fábio Kon do IME e Prof. Milanesi da ECA trouxeram uma alternativa muito interessante, o Noosfero. As vantagens e desvantagens são (na minha avaliação) mais ou menos o complemento do WP: é um sistema muito bem integrado e feito desde o início para ser uma rede social. Por outro lado, a comunidade de desenvolvedores de plugins e temas é muito pequeno. Porém, isto pode ser compensado pelo fato que temos, via o IME, laços estreitos com o grupo de desenvolvedores responsável pelo core do Noosfero, o Coolivre. Podemos forjar uma colaboração forte com este grupo e talvez exercer influência sobre a direção de desenvolvimento do Noosfero, coisa que seria impossível com Wordpress.

Veja o documento "Razões para usar Noosfero como plataforma de rede social da USP", escrito pela equipe da Coolivre.

Ajude testar

Precisamos feedback acerca do novo software da rede social da USP. Instalei os dois sistemas e todo mundo pode se cadastrar e começar testar. Fiquem a vontade: estamos interessados na sua opinião: qual das duas sistemas (buddypress no bp.stoa.usp.br e noosfero no noo.stoa.usp.br ) se adequa melhor no seu uso previsto do sistema.

Para se cadastrar no bp.stoa.usp.br ache o link create an account (não configurei a tradução do BP ainda). Veja:

Cadastro no Buddypress

Para cadastrar uma conta de teste no Noosfero, acesse noo.stoa.usp.br

Veja:

Após testar, por favor preenche este formulário curtinho. Outras sugestões, opiniões, etc. podem ser feitos nas comentários neste post, via email, etc. 

Autalização 01/05/2011 : Veja alguns resultados do questionário. Dos nove pessoas que experimentaram os dois sistemas, 8 preferiram o noosfero.

Cinco pessoas deram a nota mais alta para noosfero no quesito "Formação do Grupo" (só 2 responderam isto para Buddypress) e 7 pessoas deram as duas notas mais altas para noosfero para "Usabilidade Geral" (4 pessoas responderam isto para Buddypress). Só na funcionalidade "Blog" o Buddypress foi melhor avalidada

Palavras-chave: buddypress, noosfero, noticia, stoa

Postado por Equipe Stoa | 1 usuário votou. 1 voto | 13 comentários

fevereiro 07, 2011

user icon

Slogan da campanha

 

Lemaitre

 

Gregor Mendel

 

Ronald Fisher

 

Blaise Pascal

 

Francis Collins

 

Lembrando que a idéia aqui, não é causar proselitismo religioso, mas sim, mostrar que a criação científica não é afetada pelas crenças do cientista e vice-versa.

De fato, o atraso científico só pode ser causado pela falta de pragmatismo de uma época ou grupo, mas que não pode ser aplicado a indivíduos como regra.

 

Fonte: "Ciência não é contra religião"

Palavras-chave: ciência, religião

Este post é Domínio Público.

Postado por Albert Richerd Carnier Guedes | 8 comentários

dezembro 22, 2010

user icon
Postado por Equipe Stoa

 

Amanhã, dia 23 de dezembro, este serviço pode ficar fora do ar enquanto faremos a atualização dos servidores e do software

Atualização 24/12: servidores atualizados. Parece que há um problema com o tradução (o interface está em inglês agora), vamos investigar mais tarde.

Mais tarde: parece que está resolvido: (atualizei uma biblioteca usado pelo software do Stoa)

 

Postado por Equipe Stoa | 0 comentário

novembro 20, 2010

user icon

Abaixo está o manifesto da Universidade Mackenzie tratando dos ataques feitos pelos gayzistas contra a liberdade de expressão e de consciência religiosa. Vários blogs já publicaram este manifesto, que reproduzo aqui:

A Universidade Presbiteriana Mackenzie vem recebendo ataques e críticas por um texto alegadamente “homofóbico” veiculado em seu site desde 2007. Nós, de várias denominações cristãs, vimos prestar solidariedade à instituição. Nós nos levantamos contra o uso indiscriminado do termo “homofobia”, que pretende aplicar-se tanto a assassinos, agressores e discriminadores de homossexuais quanto a líderes religiosos cristãos que, à luz da Escritura Sagrada, consideram a homossexualidade um pecado. Ora, nossa liberdade de consciência e de expressão não nos pode ser negada, nem confundida com violência. Consideramos que mencionar pecados para chamar os homens a um arrependimento voluntário é parte integrante do anúncio do Evangelho de Jesus Cristo. Nenhum discurso de ódio pode se calcar na pregação do amor e da graça de Deus.

Como cristãos, temos o mandato bíblico de oferecer o Evangelho da salvação a todas as pessoas. Jesus Cristo morreu para salvar e reconciliar o ser humano com Deus. Cremos, de acordo com as Escrituras, que “todos pecaram e carecem da glória de Deus” (Romanos 3.23). Somos pecadores, todos nós. Não existe uma divisão entre “pecadores” e “não-pecadores”. A Bíblia apresenta longas listas de pecado e informa que sem o perdão de Deus o homem está perdido e condenado. Sabemos que são pecado: “prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçaria, inimizades, contendas, rivalidades, iras, pelejas, dissensões, heresias, invejas, homicídios, bebedices, glutonarias” (Gálatas 5.19). Em sua interpretação tradicional e histórica, as Escrituras judaico-cristãs tratam da conduta homossexual como um pecado, como demonstram os textos de Levítico 18.22, 1Coríntios 6.9-10, Romanos 1.18-32, entre outros. Se queremos o arrependimento e a conversão do perdido, precisamos nomear também esse pecado. Não desejamos mudança de comportamento por força de lei, mas sim, a conversão do coração. E a conversão do coração não passa por pressão externa, mas pela ação graciosa e persuasiva do Espírito Santo de Deus, que, como ensinou o Senhor Jesus Cristo, convence “do pecado, da justiça e do juízo” (João 16.8).

Queremos assim nos certificar de que a eventual aprovação de leis chamadas anti-homofobia não nos impedirá de estender esse convite livremente a todos, um convite que também pode ser recusado. Não somos a favor de nenhum tipo de lei que proíba a conduta homossexual da mesma forma, somos contrários a qualquer lei que atente contra um princípio caro à sociedade brasileira: a liberdade de consciência. A Constituição Federal (artigo 5º) assegura que “todos são iguais perante a lei”, “estipula ser inviolável a liberdade de consciência e de crença” e “estipula que ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política”. Também nos opomos a qualquer força exterior – intimidação, ameaças, agressões verbais e físicas – que vise à mudança de mentalidades. Não aceitamos que a criminalização da opinião seja um instrumento válido para transformações sociais, pois, além de inconstitucional, fomenta uma indesejável onda de autoritarismo, ferindo as bases da democracia. Assim como não buscamos reprimir a conduta homossexual por esses meios coercivos, não queremos que os mesmos meios sejam utilizados para que deixemos de pregar o que cremos. Queremos manter nossa liberdade de anunciar o arrependimento e o perdão de Deus publicamente. Queremos sustentar nosso direito de abrir instituições de ensino confessionais, que reflitam a cosmovisão cristã. Queremos garantir que a comunidade religiosa possa exprimir-se sobre todos os assuntos importantes para a sociedade.

Manifestamos, portanto, nosso total apoio ao pronunciamento da Igreja Presbiteriana do Brasil publicado no ano de 2007 e reproduzido parcialmente, também em 2007, no site da Universidade Presbiteriana Mackenzie, por seu chanceler, Reverendo Dr. Augustus Nicodemus Gomes Lopes. Se ativistas homossexuais pretendem criminalizar a postura da Universidade Presbiteriana Mackenzie, devem se preparar para confrontar igualmente a Igreja Presbiteriana do Brasil, as igrejas evangélicas de todo o país, a Igreja Católica Apostólica Romana, a Congregação Judaica do Brasil e, em última instância, censurar as próprias Escrituras judaico-cristãs. Indivíduos, grupos religiosos e instituições têm o direito garantido por lei de expressar sua confessionalidade e sua consciência sujeitas à Palavra de Deus. Postamo-nos firmemente para que essa liberdade não nos seja tirada.

Este manifesto é uma criação coletiva com vistas a representar o pensamento cristão brasileiro. Para ampla divulgação.

Palavras-chave: democracia, justica, lei, liberdade

Este post é Domínio Público.

Postado por Albert Richerd Carnier Guedes em Jesus Cristo | 1 usuário votou. 1 voto | 0 comentário

user icon

Abaixo está o manifesto da Universidade Mackenzie tratando dos ataques feitos pelos gayzistas contra a liberdade de expressão e de consciência religiosa. Vários blogs já publicaram este manifesto, que reproduzo aqui:

A Universidade Presbiteriana Mackenzie vem recebendo ataques e críticas por um texto alegadamente “homofóbico” veiculado em seu site desde 2007. Nós, de várias denominações cristãs, vimos prestar solidariedade à instituição. Nós nos levantamos contra o uso indiscriminado do termo “homofobia”, que pretende aplicar-se tanto a assassinos, agressores e discriminadores de homossexuais quanto a líderes religiosos cristãos que, à luz da Escritura Sagrada, consideram a homossexualidade um pecado. Ora, nossa liberdade de consciência e de expressão não nos pode ser negada, nem confundida com violência. Consideramos que mencionar pecados para chamar os homens a um arrependimento voluntário é parte integrante do anúncio do Evangelho de Jesus Cristo. Nenhum discurso de ódio pode se calcar na pregação do amor e da graça de Deus.

Como cristãos, temos o mandato bíblico de oferecer o Evangelho da salvação a todas as pessoas. Jesus Cristo morreu para salvar e reconciliar o ser humano com Deus. Cremos, de acordo com as Escrituras, que “todos pecaram e carecem da glória de Deus” (Romanos 3.23). Somos pecadores, todos nós. Não existe uma divisão entre “pecadores” e “não-pecadores”. A Bíblia apresenta longas listas de pecado e informa que sem o perdão de Deus o homem está perdido e condenado. Sabemos que são pecado: “prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçaria, inimizades, contendas, rivalidades, iras, pelejas, dissensões, heresias, invejas, homicídios, bebedices, glutonarias” (Gálatas 5.19). Em sua interpretação tradicional e histórica, as Escrituras judaico-cristãs tratam da conduta homossexual como um pecado, como demonstram os textos de Levítico 18.22, 1Coríntios 6.9-10, Romanos 1.18-32, entre outros. Se queremos o arrependimento e a conversão do perdido, precisamos nomear também esse pecado. Não desejamos mudança de comportamento por força de lei, mas sim, a conversão do coração. E a conversão do coração não passa por pressão externa, mas pela ação graciosa e persuasiva do Espírito Santo de Deus, que, como ensinou o Senhor Jesus Cristo, convence “do pecado, da justiça e do juízo” (João 16.8).

Queremos assim nos certificar de que a eventual aprovação de leis chamadas anti-homofobia não nos impedirá de estender esse convite livremente a todos, um convite que também pode ser recusado. Não somos a favor de nenhum tipo de lei que proíba a conduta homossexual da mesma forma, somos contrários a qualquer lei que atente contra um princípio caro à sociedade brasileira: a liberdade de consciência. A Constituição Federal (artigo 5º) assegura que “todos são iguais perante a lei”, “estipula ser inviolável a liberdade de consciência e de crença” e “estipula que ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política”. Também nos opomos a qualquer força exterior – intimidação, ameaças, agressões verbais e físicas – que vise à mudança de mentalidades. Não aceitamos que a criminalização da opinião seja um instrumento válido para transformações sociais, pois, além de inconstitucional, fomenta uma indesejável onda de autoritarismo, ferindo as bases da democracia. Assim como não buscamos reprimir a conduta homossexual por esses meios coercivos, não queremos que os mesmos meios sejam utilizados para que deixemos de pregar o que cremos. Queremos manter nossa liberdade de anunciar o arrependimento e o perdão de Deus publicamente. Queremos sustentar nosso direito de abrir instituições de ensino confessionais, que reflitam a cosmovisão cristã. Queremos garantir que a comunidade religiosa possa exprimir-se sobre todos os assuntos importantes para a sociedade.

Manifestamos, portanto, nosso total apoio ao pronunciamento da Igreja Presbiteriana do Brasil publicado no ano de 2007 e reproduzido parcialmente, também em 2007, no site da Universidade Presbiteriana Mackenzie, por seu chanceler, Reverendo Dr. Augustus Nicodemus Gomes Lopes. Se ativistas homossexuais pretendem criminalizar a postura da Universidade Presbiteriana Mackenzie, devem se preparar para confrontar igualmente a Igreja Presbiteriana do Brasil, as igrejas evangélicas de todo o país, a Igreja Católica Apostólica Romana, a Congregação Judaica do Brasil e, em última instância, censurar as próprias Escrituras judaico-cristãs. Indivíduos, grupos religiosos e instituições têm o direito garantido por lei de expressar sua confessionalidade e sua consciência sujeitas à Palavra de Deus. Postamo-nos firmemente para que essa liberdade não nos seja tirada.

Este manifesto é uma criação coletiva com vistas a representar o pensamento cristão brasileiro. Para ampla divulgação.

Palavras-chave: democracia, justiça, lei, liberdade, manifesto

Este post é Domínio Público.

Postado por Albert Richerd Carnier Guedes | 1 usuário votou. 1 voto | 11 comentários

<< Anterior