Stoa :: Daros :: Blog :: Política e Religião realmente não se misturam?

outubro 29, 2012

default user icon
Postado por Daros

Não se pode dizer que se ama a justiça e ainda assim votar num partido de direita econômica.

Um conceito muito importante, na Bíblia, é o de Tsedacá¹ (justiça social), que - basicamente - se refere a distribuir renda. Por vezes é usado para referir-se ao abastado que divide sua riqueza com os pobres. Neste caso, a atitude não é uma simples caridade, mas uma verdadeira justiça; porque nada nos pertence realmente, mas deve ser dividido entre todos. "E, respondendo [João Batista], disse [à multidão]: Quem tiver duas túnicas, reparta com o que não tem, e quem tiver alimentos, faça da mesma maneira" (Lucas 3:11).

Mas, por definição, a "direita" econômica é a posição política dos que pleiteiam manter as diferenças sociais entre ricos e pobres. Mas é maldito o que perverte o direito do pobre, porque está escrito: "Maldito aquele que perverter o direito do estrangeiro, do órfão e da viúva. E todo o povo dirá: Amém" (Deuteronômio 27:19).

A Bíblia proíbe que uma dívida se estenda por mais de 6 anos (sendo perdoada no sétimo ou antes, caso caia-se no ano do Jubileu, a cada 50 anos; cf. Ex. 23 e muitos outros). Também proíbe que se cobre a dívida ou o penhor do pobre ou que se venda alguém como escravo, e ainda ordena que se deixe boa parte da colheita para os pobres, estrangeiros, órfãos e viúvas, e proíbe que se explore o empregado (Dt 24 e muitos outros trechos). Institui o dia do sábado para que o empregado descanse de seu trabalho para o patrão (Ex 20; 23 e outros).

Castigo é prometido a quem perverter o direito dos pobres e oprimir o necessitado: "Porque o seu redentor é poderoso; e pleiteará a causa deles contra ti" (Provérbios 23:11).

Penso, portanto, que é flagrantemente contrário à Bíblia apoiar pensamentos políticos de direita. E não faz sentido argumentar que a religião nada tem a ver com política. Porque a fé verdadeira permeia o comportamento da pessoa em todas as esferas da sua vida. E sabemos, tando judeus quanto cristãos, que todas as leis da Torah e dos Profetas (toda a Bíblia) se resumem a "Amar a D'us sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo", como ensinam atualmente os rabinos e como Jesus ensinou. Pois "a lei é santa, e o mandamento santo, justo e bom" (Romanos 7:12).


¹Interessante que essa mesma palavra, que é usada para "caridade", significa "justiça". Ou seja: quando você divide seu dinheiro com alguém, não está - num português claro - "fazendo mais que a sua obrigação". Porque o que a justiça divina estabelece é que aquele dinheiro não pertence só a você. O fato de os recursos, muitas vezes, estarem concentrados em poucas mãos é um acidente devido a injustiças sociais. A justiça divina requer que tudo seja repartido.

Assim era na comunidade dos primeiros cristãos, liderados pelos Apóstolos: "Da multidão dos que creram, uma era a mente e um o coração. Ninguém considerava unicamente sua coisa alguma que possuísse, mas compartilhavam tudo o que tinham. Com grande poder os apóstolos continuavam a testemunhar da ressurreição do Senhor Jesus, e grandiosa graça estava sobre todos eles. Não havia pessoas necessitadas entre eles, pois os que possuíam terras ou casas as vendiam, traziam o dinheiro da venda e o colocavam aos pés dos apóstolos, que o distribuíam segundo a necessidade de cada um" (Atos 4:32-35)

http://pontosupercritico.blogspot.com.br/

Palavras-chave: Bíblia, Direita, Esquerda, Justiça, Tsedacá

Este post é Domínio Público.

Postado por Daros

Você deve entrar no sistema para escrever um comentário.

Termo de Responsabilidade

Todo o conteúdo desta página é de inteira responsabilidade do usuário. O Stoa, assim como a Universidade de São Paulo, não necessariamente corroboram as opiniões aqui contidas.