Stoa :: Clarice Alegre Petramale :: Blog :: Histórico

Março 2010

Março 08, 2010

default user icon

É duro de acreditar que mulheres não eram consideradas 'pessoas' até recentemente. Temos que nos recordar do que elas fizeram pelas mulheres de hoje!

Esta é a história de mulheres que foram pioneiras. Essas bravas mulheres do começo do século passado fizeram toda a differença na vida que temos hoje.

Foi só a partir de 1920 que as mulheres tiveram o direito de votar nos EUA (no Brasil, como um todo, foi só a partir de 1934*)

 

É duro de acreditar que mulheres não eram consideradas 'pessoas' até recentemente. Temos que nos recordar do que elas fizeram pelas mulheres de hoje!

Esta é a história de mulheres que foram pioneiras. Essas bravas mulheres do começo do século passado fizeram toda a differença na vida que temos hoje.

Foi só a partir de 1920 que as mulheres tiveram o direito de votar nos EUA (no Brasil, como um todo, foi só a partir de 1934*)

 

As mulheres eram inocentes e sem defesa, mas quando na America do Norte, elas fizeram uma demonstração em frente da Casa Branca, carregando cartazes pedindo o voto, elas foram encarceradas.

 


(Lucy Burns)

 

E ao final da 1ª noite na prisão, elas estavam quase mortas. 40 guardas prisionais, com cacetetes e as benções do diretor, atacaram as 33 mulheres que haviam sido acusadas erroneamente de 'estar obstruindo o tráfego na calçada'. 


Eles bateram em Lucy Burns, acorrentaram suas mãos às grades acima de sua cabeça e a deixaram pendurada a noite inteira, sangrando e sem ar.

 


(Dora  Lewis)
Eles jogaram Dora Lewis numa cela escura, quebraram sua cabeça contra uma barra de ferro até a inconsciência. Sua companheira de cela, Alice Cosu, pensou que ela estivesse morta e teve um ataque cardíaco. relatos dos guardas agarrando, arrastando, batendo, sufocando, empurrando, beliscando, torcendo e chutando as mulheres.

Isto se deu em 15 de novembro de 1917, quando o Diretor de Occoquan Workhouse na Virginia, ordenou que seus guardas dessem uma lição nessas mulheres sufragistas, que foram aprisionadas porque ousaram fazer uma manifestação em frente `a Casa Branca do presidente Woodrow Wilson , lutando pelo direito ao voto.

 

Durante meses a única água a qual tinham acesso era de um balde aberto. A comida era uma sopa rala infestada de vermes.

 


(Alice Paul)
Quando uma das líderes, 
Alice Paul, começou uma greve de fome. Eles a amarraram a uma cadeira, forçaram um tubo garganta abaixo e despejaram água até que ela vomitasse. Ela foi torturada assim por várias semanas até que alguém conseguiu avisar a imprensa.

Todas as mulheres que já votaram um dia, que são proprietárias de algum imóvel, que estão em pé de igualdade com os homens; devem se lembrar que tudo começou com a luta pelo voto que também foi árdua no Brasil e no mundo todo.

Sabemos hoje o que essas mulheres valorosas já sabiam em 1920: É preciso construir e manter espaços livres e democráticos para expor e lutar pacificamente por nossos objetivos.  

Será que nossas filhas e irmãs sabem o preço pago para adquirir estes direitos?

E nossos irmãos, filhos e companheiros honram o espaço que sempre tiveram por direito automático, pelo simples motivo de terem um  XY em seu DNA ?



 

As mulheres eram inocentes e sem defesa, mas quando na America do Norte, elas fizeram uma demonstração em frente à Casa Branca, carregando cartazes pedindo o voto, elas foram encarceradas.

 


(Lucy Burns)

 

E ao final da 1ª noite na prisão, elas estavam quase mortas. 40 guardas prisionais, com cacetetes e as benções do diretor, atacaram as 33 mulheres que haviam sido acusadas erroneamente de 'estar obstruindo o tráfego na calçada'. 


Eles bateram em Lucy Burns, acorrentaram suas mãos às grades acima de sua cabeça e a deixaram pendurada a noite inteira, sangrando e sem ar.

 


(Dora  Lewis)
Eles jogaram Dora Lewis numa cela escura, quebraram sua cabeça contra uma barra de ferro até a inconsciência. Sua companheira de cela, Alice Cosu, pensou que ela estivesse morta e teve um ataque cardíaco. Há relatos dos guardas agarrando, arrastando, batendo, sufocando, empurrando, beliscando, torcendo e chutando as mulheres.

Isto se deu em 15 de novembro de 1917, quando o Diretor de Occoquan Workhouse na Virginia, ordenou que seus guardas dessem uma lição nessas mulheres sufragistas, que foram aprisionadas porque ousaram fazer uma manifestação em frente `a Casa Branca do presidente Woodrow Wilson , lutando pelo direito ao voto.

 

Durante meses a única água a qual tinham acesso era de um balde aberto. A comida era uma sopa rala infestada de vermes.

 


(Alice Paul)
Quando uma das líderes, Alice Paul, começou uma greve de fome. Eles a amarraram a uma cadeira, forçaram um tubo garganta abaixo e despejaram água até que ela vomitasse. Ela foi torturada assim por várias semanas até que alguém conseguiu avisar a imprensa.

Todas as mulheres que já votaram um dia, que são proprietárias de algum imóvel, que estão em pé de igualdade com os homens; devem se lembrar que tudo começou com a luta pelo voto que também foi árdua no Brasil e no mundo todo.

Sabemos hoje o que essas mulheres valorosas já sabiam em 1920: É preciso construir e manter espaços livres e democráticos para expor e lutar pacificamente por nossos objetivos.  

Será que nossas filhas e irmãs sabem o preço pago para adquirir estes direitos?

E nossos irmãos, filhos e companheiros honram o espaço que sempre tiveram por direito automático, pelo simples motivo de terem um  XY em seu DNA ?

Postado por Clarice Alegre Petramale | 0 comentário

Março 09, 2010

default user icon

E para rebater o peso do post de ontem, a alegria das mulheres do Brasil!

CORDEL: LUGAR DE MULHER

Autoria: SALETE MARIA (Doutoranda do NEIM/UFBA)

Do ponto onde me encontro
Na janela dum sobrado
Daqui donde me defronto
Com meu presente e passado
Fico metendo a colher
Do 'meu lugar de mulher'
Neste mundão desgarrado

Do meu ângulo obtuso
Num canto da camarinha
Afrouxo um parafuso
Liberto uma andorinha
Desmancho uma estrutura
Arranco uma fechadura
Desmonto uma ladainha

Reza a história do mundo
Que mulher tem seu lugar
É um discurso 'corcundo'
E prenhe de bla-bla-blá
Eu que ando em toda parte
Divulgo através da arte
Outro modo de pensar:

Lugar de mulher é quarto
Sala, bodega e avião
Lugar de mulher é mato
Cidade, praia e sertão
Lugar de mulher é zona
Do Estado do Arizona
À Vitória de Santo Antão

Lugar de mulher é sauna
Capela, bonde, motel
Lugar de mulher é fauna
Terreiro, campus, quartel
Lugar de mulher é casa
Seja na Faixa de Gaza
Ou no Morro do Borel

Lugar de mulher é cama
Seresta, parque, novena
Lugar de mulher é lama
Escola, laje, cinema
Lugar de mulher é ninho
Dos becos do Pelourinho
Às águas de Ipanema

Lugar de mulher é roça
Riacho, circo, cozinha
Lugar de mulher é bossa
Reisado, feira, lapinha
Lugar de mulher é chão
Das ruelas do Sudão
Às veredas da Serrinha

Lugar de mulher é mangue
Deserto, vila, mansão
Lugar de mulher é gangue
Novela, birô, oitão
Lugar de mulher é mar
Das praias do Canadá
Ao céu do Cazaquistão

Lugar de mulher é ponte
Trincheira, jardim, salão
Lugar de mulher é fonte
Indústria, baile, fogão
Lugar de mulher é mina
Do solo de Teresina
Ao Morro do Alemão

Lugar de mulher é barro
Palco, metrô e altar
Lugar de mulher é carro
Camarote, rede, bar
Lugar de mulher é trem
Dos caminhos de Belém
À serra do Quicuncá

Lugar de mulher é show
Favela, brejo e poder
Lugar de mulher é gol
Ringue, desfile e lazer
Lugar de mulher é creche
Das bandas de Marrakech
Às vilas do ABC

Lugar de mulher é serra
Obra, beco e parlamento
Lugar de mulher é guerra
Missa, teatro e convento
Lugar de mulher é pia
Das tendas de Andaluzia
À Santana do Livramento


Lugar de mulher é tudo
Por onde possa passar
Seja pequeno ou graúdo
Seja daqui ou de lá
Lugar de mulher é Terra
Mas não onde o gato enterra
O que precisa ocultar

Lugar de mulher é dentro
Mas também pode ser fora
Lugar de mulher é centro
Que a margem não ignora
Lugar de mulher é leste
Norte, sul, também oeste
De noite, tarde e aurora

De minha perspectiva
Mulher não tem 'um lugar'
Onde quer que sobreviva
Pode ser seu habitat
Lugares existem zil
Eu mesma sou do Brasil
E vivo no Ceará!

----------------------------------------------------------------
Universidade Federal da Bahia - http://www.portal.ufba.br

Postado por Clarice Alegre Petramale | 0 comentário