Stoa :: Ciência e Filosofia :: Blog :: Histórico

Janeiro 2009

Janeiro 26, 2009

user icon
Economia Virtual
João Carlos Holland de Barcellos (*) , 20 de outubro, 2003

Revisão: Dezembro/2005

NEOCAPITALISMO OU NEOFEUDALISMO ( Pierre Weil )

Vivemos numa época muito curiosa e até intrigante. Algo está a nos deixar perplexos: À medida que se desenvolve o neo-capitalismo, a pobreza e a miséria aumenta. Isto se dá não somente nos países pobres, mas também nos, do primeiro mundo.

 

As causas são bastante conhecidas desde os estudos de Marx. Há porém fatores mais recentes que vem ainda mais piorar o quadro: a explosão populacional, a automação, a informática, o "enxugamento" dos programas de racionalização do trabalho, estão "jogar" milhões de seres humanos para a rua aumentando estupidamente o número de excluídos do processo sócio-econômico.

 

Com isto estamos voltando progressivamente à uma situação bastante parecida com a da época feudal, na qual tinha os senhores feudais com a sua corte e súditos que viviam numa situação financeira ótima ou razoável conforme o caso, e de outro lado a maioria do povo que padecia na miséria. O resultado era uma situação permanente de assaltos, violência, roubos, o que obrigava a classe dominante a se trancar dentro de castelos, cercados por um sistema de defesa constituído por um cinturão de água, e colossais muros. Para entrar, a famosa ponte levadiça.

 

Parece que estamos voltando para uma situação bastante parecida. Enquanto aumenta a pobreza e a miséria, através sobretudo do desemprego, aumentam os assaltos e, paralelamente as medidas de proteção; a única diferença com a época medieval, é que os sistemas de defesas foram modernizados. Em vez das altas paredes, temos as grades metálicas pontiagudas; no lugar da ponte elevadiça, temos o portão eletrônico; as torres de observação, foram substituídas por câmaras de televisão e os vigias que davam o alarme são agora representados por sistemas eletrônicos de alarme.

 

A história se repete, mas com diferenças referente à época. Os meios primitivos da era medieval foram substituídos por processos etnológicos sofisticados. Mas a situação e a sintomatologia são assustadoramente parecidos. Não será um dos sinais de alarme de que precisamos mudar de sistema econômico?”

Novas Idéias para Novos Tempos - Pierre Weil

O texto acima , extraído de ‘Novas Idéias Novos Tempos', de autoria de Pierre Weil, mostra que alguma coisa precisa ser feita. O objetivo deste ensaio é apresentar um esboço, uma idéia, que permitiria uma extensão do capitalismo – não ainda sua substituição - através de um sistema paralelo de aquisição de valores (o Mercado Virtual ) que solucionaria o efeito autofágico do capitalismo: o Desemprego Estrutural .

Introdução

Robert Kurz , prestigiado sociólogo alemão, demonstrou que o capitalismo, tal qual o conhecemos hoje, é intrínseca e inexoravelmente autofágico, isto é, o capitalismo tende a se auto-destruir por minar, lenta e paulatinamente, a própria fonte de sua sobrevivência: os consumidores. Sem renda não há consumidor e sem consumidor não há mercado.

A lógica que demonstra a “ espiral autofágica suicida ”, proposta por Kurz, é deveras simples e elegante:

•  Por visar o lucro o capitalismo procura a reduzir todos os custos possíveis.

•  A mão de obra é um dos principais itens dos custos de uma organização.

•  Para reduzir custos, a mão de obra deve ser minimizada: seja através da automação/mecanização da mão de obra, seja através de técnicas modernas de gerenciamento e gestão que objetivam a redução do quadro de funcionários.

•  A redução da folha de pagamentos patrocina um aumento do desemprego.

•  O aumento do desemprego faz diminuir a renda média e o próprio mercado consumidor.

•  Como o lucro das empresas dependem do poder de compra do mercado (consumidores), com a retração do mercado a concorrência entre as empresas fica ainda mais acirrado.

•  Com o aumento da concorrência as organizações são pressionadas a reduzir ainda mais os custos e, entre estes, o custo de mão de obra.

Esta espiral antropofágica, no seu limite, culminaria com as organizações totalmente automatizadas onde um único funcionário, o presidente da empresa, apertaria o botão e toda a produção seria executada.

Só restaria uma pergunta : Quem consumiria? Nesta situação hipotética e bizarra, os únicos compradores seriam os que ainda tem emprego: O presidente da VW compraria uma única geladeira, do Dono da GE, que, por sua vez, compraria um carro da VW.

Nas palavras de Robert Kurz:

“Uma economia global limitada a uma minoria sempre mais restrita é incapaz de sobreviver. Se a concorrência globalizada diminui cada vez mais o rendimento da produção industrial e assola numa proporção ascendente a economia das regiões, segue-se logicamente que o capital mundial minimize seu próprio raio de ação. A longo prazo, o capital não poderá insistir na acumulação sobre uma base tão restrita, disperse por todo o mundo, do mesmo modo como não é possivel dançar sobre uma tampinha de cerveja.” [1]

O setor de serviços também não passa incólume por esta lógica. Sofwares cada vez mais inteligentes realizam em poucos minutos o serviço que , antes, demandavam dezenas de pessoas trabalhando por muitos dias.

Poderíamos supor que, a medida que a tecnologia avança, novos postos de trabalho são criados para desenvolver e suportar tais tecnologias. Por exemplo, com o crescimento da indústria de computadores são necessários novos técnicos, analistas, programadores, digitadores etc.. que antes não existiam. Mas estas tecnologias prosperaram num mercado capitalista simplesmente porque podem absorver, em contrapartida, muito mais funcionários do que os adicionais que tivessem que ser contratados por conta desta nova tecnologia. Caso contrário este segmento não prosperaria.

Pode-se alegar, também, que novas tecnologias criam novos produtos e novos mercados que demandam por novos postos de trabalho para produzi-los. Isso é verdade até certo ponto pois a tecnologia tende a automatizar de forma mais rápida, tornando a produção mais eficiente, do que os eventuais postos de trabalho criados por ela. Além disso, quem seriam os consumidores dos novos produtos se não há renda suficiente para isso?

O que os governos tentam fazer, para minimizar este trágico efeito do capitalismo – o desemprego – é adotar algumas medidas que, como veremos, são apenas paliativas :

•  “Salário Desemprego”: Pagamento periódico oferecido pelo governo aos desempregados. Minimiza o sofrimento mas não resolve o problema pois, para compensar esta nova despesa, deve-se aumentar a carga tributária das empresas onerando o setor produtivo, fazendo com que os custos das empresas sejam ainda maiores. O salário desemprego não pode ser alto sob pena de provocar inflação a menos que o país tenha excedente de moeda ( superávit ) através de exportações. Isso é equivalente a exportar o desemprego e pode funcionar a médio prazo ( ver neoliberalismo).

•  “NeoLiberalismo”: Ideologia nefasta imposta por países detentores de tecnologia para quebrar barreiras protecionistas e poder ampliar seu cada vez mais restrito mercado consumidor. A adoção do neoliberalismo, ou alguma variante desta ideologia, por países em desenvolvimento, ou em vias de se desenvolver, patrocina a abertura de mercado e fornece uma sobrevida as empresas transnacionais pois amplia seu mercado consumidor e, assim, os empregos em suas pátrias mães. Além disso, evita de surgirem, nestes países, companhias que poderiam concorrer com elas nos mesmos mercados.

•  “Protecionismo”: Ideologia oposta ao NeoLiberalismo que, através de medidas restritivas, como taxação de importações ou reserva de mercado, fazem o papel de escudo ao comércio predatório. A idéia é reservar o mercado as empresas nacionais e, por conseqüência, o emprego local que elas mantém. Proteger as industrias locais postergaria a crise capitalista de emprego na nação que a adota mas, a longo prazo, não a eliminaria pois, por mais fechado que seja a economia capitalista, ela ainda estaria sujeita ao seu ciclo autofágico já que é inerente ao próprio sistema.

•  “MegaFusões”: A incorporação de empresas umas pelas outras, numa espécie de ‘canibalismo empresarial' faz reduzir a concorrência entre elas e assim dar alguma sobrevida as sobreviventes. Entretanto, tais incorporações são sempre seguidas de um enxugamento da folha de pagamento, aumentando a massa de desempregados e diminuindo o poder de consumo do mercado.

•  “Controle de Natalidade”: Impedir o nascimento de pessoas é uma forma indireta de fazer com que a taxa de desemprego não estoure junto com a fome, a criminalidade e o descontrole social ( subprodutos do capitalismo autofágico ). O controle de natalidade deve ser necessário quando os recursos naturais são escassos ( veja ), mas implementa-lo apenas para dar alguma sobrevida ao capitalismo é medida nefasta, mesmo porque é ilusório já que a “lógica autofágica” permanecerá mesmo com o número de habitantes constante.

Na verdade, todas estas medidas são tomadas, em maior ou menor grau, pelos países do mundo capitalista como forma de dar mais fôlego à suas empresas e a seus empregos. Entretanto, sem uma solução definitiva, tais medidas não surtirão efeito a longo prazo, e a crise capitalista, sem uma solução estrutural, só fará com que agonizemos – via déficit de empregos e suas conseqüências- por ainda mais tempo.

A mudança para um regime comunista/marxista , a princípio, também não refresca, já que poda a liberdade, desestimula a criatividade e, por conseqüência, o desenvolvimento. O ideal seria continuarmos tendo as vantagens do capitalismo mas sem o problema intrínseco do desemprego estrutural. Como consegui-lo?

Irei propor o esboço de uma solução para a crise do desemprego na sociedade capitalista. Esta solução , que chamei por enquanto, de PósCapitalismo ou Mercado Virtual, ainda está em fase embrionária e precisará ser bastante lapidada até que tome uma forma final.

Antes de entrarmos no mérito da solução propriamente, vamos , através de uma pequena história, entender um pouco a função do dinheiro. Esta historinha, que meu pai contou quando eu era adolescente, serve como um exemplo ilustrativo bastante interessante:

Uma pequena História

Chega um forasteiro numa pequena cidade do interior e entra num pequeno hotel e diz ao balconista, que também era o dono do estabelecimento:

 

“- Ola !, Estou de passagem nesta cidade e precisaria de um quarto por três dias para acertar um negócio com um cliente. Quanto seria a estadia por estes três dias? “

O dono diz :

“-São apenas 50 reais, adiantados, por estes três dias. “

O forasteiro tira uma nota de 50 da carteira e fala:

“-Aqui está. Vou pegar minhas coisas que deixei lá na estação de trem, tomo um lanche por lá e volto em cerca de duas horas.”

 

Enquanto o forasteiro ia tomar um lanche e pegar suas malas na estação de trem, o dono do estabelecimento pensou : ‘Agora já posso pagar os 50 reais que estava devendo ao açougueiro.' Ele foi ao açougue e pagou a conta. O Açougueiro, por sua vez, recebeu a nota de 50 e pensou : ‘Ah que bom! agora posso pagar os mantimentos que comprei na mercearia o mês passado !' Foi à mercearia e quitou a dívida. O dono da mercearia pensou :'Agora posso, finalmente, devolver os 50 reais que tinha pegado emprestado do dono do Hotel' . Foi ao hotel e pagou sua dívida com a mesma nota de 50 reais que tinha de lá saído. Nisso, o forasteiro retorna e diz :

“-Desculpa Sr., eu percebi que desembarquei na cidade errada e não vou ficar. O Sr. poderia me devolver os 50 reais que paguei adiantado? “

O dono do Hotel, com a nota ainda na mão, devolve-a ao forasteiro e diz :

“-Claro ! O Sr. foi bastante útil! Obrigado!”

 

O forasteiro , sem entender o que estava acontecendo, pega a sua nota, se despede e parte.

É Importante notar, nesta historinha, que dívidas foram saldadas, o comércio foi estimulado e problemas da cidade foram resolvidos apenas com o aparecimento deste forasteiro que deixou seus 50 reais por algumas horas e voltou com os mesmos 50 reais. Isto mostra que a principal função do dinheiro é facilitar a troca de valores e serviços. Nesta mesma história, poderíamos ter este dinheiro circulando , não para pagar dívidas, mas também como forma de promover a economia local. Por exemplo : O dono , ao receber os 50 reais do forasteiro, poderia ir ao açougue e comprar 50 reais de carne; O açougueiro, ao receber os 50 reais poderia ir na mercearia e comprar 50 reais de mantimentos; O dono da mercearia reservaria um quarto no hotel para seus parentes o visitarem e, por fim, os 50 reais voltariam para seu dono original.

Mercado Virtual

No capitalismo, a massa de desempregados está em ascensão. E não estamos nos restringindo a um ou dois países o desemprego é um problema estrutural que atinge, em maior ou menor grau, todos os países capitalistas. Se nada for feito, não será espanto se em 30 ou 40 anos tivermos mais pessoas desempregadas que na ativa.

Sabemos que esta massa de pessoas excluídas do sistema produtivo não parou de trabalhar por vontade própria, muitas, pais de família inclusive, foram vítimas do enxugamento empresarial e estão desesperados para voltar a trabalhar. Ou seja, existe um enorme potencial inativo de trabalho, potencial este que cada vez aumenta mais. Muitos destes desempregados poderiam formar ciclos de trocas de serviços e/ou valores, como na nossa historinha acima, sem que, na verdade, houvesse dinheiro envolvido, e assim poderiam voltar a trabalhar num sistema paralelo ao mercado capitalista tradicional.

A minha proposta pós-capitalista tem como meta aproveitar o potencial produtivo da massa de desempregados para movimentar uma economia paralela ao capitalismo sem contudo interferir diretamente neste último como as tentativas de soluções tradicionais, apontadas acima, que, via de regra, geram inflação ou ineficiência e não resolvem o problema. Esta economia paralela movimentaria bens e serviços de forma que ninguém que quisesse trabalhar ficasse sem trabalho. Esta economia paralela, por não utilizar dinheiro real, não interferiria no mercado tradicional e, portanto, não geraria inflação.

Em muitos países a massa desempregada é grande o suficiente para formar um “sub-país” dentro do país. Existem todos os tipos de trabalhadores, especializados e não especializados, prontos para serem úteis, especialmente uns aos outros. O problema dos excluídos do sistema capitalista é justamente este: organização . Se houvesse um sistema que pudesse fazer com que essa massa desempregada pudesse trocar bens e serviços entre si, como na nossa historinha acima, o problema do desemprego estaria resolvido. Atualmente, não existe uma forma de saber quem esta desempregado ou quem pode oferecer um determinado serviço para outra pessoa que, porventura, precisasse deste serviço. E mais : como a troca de bens e serviços poderia ser feita sem dinheiro ?

Para simplificar as coisas, vamos tratar primeiramente do setor de serviços, onde a mercadoria não é um bem material mas sim um serviço, como um corte de cabelo, uma aula, um projeto etc.. Também, para simplificar, vamos excluir deste segmento as pessoas empregadas e tratar apenas dos desempregados. Quero frisar que não é necessário que seja assim : haverá uma interface entre estas “duas economias” que estudaremos posteriormente.

Antes de entrarmos em detalhes técnicos do projeto, vamos nos aprofundar em sua essência : Um trabalhador é demitido e fica desempregado e ocioso. Ele tem um certo grau de escolaridade, possui algumas habilidades especializadas e outras gerais. Algumas pessoas, que também estão desempregadas, e sem dinheiro, precisam de seus serviços. Por que este trabalhador deveria oferecer seus serviços se estas pessoas não têm como paga-lo ? E mais : como localiza-lo ?

O trabalhador deveria oferecer seus serviços, sem ganhar dinheiro, porque desta maneira ele também poderia receber os serviços de que ele necessita, igualmente sem ter que pagar um centavo!! Quem mais trabalhar, e executar mais serviços, teria direito a receber mais serviços de outros. Então, de alguma maneira, as pessoas precisariam saber quem trabalhou mais , quem trabalhou menos e quem pode ou não receber serviços. Essa troca de serviços, sem movimentar nenhum capital, faria com que as pessoas continuassem trabalhando fornecendo e recebendo serviços conforme sua necessidade.

Mas como saber quem e quais serviços estão sendo oferecidos? Como saber quem tem direito a receber serviços? Como o veneno de cobra, que mata mas também cura, a mesma ferramenta que manda tantas pessoas para rua será a que fará sua reintegração no Mercado Virtual : O computador e a rede Internet.

O desempregado, primeiramente, faria o seu cadastro no “Cadastro Nacional de Desempregados” (CND) que seria um imenso banco de dados nacional com alguns dados do desempregado: Como encontrá-lo, suas habilidades e preço de seus serviços. A troca de serviços se faria através do “Dinheiro Virtual” (DV). O ‘DV' seria um número, que indicaria o valor relativo a serviços prestados ou a bens oferecidos. Assim, o banco de dados também armazenaria o “Saldo Virtual” (SV) do trabalhador. Este SV corresponderia aos valores de todos seus serviços prestados menos os serviços recebidos. Como uma conta bancária comum, se o SV fosse positivo, significaria que o usuário teria direito a receber serviços ou comprar bens, caso contrário, não. Por exemplo, eu dou uma aula particular e cobro “50 virtuais” por ela - ao contrário do real, o “virtual” (V$) é uma moeda que circula apenas no Mercado Virtual - então quem recebeu a aula seria debitado de V$ 50 e eu, que forneci o serviço, seria creditado em V$50 no meu Saldo Virtual.

Ou seja, embora continuassem oficialmente ‘desempregadas' as pessoas poderiam continuar a serem úteis para a sociedade realizando trabalho e recebendo serviços.

Algumas perguntas devem ser respondidas :

•  Como deveriam ser criados os primeiros créditos ?

Os primeiros ‘créditos virtuais', na área de serviços, deveriam ser fornecidos pelo estado pelos serviços prestados pelo desempregado. Assim, os primeiros que entrassem no sistema de Mercado Virtual deveriam prestar serviços para o estado, por exemplo em hospitais , escolas ou estatais, a preço fixo, e receberiam deste os primeiros créditos virtuais. O governo também poderia fornecer ‘créditos virtuais' pela produção ou o estoque de plantações ou fábricas que não fossem assimiladas pelo mercado capitalista normal mas que tivessem alguma utilidade no mercado virtual.

•  Como seriam vendidos/comprados os serviços com o Dinheiro Virtual ?

Esse é um problema técnico que pode ser resolvido de várias maneiras. A que considero mais interessante seria através de um cartão magnético, que identificaria o usuário. O cartão seria utilizado junto com um aparelho, similar a um celular, que se conectaria ao Banco de Dados e faria o débito/crédito da transação. Outra forma, seria através de papel moeda específico, emitidos pelo governo e semelhante ao dinheiro normal , mas diferente deste e que poderia ser obtido nos bancos convertendo-se os créditos virtuais com o cartão magnético.

•  Como ficaria o setor de bens, como por exemplo, o da alimentação ?

Este problema pode ser resolvido de diversas maneiras, uma delas permitiria que os produtores, que não conseguissem colocar sua mercadoria ou produção no mercado capitalista, poderiam vender seus produtos diretamente no mercado virtual ou vende-los para o governo que os trocaria por créditos virtuais. Posteriormente, o governo poderia colocá-los em supermercados ou armazéns específicos, que obviamente seriam construídos pelos empregados virtuais (ex-desempregados) para que os usuários do sistema pudessem adquiri-los. O estado poderia também receber os produtos em consignação e vende-los nestes armazéns.

- Como os produtos ou trabalhadores poderiam ser localizados ?

Os produtos e os trabalhadores poderiam ser localizados através de um site de busca específico na Internet. Estes sites fariam a pesquisa no “Cadastro Nacional de Desempregados” localizando os bairros ou regiões mais próximas. Estes terminais de busca deveriam estar disponíveis em quiosques específicos , em bancos ou estabelecimentos comerciais.

Conclusão

À medida que o capitalismo desemprega mais e mais pessoas, a adoção da economia virtual permitiria que a massa desempregada pudesse continuar produtiva sem onerar o governo ou a economia tradicional capitalista. Embora a qualidade dos produtos e serviços do mercado virtual, ao menos no inicio, pudesse ficar aquém do mercado tradicional ainda assim representaria uma solução ao problema do desemprego estrutural.

[1] Perdedores Globais ( Robert Kurz )

Palavras-chave: Capitalismo, Crise, Desemprego, Economia Solidaria, Economia Virtual

Postado por João Carlos Holland de Barcellos em Ciência e Filosofia | 1 comentário

Janeiro 31, 2009

user icon
O UNIVERSO DIMINUINTE E O FIM DA ENERGIA ESCURA

João Carlos Holland de Barcellos, 12/agosto/2008

Colocarei uma nova idéia sobre cosmologia que procura resolver o problema da energia escura e da matéria escura eliminando a necessidade de postular sua existência.

Introdução

A energia escura é uma hipótese “Ad-Hoc” postulada com a única finalidade de explicar o aparente afastamento acelerado das galáxias distantes.  O efeito observado, indicando o afastamento acelerado, é conhecido como “Desvio para o Vermelho” (Red Shift). O “Red Shift” das galáxias é considerado, atualmente, como sendo um efeito doppler de afastamento.

 Esta nova teoria que vou expor, explicará o efeito “Red Shift” com outra hipótese que não a do afastamento acelerado das galáxias. Com esta nova hipótese, a existência da energia escura, e também da matéria escura, deixam de ser necessárias, e se esta teoria se confirmar então estas entidades “escuras” poderão ser abandonadas em definitivo.

Como me veio a idéia

Estava eu com meus botões tentando achar uma forma do Nada-Jocaxiano (NJ) [1] poder gerar a lógica aristotélica que explicaria a aparente ‘logicidade’ de nosso universo e para isso estava pensando que tipo de coisa o NJ poderia gerar no inicio, mas as possibilidades eram infinitas...  Suponha que o NJ gere um ALGO, pensei. Este algo pode ou não ter propriedades muito malucas, mas suponha que uma das propriedades desse primeiro ALGO gerado seja restringir a geração de coisas dentro ou fora de seus limites... Com estes devaneios em mente eis que DE SÚBITO me veio a idéia de que as coisas dentro do primeiro algo gerado poderiam ir diminuindo de tamanho e o ALGO original poderia ficar intacto.

Se as coisas em seu interior fossem diminuindo a impressão que se teria era de que o algo inicial estaria aumentando! Uma expansão! Abandonei meu problema original e me pus a lapidar esta nova idéia.

Lapidando a Idéia

Nesse modelo de “Universo Diminuinte” os átomos e outras partículas estariam diminuindo de tamanho na mesma proporção que as dimensões espaciais também diminuíssem.

Como o tamanho da nossa “régua” diminuiria, juntamente com as dimensões espaciais locais, não perceberíamos esta diminuição localmente. O tamanho apaente seria o mesmo pois nosso padrão de medida diminuiria na mesma proporção das dimensões espaciais.

Sabemos pela teoria da relatividade geral (TRG) que o tempo num sistema submetido a um campo gravitacional corre mais lentamente que outro sistema sem o campo, ou com um campo gravitacional mais fraco. A idéia é que a diminuição das dimensões espaciais locais seja provocada pelo efeito do campo gravitacional a que está submetido o sistema. Ou seja, os “buracos-negros” não seriam casos especiais de sistemas em colapso eterno. Além disso, a contração do espaço deveria depender também da intensidade da força gravitacional.

Teoria da Relatividade- Principio da Equivalência

É interessante notar que esta idéia é muito semelhante, só que expandida para 3 dimensões, com a relatividade especial quando esta afirma que a dimensão do sistema que se move na direção do movimento sofre uma contração. Quanto mais rapidamente um objeto se move mais ele vai se contrair na direção do movimento. No Univero Diminuinte esta contração seria devido à gravidade e ocorreria nas 3 dimensões espaciais.

Podemos intuir o Universo Diminuinte das seguintes premissas da teoria da relatividade:
1- Dentro de uma caixa fechada sob aceleração, ou campo gravitacional, quem está dentro não pode saber por nenhuma medição interna se sua caixa está sendo acelerada ou se está sob a influência de um campo gravitacional.
2-Um objeto em aceleração vai aumentando sua velocidade. Mas sabemos que quanto maior a velocidade maior é a contração deste objeto na direção do movimento.

Juntando 1 e 2 podemos intuir que um objeto num campo gravitacional poderia sofrer contração como de fato sofre um objeto dentro de uma caixa que está sendo acelerada!

A luz através do espaço

Vamos pensar o que aconteceria com a luz emitida por uma galáxia distante até chegar ao nosso planeta:

Nossa galáxia, assim como as galáxias distantes, estaria em constante contração. Um fóton de luz emitida por uma estrela desta galáxia distante, após deixar a sua galáxia, percorreria um longo espaço “vazio”, sem muita influência gravitacional, até finalmente chegar à nossa galáxia e ao nosso planeta.

Durante este longo percurso percorrido (às vezes de bilhões de anos) este fóton sofreria pouco efeito gravitacional e sua freqüência pouco seria afetada. Contudo, durante este tempo, nosso sistema continuaria diminuindo, e quando finalmente este fóton chegasse aqui, nós mediríamos o seu comprimento de onda com uma “régua” bastante reduzida em relação a que tínhamos na época em que este fóton foi emitido.  Então em nossa medição se constataria que este fóton sofreu um “Desvio para o Vermelho” (Red Shift), porque mediríamos um comprimento de onda maior, e a explicação tradicional seria que este “Desvio para o Vermelho” se deveu ao efeito Doppler relativo à velocidade de afastamento da galáxia.

Fim da Energia Escura

Quanto mais afastada uma galáxia está do ponto de observação, mais tempo sua luz irá demorar para chegar até nós e mais encolhida estará nossa “régua” para medir este fóton e assim tanto maior aparecerá seu comprimento de onda, o que nos induziria a pensar que maior seria a velocidade de afastamento da galáxia. Esta aceleração aparente das galáxias distantes levou os astrônomos a postularem a existência de uma “Energia Escura”, que teria um efeito repulsivo, fazendo-as se afastarem cada vez mais rapidamente. Mas se a aceleração é devido à nossa própria redução de escala, esta energia escura não seria mais necessária, pois o que nos faz perceber seu afastamento acelerado é, na verdade, nossa própria contração espacial.
É o fim da energia escura.

Fim da Matéria Escura
 
Suponha que observemos uma galáxia distante em movimento de rotação.
O período de rotação da borda da galáxia é proporcional à raiz quadrada do cubo do raio dividido pela sua massa.  Matematicamente:

T = k * [( R^3)/M]^(1/2)

Onde: T é o período de tempo para dar uma volta, k é uma constante, R é o Raio, isto é, a distância do centro da galáxia à sua borda, e M é a massa da galáxia. 

Quando a luz desta galáxia chega até nós, observaremos o mesmo período de rotação, entretanto observaremos também um aumento aparente do raio R devido ao tempo que esta imagem levou para chegar até nós, que estamos em contração. Se para nós o raio observado da galáxia nos parece aumentado, e o período é o mesmo, tudo leva a crer que a massa M da galáxia deve ser maior. Ou seja, para manter o período T constante, a massa M deve parecer maior que a observada [3]. Por esta razão os cientistas postularam também a existência da “matéria escura”. Esta massa “extra” poderia corrigir as observações para manter o período de rotação de acordo com o raio da galáxia. Contudo, com esta nova hipótese do “Universo Diminuinte” a matéria escura também não seria necessária, uma vez que podemos corrigir o raio da galáxia ao seu verdadeiro valor para  a época que a luz foi emitida por ela.

 

Resumindo

Resumindo a Teoria do “Universo Diminuinte” teremos:
- O Universo não está se expandindo aceleradamente. O raio do universo, entretanto, pode estar se expandido, pode estar fixo, ou pode ainda estar diminuindo. O importante é que não estaria se expandindo aceleradamente.

- Os objetos em seu interior, assim como suas dimensões espaciais estão se contraindo devido à presença do campo gravitacional.

- Em nosso referencial local, a aparente expansão do Universo poderia ser explicado (pelo menos em parte) como devido à contração de nosso próprio referencial e seus padrões de medida.

- A teoria do Universo Diminuinte explicaria também o desvio para o vermelho (Red Shift): Uma galáxia, a certa distância de nós emitiria a sua luz com certa freqüência média F. Outra galáxia ainda mais afastada emitiria sua luz, por exemplo,  com a mesma freqüência, mas esta luz demoraria mais tempo para chegar a nós que a primeira galáxia. Mas quando esta luz mais afastada, por fim chegasse a nós, nosso padrão de medida estaria menor, e, portanto enxergaríamos esta segunda luz com um comprimento de onda maior (uma freqüência menor) que a luz da primeira galáxia. Isto é, observaríamos um desvio para o vermelho maior nas galáxias mais distantes do que nas mais próximas, e isto aconteceria mesmo se as galáxias não estivessem se afastando.

 

Refutabilidade

Uma forma rápida de refutar a teoria é verificar se o desvio para o vermelho esta de acordo com a massa escura observada, isto é, se a descontração do raio das galáxias, no cálculo do período, é compatível com o desvio para o vermelho observado.

Algumas Estimativas Numéricas.

Vamos fazer um cálculo aproximado, e não relativístico, da taxa de contração de nosso sistema terráqueo em função do “Red Shift”[4] observado.

 

Se F0 é a freqüência da luz de uma estrela que se afasta com velocidade V de um observador, então a freqüência F que este observador percebe esta freqüência é dada pela seguinte fórmula não relativística (c=velocidade da luz ):

F = F0 * (1 – V/c)                  (1)

 

Mas se L é o comprimento da onda, F sua freqüência e c sua velocidade, temos que:

        L * F = c                       (2)

 
Se L é a freqüência da onda observada e L0 a freqüência da onda na fonte, de (1) e (2) temos que:

      L = L0 / (1 -V/c)                (3)
 
Agora vamos supor que a velocidade de afastamento da galáxia observada segue a fórmula de Hubble (onde d é a distância da galáxia a nós):

   V = H * d                               (4)

 

Então, de (3) e (4) teremos:

    L = L0 / (1-H*d/c)                 (5)

 

Agora, se detectamos dois comprimentos de ondas L1 e L2 de duas galáxias distantes d1 e d2 da Terra, (d2>d1) que emitem luz no mesmo comprimento de onda L0, podemos estimar a taxa de redução das dimensões “Fx”, por unidade de tempo, na data em que as medidas foram tomadas:

Tx = (L2 – L1)/L1/ T          (6)

Tx é a taxa de redução por unidade de tempo, L2 e L1 os comprimentos de onda observado e T o tempo extra que a luz demora da segunda galáxia em relação à primeira para se chegar ao nosso planeta.

Normalmente a letra Z (red shift)[4] é designada para o fator (L2-L1)/L1:

 Z = (L2-L1)/L1               (7)

 T = (d2-d1) / c                 (8)

De (7) e (8) temos:

Tx = Z*c/(d2-d1)             (9)

 

Mas utilizando (4) e tomando os “red shifts” de cada galáxia isoladamente:

   Z1 = (L1-L)/L   e  Z2 = (L2-L)/L  (10)

Teremos:

Tx = [(Z2-Z1)/(Z1+1)]*H*c/(V2-V1)    (11)

Podemos tomar a nossa própria galáxia como padrão e simplificar a fórmula acima já que o “red shift” de nossa própria galáxia é zero:

Tx = Z * H * c/V     (12)  

Ou em distâncias

Tx = Z * c / d      (13)

Onde :
Z é o  “red shift” da galáxia
H é a constante de Hubble
d é a distância da galáxia
V a velocidade de afastamento aparente da galáxia 
c é a velocidade da luz.

 

Vamos usar a fórmula (13) e os dados da tabela cosmológica [5] para a galáxia NGC3034 e calcular a taxa de compressão atual. Para esta galáxia:

È interessante notar que Z/d  deve ser constante que reflete a taxa de compressão atual de nosso sistema de coordenadas !!

 

Tx = 0,000677 * 3E05 / (2,72 * 3E19) = 2,5E-18/s

A esta taxa de redução por segundo, em um milhão de anos a compressão seria de:

Tx * 1 milhão de anos  =  2,5E-18 * 3E13 = 0,007%

Se eu não errei as contas esse é um número absurdamente pequeno para ser observado.

Correlação entre Matéria escura e RedShift

Vamos calcular o acréscimo de matéria escura necessária em função do RedShift (*).
Este cálculo serviria para refutar esta teoria se a massa escura esperada não for compatível com o redshift da galáxia.

Da equação do período T (a primeira),  supondo que o período de rotação da galáxia seja o mesmo (T=T'), teremos:

R^3/M = R´^3 /M’                 (14)

Onde: R é o raio da galáxia real, e M sua massa real.
R’ é seu raio observado aqui na Terra (maior) e M’ sua massa total observada.

De (14) podemos derivar:

M’ = M (R’/R)^3                   (15)

Se Z é o RedShift da galáxia, teremos:

Z = (R’ – R) / R                  (*)  (16)

De (15) e (16) obtemos:

M’ = M (1 + Z) ^3               (17)

Se a Matéria Escura (Me)  é dada por

Me = M´ - M                  (18)

Temos, de (17) e (18)  :

Me = M [ (1+Z)^3  - 1 ]            (19)

Que é a Matéria Escura (Me) em Função do RedShif da galáxia (para galáxias distantes).
Agora, utilizando (5) teremos a matéria escura em termos da distância à nossa galáxia:

Me = M[ 1/(1 - H d / c) ^3 -1]             (20)

Onde :
Me = Massa da Matéria escura
M = Massa esperada
H = Constante de Hubble ( 70 km/s/Mparsec )
c = Velocidade da luz (300 000 Km/s)
d = distância da Terra á galáxia

Este valor deverá ser confrontado com a observação, e com isso corroborar ou refutar a teoria.

(*) Devemos tomar o RedShift de galaxias que estão bem distântes pois para galáxias próximas,
o redshift poderá ser deturpado pela força gravitacional de nossa galáxia.
Este é o caso da galáxia de andromeda que está se aproximando da nossa galáxia de forma mais rápida
que o efeito de afastamento provocado pela "energia escura", fazendo que sua luz apresente
um desvio para o azul. Esta galáxia, portanto, não serviria para o cálculo da matéria escura.

------------------------------------------------------------------------------------

Referências

[1] O Nada Jocaxiano:
http://www.genismo.com/logicatexto23.htm

[2] Criação Ex Nihilo
 http://www.str.com.br/Scientia/criacao.htm

[3] A elusiva matéria escura
http://www.herbario.com.br/data05/2811matesc.htm

[4]O Deslocamento para o Vermelho
http://www.on.br/site_edu_dist_2006/pdf/modulo2/o_deslocamento.pdf

[5] O RedShift E a Lei de Hubble
http://www.telescopiosnaescola.pro.br/hubble.pdf

 

Postado por João Carlos Holland de Barcellos em Ciência e Filosofia | 10 comentários