Stoa :: Ciência e Cultura (Licenciatura do IFUSP) :: Blog

outubro 23, 2012

default user icon
Postado por Luiz Renato Sassi

 

Ver original em http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/e/e7/Hydrogen_Density_Plots.png.

Palavras-chave: função de onda, teced

Este post é Domínio Público.

Postado por Luiz Renato Sassi | 0 comentário

outubro 16, 2012

default user icon

Postado por Fabiano Nunes

by Kalliope (http://www.flickr.com/photos/elly-tata/)

 

by dvanzuijlekom (http://www.flickr.com/photos/dvanzuijlekom/)

 

 

 

Este post é Domínio Público.

Postado por Fabiano Nunes | 0 comentário

user icon
Postado por Marcia Tiemi Saito

Riso

Obra derivada do original de Photo lost

Este post é Domínio Público.

Postado por Marcia Tiemi Saito | 0 comentário

default user icon

Imagen alterada do original

kjhfksjfhskdf

 

 

 

 

Postado por Cristiano de Araujo Chaves | 0 comentário

setembro 06, 2012

user icon

A educação “para o vestibular” há décadas tem sido um norteador do ensino no Brasil. Pessoas nasceram e morreram acreditando que uma prova seletiva seria o único motivo para se aprender, ou melhor, decorar uma infinidade de nomes, datas, fatos e fórmulas, através  de um processo normalmente entediante e desmotivador  cuja duração é “ uma juventude inteira”.

  Hoje, grosso modo, se mede a competência de uma escola pelo índice de aprovação de seus alunos nos principais vestibulares e há uma infinidade de escolas e materiais didáticos cujo slogan é, de forma escachada, a pura preparação para estes exames seletivos.

   . É chegado o momento de quebrar este ciclo e verdadeiramente responder a uma famosa pergunta que ecoa, cada dia mais poderosa, nas salas de aula de todo o país:

  Professor, mas por que eu tenho que aprender isso?

  O que se ensina  em sala de aula deve refletir  os anseios  de uma sociedade para seus futuros participantes, e nossa sociedade precisa de pessoas capazes de questionar, propor e buscar solução de problemas, lidar com informações, capazes de estabelecer um novo estilo de vida para nossa espécie a fim de evitar a iminente destruição de nosso planeta e conseqüentemente, da humanidade. Pessoas assim não se formam decorando datas para o vestibular!

Este post é Domínio Público.

Postado por Fabio Tesser Barzagli | 0 comentário

agosto 19, 2012

user icon
Postado por Ewout ter Haar

A instalação de um ambiente de trabalho mínimo para análise de dados usando ferramentas python, a partir de uma instalação nova de Ubuntu 12.04:

sudo apt-get install matplotlib build-essential python-dev libzmq-dev 
sudo apt-get install python-pip
sudo pip install ipython
sudo pip install pandas
sudo pip install tornado
sudo pip install pyzmq

A instalação com pip ao vez de apt-get é para ter acesso à versões mais novas das pacotes. Inicialmente, tinha feito a instalação de matplotlib usando pip e esta parou várias vezes, com erros do tipo

src/_png.cpp:10:20: fatal error: png.h: No such file or directory

Neste casos, uma busca no Google leva ao Stackoverflow que geralmente indica o pacote Debian/Ubuntu que está faltando, neste caso, libpng-devel. Consegui instalar, mas ao rodar ipython, estava usando o Agg backendo ao vez de TkAgg. Depois disto, resolvi instalar numpy e matplotlib via apt-get. Para pandas e ipython, porém, acho que vale a pena usar as últimas versões.

Para ver se tudo está funcionando, fiz

ipython notebook --pylab inline

e isto levante um FireFox com interface notebook do ipython.

Palavras-chave: dados, dataviz, ipython, matplotlib, pandas, python

Esta mensagem está sob a licença CreativeCommons Atribuição.

Postado por Ewout ter Haar | 0 comentário

agosto 13, 2012

default user icon

As escolas e professores brasileiros ainda estão muito pouco preparados para a utilização de tecnologias educacionais. Primeiro é necessário investir em capacitação de professores e aquisição e manutenção de equipamentos, e só depois partir para aplicação.

Palavras-chave: Tecnologia no ensino

Este post é Domínio Público.

Postado por Cristiano de Araujo Chaves | 0 comentário

default user icon
Postado por Luiz Renato Sassi

O "paradoxo do gato" foi a resposta de Schrödinger a interpretação de Copenhague, um gato dentro de uma caixa junto a um "dispositivo diabólico" que pode liberar gás caso um material radioativo venha a decair e este decaimento seja registrado por um contador Geiger.

 

Essa idéia maluca deu origem a muitas outras idéias malucas graças aqueles que a ela dedicaram seu tempo, houve quem trocasse o gato por uma pessoa para poder lhe perguntar oque teria visto (caso não morresse) e até uma teoria de múltiplos universos, no momento em que a função psi indicasse 50% de probabilidade o gato existiria em dois universos, em um ele está vivo e no outro está morto, para saber em qual deles você está basta abrir a caixa.

Não vou dizer que citei os exemplos de forma grosseira, pois essa "experiência" (perdoe a expressão) não possui dignidade suficiente para isso.

Palavras-chave: gato, schrödinger, teced

Este post é Domínio Público.

Postado por Luiz Renato Sassi | 1 comentário

agosto 07, 2012

default user icon

Na aula da última terça-feira, o professor apresentou um meta-estudo que defende o uso de tecnologias em sala-de-aula de forma complementar ao ensino presencial.

Eu, que costumava dar aulas sem utilizar este tipo de recurso, agora estou mais convencido a aplicar as estratégias que aprenderei nas próximas aulas.

 

Palavras-chave: teced

Postado por Felipe de Macedo Sampaio | 0 comentário

user icon
Postado por Marcia Tiemi Saito

O Grupo de Dança de Salão da Física: O Rebolado de Newton é um projeto do CEFISMA, que tem por objetivo a integração dos estudantes, principalmente do Instituto de Física da USP (IFUSP), mas aberto a qualquer pessoa.

 

As aulas são gratuitas e ocorrem às quartas-feiras das 17h às 18h, na sala 212 da ALA 2, do IFUSP.

Após a aula há um treino dos passos que foram aprendidos das 18h às 18h30, livre e não obrigatório.

 

Os ritmos são forró, samba de gafieira, samba-rock, salsa, merengue, sertanejo universitário, zouk, rock soltinho e muito mais!

O ritmo a ser ensinado é sempre escolhido pela maioria dos participantes, através de votação.

 

Participe!

Palavras-chave: teced

Este post é Domínio Público.

Postado por Marcia Tiemi Saito | 0 comentário

março 04, 2012

user icon
Postado por Ana A. S. Cesar

"Não devemos permitir que alguém saia da nossa presença sem se sentir melhor e mais feliz."  (Madre Teresa de Calcutá )

Palavras-chave: Citações

Postado por Ana A. S. Cesar | 0 comentário

março 01, 2012

user icon
Postado por Ewout ter Haar

Palavras-chave: pró-aluno, stoa, uspnet

Esta mensagem está sob a licença CreativeCommons Atribuição.

Postado por Ewout ter Haar | 0 comentário

novembro 08, 2011

user icon

Hipácia nasceu em 370 d.C (?), filha de Theon, um renomado filósofo, astrônomo, matemático e autor de diversas obras, professor da Universidade de Alexandria. Por causa de suas idéias científicas, como por exemplo a de que o Universo seria regido por leis matemáticas, Hipácia foi considerada uma herética pelos chefes cristãos da cidade. Quando o bispo Cirilo  tornou-se patriarca de Alexandria, iniciou uma perseguição sistemática aos seguidores de Platão e colocou-a encabeçando a lista.

 

Assim, numa tarde de 415 d.C, a ira dos cristãos abateu-se sobre Hipácia. Quando regressava do Museu, foi atacada em plena rua por uma turba de cristãos enfurecidos, incitados e comandados por "São" Cirilo. Arrastada para dentro de uma igreja, foi cruelmente torturada até a morte e ainda teve seu corpo esquartejado (dilacerado com conchas de ostra, ou cacos de cerâmica, consoante as versões existentes) e queimado.

 

O historiador Edward Gibbon faz um relato vívido do que aconteceu depois que Cirilo tramou contra Hipácia e instigou as massas contra ela: "Num dia fatal, na estação sagrada de Lent, Hipácia foi arrancada de sua carruagem, teve suas roupas rasgadas e foi arrastada nua para a igreja. Lá foi desumanamente massacrada pelas mãos de Pedro, o Leitor, e sua horda de fanáticos selvagens. A carne foi esfolada de seus ossos com ostras afiadas e seus membros, ainda palpitantes, foram atirados às chamas".

 

O estúpido episódio da morte de Hipácia é considerado um marco do fim da tradição de Alexandria como centro de ciências e cultura. Pouco depois, a grande Biblioteca de Alexandria seria destruída e muito pouco do que foi aquele grande centro de saber sobreviveria até os dias de hoje.

 

Enrico Riboni descreve os motivos e as conseqüências dessa ação fanática dos religiosos: "a brilhante professora de matemática representava uma ameaça para a difusão do cristianismo, pela sua defesa da Ciência e do Neoplatonismo. O fato de ela ser mulher, muito bela e carismática,fazia a sua existência ainda mais intolerável aos olhos dos cristãos. A sua morte marcou uma reviravolta: após o seu assassinato, numerosos pesquisadores e filósofos trocaram Alexandria pela Índia e pela Pérsia, e Alexandria deixou de ser o grande centro de ensino das ciências do mundo antigo. Além do mais, a Ciência retrocederá no Ocidente e não atingirá de novo um nível comparável ao da Alexandria antiga senão no início da Revolução Industrial. Os trabalhos da Escola de Alexandria sobre matemática, física e astronomia serão preservados, em parte, pelos árabes, persas, indianos e também chineses. O Ocidente, pelo seu lado, mergulharia no obscurantismo da Idade Média, do qual começará a sair somente mais de um milênio depois. Em reconhecimento pelos seus méritos de perseguidor da comunidade científica e dos judeus de Alexandria, Cirilo será canonizado e promovido a Doutor da Igreja, em 1882."

 

E Carl Sagan nos acrescenta: "Há cerca de 2000 anos, emergiu uma civilização científica esplêndida na nossa história, e sua base era em Alexandria. Apesar das grandes chances de florescer, ela decaiu. Sua última cientista foi uma mulher, considerada pagã. Seu nome era Hipácia. Com uma sociedade conservadora à respeito do trabalho da mulher e do seu papel, com o aumento progressivo do poder da Igreja, formadora de opiniões e conservadora quanto à ciência, e devido à Alexandria estar sob domínio romano, após o assassinato de Hipácia, em 415, essa biblioteca foi destruída. Milhares dos preciosos documentos dessa biblioteca foram em grande parte queimados e perdidos para sempre, e com ela todo o progresso científico e filosófico da época." 

 

Durante toda a sua infância, Hipácia foi mantida por seu pai em um ambiente de idéias e filosofia. Alguns historiadores acreditam que Theon tentou educá-la para ser um ser humano perfeito. Hipácia e Theon tiveram uma ligação muito forte e este ensinou a ela seu próprio conhecimento e compartilhou de sua paixão na busca de respostas sobre o desconhecido. Quando estava ainda sob a tutela e orientação do seu pai, ingressou numa disciplinada rotina física para assegurar um corpo saudável para uma mente altamente funcional.

 

Hipácia estudou matemática e astronomia na Academia de Alexandria. Devorava conhecimento: filosofia, matemática, astronomia, religião, poesia e artes. A oratória e a retórica, com grande importância na aceitação e integração das pessoas na sociedade da época, também não foram descuidadas. No campo religioso, Hipácia recebeu informação sobre todos os sistemas de religião conhecidos, tendo seu pai assegurado que nenhuma religião ou crença lhe limitasse a busca e a construção do seu próprio conhecimento.

 

Quando adolescente, viajou para Atenas para completar sua educação na Academia Neoplatônica, com Plutarco. A notícia se espalhou sobre essa jovem e brilhante professora, e quando regressou já havia um emprego esperando por ela, para dar aulas no museu de Alexandria, juntamente com aqueles que haviam sido seus professores.

Hipácia é um marco na História da Matemática que poucos conhecem, tendo sido equiparada a Ptolomeu (85 - 165), Euclides (c. 330 a. C. - 260 a. C.), Apolônio (262 a. C. - 190 a. C), Diofanto (século III a. C.) e Hiparco (190 a. C. - 125 a. C.).

 

Seu talento para ensinar geometria, astronomia, filosofia e matemática atraía estudantes admiradores de todo o império romano, tanto pagãos como cristãos. Aos 30 anos tornou-se diretora da Academia de Alexandria. Do seu trabalho, infelizmente, pouco chegou até nós. Alguns tratados foram destruídos com a Biblioteca, outros quando o templo de Serápis foi saqueado. Grande parte do que sabemos sobre Hipácia vem de correspondências suas e de historiadores contemporâneos que dela falaram. Um notável filósofo, Sinesius de Cirene (370 - 413), foi seu aluno e escrevia-lhe freqüentemente pedindo-lhe conselhos sobre o seu trabalho. Através destas cartas ficou-se a saber que Hipácia inventou alguns instrumentos para a astronomia (astrolábio e planisfério) e aparelhos usados na física, entre os quais um hidrômetro.

 

Sabemos que desenvolveu estudos sobre a Álgebra de Diofanto ("Sobre o Canon Astronômico de Diofanto"), que escreveu um tratado sobre as seções cônicas de Apolônio ("Sobre as Cônicas de Apolônio") e alguns comentários sobre os matemáticos clássicos, incluindo Ptolomeu. E em colaboração com o seu pai, escreveu um tratado sobre Euclides. Ficou famosa por ser uma grande solucionadora de problemas. Matemáticos que haviam passado meses sendo frustrados por algum problema em especial escreviam para ela pedindo uma solução. E Hipácia raramente desapontava seus admiradores. Ela era obcecada pela matemática e pelo processo de demonstração lógica. Quando lhe perguntavam porque nunca se casara ela respondia que já era casada com a verdade.

 

A tragédia de Hipácia foi ter vivido numa época de luta entre o paganismo e o cristianismo, com este a tentar apoderar-se dos centros importantes então existentes. O cristianismo foi oficializado em 390 d.C, e o recém nomeado chefe religioso de Alexandria, o bispo Cirilo, dispôs-se a destruir todos os pagãos assim como seus monumentos e escritos.

Palavras-chave: Alexandria, Ciência, Cristãos, Filosofia, Hipácia, Religião, Roma

Este post é Domínio Público.

Postado por Clayton Garcia da Silva | 0 comentário

outubro 26, 2011

user icon
Postado por Ewout ter Haar

Era mesmo um absurdo (veja aqui e aqui). Agora o Royal Society faz a única coisa que faz sentido: liberar tudo mais antigo que 70 anos. O Oldenburg pode descansar em paz...

Aaron Swartz FTW!

Palavras-chave: acesso aberto, oldenburg, open access, rea, royal society

Este post é Domínio Público.

Postado por Ewout ter Haar | 1 comentário

outubro 25, 2011

default user icon

 

Às terças-feiras, o número 996 da Rua Conselheiro Brotero, no bairro de Higienópolis, se torna um palco a céu aberto com o projeto ”Música na Calçada”. Realizado pela Escola Estúdio Musical há pouco mais de dois anos, os shows tem como objetivo promover o trabalho dos artistas convidados, além de entreter a vizinhança local.

Nesta semana, “Fabrizio Casaletti Trio” se apresenta a partir do meio-dia.Além da chance aos artistas que se apresentam, o projeto prevê a divulgação da escola há 30 anos realiza cursos, workshops, palestras e outras atividades voltadas ao mundo da música.

 

http://catracalivre.folha.uol.com.br/2011/10/musica-na-calcada-recebe-fabrizio-casaletti-trio/

Postado por Luiz Henrique Felipe Rocha | 0 comentário

default user icon

 

Realizada entre a manhã de sábado, dia 20/08, e a noite de domingo, 21/08, a Virada da Resistência, que contou com a participação de mais de 300 pessoas, foi um sucesso. Organizada pela Trupe Artemanha como uma grande manifestação contra os abusos da subprefeitura do Campo Limpo – que desejava expropriar o coletivo do barracão, concedido há meses, que ocupava para realizar diversas atividades culturais e educativas abertas à comunidade – o ato teve amplo respaldo da classe artística e dos moradores da região.

A programação do evento foi variada: foram realizados espetáculos de teatro, música e dança, além de um cortejo de boi, organizado pelo grupo Candearte.

Aprendiz e produtora da Escola CITA (Centro de Investigação Teatral Artemanha), Andressa Souza destaca a participação do grupo de teatro Morfeu, que apresentou a peça O Princípio do Espanto. Outro grupo que chamou a atenção de Andressa foi o Pombas Urbanas, que participou de um bate-papo com os presentes. “Achei interessante o relato do grupo sobre a ocupação que realizam há anos no Teatro Tiradentes. Serviu como aprendizado para o nosso coletivo, que também se inicia nesta luta”, comenta.

Virada de mesa. O grupo obteve da subprefeitura de Campo Limpo um documento assegurando a concessão do espaço por mais três meses, com possibilidade de renovação. Segundo Andressa, a medida não é satisfatória: “A possibilidade da desapropriação ainda nos preocupa”, declara.

Segundo a aprendiz, o coletivo agora busca meios de legalizar a ocupação e garantir a continuidade de seus projetos sócio-culturais.

Mais informações em:

http://www.cooperativadeteatro.com.br/2010/?p=5126

Postado por Luiz Henrique Felipe Rocha | 0 comentário

default user icon

           Uma série de 12 programas que enfoca a trajetória da Lei Municipal de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo, abordando desde sua implantação até o resultado cênico dos projetos selecionados. Trata-se de um documento que ilustra a luta pela criação da lei (de 2002) e os desdobramentos deste benefício.

 

http://www.cooperativadeteatro.com.br/2010/?page_id=4370

Postado por Luiz Henrique Felipe Rocha | 0 comentário

default user icon

 

 

                    Segundo declaração do secretário de Fomento e Incentivo à Cultura do ministério, Henilton Parente de Menezes, publicada em reportagem pela Agência Brasil, o Programa Nacional de Fomento e Incentivo à Cultura (ProCultura) só deve entrar em vigor, na melhor das hipóteses, em 2013. “Supondo que o projeto seja votado ainda no primeiro semestre de 2012, algo que eu acho factível, nós só conseguiremos implantar a lei em 2013. Uma lei como essa, que se refere à renúncia fiscal, só pode entrar em vigor no exercício fiscal subsequente”, preconizou.O ProCultura, entre outras inovações, estabelece a criação do Prêmio Teatro Brasileiro, e  prevê várias mudanças na atual Lei Rouanet, apesar de manter os mecanismos de renúncia fiscal. No caso, o governo federal continuará estimulando empresas públicas e privadas a investirem parte dos valores, que deveriam pagar sob a forma de impostos, em projetos artísticos previamente autorizados a captar recursos no mercado.

                     A lei (Rouanet) atual tem sido bastante criticada por dar poderes à iniciativa privada para escolher em quais projetos irá investir, baseando-se apenas em critérios comerciais, sem levar em consideração a relevância cultural de cada projeto. O ministério, aliás, reconhece que o modelo não é capaz de dar conta da diversidade cultural brasileira e acaba sempre favorecendo as cidades de São Paulo e Rio de Janeiro.Demandado pelos próprios grupos teatrais, o Prêmio deverá obrigar o Estado a destinar parte dos recursos para uma iniciativa com critérios públicos e transparentes e modificará o cenário teatral brasileiro, fomentando a produção, a circulação artística e a manutenção de grupos e companhias. “O prêmio nacional será uma alternativa às leis de incentivo fiscal, que têm proporcionado que a iniciativa privada gerencie o dinheiro que, no fundo, é público”, disse o diretor da Cooperativa Paulista de Teatro e ator do Grupo XIX, de São Paulo, Paulo Celestino.

                     O deputado Pedro Eugênio, relator do projeto de lei na Comissão de Tributação e Finanças da Câmara dos Deputados, informou à reportagem da Agência Brasil que apresentará uma primeira versão de seu relatório durante um seminário agendado para o próximo dia 8 de novembro. “Estamos conversando com os setores de vários segmentos artísticos, e não só do teatro, dialogando com os ministérios da Fazenda e da Cultura e, em breve, apresentaremos uma primeira versão do relatório. O prêmio para o teatro já está incluído no projeto de lei e eu mesmo sou favorável a sua manutenção. Qualquer artigo [do projeto de lei], no entanto, pode ser aprovado ou suprimido nas comissões”, declarou.

 

 

http://www.cooperativadeteatro.com.br/2010/?p=5349

Postado por Luiz Henrique Felipe Rocha | 0 comentário

outubro 23, 2011

default user icon

Saiba onde ouvir jazz em São Paulo

 

 

          O jazz pode não ser tão popular em São Paulo como é em Nova Orleans, mas a cidade tem bons lugares e uma regular programação de shows para os fãs do estilo. Confira alguns bares e casas de show que promovem apresentações semanais.

 

http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u38810.shtml

Palavras-chave: jazz, São Paulo, shows

Postado por Luiz Henrique Felipe Rocha | 0 comentário

outubro 19, 2011

default user icon

 

            O matemático britânico John C. Lennox, da Universidade de Oxford, defende com argumentos sólidos a possibilidade de coexistência entre o conhecimento científico e a religião em "Por que a Ciência Não Consegue Enterrar Deus". O objetivo do livro é fornecer um amparo fortemente embasado para os cientistas, ou qualquer leitor, que sintam necessidade de debater em favor de sua crença. Para o autor, alguns ateístas têm um "fervor religioso" tão grande, que chegam a perseguir homens da ciência que possuem algum tipo de fé. Em casos extremos, diz, eles não conseguem nem aceitar que pessoas com uma crença possam ser inteligentes e construir conhecimentos com base na realidade.

            Ao longo dos capítulos, o autor usa linguagem simples e citações de outros autores para mostrar que as descobertas feitas pelo homem não excluem a existência de um Deus. Lennox também expõe o que considera as fraquezas da ciência e revela que a maior parte das respostas que ela oferece são especulações teóricas que precisam da fé da comunidade científica para existir. Ele ainda ressalta momentos em que os acadêmicos precisaram se desmentir e até voltar atrás com suas afirmações. Entre os temas discutidos estão o embate entre as cosmovisões, a organização da natureza e do universo, a complexidade da biosfera, a origem da vida e do código genético e a proximidade com a religião mantida por grandes cientistas como Francis Bacon, Galileu Galilei, Isaac Newton e Clerk Maxwell.

 

"Por que a Ciência Não Consegue Enterrar Deus"
Autor: John C. Lennox
Editora: Mundo Cristão
Páginas: 320
Quanto: R$ 29,90

Palavras-chave: matemático, Oxford

Postado por Luiz Henrique Felipe Rocha | 16 comentários

<< Anterior