Stoa :: Ciência e Cultura (Licenciatura do IFUSP) :: Blog :: Literatura

Novembro 15, 2011

default user icon

 

não tem descrição

ENTRELINHAS - VOLUME II

ANTOLOGIA DE CONTOS E CRÔNICAS

Sinopse: Não basta juntar sílabas, ler palavras, decodificar frases. É preciso descobrir o mundo de significados que se esconde nas entrelinhas.

Prazo de recebimento de textos: Até 30 de março de 2012
Data de lançamento do livro: junho de 2012 

Organização: Helena GomesSaiba mais

 MOEDAS PARA O BARQUEIRO - VOLUME III

MOEDAS PARA O BARQUEIRO - VOLUME III

CONTOS SOBRE A MORTE

Sinopse: Segundo a mitologia grega, o mundo dos vivos é separado por um rio do mundo dos mortos, e Caronte, o barqueiro, atravessa a alma dos que desencarnam mediante o pagamento de duas moedas. Por causa dessa crença mitológica, até hoje, algumas culturas incentivam que uma moeda seja colocadas por seus entes amados em cada olho do falecido. Assim, não lhe faltaria o pagamento devido ao barqueiro e o desencarnado não ficaria preso entre duas terras. MOEDAS PARA O BARQUEIRO – VOLUME III traz novos contos sobre a única certeza da vida.

Prazo de recebimento de textos: Até 30 de março de 2012
Data de lançamento do livro: junho de 2012 

Organização: Cristiana Gimenes 
Saiba mais

 HISTÓRIAS ENVENENADAS - VOLUME II

HISTÓRIAS ENVENENADAS - VOLUME II

CONTOS DE FADAS DE TERROR

Sinopse:

No livro A Psicanálise dos Contos de Fadas, o psicólogo Bruno Bettelheim afirma que "ao contrário do que acontece em muitas histórias infantis modernas, nos contos de fadas o mal é tão onipresente quanto a virtude." E ele está certo, pois muitos não sabem que esse tipo de história foi concebido como entretenimento para adultos. Também não imaginam que, em sua forma original, traziam adultério, incesto, canibalismo e mortes hediondas. Mas não adiantou nada os irmãos Grimm e Charles Perrolt suavizarem essas atrocidades e acrescentado lições de moral em seus escritos, pois, no segundo volume de HISTÓRIAS ENVENENADAS, escritores contemporâneos resgataram todo o horror original em releituras de histórias tradicionais ou novos enredos.


Prazo de recebimento de textos: Até 30 de março de 2012
Data de lançamento do livro: junho de 2012 

Organização: Chico Anes 
Saiba mais

 Ponto Reverso - Contos de realidade alternativa

PONTO REVERSO

Contos de Realidade Alternativa

Sinopse:
Em uma realidade alternativa, nossa História é feita de muitos "se":
E se Hitler tivesse vencido a 2ª Guerra Mundial? 
E se o Brasil fosse descoberto pelos franceses?
E se John Lennon ainda estivesse vivo?
Em Ponto Reverso, dezenas de escritores se aventuram a imaginar a História atual, mas com uma modificação a partir de um ponto específico e de todas as suas variáveis a partir de então. 

Prazo de recebimento de textos: Até 30 de março de 2012
Data de lançamento do livro: junho de 2012

Organização: Sérgio Pereira Couto 

Palavras-chave: Literatura, publicação

Postado por Felipe Leonardo Ferreira em Ciência e Cultura (Licenciatura do IFUSP) | 0 comentário

default user icon

Andross publica obras de autores em ínicio de carreira. 

 Capa Caminhos do medo Volume II

CAMINHOS DO MEDO - VOLUME II

CONTOS SOBRENATURAIS, DE SUSPENSE E DE TERROR

Sinopse: O ser humano já nasce com medo do desconhecido e passa o resto da existência a temer o imprevisível e o inimaginável. Em cada esquina da vida, uma decisão, um caminho a seguir. Mas essas escolhas podem levá-lo por estradas de temores infindáveis, onde o horror e a razão seguem em sentidos opostos. As páginas deste livro são apenas uma mostra do quanto esse sentimento domina e dilacera os nervos a ponto de fazer qualquer um perder o juízo. A vida é feita de caminhos, mas nem todos são seguros. Escolha bem por onde quer seguir. Tem certeza de que optou pela direção certa? Espero que não tenha escolhido os caminhos do medo...

Prazo de recebimento de textos: Até 30 de março de 2012
Data de lançamento do livro: junho de 2012

Organização: Bruno A. M. & Rossandro Laurindo 
Esse Bruno A. M. é um amigoda letras que está no mestrado e estava no evento do Adriano

Postado por Felipe Leonardo Ferreira em Ciência e Cultura (Licenciatura do IFUSP) | 0 comentário

Novembro 07, 2011

default user icon

Neste sábado, na BIBLIOTECA MUNICIPAL VIRIATO CORREIA perto do metro Vila Mariana, as 14 horas teremos um bate-papo com o autor Adriano Siqueira sobre vampiros no Brasil e Literatura Fantástica. O folder já está postado:

http://stoa.usp.br/cienciacultura/files/

Para quem qser dar uma espiadinha os endereços do autor são:

http://www.adoravelnoite.com/

http://adrianosiqueira.blogspot.com/

 

Pedimos para que pensemos em questões, dúvidas, curiosidades para perguntarmos ao autor para que o bate-papo se torne mais dinâmico.

Como o evento começa as 14 horas, para evitarmos complicações fica combinado como ponto de encontro as catacras do metro Vila Mariana( saída que dá para a Avenida. Prof. Noé de Azevedo) e o HORÁRIO AS 13 horas,o grupo de Literatura estará lá, possivelmento do lado de fora das catrascas ou próximo delas. O caminho é super simples e a biblioteca fica próxima a estação, mas estaremos lá de qualquer forma.

Até lá

Palavras-chave: Evento, Literatura

Postado por Felipe Leonardo Ferreira em Ciência e Cultura (Licenciatura do IFUSP) | 1 comentário

Outubro 25, 2011

default user icon

Regulamento



Entendo e aceito que as antologias publicadas pela Andross Editora têm por objetivo fomentar, divulgar e prestigiar a criação literária de autores principiantes. 



Entendo e aceito que, em um mesmo volume, serão publicadas diversas obras de autores diferentes. 



Estou ciente de que a participação nesta antologia está sujeita à aprovação de minha obra pelos organizadores da antologia em questão.



A obra em prosa que estou encaminhando junto com meus dados tem menos de 8000 (oito mil) caracteres com espaços. Caso eu esteja enganado e tenha mais caracteres que o mencionado, a quantidade de livros a ser vendida por mim será recalculada proporcionalmente.



Estou ciente que as despesas de publicação desta antologia são custeadas pela vendagem de livros pelos próprios autores. Então comprometo-me a vender 20 (VINTE) exemplares do livro por obra publicada, a um custo de R$19,00 a unidade, em um período de 30 dias a partir do lançamento da obra, a fim de custear essas despesas operacionais. 



Tenho ciência de que tenho de enviar todas as obras em língua portuguesa.



Tenho ciência de que não haverá uma lista oficial de aprovados pois serei contatado individualmente por e-mail para a divulgação do resultado.



Estou ciente de que, se meu texto for aprovado, um contrato de edição será celebrado entre mim e a Andross Editora.



Entendo e aceito que a editora comprometer-se-á a pagar os devidos direitos autorais aos autores cujas obras estiverem publicadas nas antologias.



Acho justo que os casos omissos no presente regulamento serão resolvidos pela Comissão Editorial.

Palavras-chave: antologias, Literatura, regulamento

Postado por Felipe Leonardo Ferreira em Ciência e Cultura (Licenciatura do IFUSP) | 0 comentário

default user icon

HISTÓRIAS ENVENENADAS - VOLUME II

CONTOS DE FADAS DE TERROR

Sinopse:

No livro A Psicanálise dos Contos de Fadas, o psicólogo Bruno Bettelheim afirma que "ao contrário do que acontece em muitas histórias infantis modernas, nos contos de fadas o mal é tão onipresente quanto a virtude." E ele está certo, pois muitos não sabem que esse tipo de história foi concebido como entretenimento para adultos. Também não imaginam que, em sua forma original, traziam adultério, incesto, canibalismo e mortes hediondas. Mas não adiantou nada os irmãos Grimm e Charles Perrolt suavizarem essas atrocidades e acrescentado lições de moral em seus escritos, pois, no segundo volume de HISTÓRIAS ENVENENADAS, escritores contemporâneos resgataram todo o horror original em releituras de histórias tradicionais ou novos enredos.


Prazo de recebimento de textos: Até 30 de março de 2012
Data de lançamento do livro: junho de 2012 

Organização: Chico Anes 


Detalhes



Observações 

- Qualquer pessoa pode participar, basta seguir o regulamento abaixo.

- Aceitaremos contos de terror que sejam inspirados em contos de fadas conhecidos ou que sejam de criação própria.

- Poderão ser encaminhadas até três obras para avaliação.


Local de lançamento: A definir



Em caso de dúvidas, contate a organizadora: 
chico@andross.com.br
 

Palavras-chave: antologias, Literatura, oportunidades

Postado por Felipe Leonardo Ferreira em Ciência e Cultura (Licenciatura do IFUSP) | 0 comentário

default user icon

PONTO REVERSO

Contos de Realidade Alternativa

Sinopse:
Em uma realidade alternativa, nossa História é feita de muitos "se":
E se Hitler tivesse vencido a 2ª Guerra Mundial? 
E se o Brasil fosse descoberto pelos franceses?
E se John Lennon ainda estivesse vivo?
Em Ponto Reverso, dezenas de escritores se aventuram a imaginar a História atual, mas com uma modificação a partir de um ponto específico e de todas as suas variáveis a partir de então. 

Prazo de recebimento de textos: Até 30 de março de 2012
Data de lançamento do livro: junho de 2012

Organização: Sérgio Pereira Couto 

BOOK TRAILER



Detalhes



Observações 

- Qualquer pessoa pode participar, basta seguir o regulamento abaixo.

- Aceitaremos contos que tenham como temática uma história que se passe em uma realidade alternativa qualquer. Não necessariamente precisa se passar no Brasil. Pode ser de qualquer gênero: drama, suspense, terror, comédia...

- Poderão ser encaminhadas até três obras para avaliação.


Local de lançamento: A definir



Em caso de dúvidas, contate o organizador: sergio@andross.com.br

Palavras-chave: antologias, Literatura, oportunidades

Postado por Felipe Leonardo Ferreira em Ciência e Cultura (Licenciatura do IFUSP) | 0 comentário

default user icon

ENTRELINHAS - VOLUME II

ANTOLOGIA DE CONTOS E CRÔNICAS

Sinopse: Não basta juntar sílabas, ler palavras, decodificar frases. É preciso descobrir o mundo de significados que se esconde nas entrelinhas.

Prazo de recebimento de textos: Até 30 de março de 2012
Data de lançamento do livro: junho de 2012 

Organização: Helena Gomes

Detalhes



Observações 

- Qualquer pessoa pode participar, basta seguir o regulamento abaixo.

- Aceitaremos contos e crônicas de qualquer temática.

- Poderão ser encaminhadas até três obras para avaliação.


Local de lançamento: A definir



Em caso de dúvidas, contate a organizadora: helena@andross.com.br

Palavras-chave: antologias, Literatura, oportunidades

Postado por Felipe Leonardo Ferreira em Ciência e Cultura (Licenciatura do IFUSP) | 0 comentário

default user icon

MOEDAS PARA O BARQUEIRO - VOLUME III

CONTOS SOBRE A MORTE

Sinopse: Segundo a mitologia grega, o mundo dos vivos é separado por um rio do mundo dos mortos, e Caronte, o barqueiro, atravessa a alma dos que desencarnam mediante o pagamento de duas moedas. Por causa dessa crença mitológica, até hoje, algumas culturas incentivam que uma moeda seja colocadas por seus entes amados em cada olho do falecido. Assim, não lhe faltaria o pagamento devido ao barqueiro e o desencarnado não ficaria preso entre duas terras. MOEDAS PARA O BARQUEIRO – VOLUME III traz novos contos sobre a única certeza da vida.

Prazo de recebimento de textos: Até 30 de março de 2012
Data de lançamento do livro: junho de 2012 

Organização: Cristiana Gimenes 


Detalhes



Observações 

- Qualquer pessoa pode participar, basta seguir o regulamento abaixo.

- Aceitaremos contos que tenham a morte como temática. Pode ser de qualquer gênero: drama, suspense, comédia, amor...

- Poderão ser encaminhadas até três obras para avaliação.


Local de lançamento: A definir



Em caso de dúvidas, contate a organizadora: 
cristiana@andross.com.br
 

Palavras-chave: antologias, Literatura, oportunidade

Postado por Felipe Leonardo Ferreira em Ciência e Cultura (Licenciatura do IFUSP) | 0 comentário

Outubro 20, 2011

default user icon

Bate-Papo sobre vampiros no Brasil - Adriano Siqueira

 

- 12 de novembro - Sábado às 14 horas - Bate-Papo sobre vampiros no Brasil - Adriano Siqueira - biblioteca Viriato Corrêa - Rua Sena Madureira, 298 - Vila Mariana - São Paulo, SP -

Facebook: http://www.facebook.com/event.php?eid=291696600857648&notif

Palavras-chave: Literatura, vampiros

Postado por Felipe Leonardo Ferreira em Ciência e Cultura (Licenciatura do IFUSP) | 0 comentário

Setembro 25, 2011

default user icon

Outro Concurso de contos da Editora Estronho

Lembrando que a publicação é gratuita caso o conto seja escolhido.

SEXO, LIVROS E ROCK & ROLL

O tradicional rock and roll é a base dessa nova proposta da Editora Estronho. Fantasias e sonhos devem se misturar a relatos e testemunhos reais, através de contos e crônicas que, obrigatoriamente, vão unir o rock and roll a pelo menos mais um dos temas restantes, explícitos no título dessa antologia. E assim como o rock, queremos algo descontraído e divertido. O bom humor deve ser um componente em destaque em suas escritas. Elementos fantásticos são bem-vindos, mas não serão obrigatórios, pois o estilo é livre. Serão aceitos contos e crônicas.

Mas é claro que nós, da Editora Estronho não deixariamos as coisas assim tão fáceis. Os textos deverão ser baseados em uma música, à escolha do autor, devendo ser obviamente umrock and roll.


Prefácio de Fausto Fawcett. Autores convidados: Alfer Medeiros, ("Fúria Lupina" e "Livraria Limítrofe") e Gabriel Hamdan (vencedor do 3º concurso de minicontos do Estronho).

Das Inscrições

 

a) Poderão se inscrever autores de qualquer estado ou país, desde que os textos sejam enviados em língua portuguesa.

b) Menores de idade podem se inscrever, desde que enviados os documentos dos responsáveis (caso sejam aprovadas).

c) As inscrições, assim como a participação, em caso de aprovação dos textos, são gratuitas. Não haverá também, a obrigatoriedade de aquisição de exemplares, nem mesmo por consignação.

 

Das Regras para o Texto

 

a) Os textos deverão, obrigatoriamente, misturar Rock and Roll com um ou mais elementos explícitos no título da antologia (sexo e/ou livros). E obrigatoriamente deverão ser baseados em uma música, à escolha do autor, devendo ser obviamente um rock and roll.

b) Serão aceitos textos de qualquer gênero, não sendo obrigatório o estilo literatura fantástica. Os textos poderão ser crônicas ou contos.

c) Os textos deverão ter um limite de 24.000 caracteres (contando espaços). Textos acima desse limite serão eliminados automaticamente, sem aviso por parte do organizador. Não há um número mínimo de caracteres a ser cumprido, mas não serão considerados minicontos para esta seleção.

d) Serão aceitos apenas textos inéditos em publicações em papel. Poderão ser aceitos textos publicados na internet, desde que o autor concorde em retirá-lo do ar, durante o processo de seleção.

e) Cada autor poderá enviar quantos textos quiser, porém, apenas um conto por autor será publicado. No caso de mais de um conto passar na seleção, o organizador poderá (não obrigatoriamente) solicitar ao autor que escolha o conto a ser inserido na antologia.

f) Serão aceitos textos em coautoria, porém contará apenas como UMA participação.

 

Do Envio do Material


a) As inscrições começam dia 01 de agosto de 2011 e vão até 01 de dezembro de 2011.

b) A submissão dos textos deverá ser feita através do formulário de inscrições. Fique atento ao preenchimento dos campos, principalmente no que se refere a antologia escolhida.

c) Se o autor quiser enviar mais de um conto, deverá fazê-lo através de submissões separadas, independente dos contos serem destinados a seleção de um mesmo volume, ou volumes separados.

d) No ato da inscrição o autor receberá um e-mail de confirmação do recebimento do seu texto. Porém, esta confirmação não garante a seleção do texto ou sua aceitação de acordo com as regras.

 

Da Seleção

 

a) Os textos serão selecionados pelo organizador da antologia, que poderá se valer de leitores beta, por ele escolhidos.

b) Não serão dados pareceres sobre os textos que não forem selecionados, no que se diz respeito a critérios de seleção. Apenas observações sobre não cumprimento das regras poderão (não sendo obrigatório) ser comunicadas aos autores.

c) Não contarão pontos a favor, nem contra, publicações anteriores ou bagagens literárias de qualquer natureza, por parte das autoras. O objetivo da antologia é reunir autoras com textos de qualidade, não importando se iniciantes ou se possuem experiência. O que será analisado é o texto enviado e não o currículo do participante.

d) Serão selecionados até 15 (quinze) autores.

 

Do Resultado

 

a) O resultado da seleção será divulgado até dia 20 de janeiro de 2012, através do site da antologia, da comunidade no orkut e também no site de Editora Estronho. Os autores selecionados receberão e-mails informando-as da sua aceitação na antologia, após a divulgação na internet.

b) Autores não selecionados para essa antologia NÃO receberão e-mails sobre a seleção.

c) Caso haja insuficiência de dados de um autor, para confecção dos contratos de publicação, desistência de participação ou comprovação de não ineditismo da obra enviada, mesmo depois da divulgação do resultado, poderá haver troca de nomes na lista de selecionadas.

 

Dos Valores, Direitos Autorais e Forma de Publicação

 

a) As inscrições são gratuitas.

b) Caso o texto seja selecionado para a publicação, não será exigido do autor que adquira nenhum exemplar da antologia, nem mesmo por consignação. A compra dos exemplares, por parte dos autores é 100% opcional, e neste caso serão concedidos descontos especiais a serem divulgados na ocasião da comercialização.

c) Os direitos autorais serão pagos através de 2 (dois) exemplares da antologia (para cada 800 exemplares impressos).

d) Inicialmente o livro terá formato 14x21cm, capa fosca e papel bold 90g. Essas especificações poderão ser modificadas até o fechamento da seleção.

e) A publicação se dará com uma pequena tiragem inicial para o evento de lançamento e distribuição de exemplares para os participantes. A partir daí, serão feitas impressões sob demanda, ou seja, à medida que forem feitos os pedidos via internet e/ou livrarias que estarão comercializando a antologia.

f) Os autores que quiserem comprar uma quantidade maior de exemplares, para revenderem ou presentearem, terão descontos maiores e deverão negociar com antecedência diretamente com a editora.

 

Da Divulgação

 

a) A editora e o organizador poderão e deverão utilizar os nomes dos autores convidadas e selecionados, para divulgar a obra, antes e depois de sua publicação.

b) Poderão ser solicitadas fotos e declarações dos autores (não sendo obrigatório) para que possamos produzir material de divulgação e/ou matérias e entrevistas em blogs e sites especializados.

c) Os autores selecionados poderão ajudar na divulgação, bastando para isso, pegar material apropriado no site da antologia.

 

Quaisquer dúvidas a respeito do regulamento ou de outras questões ligadas a esta antologia, entrem em contato pelo e-mail antologias@estronho.com.br.

 

Postado por Felipe Leonardo Ferreira em Ciência e Cultura (Licenciatura do IFUSP) | 0 comentário

default user icon

Concurso de contos da Editora Estronho:

http://www.editora.estronho.com.br/index.php/brinquedos-eles-matam#magictabs_jrehb_2

BRINQUEDOS... ELES MATAM!

A Série "... elas matam!/... eles matam!" foi lançada em 2010 com a seleção para a antologia"Insanas... elas matam!", que foi escrita apenas por mulheres. Na ocasião o foco eram as autoras e "...elas matam!" se referia às escritoras e não propriamente aos personagens.

O segundo volume da série é inspirado no clássico trash "Brinquedo Assassino", portanto, a citação "... eles matam!" já passa a ter como foco os personagens, que neste caso, obviamente são os brinquedos. E ao contrário de "Insanas", neste volume podem participar homens e mulheres.

Das Inscrições

 

a) Poderão se inscrever autores de qualquer estado ou país, desde que os textos sejam enviados em língua portuguesa.

b) Menores de idade podem se inscrever, desde que enviados os documentos dos responsáveis (caso sejam aprovadas).

c) As inscrições, assim como a participação, em caso de aprovação dos textos, são gratuitas. Não haverá também, a obrigatoriedade de aquisição de exemplares, nem mesmo por consignação.

 

Das Regras para o Texto

 

a) Os textos deverão, obrigatoriamente, conter como personagens principais, um ou mais brinquedos.

b) Serão aceitos textos de qualquer subgênero da literatura fantástica (FC, steampunk, terror, policial etc).

c) Os textos deverão ter um limite de 24.000 caracteres (contando espaços). Textos acima desse limite serão eliminados automaticamente, sem aviso por parte do organizador. Não há um número mínimo de caracteres a ser cumprido, mas não serão considerados minicontos para esta seleção.

d) Serão aceitos apenas textos inéditos em publicações em papel. Poderão ser aceitos textos publicados na internet, desde que o autor concorde em retirá-lo do ar, durante o processo de seleção.

e) Cada autor poderá enviar quantos textos quiser, porém, apenas um conto por autor será publicado. No caso de mais de um conto passar na seleção, o organizador poderá (não obrigatoriamente) solicitar ao autor que escolha o conto a ser inserido na antologia.

f) Serão aceitos textos em coautoria, porém contará apenas como UMA participação.

 

Do Envio do Material


a) As inscrições começam dia 01 de agosto de 2011 e vão até 01 de janeiro de 2012.

b) A submissão dos textos deverá ser feita através do formulário de inscrições. Fique atento ao preenchimento dos campos, principalmente no que se refere a antologia escolhida.

c) Se o autor quiser enviar mais de um conto, deverá fazê-lo através de submissões separadas, independente dos contos serem destinados a seleção de um mesmo volume, ou volumes separados.

d) No ato da inscrição o autor receberá um e-mail de confirmação do recebimento do seu texto. Porém, esta confirmação não garante a seleção do texto ou sua aceitação de acordo com as regras.

 

Da Seleção

 

a) Os textos serão selecionados pelo organizador da antologia, que poderá se valer de leitores beta, por ele escolhidos.

b) Não serão dados pareceres sobre os textos que não forem selecionados, no que se diz respeito a critérios de seleção. Apenas observações sobre não cumprimento das regras poderão (não sendo obrigatório) ser comunicadas aos autores.

c) Não contarão pontos a favor, nem contra, publicações anteriores ou bagagens literárias de qualquer natureza, por parte das autoras. O objetivo da antologia é reunir autoras com textos de qualidade, não importando se iniciantes ou se possuem experiência. O que será analisado é o texto enviado e não o currículo do participante.

d) Serão selecionados até 15 (quinze) autores.

 

Do Resultado

 

a) O resultado da seleção será divulgado até dia 20 de janeiro de 2012, através do site da antologia, da comunidade no orkut e também no site de Editora Estronho. Os autores selecionados receberão e-mails informando-as da sua aceitação na antologia, após a divulgação na internet.

b) Autores não selecionados para essa antologia NÃO receberão e-mails sobre a seleção.

c) Caso haja insuficiência de dados de um autor, para confecção dos contratos de publicação, desistência de participação ou comprovação de não ineditismo da obra enviada, mesmo depois da divulgação do resultado, poderá haver troca de nomes na lista de selecionadas.

 

Dos Valores, Direitos Autorais e Forma de Publicação

 

a) As inscrições são gratuitas.

b) Caso o texto seja selecionado para a publicação, não será exigido do autor que adquira nenhum exemplar da antologia, nem mesmo por consignação. A compra dos exemplares, por parte dos autores é 100% opcional, e neste caso serão concedidos descontos especiais a serem divulgados na ocasião da comercialização.

c) Os direitos autorais serão pagos através de 2 (dois) exemplares da antologia (para cada 800 exemplares impressos).

d) Inicialmente o livro terá formato 14x21cm, capa fosca e papel reciclato 75g. Essas especificações poderão ser modificadas até o fechamento da seleção.

e) A publicação se dará com uma pequena tiragem inicial para o evento de lançamento e distribuição de exemplares para os participantes. A partir daí, serão feitas impressões sob demanda, ou seja, à medida que forem feitos os pedidos via internet e/ou livrarias que estarão comercializando a antologia.

f) Os autores que quiserem comprar uma quantidade maior de exemplares, para revenderem ou presentearem, terão descontos maiores e deverão negociar com antecedência diretamente com a editora.

 

Da Divulgação

 

a) A editora e o organizador poderão e deverão utilizar os nomes dos autores convidadas e selecionados, para divulgar a obra, antes e depois de sua publicação.

b) Poderão ser solicitadas fotos e declarações dos autores (não sendo obrigatório) para que possamos produzir material de divulgação e/ou matérias e entrevistas em blogs e sites especializados.

c) Os autores selecionados poderão ajudar na divulgação, bastando para isso, pegar material apropriado no site da antologia.

 

Quaisquer dúvidas a respeito do regulamento ou de outras questões ligadas a esta antologia, entrem em contato pelo e-mail antologias@estronho.com.br.

Postado por Felipe Leonardo Ferreira em Ciência e Cultura (Licenciatura do IFUSP) | 0 comentário

Agosto 17, 2011

default user icon

 

Vídeo muito interessante sobre a relação entre ciência e literatura por Miguel Nicolelis, que atualmente  lidera o projeto do Instituto Internacional de Neurociências de Natal, na capital do Rio Grande do Norte, considerado um dos mais respeitados do mundo.

  http://www.youtube.com/watch?v=Q-61ij33nhM

 

Para saber mais sobre Miguel Nicolelis:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Miguel_Nicolelis

Palavras-chave: Literatura

Postado por Fabiano Nunes em Ciência e Cultura (Licenciatura do IFUSP) | 0 comentário

Novembro 20, 2010

default user icon

Olá Pessoal do curso,

como sabemos no dia 26 de novembro nós nos encontraremos com o professor João Zanetic sobre o assunto de Literatura e Ciência. Para que possamos aproveitar ainda mais esta conversa seria interessante a leitura de alguns de seus artigos que foram publicados, bem como outros artigos que, também, estão relacionados com este assunto. As possíveis questões que vocês possam levantar podem ser colocadas aqui.

1º - FÍSICA E CULTURA - Joao Zanetic

2º - FÍSICA E ARTE: uma ponte entre duas culturas - João Zanetic

3º - FÍSICA E LITERATURA:construindo uma ponte entre as duasculturas - João Zanetic

4º - LER PALAVRAS, CONCEITOS E O MUNDO: o desafio de entrelaçar duas culturas - João Zanetic e Mônica Elizabete Caldeira Deyllot

5º - DISCURSOS DE PROFESSORES DE CIÊNCIAS SOBRE LEITURA - Inez Barcellos e Isabel Martins

6º - POESIA NA SALA DE AULA? - Ildeu de Castro Moreira

7º - LITERATURA, CIÊNCIA E EDUCAÇÃO - Rosane de Bastos e Pedro da Cunha



 

Palavras-chave: Literatura, Zanetic

Postado por Glauco Gomes Moreno Senhora em Ciência e Cultura (Licenciatura do IFUSP) | 1 comentário

Outubro 28, 2010

default user icon

 

 

Isaac Asimov é um dos percussores do estilo de escritor com veia cientifica. E neste livro, temos uma pequena diferença Asimov não escreveu este texto de cunho próprio, mas foi proposto a ele que uma adaptação de um texto de Richard Fleischer fosse feita. No final, Asimov não gostou do produto que tinha concebido, devido a restrições que eram impostas. Por isso, em seguida lançou a continuação deste livro, o livro Viagem Fantástica 2, no qual pode utilizar de todo seu jeito de escrever.

Inicialmente Dr. Benes o mais importante cientista do mundo sofre com alguns acidentes, e seu corpo tem serias avarias. Ossos quebrados, músculos, pulmões e etc... Mas o maior problema que o Dr. têm é um coagulo sanguíneo na cabeça. Dr. Benes participava de um grupo de pesquisa em física, o qual utilizava-se de técnicas secretas para a miniaturização dos objetos e seres. O maior medo dos dois grupos era, por exemplo, miniaturizar um grande exercito com um forte armamento, colocar dentro de uma maleta , colocar num ponto estratégico do outro grupo e depois volta-los ao tamanho normal.

Na verdade, havia no mundo apenas dois grupos que conheciam esta tecnologia. Benes participava de um deles e tinha descoberto uma teoria que deixaria o seu grupo em vantagem. Porém Dr. Benes, teve problemas com seu grupo e Grant, um tipo de agente secreto, vai libertá-lo e trazer para o outro grupo. Assim, Dr. Michels e seu grupo (o lado oposto a Benes) irão tratar do problema, chamando para esse serviço Grant, o libertador, para ajudar.

E a aventura se dá dentro do corpo de Benes, pois o coagulo é curável, apenas por dentro. Mas que técnicas eles utilizam? Ora, a miniaturização de todo o grupo de trabalho e de um submarino que irá servir como meio de transporte. Assim, o grupo passa pelas artérias, coração, capilares, Pulmão, Pleura, Linfócitos, Ouvidos, Cérebro e chega ao coágulo.

 

Paralelo.

Parece que a tecnica descrita, acima, é apenas um contratempo de Asimov , porém se recordarmos, alguns anos atrás em 1989, 23 anos após este titulo, houve a criação da saga "querida encolhi as crianças". Logo podemos perceber que Asimov é um grande influenciador na criação e invenção de ficções.

 

Referências:

Asimov, Isaac - Viagem Fantastica - Ed. Bloch - 1967

Palavras-chave: Asimov, Literatura

Postado por Glauco Gomes Moreno Senhora em Ciência e Cultura (Licenciatura do IFUSP) | 4 comentários

default user icon

 

Eu robo

 

As três Leis da Robótica:

1º - Um robô não pode ferir um ser humano ou, por omissão, permitir que um ser humano sofra algum mal.
2º - Um robô deve obdecer as ordens que lhe sejam dadas por sêres humanos, exceto nos casos em que tais ordens contrariem a Primeira Lei.
3º - Um robô deve proteger sua propria existência, desde que tal proteção não entre em conflito com a Primeira e a Segunda Leis.


O livro de Isaac Asimov, ao contrario do filme, é composto de 9 contos, de forma linear no tempo, de modo que cada historia ponha como evidência o conflito na aplicação das três leis. Mostrando como os robôs evoluíram e mesmo assim, ainda, têm problemas a serem sanados. São eles:

1º - Robbie.
Está é a história de um robô babá mudo e de seu relacionamento com a menina Gloria. A historia se passa em 1998.

2º - Brincadeira de Pegar.
Asimov nos apresenta a famosa dupla Powell e Donovan, que viriam a protagonizar várias historias da coletânea. Nesse conto, que tem Mercúrio de 2015 como cenário, conhecemos o robô Speedy, que teve a Terceira Lei reforçada em seu cérebro positrônico, causando consequências inesperadas.

3º - Razão.
Outro conto com a dupla Powell e Donovan. Dessa vez nossos heróis estão numa estação espacial de captação de energia solar para envio para a Terra. Um novo modelo de robô, Cutie, é levado desmontado para a estação e lá montado para ser testado como controlador de foco do feixe de energia para a Terra. Só que para Cutie, que nunca conhecera a Terra, o mundo era só a estação. Powell e Donovan têm que lidar com o problema enquanto uma perigosa tempestade de eletrons se aproxima.

4º - Pegar o Coelho.

A terceira aventura da dupla Powell e Donovan, onde conhecem Dave, um robô lider de um grupo de robôs, como se ele fosse o cérebro por tras de uma mão, e cada robô subordinado, um dedo. Dave apresenta comportamento estranho, quase neurótico, quando está sozinho com seus robôs-liderados, sem a presenca de humanos. Powell e Donovan têm que descobrir o motivo.

5º - Mentiroso!
Para muitos, o melhor conto do livro. Nesse conto, que se passa em 2021, conhecemos com mais profundidade a famosa robopsicóloga Dra. Susan Calvin, da super-poderosa empresa U.S. Robôs e Homens Mecânicos, que tem que descobrir como e por que foi criado inadvertidamente Herbie, um robô capaz de ler pensamentos. Asimov desenvolve bem o personagem de Susan nesse conto.

6º - Pobre Robô Perdido.
Conto com a Dra. Calvin, onde conhecemos Nestor, um robô que teve a Primeira Lei enfraquecida em seu cérebro positrônico, causando, como sempre, consequências não previstas, inclusive o fato inédito de robôs mentindo para humanos. Susan Calvin tem que resolver o problema.

7º - Fuga!
Uma aventura conjunta da Dra. Calvin e da dupla Powell e Donovan. Uma empresa concorrente da US Robôs oferece uma proposta irrecusavel. O super-computador robótico da US Robôs chamado Cérebro teria que resolver um problema que poderia ser a chave da propulsão interestelar. Susan Calvin é chamada para descobrir como o Cérebro pode ser usado nesse problema sem risco de sua destruição. E Powell e Donovan têm que fazer o trabalho sujo.

8º - Prova.
Passa em 2032, também é protagonizado por Susan Calvin. Nesse conto vemos como os robôs comecam a mudar a vida social, econômica e até politica da Terra. Robôs humaniformes são quase indistinguíveis de seres humanos. E vistos com desconfiança. Surge a suspeita de que um famoso jovem político é na verdade um robô. Susan Calvin é acionada para descobrir se é ou não.

9º - O conflito Evitável.
m 2052, é o conto que fecha o livro. Nele descobrimos que as chamadas Máquinas, super-computadores robóticos, na prática governam a humanidade. Grupos fundamentalistas são contra as Máquinas, mas elas aparentemente estão levando a humanidade a uma Idade de Ouro em termos de padrão de vida e de solução de conflitos entre os humanos. Mas parece que as Máquinas estão agora cometendo erros. Isso pode fortalecer os grupos anti-Máquinas. Susan Calvin é chamada pelo Coordenador da Terra para resolver o problema. Como sempre, descobrimos que as Três Leis da Robótica estão envolvidas no mistério, cuja solução nos leva a fechar a última página no livro e ficar meditando sobre o que acabamos de ler. Passamos a ver o mundo de modo um pouco diferente.

É interessante notar como em 1950, Asimov já pensava nas problematicas de uma super evolução tecnologica. Notavel como em paralelo ocorria uma corrida tecnologica pós-segunda Guerra e periodo de Guerra Fria.

Referências:

Asimov, Isaac - Eu, Robô - 2ª Edição - 1969

Palavras-chave: Asimov, Literatura

Postado por Glauco Gomes Moreno Senhora em Ciência e Cultura (Licenciatura do IFUSP) | 2 comentários

Setembro 16, 2010

default user icon

 

 

 

O livro de Isaac Asimov que tem como o titulo “Guia para entender o cometa de Halley”, não se restringe apenas, como parece o titulo, a informações sobre este cometa. Não! Este livro traz informações importantes sobre a historia dos cometas, a historia da humanidade, não apenas de uma ciência. E entendo que seria um ótimo livro de informações a serem utilizadas no ensino médio.

Num pequeno discurso sobre o texto, poderemos ver ao longo de seu texto as paixões das observações, a febre das descobertas, o medo do novo, as interações que houve entre as observações cientificam e observações amadoras, os prejuízos, os avanços tecnológicos e suas conseqüências.

Asimov inicia seu texto relatando das primeiras observações feitas e como os antigos descreviam os corpos, que hoje conhecemos como cometas. (veja figura 1)

 

FIGURA 1

 

Nessa figura temos uma das muitas interpretações feitas pelos antigos, principalmente no que se referem os cometas como espadas que cortavam os céus.

A seguir há uma interpretação da origem da palavra “cometa”, apresentada no livro. “... em grego, kometes quer dizer ‘cabeludo’... Na antiguidade, uma das coisas que indicavam luto era as mulheres soltarem os cabelos e deixarem-nos cair pelas costas, sinal de que elas estavam abaladas demais para cuidar da aparência. Assim, não era difícil ver o cometa como uma mulher desesperada, de cabelos soltos ao vento. Claramente, isto só podia ser sinal de desgraça.”

Começa se falar de problemas como relatado acima, pois na antiguidade os cometas eram sinais de mal pressagio. De problemas que viriam devido aos cometas. Pois, as ciências, que hoje conhecemos como astrologia, julgava prever o futuro com base nas posições dos corpos celestes. Mas, o movimento dos cometas era totalmente diferente do aceito, e dos observados para os demais corpos. Isso é retratado nas figuras 2 e 3, que são alguns exemplos da superstição das épocas remotas.

 

Asimov 2

FIGURA 2

 

Asimov 3

FIGURA 3

 

Dentre outras o autor ainda relata, no ano 44 a.C. prevendo a morte de Júlio César, 11 a.C. com a morte de Marco Agripa, em 837 d.C. com a morte 3 anos mais tarde do imperador Ludovico, o piedoso. Em 1456 a interpretação atribuída foi a queda de Constantinopla, em 1453. 

Seguindo no seu texto, Asimov discorre sobre as trajetórias dos cometas, pois como eles passavam próximo do Sol, da Terra e depois não eram mais observados, começou-se a relatar sobre distancias infinitas. E, também, especulações sobre a trajetória em linha reta dos cometas, por volta de 1600. Nesta mesma época, um cientista muito conhecido por fazer vácuo em câmaras Otto von Guericke, relatou sobre órbitas elípticas e o possível retorno dos cometas. Foi então em 1687, que se formulou uma revolução importantíssima com os principia, de Newton. Utilizando-se das leis e conceitos formulados por Newton, Edmund Halley (figura 4) realizou as contas árduas da trajetória (Figura 5) de um cometa observado em 1682. Estabelecendo, também, uma relação com outras aparições descritas em outros anos, em outras localidades. Ele percebeu segundo suas contas, não viveria para observar a volta do cometa, em 1758, que levou seu nome.   

 

Asimov 4

FIGURA 4

 

Asimov 5

FIGURA 5

 

Foi a partir daí que a sociedade entrou em êxtase para esta observação tão importante. Outros cálculos foram feitos para aprimorar a data estipulada de Halley. Então em 1758, lá estava ele com alguns dias de atraso devido a não influencia, nas contas, dos planetas Urano e Netuno, ate então não descobertos. Traçou-se, assim como Halley uma comparação da órbita estipulada com muitas outras observações realizadas em diversos paises. E muitas dessas observações tiveram alguma representação artística e ate comparativa. (figura 6 e 7).

 

Asimov 6

FIGURA 6

 

Asimov 7

FIGURA 7

 

Como os cometas faziam parte oficial do sistema solar, alguns perderam a superstição dos cometas, porém outros, devido a alguns cálculos mão elaborados e de conseqüências catastróficas, juntamente com a informação do cruzamento da órbita dos cometas com o planeta Terra de conseqüências catastróficas. O cenário mundial foi tomado por medo, visto que a qualquer momento poderia acabar a vida no mundo (figura 8).

 

Asimov 8

FIGURA 8

 

Enquanto isso, o cenário da astronomia ganhou uma ênfase muito grande. Pois, “Todo mundo, queria descobrir um cometa e, se possível, calcular sua órbita e prever sua volta. Afinal, agora que havia bons telescópios, era possível detectar a presença de cometas fracos demais para serem vistos a olho nu.”, segue Asimov.

Posso fazer uma analogia com esta época da humanidade, com a febre do ouro, que foi deslocamento muito grande de muitas famílias e trabalhadores às terras que deixariam ricos seus trabalhadores, devido a descobertas de pepitas de ouro. Um exemplo, interessante e mostrado no livro, ao primeiro astrônomo profissional Messier é descrito na figura 8 e 9. Quando ele se queixa, da descoberta de outros a sua frente e o tempo que ele perdeu, comparecendo ao a morte de sua esposa. Na figura 9, ainda podemos ver uma charge feita para exemplificar a época das descobertas.

 

Asimov 9

FIGURA 9


Em 1818, Gauss elabora um sistema matemático para calcular as órbitas dos cometas, facilitando a vida de diversos observadores dos cometas.

O livro, ainda, traz relatos dos estudos feitos sobre a composição dos cometas. E como segundo as primeiras observações os cometas ao passar perto do Sol, seguiam uma regra básica. Suas caldas eram opostas a posição do Sol. Ou seja, quando estavam indo em direção ao Sol suas caldas ficavam para trás, e no sentido oposto, suas caldas seguiam na frente dos cometas (figura 10). Fred Lawren Whipple em 1950, foi o criador de uma teoria interessante muito aceita. “Teoria da bola de neve suja”, na qual ele relata sobre substancias congeladas ao redor de um pedaço de pedra. Então, por isso ao chegar próximo do Sol, aparecia esta cauda. Porém a direção da cauda foi outro assunto, no qual uma teoria começou a ganhar papel importante, os ventos solares. Outra discussão encaminhada aos pensadores da época, foi feita pelas observações dos cometas com duas ou mais caudas. (figura 5).

 

Asimov 10

FIGURA 10

 

Iniciou-se então, um estudo de como se dava a interação e fragmentação dos cometas quando passavam próximo ao Sol. Percebeu-se que os fragmentos dos cometas eram deixados, orbitando segundo a órbita “original” do cometa. E quando o planeta passava por entre estas órbitas, surgiam casos de chuvas de meteoritos. Porém, não foi bem simples que essa noticia era passada na sociedade. Pela sociedade cientifica, passar pela cauda ou mesmo pelos fragmentos não teriam efeitos tão catastróficos como proliferado na sociedade. Assim como hoje, muitas pessoas sempre querem sair lucrando com a situação independente dos acontecimentos. E nesta época não foi diferente segundo Asimov “...Alguns comerciantes sem escrúpulos ganharam muito dinheiro vendendo ‘pílulas cometárias’ que, segundo anunciavam, eram antídotos contra os gases tóxicos que entrariam na atmosfera quando a Terra passasse por dentro da cauda do cometa Halley.” (figura 11)

 

Asimov 11

FIGURA 11


Os cometas já eram um dos maiores assuntos do ano, e desde suas aparições começou-se a questionar-se sobre a quantidade deles e de onde vem? Então segundo estudos de alguns cometas com órbitas gigantes e teorias criadas por Ernst Julius Öpik e Jan Hendrik Oort. Oort já afirmava que haveria cerca de 100 bilhões de cometas na região de aproximadamente 1 a 2 anos-luz. Tendo entre 2 a 15 quilômetros de diâmetro. E para ele, os cometas estariam distribuídos em torno do Sol formando um anel de cometas. (figura 12)

 

Asimov 12

FIGURA 12

 

Por fim, Asimov relata do surgimento dos cometas, segundo a idéia dos anéis de cometas de Oort e como a fusão nuclear ajudou neste processo. Entre outros assuntos, também há relatos de alguns fatos históricos sobre cometas acontecidos na Terra. Tais como, a floresta em Tunguska (figura 13) e após alguns trabalhos de geólogos e suas descobertas de muito irídio em solo terrestre, a hipótese do que ele chama de “Grande Mortandade”, principalmente as dos dinossauros. (figura 14).

 

Asimov 13

FIGURA 13

 

Asimov 14

FIGURA 14

 

E nos deixa, não pelo fim, mas aqui o fiz, a imagem de um ilustrador americano que espera a volta do cometa Halley, numa sociedade avançada tecnologicamente (figura 15). Pois, quero deixar a pergunta: será que seremos capazes do observamos op cometa Halley uma vez em aproximadamente 2063?  Destruiremos-nos antes? Ou outro fato? Isto o livro não explicará e nenhum outro, mas fica a nosso cargo a imaginação.

 

Asimov 15

FIGURA 15



Bibliografia:
Asimov, I. - Guia para entender o cometa de Halley - São Paulo - S.P. - ed. brasiliense. 1985.

Palavras-chave: Asimov, cometas, Literatura

Postado por Glauco Gomes Moreno Senhora em Ciência e Cultura (Licenciatura do IFUSP) | 1 comentário

Setembro 09, 2010

default user icon

Poema para Galileu

Estou olhando o teu retrato, meu velho pisano,
aquele teu retrato que toda a gente conhece,
em que a tua bela cabeça desabrocha e floresce
sobre um modesto cabeção de pano.
Aquele retrato da Galeria dos Ofícios da tua velha Florença.
(Não, não, Galileo! Eu não disse Santo Ofício.
Disse Galeria dos Ofícios.)
Aquele retrato da Galeria dos Ofícios da requintada Florença.
Lembras-te? A Ponte Vecchio, a Loggia, a Piazza della Signoria…
Eu sei… Eu sei…
As margens doces do Arno às horas pardas da melancolia.
Ai que saudade, Galileo Galilei!

Olha. Sabes? Lá em Florença
está guardado um dedo da tua mão direita num relicário.
Palavra de honra que está!
As voltas que o mundo dá!
Se calhar até há gente que pensa
que entraste no calendário.

Eu queria agradecer-te, Galileo,
a inteligência das coisas que me deste.
Eu,
e quantos milhões de homens como eu
a quem tu esclareceste,
ia jurar - que disparate, Galileo!
- e jurava a pés juntos e apostava a cabeca
sem a menor hesitação -
que os corpos caem tanto mais depressa
quanto mais pesados são.

Pois não é evidente, Galileo?
Quem acredita que um penedo caia
com a mesma rapidez que um botão de camisa ou que um seixo da praia?

Esta era a inteligência que Deus nos deu.

Estava agora a lembrar-me, Galileo,
daquela cena em que tu estavas sentado num escabelo
e tinhas à tua frente
um friso de homens doutos, hirtos, de toga e de capelo
a olharem-te severamente.
Estavam todos a ralhar contigo,
que parecia impossível que um homem da tua idade
e da tua condição,
se estivesse tornando num perigo
para a Humanidade
e para a Civilização.
Tu, embaraçado e comprometido, em silêncio mordiscavas os lábios,
e percorrias, cheio de piedade,
os rostos impenetráveis daquela fila de sábios.

Teus olhos habituados à observação dos satélites e das estrelas,
desceram lá das suas alturas
e poisaram, como aves aturdidas - parece que estou a vê-las -,
nas faces grávidas daquelas reverendíssimas criaturas.
E tu foste dizendo a tudo que sim, que sim senhor, que era tudo tal qual
conforme suas eminências desejavam,
e dirias que o Sol era quadrado e a Lua pentagonal
e que os astros bailavam e entoavam
à meia-noite louvores à harmonia universal.
E juraste que nunca mais repetirias
nem a ti mesmo, na própria intimidade do teu pensamento, livre e calma,
aquelas abomináveis heresias
que ensinavas e escrevias
para eterna perdição da tua alma.
Ai, Galileo!
Mal sabiam os teus doutos juízes, grandes senhores deste pequeno mundo,
que assim mesmo, empertigados nos seus cadeirões de braços,
andavam a correr e a rolar pelos espaços
à razão de trinta quilómetros por segundo.
Tu é que sabias, Galileo Galilei.
Por isso eram teus olhos misericordiosos,
por isso era teu coração cheio de piedade,
piedade pelos homens que não precisam de sofrer, homens ditosos
a quem Deus dispensou de buscar a verdade.
Por isso estoicamente, mansamente,
resististe a todas as torturas,
a todas as angústias, a todos os contratempos,
enquanto eles, do alto inacessível das suas alturas,
foram caindo,
caindo,
caindo,
caindo,
caindo sempre,
e sempre,
ininterruptamente,
na razão directa dos quadrados dos tempos.


Um pouco sobre Galileu...

Este poema discursa sobre uma época situada por volta de 1600, e sobre a vida de um dos "gigantes da física". Galileu que antes de 1611 lecionava matemática, ainda fazia suas explicações do sistema planetário com geocêntrico, mas já estava entrando em contato com as leituras de Copérnico. Em cartas a Kepler, a discussão sobre o sistema heliocêntrico séria ridículo, pois em contra posição as idéias aristotélicas e a simplicidade contidas nelas, bastavam para responder sobre muitas observações dos corpos celestes e outros fenômenos. 

Porém em 1609, com a utilização do telescópio (Creditado a Hans Lippershey sua criação) Galileu pode fortificar a defesa da teoria heliocêntrica. Assim, por meio de várias observações Galileu descobriu refutações do que propunha os ideais aristotelicas-ptolomaico, das quais propunham os corpos celestes depois da Terra como, feitos por matéria “etérea” justificando a não queda para o centro do universo, o centro da Terra. Dentre essas refutações estão:

1º - A superfície da Lua;

Galileu percebeu que a Lua tinha em sua superfície crateras, as quais contradiziam a crença popular da época.

2º - A concepção da via-láctea;

Também, em suas observações Galileu conseguiu atentar para estrelas jamais vistas a olho nu. O que antes era apenas admiração aos olhos humanos, se tornou então um problema já que a maioria delas não era vistas por eles.

3º - Os satélites de Júpiter;

Ao apontar o telescópio para o "errante" Júpiter (os planetas eram chamados de errantes, pois em algumas épocas de suas órbitas realizavam movimentos retrógrados), Galileu percebeu os movimentos de 4 corpos celestes. Os quais realizavam esses movimentos ao redor de Júpiter e não ao redor da Terra como propunha o conhecimento da época.

Foi assim que Galileu, cujas idéias já estavam desfavoráveis ao geocentrismo publicou em 1610, o livro "Sidereus Nuncius" (tradução ao português: "O mensageiro das estrelas"). Neste livro estavam contidas as observações e relatos das refutações, a cima, descritas sucintamente.

Num primeiro momento tais argumentações foram, até, bem aceitas e seriam apresentadas na corte e ao futuro papa Urbano VIII. Porém, a igreja começou a tomar posicionamentos mais rígidos e interpretações ao pé da letra da Bíblia. E foi mais tarde, em 1616 que a Inquisição se mostrou contra a teoria heliocêntrica. Assim, muitos livros como os de Galileu, Copérnico, Giordano Bruno e outros foram parar na lista de livros proibidos. Então, que o embate começou a ganhar conseqüências.

Nesta época as pesquisas eram mais favoráveis a Tycho Brahe, pois como adepto fervoroso da teoria geocêntrica, realizava pesquisas e observações capazes de afirmar suas hipóteses.

Foi proibido então falar-se em teoria heliocêntrica como "Verdade Física", mas poderia ser estudada como hipótese matemática.

Nestes altos e baixos, um dos amigos de Galileu ascende a posição de Papa (Urbano VII) e dá a Galileu a oportunidade de mostrar suas hipóteses, porém de forma equilibrado. Colocando e contrapondo os dois pontos de vista, na criação de um livro. Foi assim, que podemos dizer de forma até ousada Galileu escreve "Dialogo di Galileo Galilei sopra i due Massimi Sistemi del Mondo Tolemaico e Copernicano"(Dialogo sobre os dois principais sistemas do mundo Ptolomaico e Copernicano). Diga-se de passagem, ousado, pois em seu livro as duas visões não eram colocadas tão equilibradas. Galileu de forma às vezes explicita, bem como implícita defende a concepção do sistema heliocêntrico.

Numa interpretação feita pelos "avaliadores" da igreja, o livro era uma oposição fortíssima as questões geocêntricas. Então, o papa Urbano VIII, incluiu também este livro ao "index" e utilizou-se das forças da inquisição para punir Galileu como forma de demonstrar a traição cometida.

A saída de que Galileu utilizou foi uma proposta controversa aos olhares de seus apoiadores, e a atitude correta aos olhares da igreja. Mas, talvez uma das mais inteligentes já pensadas. Pois, sob pressão de drásticas punições; um dos maiores defensores da teoria heliocêntrica começou a declarar que suas concepções eram errôneas e ditas de um "amador". Assim, ficou em "cárcere privado". Mas, ate então, "uma mordomia", diga-se de passagem. Pois, ficou num aposento do vaticano grande e no qual continuou a realizar seus estudos.

Foi então, em 1636,já com 74 anos e cego, que se concretizou a realização da sua ultima obra "Discorsi e Dimostrazioni Matematiche Intorno a Due Nuove Scienze"(conhecido pela tradução "Discursos e demonstrações matemáticas acerca de duas novas ciências" ou apenas "discursos"). Neste livro posto em diálogos, podemos dividi-lo em quatro partes ou jornadas. As duas primeiras falam sobre as "duas ciências" uma retomada aos diálogos e sobre a resistência dos materiais, respectivamente. As últimas duas partes propoem-se a avaliar e questionar o movimento acelerado e as leis dos movimentos de projeteis (Menção feita por Gedeão neste poema acima, nos últimos versos).

Pode-se dizer que não foi bem aceito e teve suas primeiras publicações na Holanda. Galileu, diga-se de passagem, foi um homem que realizou conquistas e propostas, já "muito velho". Contrapondo o que hoje se relata que para se descobrir algo deve ser uma pessoa nova, de cabeça limpa de influências. Eis um homem que contradiz este discurso popular.

 

Referencias:

http://odiario.info/?p=103

http://galileu-galilei.webs.com/

http://pt.wikipedia.org/wiki/Galileu_Galilei

Palavras-chave: Antonio Gedeão, Galileu, Literatura

Postado por Glauco Gomes Moreno Senhora em Ciência e Cultura (Licenciatura do IFUSP) | 1 comentário

default user icon

O Binômio de Newton



O Binômio de Newton é tão belo como a Vênus de Milo.
O que há é pouca gente para dar por isso.
óóóó — óóóóóóóóó — óóóóóóóóóóóóóóó
(O vento lá fora.)

Vênus de Milo

Aqui o heterônimo de Fernando Pessoa traz em discussão a beleza contida nas diversas formas de expressão do homem. De um lado um teorema matemático, do outro uma estátua grega, a qual representa a deusa grega Afrodite. Álvaro de Campos propõe esta comparação, pois a beleza da matemática reside em poucos olhos, poucos serão capazes de olhá-la e ver beleza. Poderam muitos ver utilidade e estrutura lógica, a dificuldade se encontra em observarmos o belo.

 

Palavras-chave: Álvaro de campos, Literatura, Poesia

Postado por Glauco Gomes Moreno Senhora em Ciência e Cultura (Licenciatura do IFUSP) | 1 usuário votou. 1 voto | 0 comentário

default user icon

Muitas vezes para ir à USP, ando pela estação República do metrô.

Outro dia, reparei em uma obra de arte, que está exposta nesta estação, esta obra consiste em um tubo espelhado com uma figura impressa sobre ele, de modo a ficar em torno dele, porém no teto.

Se olharmos para a imagem impressa não conseguimos entender o que é esta imagem, porem ela reflete no tubo convexo, e assim podeconseguimos ver o rosto de um homem.

Obra Metrô

Nesta obra de arte o artista utilizou de seu conhecimento de óptica para criar seu trabalho.

Existem muitas criações artísticas em que artistas utilizam de espelhos para dar o efeito que eles desejam em seus trabalhos.

O interessante é que muitas vezes passamos por esse tipo de obra de arte e por conta da correria do dia-a-dia não as notamos, depois deste dia passei a reparar mais em algumas obras que estão expostas nas estações de metrô.

Na estação Tatuapé também podemos encontrar algumas poesias de Fernando Pessoa, e também percebi isto no dia em que estava indo fazer a visita ao museu da língua portuguesa.

Achei bem interessante a visita, nunca havia ido à este espaço, e recomendo a todos, pois é um espaço bem interativo, e com certeza aprenderemos bastante sobre a origem de nossa língua.

Vou deixar escrito aqui a poesia de Fernando Pessoa que está escrita na estação Tatuapé do metrô.

"Para ser grande, sê inteiro: nada
         Teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa. Põe quanto és
          No mínimo que fazes.
Assim em cada lago a lua toda
           Brilha, porque alta vive."

Este post é Domínio Público.

Postado por Diego Paulo Rhormens em Ciência e Cultura (Licenciatura do IFUSP) | 2 usuários votaram. 2 votos | 2 comentários

Setembro 07, 2010

default user icon

 

“Uma criatura de nervos modernos, de intligência sem cortinas, de sensibilidade acordada, tem a obrigação cerebral de mudar de opinião e de certeza várias vezes no mesmo dia.”

 

Fernando Pessoa nos faz pensar sobre as certezas: me parece que talvez em nenhuma outra área da atuação humana as certezas sejam mais danosas, do que na educação. Dedicar-se à educação é duvidar sempre, reconstruir sempre, refletir sempre, criar todo dia, recomeçar todo dia, descobrir a cada ação, a cada olhar, a cada momento jeitos novos...

 

Fernando Pessoa discutia consigo e discute conosco através dos vários personagens que criou para si mesmo. Reflete o Barão de Teive,

 

“Pertenço a uma geração – supondo que essa geração seja mais pessoas

que eu – que perdeu por igual a fé nos deuses das religiões antigas e a fé nos

deuses das irreligiões modernas. Não posso aceitar Jeová, nem a humanidade.

Cristo e o progresso são para mim mitos do mesmo mundo. Não creio na Virgem

Maria nem na eletricidade.”

 

E pondera:

 

 “O conflito que nos queima a alma (...) é o conflito entre a

necessidade emotiva da crença e a impossibilidade intelectual de crer”

 

Encontrei um texto interessante, de um sociólogo e teólogo,  (http://200.233.146.122:81/revistadigital/index.php/revistateste/article/viewFile/93/84) que pode trazer Fernando Pessoa para nossa conversa sobre Ciência, Ética e Religião. O trecho abaixo é um resumo.

 

FERNANDO PESSOA: RELIGIOSIDADE NA POESIA

 

Anaxsuell Fernando da Silva(*)

 

O Poeta Fernando Pessoa (1888-1935), um dos mais controvertidos artistas do século

XX, declarava-se um cristão gnóstico. Apesar disso, não se alinhou a nenhuma

instituição religiosa e/ou doutrina estabelecida. Teve na dimensão religiosa a temática

preferida. A proposta deste trabalho é compreender a religiosidade em Pessoa por meio

da leitura de imagens suscitadas a partir de sua obra, e assim evidenciar na vasta produção

significações poéticas que podem ser associadas a signos de religiosidade, seja no

conteúdo manifesto ou latente de sua obra. Entende-se que Pessoa, e todos os seus personagens

criados por intermédio da heteronímia, fez uso em sua escrita da linguagem

simbólica dos mais distintos universos religiosos para compor sua própria forma de

religiosidade. Visualiza-se que essa é pluriforme e talvez objetivasse contrariar os limites

sociais estabelecidos para o exercício da fé.

 

(*) Doutorando em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Mestre

em Ciências Sociais, Bacharel em Sociologia e com licenciatura plena em Ciencias Sociais pela

Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), também é graduado em Teologia pela

Escola Superior de Teologia (São Leopoldo/RS) e especialista em educação ambiental (IFESP)..

Palavras-chave: Ciência e Religião, Literatura

Postado por Vera Bohomoletz Henriques em Ciência e Cultura (Licenciatura do IFUSP) | 0 comentário