Stoa :: Ciência e Cultura (Licenciatura do IFUSP) :: Blog :: Uma Breve Biografia Acadêmica de Mario Schenberg, por Amélia Império Hamburguer

outubro 30, 2010

default user icon

Saudações!

 

Hoje postaremos aqui uma singela menção àquele que foi e ainda é considerado o maior físico do Brasil: Mario Schenberg.

O texto a seguir é parte da introdução feita pela professora Amélia Império Hamburger em “Dois Textos de Mário Schenberg - Publicação da obra científica de Mario Schenberg”, Estudos Avançados, no. 44, Janeiro/Abril, 2002, e é a Apresentação do Volume I das “Obras Científicas de Mario Schoenberg”, Editora da Universidade de São Paulo, EDUSP, publicado em 2009.

 

Mario Schenberg nasceu em Recife, estado de Pernambuco, a 2 de julho de 1914(1). Mudou-se para São Paulo, em 1933, onde faleceu a 10 de novembro de 1990, reconhecido como cidadão paulistano pela Câmara Municipal. Viveu uma vida intensa, de atuação marcante nas décadas de grande efervescência cultural no Brasil dos anos trinta aos anos setenta, atuando diretamente na ciência, formação de cientistas e instituições, na política, na promoção e interpretação das artes e de artistas. Professor Catedrático da Universidade de São Paulo, desde 1944, estabeleceu a prática da física teórica e matemática no Brasil.

Individualidade forte, como cientista foi professor e pesquisador, formador de ambientes e de grupos de pesquisa no Departamento de Física da Universidade de São Paulo. Pertenceu, também, ao Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, CBPF, no Rio de Janeiro, nas décadas de 1950 e 60, onde deu cursos e participou de muitos seminários. Ao longo de carreira científica de mais de quarenta anos, freqüentou os mais avançados centros de pesquisa na Europa de antes e pós-guerra, nos Estados Unidos, no Japão, onde deu e assistiu conferências. Seus trabalhos científicos são inovadores no desenvolvimento de teorias matemáticas dos fundamentos da física, revelando novos aspectos conceituais e epistemológicos.

Seus interesses diversificados se manifestaram desde a infância. Guardava forte impressão das viagens que fizera com os pais à Europa, desde os oito anos de idade, o impacto da arquitetura gótica, das artes gráficas e o despertar do interesse pela história, que ficaram presentes e se desenvolveram durante a vida. Como jovem ginasiano já se envolvia na compreensão das condições humanas da vida social e política.

Fez os cursos primário e secundário em Recife onde, em 1931, iniciou seus estudos de Engenharia. É pioneiro do grupo de recifenses que se destacaram como cientistas nas áreas de física, matemática e química, no Brasil e no exterior. Eram estudantes de engenharia que representam, em sua trajetória científica, a orientação e estímulo do Professor Luiz de Barros Freire(2).

Transferiu-se, em 1933, para a Escola Politécnica em São Paulo e aí se formou Engenheiro Eletricista, em 1935. Formou-se também Bacharel em Matemática, na primeira turma da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, em 1936. Viveu, pois, os primeiros anos da Universidade de São Paulo que se constituía então, reunindo, em 1934, as escolas de formação de profissionais liberais e técnicos e a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, lugar da pesquisa científica e da formação de bacharéis, pesquisadores e professores dessas áreas do saber.

Mario Schenberg adquiriu formação matemática excepcional, por suas tendências e esforços pessoais e também pelas aulas e contatos com os professores italianos Luigi Fantappié e Giacomo Albanese, na Escola Politécnica e na Faculdade de Filosofia. Seus trabalhos científicos mostram poderosa percepção da física, intrinsecamente moldada em teoria matemática subjacente que conceitua a apreensão e interpretação fenomenológicas.

Gleb Wataghin, da Universidade de Turim e Giuseppe Occhialini, da Universidade de Florença, foram os professores italianos que formaram o Departamento de Física da Faculdade de Filosofia da USP, e implantaram uma tradição de manter contínuos contatos internacionais. Além dos Laboratórios italianos, com Enrico Fermi, G. Bernardini, B. Ferretti, ligavam-se ao Laboratório Cavendish, de Ernest Rutherford, Inglaterra, onde eram encontrados os grandes físicos ingleses, Powell, Blackett, Dirac, e seus visitantes, Bohr, Fermi, Pauli, Landau, Lifichtz, e outros. Os primeiros jovens colaboradores de Wataghin, Marcello Damy foi para a Inglaterra e Mario Schenberg para a Itália, no fim dos anos de 1930.

A convivência com Wataghin e Occhialini e com lideranças das pesquisas físicas da época, no exterior, possibilitou a transmissão aos jovens colaboradores brasileiros do interesse competente e ousado pelo exercício de pensamento original sobre questões fundamentais das teorias físicas dos anos trinta: as forças nucleares e as partículas elementares que as materializam. Pode-se dizer que a familiaridade com as partículas elementares e com os fundamentos da mecânica quântica e da relatividade proporcionou a imediata ligação com os neutrinos de Pauli e de Fermi, com os recém-concebidos mesons por Hideki Yukawa, e com os mecanismos das reações nucleares. Essas condições levaram a equipe de Wataghin e Occhialini, que se caracterizava, para o Professor Bernard Gross, do Rio de Janeiro, como a Escola de São Paulo (3) ao destaque internacional nos seus primeiros trabalhos, experimentais e teóricos, com Marcello Damy de Souza Santos, Paulus Aulus Pompéia, Mario Schenberg, Yolande Monteux, logo depois César Lattes, Walter Schützer, Abrahão de Moraes, Oscar Sala, e vários outros.

Sua carreira de docente e pesquisador se iniciou como preparador de demonstrações na Escola Politécnica e em seguida como assistente de Wataghin na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras. Aí, em 1944, realizou concurso e tornou-se professor catedrático de Mecânica Racional e Celeste. Nesse ano publicou livro de física elementar para o ensino médio (4).

Participou ativamente da abertura política do pós-guerra, tendo sido eleito suplente de deputado estadual pelo Partido Comunista Brasileiro para a Assembléia Constituinte do Estado de São Paulo, em 1946. Uma contribuição importante da bancada, liderada pelo economista e empresário Caio Prado Jr. foi, em 1947, a proposta e aprovação do Artigo 123 da Constituição Paulista que instituiu os fundos de amparo à pesquisa no Estado de São Paulo, que levou à fundação da FAPESP, anos mais tarde. Revelou-se, na Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo, onde permaneceu por período curto, de alguns meses, um orador de argumentação poderosa que chegava a inverter a posição dominante dos deputados(5). Juntamente com os membros de sua bancada teve seu diploma cassado, e foi perseguido na Universidade. Occhialini, que voltara para a Inglaterra e depois tinha ido, juntamente com Connie Dilworth, para o Centro de Pesquisas Nucleares da Universidade Livre de Bruxelas, Bélgica, convidou-o para se juntar a eles, para trabalhar como físico teórico do grupo de raios cósmicos do Laboratório.  As cartas, reproduzidas mais abaixo, mostram o período de saída do Brasil e os tempos de Bruxelas, muito bons para os trabalhos em física e para outros contatos.

Viajou muito pela Europa, ampliando seus conhecimentos não só sobre a arte européia, mas também sobre a arte dos países africanos e asiáticos expostas em museus europeus. Conviveu com artistas brasileiros em Paris, Candido Portinari, Mario Gruber, Carlos Scliar, Antonio Bandeira, tendo conhecido pessoalmente Picasso e Chagall(6).

De volta da Bélgica ao Brasil, foi Diretor do Departamento de Física da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, de 1953 a 1961, numa profícua gestão, que ficou marcada pela criação de vários laboratórios. Organizou o laboratório de pesquisas em Estado Sólido e Baixas Temperaturas com a participação do professor John Daunt, inglês, na Universidade de Ohio, Estados Unidos, e de Newton Bernardes, Luiz Guimarães Ferreira, Carlos Quadros, Jorge Sussman, Nei Fernandes de Oliveira, e Adrian de Graaf, belga. Foram importantes os apoios do Reitor da Universidade de São Paulo, Professor Antonio Barros de Ulhoa Cintra, do CNPq, da FAPESP, e dos deputados Ulisses Guimarães e Lauro Monteiro da Cruz. O Laboratório hoje é diversificado nas pesquisas da Matéria Condensada, como é chamado o departamento. Está no prédio Mario Schenberg, na Cidade Universitária no campus de São Paulo. Faz parte do projeto de pesquisa de detecção do gráviton, partícula que materializaria o campo gravitacional, em colaboração com o INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), com detector de grande sensibilidade. O detector chama-se Mario Schenberg.

Em 1960, convidou César Lattes para vir do CBPF, no Rio de Janeiro, para o Departamento de Física, em São Paulo, recriar um grupo da pesquisa em raios cósmicos, com emulsões fotográficas expostas em Chacaltaya, Bolívia. Hideki Yukawa, prêmio Nobel pela teoria que previu a existência do meson, participou da proposta de implantação, e foi ativo no estabelecimento e nas pesquisas no projeto de Colaboração Brasil-Japão. Vieram destacados físicos japoneses que deram importante contribuição. Matuo Taketani , Yoichi Fugimoto,  Shun-Iti Hasegawa, Yasuhisa Katayama, Tatouki Miyasima, Shin-Itiro Tomonaga, Daisuki Itô, Jun´ichi Osada, alguns dos quais deram também contribuição para reforçar a visão, no Departamento, da Física sempre ligada à Filosofia e à História. Muito bem montado, com boa equipe brasileira dedicada e interessada, quando Lattes foi para Campinas, depois de 1967, alguns dos integrantes foram com ele, outros organizaram aqui seus grupos de pesquisa, com muita competência e criatividade. O Laboratório de Raios Cósmicos na Colaboração Brasil-Japão, colaboração profícua que foi com César Lattes para a Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, perdura até hoje.

Teve atuação na compra do primeiro computador para pesquisa na Universidade, com professores da Escola Politécnica, entre eles Hélio Guerra Vieira. Deu apoio aos laboratórios de física nuclear de Marcello Damy e Oscar Sala, e procurou organizar um laboratório de semi-condutores com Rogério Cerqueira Leite que, mais tarde, se efetivou na UNICAMP. Foi um aglutinador da atuação de físicos de outros países que vieram a São Paulo. Promoveu a vinda de vários deles, Mario Bunge, Guido Beck, Gert Molière, e outros, além dos físicos da Colaboração Brasil-Japão, com quem mantinha grande  interação e colaboração.

Mario Schenberg foi preso, por vários meses, em 1964, quando da mudança de governo por golpe militar. Mas não demorou a voltar a dar aulas, dirigir seminários e outras atividades no Departamento de Física.  Até 1968 sua presença e atuação tiveram influência profunda, juntamente com outras lideranças universitárias, na criação de mentalidade avançada e formadora em pesquisa e ensino, na Faculdade de Filosofia, onde se estabelecia uma convivência e visão de universidade multidisciplinar.

Teve cassados seus direitos políticos e perdeu sua posição de professor e pesquisador, por dez anos, juntamente com outras lideranças universitárias do Brasil, por decreto federal de abril de 1969. As marcas dessas ausências são difíceis de serem avaliadas. As contribuições científicas desses pioneiros e suas propostas para a universidade, para a formação de pesquisadores, seu espírito não burocrático, não político-partidário na defesa das instituições, notadamente das universidades públicas, são posturas e mentalidades a serem compreendidas, hoje. Certamente era sua visão que as pesquisas fossem avaliadas pelas potencialidades de transformação das condições culturais do país, que se explicitam na prática e nos contextos da universidade e fora dela.

Depois de cassado, durante os anos de 1970, Mario Schenberg sofreu perseguições e ameaças à integridade física, invasão à sua casa, publicações ameaçadoras em jornais, que atingiam outros membros da comunidade universitária em São Paulo. Meados dos anos 70 foram de violência explícita de órgãos de segurança, ilegais, mesmo dentro do governo militar. São essas as violências que calam fundo nas relações sociais da convivência diária e impedem a formação de uma consciência coletiva livre para se manifestar.

Estava, nesse período, impedido de freqüentar a Universidade, mas dela participou com sua ciência. O endereço de referência era o de sua residência. Menciona seu isolamento e sua criatividade nesses anos de 1970, em carta a Clarice Lispector(7) .

"Desde 1970, minha situação geral se modificou bastante, em conseqüência do isolamento em que passei a viver, como resultado de minha aposentadoria e da impossibilidade de exercer a crítica de arte militante. Foi um desafio tremendo, mas creio que pude reagir de um modo criativo, não só retomando com maior energia as pesquisas anteriores sobre teoria da Gravitação e o problema das relações entre Física e Geometria, como também fazendo estudos filosóficos mais sistemáticos. Publiquei três  trabalhos longos de Física, e aprofundei bastante o meu pensamento sobre Arte. Agora estou escrevendo um pequeno ensaio sobre a crise atual das artes plásticas, que talvez seja um ponto de partida para um ensaio mais longo".

Nessa época, Schenberg idealizou uma instituição universitária, um Instituto de Estudos Avançados. Propôs que tivesse em estatuto a liberdade de produção e de interações entre pesquisadores, nos moldes do Instituto de Estudos Avançados de Princeton, que conhecera em 1941-1942, nos Estados Unidos. Seria também um lugar que agregasse pesquisadores atuantes, também aposentados, compulsoriamente ou não.

Ajudou a fundar a Sociedade Brasileira de Física, a SBF, em 1966, tendo sido eleito conselheiro por várias gestões. Foi presidente da SBF, em 1978, numa gestão que enfocou a resistência ao Acordo Nuclear Brasil-Alemanha, estabelecido pelos governos militares, com premissas dúbias em relação ao aproveitamento da energia nuclear para fins pacíficos.

Voltou à Universidade em 1979 e deu alguns cursos de pós-graduação e ainda a disciplina de “Evolução dos Conceitos da Física”, em 1983. A partir de suas aulas foi editado o livro “Pensando a Física”.(8) Essa era uma das disciplinas que atestam a preocupação de Wataghin e Schenberg com o ensino, com a compreensão da física inserida na história, nas possibilidades das técnicas disponíveis para a observação e conceituação de seus fenômenos.

Ganhou, em 1983, o Prêmio do Conselho Nacional de Pesquisas, para Ciência e Tecnologia. Mario Schenberg tinha claro a importância de desenvolvimento tecnológico. Uma sua idéia, insistente, era a criação de carreira e de formação do engenheiro-físico.

Foi homenageado, em 1984, com um Simpósio Internacional, pelos setenta anos de vida. O Professor Guido Beck, seu amigo e companheiro de longa data, veio do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, no Rio de Janeiro, com a finalidade de nos alertar para a data. Reuniu-se, então, uma comissão de ex-alunos e colaboradores para organizar várias homenagens (9).

O momento do Simpósio em Homenagem aos 70 Anos de Mario Schenberg nos pareceu que o Instituto de Física recuperava uma verdadeira vida acadêmica e se unia na atividade que o caracteriza, juntamente com colegas do Rio de Janeiro, Pernambuco, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, e outros estados brasileiros.  A obra de Mario Schenberg e seu papel na origem na física brasileira se fez sentir com força nas apresentações por jovens e antigos pesquisadores, feitas 50 anos após a criação do Departamento de Física. Os debates e mesas redondas com outros pioneiros da física brasileira foram sensibilizadores desse momento de retomada e de reconstrução da memória.

Além do Simpósio, cujas atas foram publicadas pela Universidade de São Paulo, foi também organizado um Número Especial da Revista Brasileira de Física da Sociedade Brasileira de Física(10) com contribuições de muitos alunos e colaboradores, nacionais e estrangeiros.  Outras publicações foram organizadas. Há muitas entrevistas com pessoas que conheceram Mario Schenberg, colegas, amigos, estudantes, artistas, escritores, que dão interessantes visões de sua personalidade. Há também registro de “Diálogos com Mario Schenberg” que também têm essa intenção, e a de homenageá-lo por ocasião dos setenta anos(11).

Depois de 1990, foi realizada, em São Paulo, uma Exposição "O Mundo de Mario Schenberg" sobre sua vida e suas atividades, de grande abrangência e significado (12). Atualmente há núcleos universitários de estudos sobre Mario Schenberg (13).

 

 

(1) Há informação segura – depoimento, documentos (Arquivo Mario Schenberg, Departamento de Física Geral, Instituto de Física, USP) e informação da família (a Dina Kinoshita) – que Mario Schenberg nasceu em 1916. Seu pai alterou a data de nascimento para 1914 para que o menino pudesse entrar na escola mais cedo do que a idade obrigatória.

(2) Luiz Freire foi um dos pioneiros da prática de um pensamento próprio sobre as modernas teorias da física e da matemática, fundador de instituições que hoje dão sustentação à pesquisa científica no Brasil, o CNPq, e o Instituto de Física da Universidade Federal de Pernambuco. Ver S. Schwartzman, Um Espaço para a Ciência: A Formação da Comunidade Científica no Brasil, Ministério de Ciência e Tecnologia, Conselho de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, e Centro de Estudos Estratégicos,  Brasília, 2001, pp. 229-230; Ivone Freire M. e Albuquerque e Amélia Império Hamburger Retratos de Luiz de Barros Freire Como Pioneiro da Ciência no Brasil, Ciência e Cultura, 40, 9; 857-881, 1988.

(3) Bernard Gross em “O Desenvolvimento da Física em São Paulo”, Revista de Química Industrial, São Paulo, 1954.

(4) Física para o 1º. Ano do Curso Colegial, 1944, Editora Nacional

(5) Projeto de Dina Lida Kinoshita. 1. Coletânea de intervenções de Mario Schenberg, Assembléia Legislativa, 1947-1948; 2. Entrevistas com companheiros de partido: gravadas, transcritas. Cópias no Arquivo Mario Schenberg, Departamento de Física Geral, IFUSP.

(6) Currículo Artístico (Autobiográfico): Encontro com Mario Schenberg, (MEC/Secretaria da Cultura, Fundação Nacional de Arte e Instituto Nacional de Artes Plásticas, [1983] Arquivo Mario Schenberg, Departamento de Física Geral, IFUSP.

(7) Carta a Clarice Lispector,  Arquivo Mario Schenberg, Departamento de Física Geral, Instituto de Física, USP.

(8) Pensando a Física - Mario Schenberg; Organizado e editado por Amélia Império Hamburger e José Luiz Goldfarb, com a participação de alunos do curso e revisão do Professor Schenberg. Inicialmente pela Editora Brasiliense (1ª. e 2ª. Edições), pela Editora Nova Stella (3ª. e 4ª. Edições), e em 5ª. Edição pela Editora Landy, em 2002.

(9) Comissão Organizadora da Homenagem: Alberto L. da Rocha Barros, Amelia Imperio

Hamburger, Carmen L.R. Braga, Elly Silva, Ernst W. Hamburger (Coordenador), Gita K. Guinsburg, Ivan Ventura, Kazuo Ueta, Mauro S. D. Cattani, Normando C. Fernandes, Silvio R. A. Salinas, José L. Goldbarb (estudante).

(10) Perspectivas em Física Teórica, Anais do Simpósio de Física, Homenagem ao 70o.

Aniversário do Professor Mario Schenberg, Alberto L. Rocha Barros (Org.) Ed. Instituto de Física,

Coordenadoria Cultural da Universidade de São Paulo, 1987.

       Revista Brasileira de Física, Volume Especial, Os 70 Anos de Mario Schönberg, Sociedade

Brasileira de Física, julho, 1984 Comissão Editorial N.C.Fernandes (Coordenador) M. Cattani, I.

Ventura, K. Ueta e S.R.A.Salinas

(11) Mário Schenberg: Entre-Vistas, Gita K. Guinsburg e José Luiz Goldfarb (Org.), Instituto de Física/USP e Editora Perspectiva, S.P.,1984, pg.75 e Diálogos com Mario Schenberg, J.L. Goldfarb (Org.) Ed. Nova Stella

(12) A Exposição da Casa das Rosas, sob a coordenação de José Roberto Aguilar – se constituiu como um retrato de Mario Schenberg a muitas dimensões. Ver O Mundo de Mario Schenberg, Catálogo de Exposição na Casa das Rosas, São Paulo, s/d [1998] Alguns documentos dessa exposição estão guardados no Arquivo Mario Schenberg do Departamento de Física Geral do Instituto de Física.

(13) Departamento de História da Ciência, na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, sob a direção de José Luiz Goldfarb; Centro de Pesquisa em Artes, da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo, sob a direção de Elza Ajzemberg.

 

Retirado de http://pion.sbfisica.org.br/pdc/index.php/por/Fisicos-do-Brasil-Mem acessado dia 30/10.

 

 

Postado por Andre Batista Noronha Moreira em Ciência e Cultura (Licenciatura do IFUSP)

Comentários

  1. Lucas escreveu:

    Muito interessante a relação plural que o professor Schenberg mantinha com o conhecimento. Conhecimento cultural abrangente no século dos especialistas. Dá o que pensar sobre nossa relação com o conhecimento.

    LucasLucas ‒ segunda, 01 novembro 2010, 00:02 BRST # Link |

  2. Diego Paulo Rhormens escreveu:

    É muito bom conhecer a história dos físicos, acredito que seja legal levar este tipo de abordagem da física também para o ensino médio, para os alunos perceberem o lado humano da ciência que muitas vezes é esquecido pelos professores das escolas.

    Diego Paulo RhormensDiego Paulo Rhormens ‒ terça, 02 novembro 2010, 17:14 BRST # Link |

  3. Vera Bohomoletz Henriques escreveu:

    a professora Amélia dedicou grande parte de seu trabalho ao registro da história de físicos brasileiros, como também a discutir vários aspectos da história da ciência. Vale a pena conhecer seus trabalhos, alguns dos quais realizados em conjunto com seus alunos, que podem ser encontrados no setor de dissertações de mestrado na biblioteca do IFUSP.

    Vera Bohomoletz HenriquesVera Bohomoletz Henriques ‒ sábado, 06 novembro 2010, 02:37 BRST # Link |

Você deve entrar no sistema para escrever um comentário.

Termo de Responsabilidade

Todo o conteúdo desta página é de inteira responsabilidade do usuário. O Stoa, assim como a Universidade de São Paulo, não necessariamente corroboram as opiniões aqui contidas.