Stoa :: Benedito Ubiratã da Silva :: Blog :: Continuação do post anterior, pela visão do Japão

agosto 12, 2012

default user icon

Como continuação do discutido no  final do ultimo post, observem o exemplo de preocupação do Japão.

Voces vão observar o como eles estão preocupados com a diminuição de ocorrência de jovens usufruindo da liberdade sexual que eles poderiam ter.

Eu escrevi um post em ingles e espanhol no começo do ano em que eu  observo que a indução ao isolamento social, pode sim ser uma manipulação político-social. Por que? Facil de manipular!

Por que não um reflexo de um mundo que induz aos jovens irem de encontro e a unica alternativa a Comunicação Virtual.

Young Japanese women becoming less interested in sex, survey says

TOKYO —

"...For the past few years, Japan has been in a fuss about “soshoku danshi,” literally translated as “herbivore boys.” These are young men who represent the antithesis of the rowdy, skirt-chasing, big-spending corporate man associated with the 1980s bubble economy: they’re passive, conservative with money, prefer to stay in instead of going out drinking with coworkers and are generally uninterested in sex. ..."

Leiam o resto no link abaixo. Está em ingles mas se usarem o tradutor da internet voces conseguirão entender bem o que foi escrito. É uma escrita desprovida de entrelinhas, simbolismos, ou códigos. È apenas a velha linguagem estatistica.

Um texto bem quantificado e com a boa variável Tempo. Um texto bem na Quarta dimensão.

http://www.japantoday.com/category/national/view/young-japanese-women-becoming-less-interested-in-sex-survey-says?utm_campaign=jt_newsletter&utm_medium=email&utm_source=jt_newsletter_2012-08-12_AM

 

Boa semana

 

Benedito Ubiratan

 

Palavras-chave: isolamento social, Japão, Jase

Esta mensagem está sob a licença CreativeCommons Atribuição.

Postado por Benedito Ubiratã da Silva

Você deve entrar no sistema para escrever um comentário.

Termo de Responsabilidade

Todo o conteúdo desta página é de inteira responsabilidade do usuário. O Stoa, assim como a Universidade de São Paulo, não necessariamente corroboram as opiniões aqui contidas.