Stoa :: Ana A. S. Cesar :: Blog :: Gramática 16 (continuação)

maio 30, 2009

default user icon
Postado por Ana A. S. Cesar

 

Ver imagem em tamanho grande

 

PREDICADO

O predicado é aquilo que se comenta sobre o sujeito. Para estudá-lo é necessário conhecer o verbo que forma o predicado. Quanto à predicação os verbos podem ser classificados como: intransitivos, transitivos e de ligação.

VERBO INTRANSITIVO

São verbos que não exigem complemento, pois têm sentido completo.

Exemplo: A menina caiu.

                                        V.I

O computador quebrou.

                              V.I

 

VERBO TRANSITIVO 

São verbos que exigem complemento e se dividem em: transitivo direto, transitivo indireto e transitivo direto e indireto.

TRANSITIVO DIRETO

Não exigem preposição, ligando-se diretamente ao seu complemento, chamado objeto direto.

Exemplo: As empresas tiveram prejuízos.

                                                      VTD

Luíza comprou doce.

            VTD

 

TRANSITIVO INDIRETO

Exigem preposição, ligando-se indiretamente ao seu complemento, chamado de objeto indireto.

 Exemplo: Gustavo gosta de chocolate.

                                        VTI

Nós precisamos de melhores salários.

              VTI

 

TRANSITIVO DIRETO E INDIRETO

Exigem os dois complementos – objeto direto e objeto indireto – ao mesmo tempo.

Exemplo: Alan pediu um carro ao pai.

                              VTDI

Os alunos receberam elogios de seus professores.

                             VTDI

 

VERBOS DE LIGAÇÃO

São verbos que expressam estado ou mudança de estado e ligam o sujeito ao predicativo.  

Exemplo: Os alunos permaneceram na sala.

                                         VL

O computador é antigo.

                             VL

O verbo de ligação pode expressar:

  1. estado permanente: expressa o que é habitual, o que não se modifica. Verbos SER e VIVER.

Exemplo: Anita é bonita.  

  1. estado transitório: expressa o que é passageiro. Verbos ESTAR, ANDAR, ACHAR-SE, ENCONTRAR-SE.

 Exemplo: Antônio anda preocupado.

A criança está doente.  

  1. mudança de estado: revela transformação. Verbos FICAR, TORNAR-SE, ACABAR, CAIR, METER-SE.

Exemplo: A pintura ficou bonita

  1. continuação de estado: Verbos CONTINUAR, PERMANECER.  

Exemplo: O computador permaneceu desligado.

José continua febril.  

  1. estado aparente: VERBO PARECER.

Exemplo: A sobremesa parece saborosa.

 

TIPOS DE PREDICADO

Há três tipos de predicado: predicado nominal, predicado verbal e predicado verbo-nominal.

 

PREDICADO NOMINAL

Expressa o estado do sujeito. O verbo é de ligação.

Exemplo: O dia continua quente.

                           PREDICADO

Todos permaneciam apreensivos.

                           PREDICADO

Observação: o núcleo do predicado nominal é chamado predicativo do sujeito, pois atribui qualidade ou condição.

 

PREDICADO VERBAL

Expressa a ação praticada ou recebida pelo sujeito.

Exemplo: Os professores receberam o prêmio.

                                             PREDICADO

Observação: o núcleo do predicado verbal é o verbo, pois sua mensagem principal é a ação praticada ou recebida pelo sujeito.

Exemplo: Os trabalhadores exigem melhores condições de trabalho.

                                             PREDICADO

 

PREDICADO VERBO-NOMINAL 

Informa a ação e o estado do sujeito.  

Exemplo: Nós chegamos cansados.

                 AÇÃO    ESTADO

Cândida retornou feliz da viagem.

                AÇÃO      ESTADO

Observação: o predicado verbo-nominal é constituído de dois núcleos – um verbo e um nome – porque fornece duas informações: ação e estado.

Exemplo: O comprador saiu da loja estressado.

A criança dormia tranquila.

 

Termos integrantes da oração

1) Objeto direto

 

Quando estudamos a predicação verbal, tivemos o primeiro contato com o objeto direto. Vimos que ele é o termo que complementa o sentido de um verbo transitivo direto, o qual não necessita de preposição. Exemplos:

 

Perder o ônibus não será agradável.

 

O silêncio acarreta o desprezo.

 

Há, ainda, outros detalhes importantes sobre o objeto direto:

 

a) objeto direto preposicionado

 

Há casos específicos em que o objeto direto vem antecedido de preposição, sem ser classificado como objeto indireto. São eles:

 

I – pronomes oblíquos tônicos (mim, ti...)

 

Seu irmão avisou o padre e a mim sobre o ocorrido.

 

II – pronome relativo “quem”

 

Você conhece a mulher a quem amo?

 

III – quebra de ambiguidade

 

Eu admiro o seu pai, assim como à sua mãe. (para não se interpretar “a mãe” como sujeito do verbo implícito)

 

IV – palavra “Deus” ou nomes próprios

 

Deves respeitar a Deus.

 

Ele quer seguir a Jesus Cristo.

 

V – pronomes indefinidos

 

Jonas agradou a todos com sua performance.

 

VI – numeral “ambos”

 

Ele agradou a ambos.

 

VII – construções partitivas de verbos como “comer” e “beber”

 

O professor não bebeu do vinho. (parte do vinho)

 

Ela comeu do bolo. (parte do bolo)

 

VIII – verbos “sacar” e “puxar”

 

O bandido, diante da reação, sacou / puxou do revólver.

 

IX – antecipação do OD

 

À verdade, ninguém ouviu.

 

b) objeto direto pleonástico

 

É lícita a construção em que se repete o objeto direto, com o intuito de enfatizá-lo. A tal recurso, dá-se o nome de objeto direto pleonástico. Exemplos:

 

A mim, muito me impressionou a sua atitude.

 

Suas razões, parece que ninguém as compreende.

 

c) objeto direto oracional

 

Se o objeto direto aparecer sob a forma de oração, dar-se-lhe-á o nome oração subordinada substantiva objetiva direta. Exemplos:

 

Carla disse que viria.

 

Eles adoram que os façamos rir.

 

Eu amo pescar.

 

2) Objeto indireto

 

É, como já vimos, o termo que complementa um verbo por meio de preposição. Exemplos:

 

Vamos assistir a essa peça?

 

Você precisa de dinheiro?

 

Observações:

 

a) objeto indireto pleonástico

 

O objeto indireto também pode aparecer repetido na oração, conforme se vê nos exemplos abaixo:

 

A ele, ninguém lhe disse nada.

 

A mim, ele não me obedecia.

 

b) objeto indireto oracional

 

Chama-se oração subordinada substantiva objetiva indireta o objeto indireto em forma de oração. Exemplos:

 

Ela não se opunha a que eu morasse lá.

 

Ela nem suspeitou de que eu tramara tudo.

 

Repare-se que a preposição, a despeito da tendência contrária no português atual, deve estar presente em tais casos.

 

3) complemento nominal

 

É o termo preposicionado que complementa o sentido de um nome, o qual pode ser um substantivo abstrato, um adjetivo ou um advérbio. Exemplos:

 

Ela tinha aversão a baratas.

 

Não seja contrário a mim.

 

Eu moro perto de sua casa.

 

Observações:

 

a) o complemento nominal também pode aparecer sob forma oracional, chamando-se, em tal caso, oração subordinada substantiva completiva nominal. Exemplos:

 

Tive a impressão de que ela não estava bem.

 

Você tem alguma objeção a que eu faça isso?

 

b) não se deve confundir o complemento nominal com o objeto indireto, na medida em que este complementa um verbo e aquele, um nome. Exemplos:

 

O homem necessitava de água. (o termo “de água” é objeto indireto, porque completa o verbo “necessitava”)

 

O homem tinha necessidade de água. (o termo “de água” é complemento nominal, porque completa o substantivo “necessidade”)

 

c) o complemento nominal pode ser substituído por um pronome átono (me, te, nos, vos, lhe). Exemplo: Tenha-lhe respeito (tenha respeito a ele).

 

4) agente da passiva

 

Indica o ser que age em relação ao sujeito nas orações passivas. É geralmente introduzido pelas preposições “por” ou “de”. Exemplos:

 

O visitante foi aplaudido por todos.

 

O livro compõe-se de várias partes.

 

Observação: o agente da passiva é correspondente ao sujeito da oração na voz ativa: Todos aplaudiram o visitante; Várias partes compõem o livro.

 

Este post é Domínio Público.

Postado por Ana A. S. Cesar

Comentários

  1. Visitante escreveu:

     Olá !!!

    Estou com uma dúvida em relação a classificação de uma oração subordinada ...  No período:

    Obama estava confiante de que o projeto seria aprovado ...

    a oração subordinada é  substantiva predicativa ou substantiva objetiva indireta ?

    Bem eu acho que a construção está equivocada, ao meu ver deveria ser :

    Obama estava confiante que o projeto seria aprovado sendo portanto predicativa ...

     

    Agradeceria muito se me respondessem ...

     

    Meu e-mail é: almdemarcos@uol.com.br

     

    Marcos

     

     

    default user iconVisitante ‒ sábado, 06 março 2010, 15:39 -03 # Link |

Você deve entrar no sistema para escrever um comentário.

Termo de Responsabilidade

Todo o conteúdo desta página é de inteira responsabilidade do usuário. O Stoa, assim como a Universidade de São Paulo, não necessariamente corroboram as opiniões aqui contidas.