Stoa :: Ana A. S. Cesar :: Blog :: Gramática 9 (continuação)

maio 30, 2009

default user icon
Postado por Ana A. S. Cesar

 

Ver imagem em tamanho grande

Pronomes Relativos: 

Quando o pronome relativo exercer a função de sujeito deveremos analisar o seguinte:

A) Pronome Relativo que: o verbo concordará com o elemento antecedente.
Ex. Fui eu que quebrei a vidraça. (Eu quebrei a vidraça)
Fomos nós que telefonamos a você. (Nós telefonamos a você)
Estes são os garotos que foram expulsos da escola. (Os garotos foram expulsos)

Concordância Verbal – Regra geral

O verbo de uma oração deve concordar em número e pessoa com o sujeito, para que a linguagem seja clara e a escrita esteja de acordo com as normas vigentes da gramática. Observe:

1. Eles está muito bem. (incorreta)
2. Eles estão muito bem. (correta)

O sujeito “eles” está na 3ª pessoa do plural e exige um verbo no plural. Essa constatação deixa a primeira oração incorreta e a segunda correta.

Primeiramente, devemos observar quem é o sujeito da frase, bem como analisar se ele é simples ou se é composto.

Sujeito simples é aquele que possui um só núcleo e, portanto, a concordância será mais direta. Vejamos:

1. Ela é minha melhor amiga.
2. Eu disse que eles foram à minha casa ontem.

Temos na primeira oração um sujeito simples “Ela”, o qual concorda em pessoa (3ª pessoa) e número (singular) com o verbo “é”.
Já na segunda temos um período formado por duas orações: “Eu disse” que “eles foram à minha casa ontem”. “Eu” está em concordância em pessoa e número com o verbo “disse” (1ª pessoa do singular), bem como “eles” e o verbo “foram” (3ª pessoa do plural).

Lembre-se que período é a frase que possui uma ou mais orações, podendo ser simples, quando possui um verbo, ou então composto quando possuir mais de um verbo.

Sujeito composto é aquele que possui mais de um núcleo e, portanto, o verbo estará no plural. Vejamos:

1. Joana e Mariana saíram logo pela manhã.
2. Cachorros e gatos são animais muito obedientes.

Na primeira oração o sujeito é composto de dois núcleos (Joana e Mariana), que substituído por um pronome ficará no plural: Joana e Mariana = Elas. O pronome “elas” pertence à terceira pessoa do plural, logo, exige um verbo que concorde em número e pessoa, como na oração em análise: saíram.
O mesmo acontece na segunda oração: o sujeito composto “cachorros e gatos” é substituído pelo pronome “eles”, o qual concorda com o verbo são em pessoa (3ª) e número (plural).

 

Concordância Verbal – Casos especiais de alguns verbos

Há alguns casos de verbos em que a concordância causa dúvidas. Vejamos aqui os casos especiais, separadamente:

O verbo ser

a) Quando o sujeito é um dos pronomes: o, isto, isso, aquilo, tudo, o verbo ser concorda com o predicativo:

Exemplo: Tudo era felicidade quando morava na casa do vovô.

b) Quando o predicativo for um pronome pessoal.

Exemplo: O presente que comprei hoje é para você.

c) Quando o sujeito for nome de pessoa ou pronome pessoal, o verbo ser concordará com o sujeito.

Exemplo: Paola é a aluna mais aplicada da sala.

d) Quando o sujeito for uma expressão numérica que dá idéia de conjunto, o verbo ficará no singular.

Exemplo: Quatro horas é pouco tempo para fazer as provas de vestibular.
e) Quando a oração se iniciar com os pronomes interrogativos (Que, Quem), o verbo concorda com o sujeito.

Exemplos: Quem é a pessoa que consegue fazer justiça com as próprias mãos?

f) Quando a oração indicar o dia do mês, o verbo concorda no singular ou no plural, dependerá da intenção.

Exemplos: Hoje é (dia) 11 de setembro. (dia específico)
Hoje são 11 de setembro. (dias decorridos até a data)

Os verbos bater, soar e dar

Quando fazem referência às horas do dia, os verbos acima concordam com o número de horas.


Exemplo: O relógio soou há muito tempo.
Acabou de dar uma hora, está na hora de irmos.

Os verbos impessoais haver e fazer

Os verbos impessoais são aqueles que não admitem sujeito e, portanto, são flexionados na 3ª pessoa do singular.

No sentido de existir ou na ideia de tempo decorrido, o verbo haver é impessoal. Logo, o verbo ficará no singular.

 

Haviam ou havia?

O verbo haver é impessoal quando está no sentido de “existir”, ou seja, não admite sujeito. Neste caso, é invariável (não flexionado) e conjugado na terceira pessoa do singular. Vejamos:

a) Não houve candidatos suficientes para este concurso.
b) Havia muitas pessoas para fazer a prova do concurso.
c) dez dias não como carne vermelha.
d) Haverá alguém que possa ajudar-me!

O verbo “haver” como impessoal pode surgir ainda na locução verbal. Seu auxiliar irá acompanhá-lo e será conjugado também na terceira pessoa do singular:

a) Deve haver uma forma de resolver esse processo.
b) Deve haver formas de resolver esse processo.
c) Os desentendimentos que possa ter havido entre os dois, cabe a eles resolver.

Contudo, quando o verbo “haver” é que faz o papel de auxiliar e tem valor equivalente a “ter”, será conjugado de acordo com o sujeito:

a) Nas minhas férias, hei de ir para a praia.
b) Quando fui à casa de meus avós, eles haviam sido visitados por todos da família.
c) Eles haviam encorajado minha irmã a ir para o exterior.

Importante: o verbo “existir” faz concordância verbal normal, ou seja, com o sujeito.
Exemplo: Não existiram candidatos suficientes para este concurso.

Exemplo: Há uma cadeira vaga no refeitório. (sentido de existir)
Há dez dias não faço exercícios físicos. (tempo decorrido)
Da mesma forma, o verbo fazer no sentido temporal, de tempo decorrido ou de fenômenos atmosféricos é impessoal.

Exemplo: Faz dez dias que não faço exercícios físicos. (tempo decorrido)
Nesta época do ano, faz muito frio.

Quando da locução verbal, tanto o verbo haver quanto o verbo fazer exigem que o auxiliar fique na terceira pessoa do singular.

Exemplos: Deve haver uma forma de amenizarmos esse problema.
Vai fazer dez dias que não faço exercícios físicos.

O verbo existir

Geralmente, o verbo existir concorda com seu sujeito.

Exemplo: Existem muitas pessoas que não gostam de frutos do mar.

Quando o verbo existir fizer parte de uma locução verbal, o auxiliar concordará com o sujeito e não com o verbo principal.

Exemplo: Devem existir muitas pessoas que não gostam de frutos do mar.

O verbo parecer

Quando o verbo parecer vier seguido de infinitivo, poderá ser flexionado ou no singular ou no plural:

Exemplos: As pesquisas parecem traduzir o que a empresa necessita.
As pesquisas parece traduzirem o que a empresa necessita.

A expressão “haja vista”

O verbo haver na expressão “haja vista” pode ser empregado ou no singular ou no plural (desde que não seja precedido por preposição), contudo, a palavra “vista” permanece invariável.

Exemplos: Haja vista os dados das pesquisas
Haja vista aos avanços observados pelos pesquisadores.
Hajam vista os dados que observamos.

Este post é Domínio Público.

Postado por Ana A. S. Cesar

Você deve entrar no sistema para escrever um comentário.

Termo de Responsabilidade

Todo o conteúdo desta página é de inteira responsabilidade do usuário. O Stoa, assim como a Universidade de São Paulo, não necessariamente corroboram as opiniões aqui contidas.