Stoa :: Ana A. S. Cesar :: Blog :: Gramática 7 (continuação)

maio 30, 2009

default user icon
Postado por Ana A. S. Cesar

 

Ver imagem em tamanho grande

Advérbio

É a palavra que modifica o sentido do verbo (maioria), do adjetivo e do próprio advérbio (intensidade para essas duas classes). Denota em si mesma uma circunstância que determina sua classificação:

  • lugar: longe, junto, acima, ali, lá, atrás, alhures;
  • tempo: breve, cedo, já, agora, outrora, imediatamente, ainda;
  • modo: bem, mal, melhor, pior, devagar, a maioria dos adv. com sufixo -mente;
  • negação: não, qual nada, tampouco, absolutamente;
  • dúvida: quiçá, talvez, provavelmente, porventura, possivelmente;
  • intensidade: muito, pouco, bastante, mais, meio, quão, demais, tão;
  • afirmação: sim, certamente, deveras, com efeito, realmente, efetivamente.

As palavras onde (de lugar), como (de modo), porque (de causa), quanto (classificação variável) e quando (de tempo), usadas em frases interrogativas diretas ou indiretas, são classificadas como advérbios interrogativos (queria saber onde todos dormirão / quando se realizou o concurso).

Onde, quando, como, se empregados com antecedente em orações adjetivas são advérbios relativos (estava naquela rua onde passavam os ônibus / ele chegou na hora quando ela ia falar / não sei o modo como ele foi tratado aqui).

As locuções adverbiais são geralmente constituídas de preposição + substantivo - à direita, à frente, à vontade, de cor, em vão, por acaso, frente a frente, de maneira alguma, de manhã, de repente, de vez em quando, em breve, em mão (em vez de "em mãos") etc. São classificadas, também, em função da circunstância que expressam.

Quanto ao grau, apesar de pertencer à categoria das palavras invariáveis, o advérbio pode apresentar variações de grau comparativo ou superlativo.

Comparativo:

igualdade - tão + advérbio + quanto

superioridade - mais + advérbio + (do) que

inferioridade - menos + advérbio + (do) que

Superlativo:

sintético - advérbio + sufixo (-íssimo)

analítico - muito + advérbio.

Bem e mal admitem grau comparativo de superioridade sintético: melhor e pior. As formas mais bem e mais mal são usadas diante de particípios adjetivados. (Ele está mais bem informado do que eu). Melhor e pior podem corresponder a mais bem / mal (adv.) ou a mais bom / mau (adjetivo).

Quanto ao emprego:

  • três advérbios pronominais indefinidos de lugar vão caindo em desuso: algures, alhures e nenhures, substituídos por em algum, em outro e em nenhum lugar;
  • na linguagem coloquial, o advérbio recebe sufixo diminutivo. Nesses casos, o advérbio assume valor superlativo absoluto sintético (cedinho / pertinho). A repetição de um mesmo advérbio também assume valor superlativo (saiu cedo, cedo);
  • quando os advérbios terminados em -mente estiverem coordenados, é comum o uso do sufixo só no último (Falou rápida e pausadamente);
  • muito e bastante podem aparecer como advérbio (invariável) ou pronome indefinido (variável - determina substantivo);
  • otimamente e pessimamente são superlativos absolutos sintéticos de bem e mal, respectivamente;
  • adjetivos adverbializados mantêm-se invariáveis (terminaram rápido o trabalho / ele falou claro).

As palavras denotativas são séries de palavras que se assemelham ao advérbio. A Norma Gramatical Brasileira considera-as apenas como palavras denotativas, não pertencendo a nenhuma das 10 classes gramaticais. Classificam-se em função da idéia que expressam:

  • adição: ainda, além disso etc. (Comeu tudo e ainda queria mais);
  • afastamento: embora (Foi embora daqui);
  • afetividade: ainda bem, felizmente, infelizmente (Ainda bem que passei de ano);
  • aproximação: quase, lá por, bem, uns, cerca de, por volta de etc. (É quase 1h a pé);
  • designação: eis (Eis nosso carro novo);
  • exclusão: apesar, somente, só, salvo, unicamente, exclusive, exceto, senão, sequer, apenas etc. (Todos saíram, menos ela / Não me descontou sequer um real);
  • explicação: isto é, por exemplo, a saber etc. (Li vários livros, a saber, os clássicos);
  • inclusão: até, ainda, além disso, também, inclusive etc. (Eu também vou / Falta tudo, até água);
  • limitação: só, somente, unicamente, apenas etc. (Apenas um me respondeu / Só ele veio à festa);
  • realce: é que, cá, lá, não, mas, é porque etc. (E você lá sabe essa questão?);
  • retificação: aliás, isto é, ou melhor, ou antes etc. (Somos três, ou melhor, quatro);
  • situação: então, mas, se, agora, afinal etc. (Afinal, quem perguntaria a ele?).

Preposição

É a palavra invariável que liga dois termos entre si, estabelecendo relação de subordinação entre o termo regente e o regido. São antepostos aos dependentes (objeto indireto, complemento nominal, adjuntos e orações subordinadas). Divide-se em:

  • essenciais (maioria das vezes são preposições): a, ante, após, até, com, contra, de, desde, em, entre, para, per, perante, por, sem, sob, sobre, trás;
  • acidentais (palavras de outras classes que podem exercer função de preposição): afora, conforme (= de acordo com), consoante, durante, exceto, salvo, segundo, senão, mediante, visto (= devido a, por causa de) etc. (Vestimo-nos conforme a moda e o tempo / Os heróis tiveram como prêmio aquela taça / Mediante meios escusos, ele conseguiu a vaga / Vovó dormiu durante a viagem).

As preposições essenciais regem pronomes oblíquos tônicos; enquanto preposições acidentais regem as formas retas dos pronomes pessoais. (Falei sobre ti/Todos, exceto eu, vieram).

As locuções prepositivas, em geral, são formadas de advérbio (ou locução adverbial) + preposição - abaixo de, acerca de, a fim de, além de, defronte a, ao lado de, apesar de, através de, de acordo com, em vez de, junto de, perto de, até a, a par de, devido a.

Observa-se que a última palavra da locução prepositiva é sempre uma preposição, enquanto a última palavra de uma locução adverbial nunca é preposição.

Quanto ao emprego, as preposições podem ser usadas em:

  • combinação: preposição + outra palavra sem perda fonética (ao/aos);
  • contração: preposição + outra palavra com perda fonética (na/àquela);
  • não se deve contrair de se o termo seguinte for sujeito (Está na hora de ele falar);
  • a preposição após, pode funcionar como advérbio (= atrás) (Terminada a festa, saíram logo após.);
  • trás, atualmente, só se usa em locuções adverbiais e prepositivas (por trás, para trás por trás de).

Quanto à diferença entre pronome pessoal oblíquo, preposição e artigo, deve-se observar que a preposição liga dois termos, sendo invariável, enquanto o pronome oblíquo substitui um substantivo. Já o artigo antecede o substantivo, determinando-o.

As preposições podem estabelecer as seguintes relações: isoladamente, as preposições são palavras vazias de sentido, se bem que algumas contenham uma vaga noção de tempo e lugar. Nas frases, exprimem diversas relações:

  • autoria - música de Caetano
  • lugar - cair sobre o telhado, estar sob a mesa
  • tempo - nascer a 15 de outubro, viajar em uma hora, viajei durante as férias
  • modo ou conformidade - chegar aos gritos, votar em branco
  • causa - tremer de frio, preso por vadiagem
  • assunto - falar sobre política
  • fim ou finalidade - vir em socorro, vir para ficar
  • instrumento - escrever a lápis, ferir-se com a faca
  • companhia - sair com amigos / meio - voltar a cavalo, viajar de ônibus
  • matéria - anel de prata, pão com farinha
  • posse - carro de João
  • oposição - Flamengo contra Fluminense
  • conteúdo - copo de (com) vinho
  • preço - vender a (por) R$ 300, 00
  • origem - descender de família humilde
  • especialidade - formou-se em Medicina
  • destino ou direção - ir a Roma, olhe para frente.

Este post é Domínio Público.

Postado por Ana A. S. Cesar

Você deve entrar no sistema para escrever um comentário.

Termo de Responsabilidade

Todo o conteúdo desta página é de inteira responsabilidade do usuário. O Stoa, assim como a Universidade de São Paulo, não necessariamente corroboram as opiniões aqui contidas.