Stoa :: Stoa: dúvidas, bugs e sugestões :: Blog

novembro 04, 2012

user icon
Postado por Equipe Stoa

[Atualizado 14/11: alguns esclarecimentos e mudanças no cronograma]

Após um ano e meio de deliberações, debates e desenvolvimento, estamos prontos para migrar a Rede Social Stoa para um novo plataforma. Sob liderença de Paulo Mereiles e Fabio Kon do CCSL a equipe de desenvolvedores do Colivre implementou dezenas de melhorias e adaptações para a USP no Noosfero, o software livre e brasileiro para redes sociais.

Além de contar com tecnologia da Web moderna, algumas outras novidades incluem:

  • agora é possível convidar pessoas sem número USP a participara da rede;
  • chat entre contatos;
  • um interface de personalização do perfil amigável;
  • mais tipos de conteúdo: vários tipos de documentos, blogs (mais do que um por perfil), fóruns, galerias.
  • melhores ferramentas de gestão para administradores de grupos

O plano de migração é o seguinte:

  1. Na quarta dia 15, às 14:00: impedir novos cadastros, posts ou upload de arquivos no Stoa antigo.
  2. Começar o script da migração de conteúdo. Isto moverá posts, arquivos e alguns elementos do perfil  do stoa.usp.br/nome-do-perfil para social.stoa.usp.br/nome-do-perfil. O script deverá demorar 2 a 3 dias para completar a migração dos 50 mil perfis.
  3. Habilitar cadastros novos no novo sistema.

O login e senha de usuários existentes não mudarão (esperamos implementar o login via número USP a tempo). 

Após o dia 15 o conteúdo no Stoa antigo (stoa.usp.br/*) ainda ficará acessível e editável por um período (sobretudo para fins de fazer cópias manuais), mas a idéia é tirar o serviço do ar no início de 2013 (quando teremos certeza que tudo está tudo copiado corretamente para social.stoa.usp.br).

Para os usuários do Moodle do Stoa não vai mudar nada: continuarão se logando no Moodle do Stoa com o login e senha da Rede Social.

 

Para sugestões (qualquer passo do plano pode ser modificado) ou dúvidas, comente aqui ou entre em contato via suporte@stoa.usp.br

Ewout ter Haar

Palavras-chave: noticia

Este post é Domínio Público.

Postado por Equipe Stoa | 2 comentários

novembro 03, 2012

user icon

Megafone.net é uma plataforma na Internet criada de uma idéia simplesmente interessante: possibilitar que comunidades criem canais de comunicação com o público no espaço digital. Através de telefones móveis, os celulares, aparelhados com recursos multi-mídias, a rede www.megafone.net vem interligando um conjunto de comunidades ao redor do mundo. As pessoas que participam do projeto encontram por meio do site uma maneira de defenderem suas comunidades diante da grande mídia, que muitas vezes criam uma imagem negativa destas não lhes dando a oportunidade de voz. Munidos então de celulares pelo criador do projeto, o artista plástico catalão, Antoni Abab, os grupos comunitários utilizam-os como forma de se expressarem e reivindicar seus direitos. O artista incentiva os participantes, emissores, formados dentro das comunidades, a usar a Internet à publicizar o seu dia-a-dia e seus interesses comunitários em canais na Web. Os grupos hoje formam uma grande rede de comunidades, interligadas e emanadas de uma vocação comunicativa.

Este post é Domínio Público.

Postado por Eliezer Muniz dos Santos | 0 comentário

outubro 28, 2012

user icon
Postado por Equipe Stoa

Neste domingo, dia 28 de outubro, o Stoa (assim como outros serviços da USP) ficou indisponível das 17h até 21h devido a um problema no datacenter da USP


Este post é Domínio Público.

Postado por Equipe Stoa | 0 comentário

outubro 07, 2012

user icon

A hora H para São Paulo está próxima.

"Importantes intelectuais e artistas brasileiros receberam Fernando Haddad (PT) no dia 2 de outubro, para mostrar seu apoio ao candidato do PT na reta final do primeiro turno."

Palavras-chave: eleição, haddad, prefeitura

Postado por Antonio C. C. Guimarães | 1 comentário

setembro 24, 2012

user icon

Gostaria de declarar o meu voto (e indicar essa possibilidade para quem ainda não tem candidato) para vereador no Nabil Bonduki. Ele é professor da FAU-USP e tem uma história de serviço público para mostrar. Confira:


http://www.nabil.org.br/

http://www1.folha.uol.com.br/folha/especial/2008/eleicoes/vereadores/sp-sao_paulo-13633-3.shtml 

http://politica.estadao.com.br/eleicoes/candidatos/vereador-2012,sao-paulo,sp,nabil-bonduki,13633 

http://raquelrolnik.wordpress.com/2012/08/24/voce-conhece-nabil-bonduki-candidato-a-vereador-em-sao-paulo/ 

 

 

Palavras-chave: eleição, Nabil Bonduki, vereador

Postado por Antonio C. C. Guimarães | 0 comentário

setembro 13, 2012

user icon

setembro 12, 2012

user icon
Postado por Sady Carlos

ORFEU DESCENDO AOS INFERNOS À PROCURA DE EURÍDICE SEMIÓTICA DISCURSIVA E PSICANÁLISE   -   SBPC/2012

                                                                           

                                                                                Sady Carlos de Souza Jr. 

INTRODUÇÃO:

Apresentaremos uma análise dos signos semióticos e psicanalíticos, como aproveitamento do que se nos apresenta hoje, Orfeu, a figura do mito grego, e conforme a visão romântica do séc. XVII, em C. Gluck (1714-87) em sua ópera Orfeu e Eurídice; ora no cinema, por exemplo, como o Orfeu Negro (1959), filme de Marcel Camus. A história resume-se na ida de Orfeu aos Infernos, para recuperar sua amada Eurídice que havia morrido, mas ainda com o consentimento de Hades, ele infringe a condição imposta para resgatá-la. Aproximamos elementos desta literatura e os expomos numa análise do discurso de conteúdo psicanalítico que se apresentam nas respectivas estruturas narrativas.

 

 

 

MÉTODOS:

Atualizamos alguns pontos da tensão dialética entre os metatermos no quadrado semiótico: Ser e Não-Ser, Parecer e Não-Parecer, ressaltando as variáveis dinâmicas entre as formas do fazer construtivo na aplicação do mito nas estruturas de expressão: operística, fílmica... Em sua Estrutura Profunda a dualidade entre a Razão e a Emoção (desejo), Vida e Morte, Descer e Subir, etc., há, além duma relação de dominação entre os metatermos. Aqui o sujeito retém o objeto de seus desejos que é descer às regiões inferiores dos infernos (circunvoluções da música na partitura e as escadarias espirais do filme) e convence Hades a entregá-la (rito do candomblé) e trazê-la de volta. O desejo de  Eurídice é o Programa Narrativo Principal que sustenta outros programas secundários.

 

 

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO:

Há duas dimensões paralelas no eixo paradigmático da construção narrativa: o da RAZÃO e o do DESEJO. Em seus vetores teóricos contrários observamos sua relação freudiana na concepção do EGO, e do ID.  Em Orfeu, a RAZÃO está para as regras a serem cumpridas e o DESEJO para a vontade que suplanta as mesmas regras. Então, o amor seria algo que suplantaria o “dominante” racional, na Cultura.  Descer aos Infernos (região dos mortos) é enfrentar todo o desconhecido instintivo, é descer ao misterioso inconsciente, como desejo e querer. Aí a força do Amor/ DESEJO, que freiam a RAZÃO, a lei.

 

 

 

CONCLUSÕES:

Orfeu seria o prazer sonoro da arte musical. O encantamento de um Ser sobre o Outro aqui está centralizado no som - percepção sensorial e sensual. Há neste mito fragrantes do afeto manipulador como poder de sedução. De modo que, depois de executar seu canto, todos atendem aos seus rogos de piedade. Entretanto, tudo parece esclarecer-nos a ambigüidade produzida a ponto de se tocar os extremos. Hades, inteligentemente, torna-se flexível e concede que Eurípedes possa sair do “Inferno” com a condição de que, ao retornar em seu caminho, Orfeu não olhe para trás.  Mas este conhecimento da condição exigida para trazer Eurípedes à Vida é suplantado pelo desejo ardente de voltar-se e ver a amada. E Orfeu não resiste se volta para trás. É o Desejo sobredeterminando a Razão. Portanto Hades deixou Orfeu ser vítima da sua própria sedução. Sempre a Cultura subordinada à Natureza.

Este post é Domínio Público.

Postado por Sady Carlos | 0 comentário

setembro 03, 2012

user icon
Postado por Sady Carlos

“A NOIVA ESTAVA DE PRETO”, UMA ANÁLISE SEMIÓTICA EM TRUFFAUT

Autor: Sady Carlos de Souza Jr.

__________________________________________

INTRODUÇÃO

Objetivamos traçar algumas linhas semióticas na análise de um curioso filme de efeitos contrastantes no seu percurso narrativo. O filme “A Noiva Estava de Preto” (La marieé était em noir), de produção franco italiana, em 35 mm, foi dirigido por François Truffaut em 1968 e teve por elenco Jeanne Moreau, Michael Bouquet, entre outros. O filme relata que após tentativa de suicídio a viúva Julie Kohler persegue cinco homens que assassinaram seu marido nas escadarias da igreja, após concluída a cerimônia de casamento. Neste sentido, película “A Noiva Estava de Preto” pode ser compreendida, metalinguisticamente, como uma história de “viúva negra”: consiste na investida de um actante feminino contra a vida de actantes masculinos, tal qual o aracnídeo de mesmo nome, que devora o macho durante o acasalamento. O casamento é um ritual social em que um casal se une e se apega um ao outro, psicologicamente. O apego simples de um ao outro do casal tornar-se-á uma propriedade privada em comum e legal. É em busca de vingança desta perda, que motiva a personagem homicida da narrativa, e a move, por conseguinte, à ação do programa narrativo do filme.

 

METODOLOGIA

Utilizaremos nesta análise o modelo dos termos contrários do quadro da estrutura greimasiana começando por avaliar o próprio nome do filme. Ao espectador a personagem da noiva “de preto” causaria certo impacto, primeiramente pela cor que se esperaria branco. O “preto” adverte semas morais contraditórios ao “branco”, ou seja, enquanto o “branco” atualiza os símbolos da pureza, inocência e o bem; do preto, viria elementos escuros: o mal, o medo, o crime e a morte. Readquirindo forças, a Noiva Julie ferida assume o dever fazer justiça por si mesma através da Pena de Talião = “olho por olho, dente por dente”. A ideia fixa da morte como objetivo a ser alcançado primeiramente como suicídio, se transmuda em vingança homicida, e torna-se uma obsessão doentia que desencadeará os assassinatos para consumação psíquica da transferência. A relação dos metatermos lingüísticos do Ser/Não Ser passam à estrutura narrativa dos contrários de Vida/Morte, tal como esta “noiva de branco” (esperança) é contrário de “noiva de preto” (desesperança). A “noiva estava de preto” é, portanto, a negação da noiva de branco, porém o título do filme representa a fixação semântica da posse do “ser noiva” durante todo o filme, apesar dela vestir preto apenas no final.

 

RESULTADOS

O ideal de um casamento, como um momento religioso faz parte das esperanças femininas de constituição da família, da continuação da vida. Assim, o casamento, como uma união social entre um homem e uma mulher, significa, semioticamente, uma conjunção com a realidade, enquanto que a morte ou assassinato, seria o oposto, uma disjunção da mesma. Esta relação de contrários justifica a perturbação psicológica que a protagonista apresenta a ponto de podermos unir o casamento “de branco” do início com o funeral “de preto” do final do filme. O filme de Truffaut concebe uma narrativa fechada idealmente a fim de que todos tenham idêntico fim - sejam penalizados igualmente. Por isso Julie, depois, mesmo encarcerada, consegue a morte da sua última vítima. Para esta arquitetura estética entabular um crime perfeito, deveria haver uma consciência de atos de ambos os lados. Entretanto, em outra análise esta narrativa parece se contradizer entendendo a morte inicial do Noivo como mero acidente. O parecer “fechamento” estético da narrativa abre-se novamente quando descobrimos a trama contraditória, já que o primeiro homicídio casual ou desmotivado evolveu para nenhum dos personagens saber de imediato sobre sua morte. É a mesma trama do destino humano, retratado pelas tragédias gregas.

 

CONCLUSÃO

O metatermo “Não Ser” da Morte/Tanatos, está psicanaliticamente metamorfoseado no assédio da viúva às suas vítimas. Primeiro ela retém as suas vítimas através do engano e da empatia: um “parecer” Amor (acasalamento), para desencadear, depois, o seu contrário (a morte).

Assim, o percurso narrativo fílmico que trouxe a disjunção da Noiva Julie de seu Noivo (assassinado), repercutirá também na disjunção dos “assassinos” da sua mente delirante. Inconscientemente, é o fim do apego à propriedade privada ao Noivo e dos objetos da Vida. É o fim do desejo freudiano.

A efemeridade do Noivo, do bem, é o da justiça. Neste sentido, Truffaut faz o idealismo estético da preconcebida justiça natural se transformar exatamente num existencialismo sartreano, - não há uma verdade ou justiça absoluta para se defender, para se argumentar, pois tudo remete a uma ação fragmentária e particular .

Palavras-chave: ANÁLISE SEMIÓTICA, NOIVA DE PRETO, TRUFFAUT

Este post é Domínio Público.

Postado por Sady Carlos | 0 comentário

agosto 23, 2012

user icon
Postado por Gloria Kreinz

JOSÉ REIS SEMPRE ATUAL

 

 A Revista Ciência Hoje publicou dia 21 de agosto artigo que mostra a atualidade de José Reis. Tomamos a liberdade de divulgá-o na íntegra, mostrando sua atualidade.

"Conselhos de José Reis

 A Revista Ciência Hoje publicou dia 21 de agosto artigo que mostra a atualidade de José Reis. Tomamos a liberdade de divulgá-o na íntegra, mostrando sua atualidade.Um dos homens que mais ajudaram a consolidar a divulgação científica no país deixou conselhos valiosos para o educador. A bióloga e professora Vera Rita da Costa, colaboradora da CH há anos, escreve texto para o Alô, Professor que desenterra livro raro com recomendações valiosas do cientista e jornalista.

Por: Vera Rita da Costa

Publicado em 21/08/2012 | Atualizado em 21/08/2012

Conselhos de José Reis

À esquerda, o biólogo e divulgador da ciencia José Reis trabalha em laboratório. (foto: reprodução)

Faz 50 anos que o cientista e divulgador de ciência José Reis (1907-2002), um dos fundadores da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, escreveu os conselhos a seguir. Ele não o fez na forma de conselhos propriamente ditos, mas como críticas e recomendações contidas no prefácio do livro didático Iniciação à ciência, de E.N da C. Andrade e Julian Huxley, do qual foi o tradutor. 

Publicada no país em 1962 pelo então Ministério da Educação e Cultura, a obra foi uma importante iniciativa para melhorar o ensino de ciência no país. Surpreende ainda hoje por sua “linguagem simples, desprovida de terminologia especializada”, como disse José Reis, e por sua concepção de ensino de ciência baseada no “experimentar para aprender”. 

Para quem se propõe a ensinar e divulgar ciência e tem o livro – uma raridade – à mão, vale a pena ler o texto de José Reis. Vale também sempre ter em mente as suas recomendações preciosas para o dia a dia em sala de aula. 

Conheça abaixo algumas delas: 

  • Incentivar a dúvida e a curiosidade
"Ciência é, no fundo, originalidade, é iniciativa de investigar.”
  • Incutir a ideia de que ciência é processo
“Menos que o simples propagar de um corpo estático de conhecimento – que é o que entre nós se costuma fazer, e ainda assim mal – interessa incutir no aluno, pela experiência, a ideia de ciência como ‘processo’.”
  • Permitir a aproximação com a natureza
“[...] O que na verdade importa não é conhecer exemplos – não é citar a sapucaia, em vez do carvalho, que é europeu; ou a onça em lugar do tigre; ou um minério brasileiro em lugar do alemão –, mas aproximar o estudante da natureza e fazer com que ele aprenda, naturalmente, a usar o método científico na solução dos problemas...”
  • Tornar natural o uso do método científico na solução de problemas
"[...] Aprender a usar o método científico é aplicá-lo. Não apenas ouvir o mestre explicar em que ele consiste.”
  • Apresentar a ciência que interessa à formação do homem, à estrutura de seu pensamento
"Muito mais sentido tem em sua execução familiarizar com o hábito de pensar cientificamente do que sobrecarregar com ‘ideias inertes’, isto é, com fatos cujo sentido geral ele [o ensino] não penetrou.”
  • Partir da experiência diária, do fato, do concreto, dos fenômenos locais
“Não adiantar [ensinar] nenhum conceito sem antes haver chegado a ele pela experiência.”
  • Usar linguagem despida de termos técnicos, despojada de solenidades
“O uso de terminologia rigorosamente específica e técnica é para especialista. Insistir nela, no ensino elementar, é favorecer a tendência para confundir o nome com o conhecimento da coisa.”

 “O que verdadeiramente importa é conhecer as coisas e não as palavras com que tantas vezes douramos a própria ignorância.”

"Não se deve permitir que o excesso de precisão prejudique a naturalidade do ensino."

“A linguagem pode parecer até imprecisa, mas precisa ser viva.” 
  • Não pecar por excesso de pormenores
“[...] O professor precisa ter a coragem de ser simples, de suprimir a matéria que não lhe pareça fundamental.”

“[...] Ensinar pouco não é ensinar mal, e nem ensinar muito é ensinar bem. O que importa é ensinar bem; e ensinar bem, num determinado momento do aprendizado, é ensinar precisamente aquele quantum que o aluno não se sente disposto a esquecer  passado o exame.” 
  • Ensinar a admirar-se diante das coisas
"Quanta coisa se pode observar diretamente com os olhos.”

 

Vera Rita da Costa "
Ciência Hoje/ SP

Divulgação científica Educação

Palavras-chave: ATUAL, DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA, JOSÉ REIS

Postado por Gloria Kreinz | 0 comentário

agosto 19, 2012

user icon
Postado por Ewout ter Haar

A instalação de um ambiente de trabalho mínimo para análise de dados usando ferramentas python, a partir de uma instalação nova de Ubuntu 12.04:

sudo apt-get install matplotlib build-essential python-dev libzmq-dev 
sudo apt-get install python-pip
sudo pip install ipython
sudo pip install pandas
sudo pip install tornado
sudo pip install pyzmq

A instalação com pip ao vez de apt-get é para ter acesso à versões mais novas das pacotes. Inicialmente, tinha feito a instalação de matplotlib usando pip e esta parou várias vezes, com erros do tipo

src/_png.cpp:10:20: fatal error: png.h: No such file or directory

Neste casos, uma busca no Google leva ao Stackoverflow que geralmente indica o pacote Debian/Ubuntu que está faltando, neste caso, libpng-devel. Consegui instalar, mas ao rodar ipython, estava usando o Agg backendo ao vez de TkAgg. Depois disto, resolvi instalar numpy e matplotlib via apt-get. Para pandas e ipython, porém, acho que vale a pena usar as últimas versões.

Para ver se tudo está funcionando, fiz

ipython notebook --pylab inline

e isto levante um FireFox com interface notebook do ipython.

Palavras-chave: dados, dataviz, ipython, matplotlib, pandas, python

Esta mensagem está sob a licença CreativeCommons Atribuição.

Postado por Ewout ter Haar | 0 comentário

agosto 10, 2012

user icon
Postado por Maurício Kanno

Oi! Estou concorrendo a participar de uma mesa de debates do Sesc na Bienal do Livro para falar sobre meu primeiro romance, que gostaria de publicar! Chama-se "A Menina que Ouvia Demais". 

Você pode me ajudar, votando em meu vídeo de 2 minutos sobre o livro, neste link!

Basta fazer um rápido cadastro com nome, e-mail, CPF e uma senha qualquer. 

Se quiser me avaliar primeiro, lendo um pouco de minha literatura, tem aqui. Para saber mais sobre este concurso promovido pelo Sesc, denominado "Escritores in Progress", consulte esta página.

Agradeço toda ajuda redivulgando este pedido! É muito importante pra mim! :D

Esta mensagem está sob a licença CreativeCommons Atribuição.

Postado por Maurício Kanno | 1 usuário votou. 1 voto | 0 comentário

agosto 03, 2012

user icon

Tinha pensado em usar este espaço para falar sobre a vida acadêmica, mas pelo jeito não tenho tanto o que falar assim.

Lugares em que estou mais ativo incluem:

Este post é Domínio Público.

Postado por Leonardo Ferreira da Silva Boiko | 0 comentário

julho 29, 2012

user icon

Postado por Luciana Santos

“Como a linguagem não é neutra, serve a quem faz uso dela, as perguntas também podem ser manipuladas. É da jornalista americana Cynthia Crossen o exemplo que segue: “um jovem monge foi advertido severamente por seu superior quando perguntou se poderia fumar enquanto rezava. Faça a pergunta diferente, sugeriu um amigo. Pergunte se você pode rezar enquanto fuma.”

Alberto Carlos Almeida, Como são feitas as pesquisas eleitorais e de opinião.

Postado por Luciana Santos | 0 comentário

julho 28, 2012

user icon
Postado por Gloria Kreinz

32º Prêmio José Reis de Divulgação Científica e Tecnológica

O presidente da Fundação Joaquim Nabuco, Fernando José Freire, recebeu do ministro da Ciência e Tecnologia, Marco Antônio Raupp, do MCTI, o 32º Prêmio José Reis de Divulgação Científica e Tecnológica - 2012, na abertura da 64ª Reunião Anual da SBPC, em São Luis-MA, domingo 22.

:: Por Marcus Andrey
Enviado Especial

(De SÃO LUÍS - MA) - A Fundação Joaquim Nabuco obteve reconhecimento público de toda a comunidade acadêmica presente na 64ª Reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), ao receber, pelas mãos do ministro de Ciência, Tecnologia e Inovação, Marco Antônio Raupp, o 32º Prêmio José Reis de Divulgação Científica e Tecnológica, a mais importante comenda de divulgação científica do país, concedida, anualmente, pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). O prêmio é atribuído a personalidades e instituições que contribuem para a formação de uma cultura científica e por tornar conhecidas do grande público a Ciência, a Tecnologia e a Inovação.

O reconhecimento vem coroar o desempenho da Fundaj em ações de divulgação científica consideradas exemplares pela comissão julgadora: o case do site Pesquisa Escolar - campeão de acessos, com mais de 2,5 milhões de visitas; a revista eletrônica "Coletiva", com edições trimestrais cuidadosamente elaboradas; os equipamentos culturais do Engenho Massangana, Massangana Multimídia Produções e Museu do Homem do Nordeste; e a promoção da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, que acontece anualmente desde 2004.

A instituição estava concorrendo com outras 190 ações de divulgação científica em todo o Brasil, distribuídas da seguinte forma: 112 na Região Sudeste, 41 no Sul, 26 no Nordeste, 5 no Centro-Oeste e 6 na Região Norte. Dessa forma, desbancou inclusive os maiores espaços de divulgação científica nacional, localizados nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná.

O presidente da Fundaj, Prof. Dr. Fernando José Freire, detalhou o projeto de divulgação que foi apresentado ao CNPq para concorrer ao Prêmio José Reis, na conferência “A Divulgação Científica na Região Nordeste e o papel da Fundação Joaquim Nabuco”, proferida na terça-feira (24), para uma platéia especial de acadêmicos que incluía o reitor da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Natalino Salgado Filho; e o presidente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Glaucius Oliva. Na ocasião, Fundaj e UFMA assinaram convênios de cooperação técnica.

Duas reportagens produzidas pela Rede Globo Nordeste, veiculadas em Pernambuco, foram mostradas durante a conferência do Prof. Dr. Fernando Freire, provando que a Fundaj tem grande potencialidade para a divulgação de suas ações na grande mídia: uma sobre o Engenho Massangana e outra detalhando o Museu do Homem do Nordeste. O forte apelo midiático que a instituição desperta foi demonstrado também durante esta 64ª SBPC, com inserções conseguidas para a TV Mirante (afiliada Globo), TV Cidade (afiliada Record) e o jornal impresso O Estado do Maranhão.

“Muito nos orgulha poder externar para o grande público as ações de divulgação científica da Fundação Joaquim Nabuco, que é de todos”, disse o Prof.Dr. Fernando José Freire, finalizando sua conferência.

Postado por Gloria Kreinz | 0 comentário

junho 10, 2012

user icon

BeBook 7" Live

Pt-Br - Eu uso e recomendo o BeBook, por ser ágil, leve, posso usar em qualquer lugar. Na escola é prático e rápido para pesquisar e acompanhar as aulas. Carrego todas as minhas anotações de aula permitindo estar sempre atualizado.

US-In - I use and recommend the BeBook, being agile, lightweight, I can use anywhere. At school a practical and fast to search and follow the lessons. I carry all my lecture notes allowing to be always updated.

http://mybebook.com/tablets/c22/p68/bebook-live-android-tab

Palavras-chave: bebook, eletronic reader

Este post é Domínio Público.

Postado por Asciutti, Cesar Augusto | 0 comentário

junho 05, 2012

user icon
Postado por Equipe Stoa

Hoje, dia 5 de junho poucos minutos após meia-noite, a rede da USP e os seus serviços principais estão passando por dificuldades. Entre outros serviços, o Moodle do Stoa está indisponível. 

Divulgaremos aqui notícias assim que ficarão disponíveis.

Atualizado 9h27 05/05: Veja uma notícia do CCE.

Este post é Domínio Público.

Postado por Equipe Stoa | 0 comentário

maio 23, 2012

user icon

Ni!

Há duas décadas atrás, um ainda jovem Movimento Software Livre alertava o mundo de que o grande limitante para o avanço das tecnologias e de seu usufruto pleno e ético pela sociedade era o controle sobre o código fonte executado pela imensa maioria dos computadores, praticamente dominados por uma só empresa.

Através do avanço da Internet, impulsionado por tecnologias desenvolvidas pelo movimento, esse domínio caiu e ainda hoje estamos a assimilar mudanças de paradigma muito além do prometido.

Hoje, e de fato já há alguns anos, parte do Movimento Software Livre começou um novo alerta. O grande limitante para o avanço das tecnologias e de seu usufruto pleno e ético pela sociedade ganhou um outro aspecto, o controle dos dados e da interoperabilidade dos aplicativos que os manipulam. Praticamente dominados por três empresas: Google, Facebook e Apple.

Enquanto a resposta anterior foi criar um sistma operacional livre, hoje conhecido por GNU/Linux, a resposta atual iniciou-se com a conceituação de serviço federado e autônomo, o desenvolvimento da licença AGPL, e uma chamada à produção de plataformas que substituam os atuais monopólios.

Explico:

Federado é o serviço que funciona como o email, onde eu posso escolher meu provedor e interoperar com quem escolheu outro naturalmente, através de protocolos estabelecidos por considerações técnicas e sociais e não pelo interesse unilateral da maior empresa.

Pense num usuário do Facebook adicionando um usuário do Google+, ou alguém usando o Google Apps para colaborar com um usuário do Office 360, alguém usando o Twitter para seguir um Tumblr, ou postando uma vídeo resposta no Vimeo para um vídeo no Youtube. Nada disso é possível hoje, pois na ausência desses protocolos, cada serviço origina um grande monopólio para o qual é vantagem manter os usuários dependentes de si, evitando inovações maiores do que a altura dos seus muros, mesmo que elas sejam de interesse dos usuários.

Autônomo, um conceito mais novo, é o serviço onde o provedor não tem controle sobre os seus dados, nem legalmente, nem tecnicamente, podendo os dados inclusive estar hospedados em um outro provedor, com o qual o primeiro interopera através de protocolos estabelecidos por considerações técnicas e sociais e não pelo interesse unilateral da maior empresa.

O email ainda serve de exemplo, pois você pode fazer o download de todas as suas mensagens e carregá-las em outro provedor, como também pode encriptar suas mensagens ao armazená-las, de forma a dificultar o acesso do provedor ao conteúdo delas. Serviços autônomos, contudo, consideram a separação entre serviço e dados de forma ainda mais implícita. Na sua forma mais avançada, você escolhe dois provedores: um que hospedará seus dados e outro que oferece os aplicativos. Você pode, a qualquer momento, trocar seu provedor de aplicativos mantendo os seus dados no mesmo lugar, ou vice-versa. Além dos ganhos evidentes em privacidade, isso promove a concorrência entre ofertas de dados e aplicativos, como também a interoperabilidade dos dados, libertando o usuário da necessidade, e até mesmo da conveniência, de usar um único provedor para todos os serviços.

Mas, mais do que isso, serviços federados e autônomos desbloqueiam uma mágica que ainda hoje a Internet não nos permite usufruir: a possibilidade de processar esses dados para nossas necessidades específicas, ignoradas pela abordagem "uma interface, um algoritmo" dos mega provedores, e todo um mercado de personalização da informação que permanece subdesenvolvido. A princípio isso terá imenso significado para a capacidade de empresas estudarem e transformarem seus processos e produtividade, hoje sequestrados pelas grandes plataformas para qualquer coisa mais moderna do que email.

Essa personalização estende-se da escolha da interface e organização dos dados até os algoritmos que os processam, e mais além com o uso de inferência estatística e inteligência artificial para enriquecer as informações. E assim, aos poucos, essas práticas entrarão também no cotidiano das pessoas, permitindo que o usuário organize as suas informações pessoais da forma como organiza seu pensamento e sua vida, refletindo a individualidade das suas relações e tornando sua experiência mais natural e prazeirosa, reduzindo o stress informacional.

Uma boa metáfora aqui é a moda. Hoje convivemos com apenas três grifes de informação, mas que estão funcionalmente divididas: uma orientada para o trabalho, outra para a vida pessoal e consumo, e por fim uma para o deleite focado na elite. Ou seja, cada domínio da vida só nos dá uma única opção de vestimenta! Estamos, aqui, presos num espaço de extrema subutilização da criatividade humana.

Bem, por uma provocação do Paulo Meirelles a indicar nomes internacionais para convidados do Fórum Internacional de Software Livre deste ano, acabei compilando num email para a lista de discussão do Centro de Competência em Software Livre da USP uma conjunto de projetos que inovaram substancialmente na direção discutida acima, e então o Luciano Ramalho convenceu-me a transformar a lista neste post.

Há um número crescente de projetos inovadores acontecendo no movimento Software Livre relacionados a web, federação, autonomia e mobile. Cada um deles tem potencial real de revolucionar a Internet ou, mais precisamente, as nossas vidas pessoais, profissionais e as empresas.

Se o movimento conseguir aproveitar a vantagem com que já está partindo para quebrar o velho modelo, essa área pode explodir e projetar o software livre como nunca antes. As iniciativas abaixo já estão gerando novos modelos de desenvolvimento e de negócio, simultâneamente ao que revelam sentidos mais profundos de liberdade para o software.

Parece-me fundamental, neste momento, trazer isso para conhecimento do público e dos desenvolvedores brasileiros, que às vezes sinto estarem comendo bola nessa direção, especialmente por ser uma área que está nessa transição para abrir-se como negócio lucrativo ao mesmo tempo em que tem aspectos técnicos extremamente inovadores e finalmente resolve questões éticas com as quais estamos nos debatendo há alguns anos.

Eis a lista de convidados sugeridos, trocado o destaque do nome para os projetos....

StatusNet

http://status.net/

Evan Prodromou

Desenvolvedor do StatusNet - plataforma microblog federada AGPL - e da empresa homônima que vende redes federadas como serviço autônomo.

http://evan.prodromou.name/

Se não puder vir o Evan, peçam pra ele indicar alguém - o statusnet é talvez a rede federada de maior sucesso e relevância depois de email e XMPP.

XMPP/Jingle

http://xmpp.org/

Peter Saint-Andre

Falando em XMPP, que tal convidar o Pierre da XMPP Strandards Foundation e administrador do Jabber.org?

https://stpeter.im/

Media Goblin

http://mediagoblin.org/

Christopher Allan Webber

Desenvolvedor do MediaGoblin - plataforma multimídia federada AGPL - e engenheiro de software da Creative Commons.

http://dustycloud.org/

Se não puder vir o Chris, peçam pra ele indicar algum outro desenvolvedor, tem uma galera forte no MG.

Own Cloud

Algum desenvolvedor do Owncloud - plataforma AGPL para dados pessoais e aplicativos autônomos - que já está sendo vendido como serviço autônomo.

http://owncloud.org/

remoteStorage (Unhosted)

Se rolar também tragam alguém do Unhosted, projeto que está criando protocolos e bibliotecas (remoteStorage) para aplicativos web usarem dados remotos, viabilizando autonomia dos dados.

http://unhosted.org/

Diaspora ou Friendica

Também acho que vale a pena chamar alguém desses projetos, especialmente se o Evan, o Peter ou o Christopher não puderem vir.

http://diasporafoundation.org/

http://friendica.com/

Mobile

Como não dá pra falar de computação sem considerar dispositivos móveis, vale notar também o progresso das plataformas móveis que buscam internalizar os princípios do software livre, federado e autônomo, em sua constituição - ainda que a maioria das demais já tenha na web um ponto de compatibilidade.

O mercado mobile nasceu já em forma de cartel e é violentamente controlado pelas operadoras, e as empreitadas do software livre até então não lograram sucesso, porém falharam gloriosamente indo sempre um passo adiante. Com o amadurecimento dessas e o sucesso do Andoid, empurrado pelo gigante que o desenvolve, há sinais de que esse mercado está mais preparado para receber software livre.

Atualmente a Mozilla vem trabalhando no desenvolvimento do Boot2Gecko, e a Intel com a Linux Foundation no Tizen - herdeiro do Meego e, através deste, do Maemo e do Moblin. Também a Canonical vem aprontando algo nessa direção.

https://www.mozilla.org/en-US/b2g/

http://www.ubuntu.com/devices/android

https://www.tizen.org/

Infraestrutura

Antes de encerrar esta lista, há uma última direção importante de mencionar, que é a infraestrutura livre de computação distribuída para garantir que os provedores federados e autônomos possam dar escala a seus serviços de forma eficiente e confiável.

Dois projetos que merecem atenção aí são o OpenStack e o OpenCompute, ambos relacionados a padronizar hardware e software abertos para esse fim.

http://openstack.org/

http://opencompute.org/

Bem, é isso aí! Evidentemente não estou aqui pra dizer que esses projetos são mais importantes que outros similares, ou que eles abordam um problema mais importante do que, por exemplo, edição de vídeo não linear ou desenho para engenharia, mas eles focam uma área pervasiva que se aproxima de um ponto crítico onde a direção tomada terá grande significado social, político e econômico.

Abraços,

ale

.~´

 

Palavras-chave: autônomo, federado, fisl, livre, software livre

Esta mensagem está sob a licença CreativeCommons Atribuição.

Postado por Alexandre Hannud Abdo | 0 comentário

user icon
Postado por Equipe Stoa

[Atualizado 21h10 23/05] Hoje foi mandado, por engano, um email a uma fração pequena (5%) dos usuários do Stoa. O email disse:

Hi, Fulano do Tal
Welcome to Noosfero! To activate your account, follow the link:
http://test.stoa.usp.br/account/activate?activation_code=ae34136c06474d01c5e
Greetings,
--
Noosfero team.
http://test.stoa.usp.br

Este email foi mandado por engano e pode ser ignorado.

Estamos no processo de desenvolvimento do novo Stoa, que a partir do próximo semestre, usará a plataforma Noosfero (http://noosfero.org) como rede social. Uma série de funcionalidades estão sendo adaptadas no Noosfero para melhor atender as necessidades do ambiente colaborativo que é o Stoa. Várias delas já foram implementadas. Nosso próximo passo é colocar uma versão de homologação do ambiente no ar ainda no mês de maio.

Dessa forma, para fazermos os testes mais próximo da realidade dos nossos usuários, bem como simularmos como ficarão as informações do atual Stoa no novo Stoa, foi definido um plano de migração. No fim da tarde desta quarta-feira, 23/05/2012, infelizmente, cerca de 5% dos usuários cadastrados no Stoa receberam um e-mail (notificação) de boas-vindas do Noosfero indevidamente.

Assim que constatamos o problema tomamos as providências junto com eles. Agora, nosso teste de migração está sendo executado sem ocasionar nenhum tipo de incomodo aos usuários cadastrados no Stoa. Pedimos as sinceras desculpas e garantimos que falhas desse tipo não ocorrerão novamente.

Contamos com a compreensão de todos. Estamos trabalhando para oferecer, em breve, um novo e melhor Stoa.

atenciosamente,
Equipe Stoa

Palavras-chave: noosfero, stoa

Este post é Domínio Público.

Postado por Equipe Stoa | 0 comentário

maio 13, 2012

user icon
Postado por Equipe Stoa

(Atualizado 11h, 13/05)

O Moodle do Stoa (novo) estava inacessível de aprox. 7h até 10h30 de 13/05.

Os administradores de sistema do CCE foram avisados e estamos investigando o que  está aconteceu. Graças à rápida ação do MOC / CCE, o serviço já está no ar normalmente.

Ewout - Coordenador do Projeto Stoa

Este post é Domínio Público.

Postado por Equipe Stoa | 0 comentário

abril 23, 2012

user icon
Postado por Maurício Kanno

Opa, texto em inglês? Pois é, escrevi originalmente para meu journal, ou blog, de meu perfil na rede social artística deviantArt, e, depois de quase 2 anos sem publicar nada aqui no Stoa, achei que seria legal publicar aqui também no meu blog tradicional. Espero que seja útil para alguém por aí. :)

Trata-se de um balanço bem abrangente de tudo o que tenho feito no mundo do desenho, pintura e literatura. Basicamente, cito os dois cursos que faço atualmente, de ilustração e perspectiva; conto sobre meu aproveitamento de sete maravilhosos livros que ensinam a desenhar; e cito dois romances que li e estou lendo.

Também tem uma parte megalomaníaca: Cito meus 27 projetos de ilustração e/ou pintura, cinco deles com rascunhos já publicados; conto sobre meu primeiro romance concluído e 14 outros projetos de livros (claro, devo me focar em um ou outro desses e outros devem ser abortados ou virar contos, como um até já virou).

Também cito 15 continhos e 30 poemas produzidos; e anuncio as próximas pequenas tarefas literárias planejadas.

====================================

Hello! I thought it could be a good idea to publish here my "art status", related to what I have been doing and learning related to arts, and how.

1) COURSES

I´m taking two courses at Quanta Academia de Artes, here in Sao Paulo, Brazil:

1.1- Illustration, by Rodrigo Yokota "Whip" (1 year, begun last November).

1.2- Perspective, by Octavio Cariello [aka Cucomaluco] (4 months, begun last March).

1.3- I also finished last March the Quanta 1-year basic course on Drawing, in my case taught by the animator Carlos Luzzi.

(- I´m also on the 4th semester of a Japanese course, but nothing to do to arts, hehe.)

2) ART BOOKS STUDYING

2.1- "Anatomy for the Artist", by Sarah Simblet, photos by John Davis.

I´ve finished almost all the reading itself (just a couple of pages left), with many drawing studies based on the book and reflections based on my own body; still many drawings to draw later, based on the photos and anatomy drawings here). I bought this book when I saw it been used by a classmate at Quanta, and I heard the teacher praising it.

2.2- "Perspective Drawing Handbook", by Joseph d´Amelio.

It´s an amazing book about perspective LuaPrata91 (Ariane Soares) proposed me. Really feel that I´m beginning to understand this matter now, with all the reasons of everything!!! Read about one third of its almost 100 pages. But I need to practice much more perspective drawing too, either by observation and/or from imagination.

2.3- "The Figure: The Classic Approach to Drawing & Construction", by Walt Reed.

This one was proposed by Ladyashmire (Viverra), when she critiqued my sketch of a halfling. So, at first I had read a few pages available as preview on Amazon, and I got impressed on how the author can make easy, understandable and possible the figure drawing in all different poses and viewpoints you´d like to! I´ve read 30 of its about 140 pages, since last week, when finally it got delivered from Amazon (after more than 1.5 month of wait!), with the perspective book and also with "Animal Minds".

2.4- "Fun with a Pencil: How everybody can easily learn to draw", by Andrew Loomis.

Wow!! One can really understand and find out how to draw any figure, any viewpoint, using this precious masterpiece! Carefully studied 26 of its 120 pages until now, drawing each one of the recommended exercises. Books by this legendary author were suggested to me by LuaPrata91 too.

His 6 books really seem excellent to learn!!! You can find them usually in pdf; if you can, buy them, either used or in the new reprinted versions. His other books, on which I gave just an eager sneak peek, are on my reading row: "Figure Drawing for All it´s Worth"; "Drawing the Head and Hands"; "Sucessful Drawing"; "Creative Illustration"; and "The Eye of the Painter".

2.5- "Dynamic Wrinkles and Drapery", by Burne Hogarth.

Amazing and unique to learn how to draw clothes on the figures!! So helpful! The fact is that many drawing methods teach you how to draw the human figure, but only naked ones! Well... Actually in the most of the final drawings and paintings we see, people do wear clothes, don´t they? So don´t understimate this knowledge and get right now this preciousness! Until now, I ´ve read (fast) about 50 of its 140 pages.

Again, books by this legendary author were suggested by Ariane Soares. I have on hand also his "Dynamic Figure Drawing" (but just one third) and "Drawing Dynamic Hands", although my teacher Cariello don´t like his method to teach anatomy. You can find them in pdf around too.

2.6- "The New Drawing on the Right Side of the Brain", by Betty Edwards. This book was suggested to me by my friend Paulo Fradinho. I´ve read/studied about half of it since last year, but Ariane Soares told me she thinks it´s not that good to draw new things, but rather to make good copies...

2.7- "The Nude Figure: A Visual Reference for the Artist", by Mark Edward Smith.

I´ve drawn about 40 of the 200 pages of this B&W photo book, which comprise 318 poses, most of them of women. The interesting fact here is the poses are divided by categories: standing, seated, reclining, kneeling, bending, crouching, in movement and some others. I bought this book after seeing it at the art school, to be used as reference by the students.

But now, when I want to practice something like that, usually I go to one of these two websites: Quickposes or Pixelovely, which force me to draw really fast, from 30 seconds to 2 minutes, because I think I need improve a lot my speed. I was taking about 1 or 2 hours to make a single drawing in that book earlier... Other than that, I think it would be good to go back to the life drawing classes I took last year.

3) NOVELS READING

- "Xogum: A Novel of Japan", by James Clavell - half of its 1,000 pages read this month.

- "Kyoto", by the Nobel prize winner Yasunari Kawabata - read last month; review published in Portuguese on my blog for the Literary Challenge organized by Viviane Lima.

===============

CREATIONS

4) DRAWINGS AND PAINTINGS

For sure, to learn how to make art, we need at least to try making arts. Along many previous years, I just tried to do that using pencil, without any instruction. Since last November, I started to try that using watercolours, after some tips by my new teacher of illustration Whip.

But nowadays I´m not that confident to finish more arts without more studying, mainly through the books quoted above (and my ongoing courses). Although I know that to learn I need to put all that into real practice and my girlfriend asks me to finish more arts to make a portfolio...

In fact, I think I need to alternate studies and finished arts. Let´s try to ballance all that. You can see what I´ve already could done in my gallery; 5 works in progress, you can check here. But I got so many other projects I´m dying to finish (or begin) since months ago. Well, if I finish 3 or 4 each month, I can do all of them until the end of 2012!

4.1- SINCE APRIL

1- Emilia!

2- Leave us dragons alone!

3- Good Friday

4 - Chinese Dragon and his Friends

5- Audrey Hepburn

6- Madonna

7- Marilyn Monroe

(these 3 pretty girls were suggested by my girlfriend Renata Milan)

8- The Beatles (suggested by my friend Bruno Andreotti)

9- Indiana Jones (suggested by my friend Rafael Roldan)

10- Elvis Presley

11- Dodge-Chrysler car contest

12- Hahnemuhle cuisine watercolour contest

4.2- SINCE FEBRUARY

13- Halfling rogue in action

14- "Save the Last Dance for Me"

15- Against Archer Papers

16- Natural Evil Brushes

17- The Fairy and the Humming Bird

18- Hands Battle!

19- Tiger (suggested by curly0193)

20- Werewolf (suggested by be-a-sin, after my own suggestion to her)

4.3- SINCE DECEMBER

21- Alphonse and Edward play basketball

22- My girlfriend with shorter hair

23- Ares, her little dog

24- Jacob Black

25- Frog playing guitar

26- Flowers

27- Fruits

(the last six were others of my girl´s suggestions)

5) BOOKS AND LITERATURE WRITING

Since my childhood, I got the wish to become a writer someday. So...

5.1- Last January, I finally could finish my first novel: "The Girl who Heard Too Much"!!! I began its first lines on handwrite, during my stay in the hospital, in May 2010. It´s comprised of about 85 pages, if printed in Times 12, 1.5 line spacing. It´s already reviewed by some friends (including an professional reviewer of literary books and an illustrator of books for children) and revised afterwards. I´ve proposed it to almost 20 publishers last month.

5.2- I have other 10 long stories in project to write. One of them with 25 pages written, story itself or for plans; other 5 have a couple of pages and/or planning written too. And 3 of them I had begun in my teenage years. (Of course, I´ll need do choose a couple of them and others may become short stories or be aborted.)

5.3- There are also 4 non-ficcion projects of books of mine in the row. One of them is based on my essay written to got my bachelor´s degree on Journalism; other in my project when I tried a master´s degree; and another in my writings and experiences during my two trips to Japan.

5.4- For the time being, I´ve written 15 very short stories and 30 poems (one of them with 13 chapters and 11 pages, named "Repressed Romanticism"), since my teenage years. Among other really short ideas published for example in the blog Impulses Expelled, which I created with my friend Fernando J. Vieira.

5.5- As next task, I´m going to correct the English grammar in my translated poem "Playing Marbles" (with the precious help given by CJWilde). It´s my first literary attempt in English.

5.6- Afterwards, I plan to translate to English also the poem "Slaves of Nowadays".

5.6- Finally, I want to write my first poem originally in English, named "Ffff...". I have at least a draft for the time being.

==

(Wow! I took more than 5 hours today to write this journal! I hope this can be really useful later, for me and for you.)

I published another journal in January about other artistic experiences of mine: "The Challenge of Creation".

Esta mensagem está sob a licença CreativeCommons Atribuição.

Postado por Maurício Kanno | 0 comentário

<< Anterior