Stoa :: Academia de Letras da Faculdade de Direito de São Paulo :: Blog :: Das coisas que se lê nas noites de insônia

fevereiro 24, 2010

default user icon

http://hay-tomates.blogspot.com/2009/03/das-coisas-que-se-le-nas-noites

Circle of Hell, Fred Cress.


Tenho que ter paciência para não me perder dentro de mim: vivo me perdendo de vista. Preciso de paciência porque sou vários caminhos, inclusive o fatal beco-sem-saída.
Marisa tem em si água e deserto, povoamento e ermo, fartura e carência, medo e desafio. Tem em si a eloquência e absurda mudez, a surpresa e a antiguidade, o requinte e a rudeza.
E assim sou, simples e sensível, capaz de impulsos violentos e absorventes, maus e bons, nobres e vis, mas nunca de um sentimento que subsista, nunca de uma emoção que continue, e entre para a substância da alma. Tudo em mim é tendência para ser a seguir outra coisa; uma impaciência da alma consigo mesma, como uma criança inoportuna; um desassossego crescente e sempre igual. Tudo me interessa e nada me prende.
LISPECTOR, Clarice. Um sopro de vida.
*** "Ways & Means", Snow Patrol.

Palavras-chave: nnpp

Postado por Academia de Letras da Faculdade de Direito de São Paulo

Você deve entrar no sistema para escrever um comentário.

Termo de Responsabilidade

Todo o conteúdo desta página é de inteira responsabilidade do usuário. O Stoa, assim como a Universidade de São Paulo, não necessariamente corroboram as opiniões aqui contidas.