Stoa :: Academia de Letras da Faculdade de Direito de São Paulo :: Blog :: Victor del Franco

maio 21, 2008

default user icon

http://hay-tomates.blogspot.com/2008/05/victor-del-franco.html


Poeta integrante do Coletivo Vacamarela e da comissão organizadora da Flap!. Em 2007, fez parte da organização do Festival Tordesilhas. Colaborador do Jornal de Literatura Contemporânea - O Casulo. Livros publicados: A urdidura da tramA (Giordano, 1998), O elemento subterrâneO (Demônio Negro, 2007). Blog: http://foton.zip.net
des
fio
o
fio
da
fi
na
malha
no
fio
da
na
valha
des
a
fio
*************************************************************************************
A arqueologia do homem
almoça e janta
as entranhas da terra
enquanto escava as ruínas
da própria existência
.....................sítio sem fundo
aqui
uma Pedra de Roseta no rim
e um crânio mumificado
.......................................................acolá
uma epiderme de manuscritos leprosos
e um branco sudário envolvendo um coração pagão
quem sabe ainda um farol
..................(de Alexandria?)
...................no fim do túnel.
*************************************************************************************
Escavação
em meio
a lugar nenhum,
ossos e resquícios
de uma história
..............mal
..............contada
a cidade
que emerge em
.................ruínas
revela seus
pequenos pecados
o fogo cerimonial é aceso
para conter a ira dos deuses
e o jovem guerreiro
oferece o coração
.................em sacrifício
sobressalto
de uma noite
em descompasso
falta de ar
transpiração
e o sol
ainda nem despontou
....................na moldura
....................do quarto
............Dédalo
ergue paredes tortuosas
em sua própria cabeça
travessia incerta
alucinação
a luz
........a luz
................a luz
travesseiro de pedra
ônibus
em circulação
.......vomitam
.......carbono
sem promessas
o dia amanhece
e ponto.
lavar o rosto,
espantar o sono
e encarar o fantasma
..................no espelho
trinta e poucos anos
- sim,
estes ossos devem pertencer
a um homem de uns
trinta e poucos anos
máscara sagrada
de algum ritual,
invocação dos espíritos:
...deuses da chuva
...deuses da terra
...deuses de todas
...as forças da Natureza,
abençoai nossas plantações
potes de cereais
- sim,
estes cacos de cerâmica
nos dão mostras
de uma civilização
bem desenvolvida
fazer as contas
na ponta do lápis
e separar o dinheiro
do supermercado
um quilo de batatas
meia dúzia de tomates
um pacote de arroz
de um solstício
............a outro
a Terra deixa sinais
de suas translações.

Palavras-chave: nnpp

Postado por Academia de Letras da Faculdade de Direito de São Paulo

Você deve entrar no sistema para escrever um comentário.

Termo de Responsabilidade

Todo o conteúdo desta página é de inteira responsabilidade do usuário. O Stoa, assim como a Universidade de São Paulo, não necessariamente corroboram as opiniões aqui contidas.